Conecte-se Conosco

Eleições 2018 Pará

Arrancada de Márcio Miranda lembra bólidos da F1 

Publicado

em

Márcio Miranda era pouco conhecido, agora está erm pé de igualdade com o seu oponente que feaz campanha há quatro anos
Spread the love

   Era pouco conhecido e saiu de 6% para 26% chegando em segundo lugar no 1º turno, contra um adversário que estava há quatro anos em campanha e que não sai da mídia desde sempre

 

Josué Silva Araújo/ Da Redação de A Província do Pará

 

Mesmo em segundo lugar no 1º turno da eleição para governador do Pará, o deputado Márcio Miranda (DEM) teve um desempenho extraordinário, apresentando um desempenho de carro de Fórmula 1, que sai do zero para 100 Km/h em fração de segundo. Márcio Miranda cresceu muito, saindo dos 6% no início da campanha para 30,21%, na apuração dos votos. Seu adversário, o ex-ministro Helder Barbalho (MDB), ficou patinando no mesmo patamar e, na última pesquisa, apresentou uma ligeira queda, o que não o impediu de chagar em primeiro lugar, no primeiro turno. Isso num cenário onde ainda prevalece (no Pará) a força da família Barbalho, política e economicamente.

Márcio Miranda teve 1.156.680 votos no primeiro turno, o que equivalente a 30,21% dos votos válidos.  O adversário, Hélder Barbalho (MDB), filhos do senador Jader Barbalho (MDB), obteve 1.825.708, o equivalente a 41,49% dos votos válidos.

 

Pouco conhecido, Marcio Miranda avançou muito no primeiro turno

A performance do candidato do DEM (Márcio Miranda) foi considerável por enfrentar de igual para igual um candidato da família Barbalho, que há décadas, vem fazendo política no Pará.

Jader foi duas vezes governador. Começou a carreira como vereador de Belém. Depois, deputado federal e senador.

A ex-mulher de Jader e mãe de Hélder, Elcione Barbalho, já há algum tempo exerce mandatos de deputada federal.

Elcione ficou conhecida ao presidir a Ação Social nos dois governos do então PMDB, no Pará.

A Ação Social foi uma fonte de alimentação do clientelismo praticado pelos Barbalho, com doação de cadeiras de roda, cestas básicas, lotes de terra urbanas, material de construção, etc. Até hoje Dona Elcione é benquista pelos cidadãos de baixa renda, em todo o Pará.

Jader é o grande mandatário (cacique) do MDB no Estado.

Por ele passam todas as decisões do partido, aqui – e em Brasília.

Mesmo nesse contexto político adverso, Márcio Miranda conseguiu ir para o segundo lugar e com chances de vencer o oponente no segundo turno. Agora, o jogo é diferente e começa com os dois  candidatos em igualdade em pé de condição, quanto ao conhecimento do eleitorado. Iguais inclusive na questão do tempo no rádio e na televisão. No primeiro turno, o tempo de Helder Barbalho era muito maior, mas isso não impediu Márcio Miranda de fazer conhecido e admirado em todo o Estado.

Vale lembrar que Márcio Miranda, um pouco antes do começar a campanha eleitoral, aparecia com apenas 6% das intenções de voto. Um índice baixo.

Hélder já estava à frente. E ele, Hélder Barbalho, era mesmo muito mais conhecido. Foi deputado estadual e vereador e duas vezes prefeito de Ananindeua; ocupou três ministérios, graças ao poder de pressão de seu pai.

A partir de 2014, quando disputou o governo com o atual governador, SimãoJatene (e foi derrotado), Hélder faz campanha, usando o Grupo RBA, império de comunicação de sua família, de olho no governo do Pará.

Muitos defendem que famílias de políticos não deveriam ser donas de TVs, jornais, rádios, portais online, para evitar o que acontece no Pará e em outros estados do Norte e Nordeste.

Helder Barbalho foi ministro de Estado nos governos Dilma Rousseff e Michel Temer – este envolvido em graves denúncias de corrupção, assim como o próprio ex-ministro e seu pai senador.

A principal arma da família Barbalho para se manter no poder no Pará são os meios de comunicação. O grupo RBA conta um canal de televisão, três emissoras de rádio – a Clube, Diário FM e 99 FM. Mais o Diário do Pará, o portal Dol.

Portanto os opoentes políticos dos Barbalho têm de enfrentar esse império, tanto econômico quanto de comunicação.

A mídia da família Barbalho faz campanha política através de seus meios todos os dias, nos 12 meses do ano.

