Conecte-se Conosco

ESPORTES

Cruzeiro fica a um passo da final ao derrotar Palmeiras em S. Paulo

Publicado

em

Por Gazeta Esportiva

São Pulo – O Cruzeiro está um passo mais próximo da final da Copa do Brasil. Nesta quarta-feira, a Raposa visitou o Palmeiras no Allianz Parque, em confronto de ida da semifinal do torneio mata-mata, e venceu por 1 a 0 com tento anotado pelo ex-palmeirense Barcos, que desencantou após 11 jogos. No minuto final, Antônio Carlos empatou para o Verdão em lance legal, mas a arbitragem marcou falta de Edu Dracena no goleiro Fábio antes que o palmeirense concluísse para as redes, e isso tirou a possibilidade de o VAR (Vídeo Árbitro) informá-lo do erro.

videos.gazetaesportiva.com

Quando os times subiram ao gramado a torcida alviverde começou seu espetáculo. Os mais de 32 mil presentes levantaram um mosaico por todo o setor inferior da Arena com os dizeres “O Primeiro Palestra Itália”, em provocação ao rival da noite, que um dia foi homônimo. Com lugares ainda vazios, porém, o desenho ficou incompleto. Foi um indício de que o Chiqueiro não terminaria os 90 minutos em festa.

Com apenas quatro minutos, quatro palmeirenses falharam na marcação e o Cruzeiro abriu o placar com Barcos, que desencantou após jejum de 11 jogos. Dudu tentou drible no ataque e perdeu a bola, Diogo Barbosa demorou na recomposição e Edu Dracena precisou cobri-lo na esquerda. O zagueiro, junto com Thiago Santos e Bruno Henrique, foi envolvido em tabela de Thiago Neves com Robinho, que deixou Barcos na cara do gol para tocar na saída de Weverton.

Pela primeira vez com Felipão, o Palmeiras precisaria buscar uma virada. A equipe só havia saído atrás no marcador contra o Cerro Porteño-PAR, pela Copa Libertadores, mas na ocasião, o revés mínimo garantia (como de fato aconteceu) a classificação palestrina. E precisando reagir, o Verdão não mostrou repertório para vencer uma linha de quatro e outra de cinco marcadores bem posicionados por Mano Menezes.

As melhores (e únicas) oportunidades do Alviverde no restante da primeira etapa aconteceram logo após o gol sofrido. Dudu assustou Fábio com chute colocado de dentro da área, e Willian acertou o travessão em finalização prensada pelo cruzeirense Léo. Na reta final, Borja chegou a balançar as redes, mas a bomba do colombiano foi pelo lado de fora.

Já desacostumada a sair atrás no marcador, a torcida mandante mostrou impaciência. A cada passe errado era uma reclamação, cada roubada de bola suscitava pedidos de pressa, mesmo sem opções para dar sequência às jogadas. Alguns atletas, como Edu Dracena e Moisés não conseguiram repetir o futebol que vinham demonstrando, enquanto outros, como Mayke, claramente sentiram a pressão das arquibancadas.

Palmeiras tem dificuldades para criar, fica com um a mais, mas perde o jogo

Para a etapa final, Felipão voltou do intervalo com a substituição padrão: sacou seu volante marcador, Thiago Santos, e colocou um meio-campista, Lucas Lima. A mudança tornou o Palmeiras ainda mais ofensivo, mas não criativo. O Verdão seguiu apostando em jogadas individuais de Dudu pelo lado direito, mas o camisa 7 não esteve inspirado como nos últimos jogos. Os erros de passe e nenhuma infiltração pelo meio da defesa celeste completaram o cenário de dificuldades alviverde.

À metade do segundo tempo, Mano Menezes, que já havia sido obrigado a sacar Arrascaeta para a entrada de Rafinha durante os 45 minutos iniciais, trocou Robinho por Bruno Silva, e Barcos por Raniel. A estratégia era clara, fechar ainda mais o time e apostar na velocidade do jovem atacante nos contra-ataques.

Scolari, por sua vez, sem ter Guerra, Gustavo Scarpa ou Deyverson no banco de reservas, precisou recorrer ao garoto Artur, que entrou no lugar de Borja. Willian passou a ser o centroavante e Dudu foi jogar pelo lado esquerdo.

O jogo ganhou contornos ainda mais dramáticos já aos 36 minutos, quando o Cruzeiro ficou com um jogador a menos. Muito pressionado pelo Cruzeiro antes de a bola rolar, Wagner Reway deu toque de mão de Edilson em finalização de Willian fora da área. O cruzeirense seguiu reclamando com a arbitragem, recebeu a segunda advertência e acabou expulso.

Com a desigualdade numérica, o jogo pegou fogo nos minutos finais dos sete acrescidos por Wagner Reway. Aos 48, Egídio quase marcou contra, mas Fábio fez milagre para evitar. O lance resultou em grito uníssonos pelo lateral esquerdo, tanto dos palmeirenses, ironicamente, quanto da torcida visitante. No minuto seguinte, Lucas Lima recebeu dentro da área, finalizou com a perna direita, mas a bola explodiu no travessão.

VAR pra quê?

E já no minuto final, Antônio Carlos balançou as redes, mas o árbitro anulou o gol e marcou falta de Edu Dracena em disputa com Fábio pelo alto. Os palestrinos pediram que o juiz consultasse o VAR, mas como Wagner Reway anotou falta antes de o palmeirense concluir a gol, a tecnologia já não podia ajudá-lo. Assim, ele teve pressa, pediu que o goleiro celeste cobrasse a infração e terminou o duelo.

