Conecte-se Conosco

Internacional

Americanos precursores do crescimento ‘verde’ vencem o Nobel de Economia

Publicado

em

Os economistas americanos William Nordhaus e Paul Romer aparecem em um telão durante o anúncio dos vencedores do Nobel de Economia de 2018 - TT News Agency/AFP

O 50º prêmio Nobel de Economia foi atribuído nesta segunda-feira aos americanos William Nordhaus e Paul Romer, por integrarem a mudança climática e a inovação tecnológica ao crescimento econômico, aliando assim clima, inovação e economia.

Os dois premiados “desenvolveram métodos que abordam alguns dos desafios mais fundamentais e prementes de nosso tempo: combinar o crescimento sustentável a longo prazo da economia global com o bem-estar da população do planeta”, afirmou a Academia Real de Ciências.

O anúncio do Nobel coincide com um relatório de especialistas da ONU sobre as mudanças climáticas (IPCC), que defendem transformações “rápidas e sem precedentes” em setores como energia, indústria ou infraestruturas para limitar o aquecimento global.

Os economistas compartilharão o prêmio de 9 milhões de coroas (987.000 dólares). Também receberão uma medalha de ouro e um diploma.

Paul Romer, 62 anos, ex-economista chefe do Banco Mundial e professor na Stern School of Business da Universidade de Nova York, estabeleceu as bases do “crescimento endógeno” desde 1986.

Com seus estudos, ele demonstra como a inovação e o progresso técnico influenciam de forma importante o crescimento econômico.

“Muitos acreditam que a proteção do meio ambiente é tão cara e difícil de realizar que preferem ignorar o problema, ou inclusive negar sua existência”, declarou Romer à Academia.

“Podemos realmente fazer progressos substanciais para proteger o meio ambiente sem por isto renunciar a garantir um crescimento duradouro”, completou.

Romer pediu demissão no início do ano do posto de economista chefe do Banco Mundial por uma divergência com o presidente da instituição.

– Clima e economia –

Seu compatriota William Nordhaus, 77 anos, professor na Universidade de Yale, se especializou na pesquisa das consequências econômicas do aquecimento global.

Nordhaus foi o primeiro, nos anos 1990, a estabelecer o modelo sobre o vínculo entre atividade econômica e clima, introduzindo teses e experiências procedentes da Física, Química e Economia, segundo o júri.

Ele “integrou a mudança climática na análise macroeconômica a longo prazo”, destacou a Academia.

Estas pesquisas servem atualmente para prever ou quantificar as consequências das políticas climáticas, por exemplo a taxa de carbono.

Nordhaus defende em particular uma taxa de carbono uniforme, cobrada a todos os países para reduzir as emissões de gases que provocam o efeito estufa na atmosfera.

Os dois economistas apareciam há vários anos na lista de possíveis vencedores do Nobel.

O favoritismo de Nordhaus era particularmente grande. O professor universitário, famoso por seus estudos sobre as consequências econômicas do aquecimento global, apresenta as características típicas dos premiados com o Nobel de Economia: é homem e americano, como 70% dos premiados.

No entanto, ele tem 10 anos a mais que a média dos premiados.

No ano passado, o prêmio foi atribuído ao americano Richard Thaler por seus estudos sobre a influência de certas características humanas, como a racionalidade limitada, as preferências sociais e a falta de autocontrole, nos comportamentos dos consumidores ou investidores.

O Nobel da Economia celebra este ano o 50º aniversário. Criado em 1968 por ocasião do aniversário de 300 anos do Banco da Suécia é o prêmio mais importante para um pesquisador na área de Ciências Econômicas.

Este prêmio fecha a temporada de 2018 no Nobel, que não teve a categoria Literatura, adiada para o próximo ano pela Academia Sueca, afetada por um escândalo de agressões sexuais e fortes divisões internas.

Fonte: ISTOÉ

Continue lendo
Clique para comentar

Internacional

Morre aos 95 anos o marinheiro da icônica foto do beijo em NY

Publicado

em

 Greta Zimmer Friedman, a mulher da foto, morreu em 2016 aos 92 anos de idade(foto: Reprodução)

George Mendonsa sofreu um derrame no domingo depois de cair no asilo onde vivia em Middleton

Agência France-Presse

Washington, Estados Unidos – O marinheiro que beija uma enfermeira na Times Square enquanto as pessoas comemoravam o fim da Segunda Guerra Mundial nas ruas de Nova York, protagonista de uma foto icônica da época, morreu aos 95 anos, informou sua filha ao Providence Journal.
George Mendonsa sofreu um derrame no domingo depois de cair no asilo onde vivia em Middleton, Rhode Island, informou sua filha Sharon Molleur.
Na famosa imagem, uma das quatro de Alfred Eisenstadt para a revista Life, Mendonsa é visto curvando-se sobre a mulher para beijá-la.
Mendonsa, que esteve mobilizado no Pacífico durante a Segunda Guerra Mundial, estava de férias quando a fotografia foi tirada.
Durante muito tempo, ele garantiu que era o marinheiro da foto, mas isso só foi confirmado recentemente com o uso da tecnologia de reconhecimento facial.
Continua depois da publicidade

