Polícias Civil e Militar prendem acusado de latrocínio na cidade de Bujaru

Polícias Civil e Militar prendem acusado de latrocínio na cidade de Bujaru

SHARE

As Polícias Civil e Militar deflagraram, na madrugada desta terça-feira, 20, uma operação policial que resultou na prisão do autor de um latrocínio – roubo seguido de morte – na cidade de Bujaru, nordeste do Pará. O preso é Manuel de Jesus da Silva Correa, conhecido como “Bico Doce”, apontado como um dos responsáveis pela morte de Manoel Ubielge Bentes, 71 anos, no último dia 11. O acusado e três comparsas roubaram uma arma de fogo de propriedade da vítima. Ao ser preso, o acusado foi flagrado, em sua casa, com sete armas de fogo, entre elas, a arma roubada do idoso e arma usada no crime.

Denominada “Santa Maria”, a operação foi coordenada pela equipe policial chefiada pelo delegado Márcio Freitas. Segundo o policial civil, a ação policial é resultado de investigações iniciadas logo após a comunicação do latrocínio. Logo no início do inquérito, a equipe policial de Bujaru identificou dois suspeitos do crime. A partir das investigações, a equipe de policiais civis passou a receber informações sobre o possível paradeiro dos suspeitos.

Durante a madrugada, uma nova informação deu conta de que os dois suspeitos estariam na casa de Manuel de Jesus, localizada em uma ilha pertencente à Bujaru. Assim, os policiais civis seguiram até o endereço e ali encontraram Manuel. Durante a revista, as armas foram encontradas no imóvel. Uma delas pertencia à vítima e foi roubada após o latrocínio. Segundo o filho da vítima, que fez o reconhecimento da arma, a mesma já havia sido modificada.

Também foi localizado o dono de uma motocicleta roubada usada para retornar ao local, onde a arma da vítima havia sido escondida. Além da arma da vítima, a arma usada no crime foi encontrada durante a operação. Conforme o delegado, as investigações irão prosseguir, já que existem outras três pessoas apontadas por envolvimento no crime. A operação contou com a participação de uma guarnição do Grupamento Tático Ostensivo (GTO) de Tomé-Açu, e da equipe da Polícia Civil.

Fonte:Polícia Civil