FICHA TÉCNICA
PALMEIRAS 0 x 1 CRUZEIRO

Local: Allianz Parque, em São Paulo (SP)
Data: 12 de setembro de 2018, quarta-feira
Horário: 21h45 (Brasília)
Árbitro: Wagner Reway MT (Fifa)
Assistentes: Alessandro Alvaro Rocha de Matos – BA (Fifa) e Fabricio Vilarinho da Silva – GO (Fifa)
Público: 32.960 pagantes
Renda: R$ 2.732.380,98
Cartões amarelos: Thiago Santos, Dudu (PAL); Fábio, Léo e Edilson (CRU)
Cartão vermelho: Edilson (CRU)
Gol:
CRUZEIRO: Barcos, aos 4 minutos do 1º Tempo

PALMEIRAS: Weverton; Mayke, Antônio Carlos, Edu Dracena e Diogo Barbosa; Thiago Santos (Lucas Lima), Bruno Henrique e Moisés; Willian (Marcos Rocha), Dudu e Borja (Artur)
Técnico: Luiz Felipe Scolari

CRUZEIRO: Fábio; Lucas Romero, Dedé, Léo e Egídio; Henrique e Lucas Silva; Thiago Neves, Robinho (Bruno Silva) e Arrascaeta (Rafinha); Barcos (Raniel)
Técnico: Mano Menezes

Felipão ignora arbitragem     e vê futebol do Palmeiras apenas razoável contra

O Palmeiras perdeu pela segunda vez com Luiz Felipe Scolari no comando da equipe. Nesta quarta-feira, o Verdão foi derrotado pelo Cruzeiro por 1 a 0 na primeira partida para definir um dos finalistas da Copa do Brasil. Felipão, porém, garante que o revés não causará mudanças drásticas na equipe.

“Perdemos para o Cerro (Porteño, pela Copa Libertadores), também. Mesmo classificados, perdemos. Vamos lidar com a derrota como estamos lidando. Tenho um grupo espetacular de jogadores e uma derrota não muda todo um retrospecto. Continuarão trabalhando forte, sabem que podem mudar o resultado, tem condições e qualidade. Vamos continuar fazendo o que vínhamos fazendo. Não vamos mudar”, afirmou.

ara conseguir uma classificação direta, sem a necessidade de pênaltis, o Palmeiras precisa vencer o Cruzeiro por dois gols de diferença no dia 26 deste mês, no Mineirão. O triunfo, porém, poderia ser pelo placar mínimo, não fosse o erro de arbitragem no minuto final do duelo, quando Antônio Carlos marcou, mas antes, Wagner Reway anotou falta inexistente de Edu Dracena em Fabio, o que impediu a utilização do VAR. Felipão não quis saber do assunto.

“O lance final não vou falar nada, o Alexandre (Mattos) já falou, não quero comentar alguma coisa, porque não seria nada correto de minha parte neste momento”, disse o treinador brevemente, antes de analisar o jogo.

“O desempenho foi razoável, tivemos o controle em alguns momentos, mas tomamos o gol muito cedo. O Cruzeiro sabe jogar organizado, fechadinho, e tivemos poucas chances de conseguir igualar o resultado ou virar. Sabíamos de antemão que seria muito difícil, um jogo que teríamos de ter muito equilíbrio e em determinados momentos nos perturbamos com lances que achamos ser a nosso favor e não deram. Não pode acontecer, e não vai acontecer mais. Jogamos um futebol razoável”, concluiu.

Palmeiras e Cruzeiro voltam a campo no próximo domingo, às 16h (de Brasília). O Verdão visita o Bahia na Fonte Nova, enquanto a Raposa terá o clássico contra o Atlético-MG, no Mineirão. Ambos os duelos são válidos pela 25ª rodada do Brasileirão.

Felipão interrompe Willian e veta entrevistas após derrota

Assim que soou o apito final no Allianz Parque, Wagner Reway sofreu com a pressão dos palmeirenses, inconformados com a falta assinalada pelo árbitro no último lance do jogo. A disputa em questão acabaria com o gol de Antônio Carlos, mas o juiz mato-grossense viu irregularidade no choque entre Edu Dracena e o goleiro Fábio, responsável por soltar a bola dentro da área.

Em meio ao tumulto, Willian se posicionou para dar a tradicional entrevista à beira do campo. De cara, o atacante fez questão de ressaltar o desempenho alviverde nessa quarta-feira, apesar da derrota por 1 a 0 para o Cruzeiro no primeiro embate da semifinal da Copa do Brasil.

“Fizemos um bom jogo. O que eles fizeram no segundo tempo? O que vale é o resultado, mas está em aberto”, disse Willian, antes de ser interrompido por Felipão. O treinador, sem mais nem menos, carregou seu atleta para o túnel que dá acesso ao vestiário, com a óbvia intenção de evitar mais palavras.

A partir disso, um a um, todos os jogadores do elenco do Palmeiras caminharam em direção a área interna do estádio sem falar com os jornalistas. “Pediram para não falar”, explicou Moisés, um dos poucos a ao menos explicar a razão das recusas.

A indignação verde agora terá de ser levada para campo dia 26, quando Palmeiras e Cruzeiro decidirão um dos finalistas da Copa do Brasil, em duelo de volta, agendado para o estádio do Mineirão, em Belo Horizonte. Uma vitória simples dos paulistas leva a definição da vaga aos pênaltis, pois o gol qualificado fora de casa não faz mais parte do regulamento da competição nacional por mata-mata.

Continue lendo
Clique para comentar

Copyright © 2018. A Província do Pará Todos Direitos Reservados . Desenvolvido por Ideia Virtual