Greta Zimmer Friedman, a mulher da foto, morreu em 2016 aos 92 anos de idade.
Eisenstadt não pediu os nomes dos dois estranhos que capturou com sua câmera enquanto se beijavam.
Mais tarde, descreveu que  viu como o marinheiro correu pela rua e tomou nos braços a primeira jovem com quem cruzou.
“Corri na frente dele com a minha Leica olhando por cima do meu ombro, mas nenhuma das fotos possíveis me satisfazia”, escreveu em “Eisenstadt on Eisenstadt”.
“De repente, vi alguém agarrando algo branco. Me virei e cliquei no momento em que o marinheiro beijou a enfermeira. Se ela estivesse vestida de preto, nunca teria tirado a foto.”

Continue lendo

Internacional

Fim do Estado Islâmico está próximo, afirma coalizão

Publicado

em

Os extremistas estão agora cercados em um reduto de meio quilômetro quadrado na cidade de Baghuz, no leste da Síria

 AF Agência France-Presse

A vitória sobre o grupo Estado Islâmico (EI) na Síria será anunciada “em alguns dias”, afirmou neste sábado (16) um comandante da aliança curdo-árabe que luta contra os extremistas entrincheirados no último reduto de seu “califado”.

“Em um prazo muito curto, não mais do que alguns dias, anunciaremos oficialmente o fim da existência do EI”, declarou o comandante da força curdo-árabe, Yia Furat, em entrevista coletiva na base de Al-Omar.
Segundo este comandante das Forças Democráticas Sírias (FDS), os extremistas estão entrincheirados em “um bairro (cuja superfície) está estimada em 700 metros de comprimento e 700 metros de largura”, ou seja, meio quilômetro quadrado, na localidade de Baghuz, no leste do país.
O EI conquistou em 2014 amplas zonas e grandes cidades de Síria e Iraque, de uma superfície comparável a um país como o Reino Unido. Mas o seu autoproclamado “califado” ficou reduzido agora a algumas centenas de extremistas, cercados em seu último reduto da província de Deir Ezzor.
As FDS e a coalizão antiextremista liderada pelos Estados Unidos que as apoia reconheceram neste sábado que a presença de “muitos civis” freia o seu avanço.

‘Escudos humanos’

Há “muitos civis dentro” do reduto defendido pelos extremistas, havia indicado pouco antes à AFP um porta-voz das FDS, Adnan Afrin.
“Nos surpreendemos ao ver muitos civis emergindo dos túneis” cavados pelo EI, acrescentou.
“Não contávamos com tantos (…) por isso (a operação) vai mais devagar”, disse.
“Centenas de civis continuam fugindo e os que conseguiram escapar explicam que o EI os usa como escudos humanos”, explicou à AFP o coronel Sean Ryan, porta-voz da coalizão antiextremista, liderada por Washington. Os bombardeios foram “reduzidos para ajudar na proteção desses civis”, acrescentou.
Desde o lançamento, em dezembro, da ofensiva das FDS para eliminar o último reduto do “califado”, 40.000 pessoas fugiram da zona de combates.
Entre elas estão muitos membros das famílias dos extremistas, alguns deles franceses, alemães, russos, ucranianos e muitos iraquianos, constataram jornalistas da AFP.

Combatentes em túneis

“Há uma cisão entre os combatentes extremistas locais e estrangeiros no terreno. Os extremistas locais querem abandonar, enquanto os estrangeiros impedem qualquer rendição”, indicou Afrin à AFP.
“Iraquianos, turcos e europeus”, assim como egípcios e líbios, ainda estão presentes no setor, de acordo com este porta-voz das FDS.
Segundo o Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH), as FDS seguem rastreando os campos nos arredores de Baghuz “buscando combatentes do EI escondidos em túneis”.
As FDS têm que “desminar e se manter atentas aos combatentes do EI que poderiam se explodir ou atacar suas posições com carros ou motos cheios de explosivos”, segundo o coronel Ryan.
Cerca de 440 extremistas se renderam nestes dois últimos dias, de acordo com o OSDH, mas este número não pôde ser confirmado com as FDS.
Paralelamente a este anúncio, o vice-presidente americano, Mike Pence, prometeu que os Estados Unidos continuarão trabalhando contra “os remanescentes do EI” em longo prazo, apesar da retirada anunciada de 2.000 soldados americanos da Síria.
“Os Estados Unidos manterão uma forte presença na região” e “continuarão trabalhando com todos os seus aliados para perseguir os remanescentes do EI onde quer que estejam”, disse Pence na Conferência de Segurança de Munique.

Continue lendo

Internacional

Airbus anuncia fim da produção do superjumbo A380

Publicado

em

Continue lendo

Destaques