Daí estarem à frente daqueles que não dispõem de acesso ao povo, como são os meios de comunicação de massa. Mas hoje, a redes sociais fazem a diferença e nelas Márcio Miranda tem se apoiado para divulgar seu nome e suas propostas de governo. O mesmo faz o governador Simão Jatene, que é quotidianamente atacado pelos Barbalhos, desde que rompeu com eles para seguir o saudoso ex-governador Almir Gabriel.

Apoiado pelo governador Simão Jatene (PSDB), Márcio Miranda era, indubitavelmente, menos conhecido por não ter exercido cargo no poder Executivo (governador ou prefeito).

Mas, como presidente da Assembleia Legislativa do Estado (Alepa), mostrou ser um parlamentar de visão: enxugou as contas daquele Poder, com drásticas redução dos gastos – um deles extinguindo os salários extras de deputados – ou seja, o 14º e 15º salários.

Márcio Miranda está convicto de que vence Hélder no segundo turno, até porque já é amplamente conhecido e o eleitorado também já conhece muito melhor o seu oponente e quando faz a comparação, verificar que o candidato do DEM, por seu passado limpo, é o melhor para o Pará.

 

O crescimento de Márcio Miranda tende a continuar. Até o dia 28 – data ds realização do 2º turno da eleição – a previsão é de ultrapasse o adversário, se realmente o eleitor levar em conta a ficha de cada concorrente.

Eleitores de Paulo Rocha (PT) têm grande rejeição a Helder Barbalho, que é filho da deputada Elcione, e eleitores estariam dispostos a votar em Márcio Miranda neste segundo turno, apesar do PT ter decidido, sem ouvir a base, apoiar o MDB.

 

Os indecisos, na grande maioria, igualmente rejeitam Hélder, por haver indícios de que ele esteja envolvido na Lava Jato.

Jader Barbalho tem carreira pública marcada por processos criminais. Entre eles os desvios na Sudam, no Ministério da Previdência, Ministério da Reforma Agrária (governo Sarney).

Como governador do Pará o mais conhecido – e escandaloso – foi o caso de dois cheques sacando considerável valor do Banpará.

O processo rola na Justiça. Ao que parece, foi engavetado.

E o (s) acusado (s) solto (s). Mas, recentemente, em entrevista, o governador Simão Jatene, disse que o senador ainda não está livre completamente dos problemas do Banpará. Terá que devolver tudo com juros e correção monetária, mesmo que tenha que se desfazer do seu império de comunicação.

Eleições 2018

Doxa/A PROVÍNCIA: Vantagem de Helder Barbalho sobre Márcio Miranda cai para 7,4% no 2º turno

Publicado

em

Spread the love

A primeira pesquisa realizada pelo Instituto Doxa sobre  intenção de votos no segundo turno da eleição para governo do Pará e presidente da República,  aponta, no caso do Estado,  uma vantagem de apenas 7,4 pontos percentuais do candidato do MDB, Helder Barbalho,  sobre o candidato do DEM, deputado Márcio Miranda.

Estimulada

Na pesquisa estimulada, Helder  obteve 46,8% das intenções de voto; Márcio Miranda  ficou com 39,4%. Indecisos somam 6,6%; e os que pretendem votar branco ou anular o voto são 7,2%.

A pesquisa está registrada no TRE-PA sob o protocolo PA-07843/2018 e foi realizada no período de 10 a 13 de outubro com 1.896 eleitores, entrevistados nas seis (6) mesorregiões do Estado.
O nível de confiança utilizado é de 95% e a margem de erro estimada de 2,25% para mais ou para menos.

A pesquisa foi encomendada pela Gravasom Editora Ltda., responsável pela publicação de A Província do Pará. 

Espontânea

Na espontânea, Helder obteve 39% contra 31,5% dados a Márcio Miranda. E 17,9% não souberam ou não quiseram responder, Os que disseram que anulariam o voto ou votariam em branco, chegaram a 11,5%.

Presidente

Para presidente, o candidato Jair Bolsonaro (PSL) está com 47,8%,  e Fernando Haddad (PT) ficou com 37,7%. Os indecisos são 4,9% e os que pretendem anular ou votar em branco somam 9,5%.

 

Continue lendo

Eleições 2018 Pará

PT de Santarém ignora decisão da Executiva estadual e libera militância no 2º turno para governador do Pará

Publicado

em

Aex-governadora Ana Júlia Carepa, a ex-presidenta Dilma e Socorro Pena, presidente do PT em Santarém
Spread the love

A presidente do diretório municipal de Santarém do Partido dos Trabalhadores (PT), professora Socorro Pena, ex-secretária de Aquicultura e Pesca do Estado do Pará, no governo de Ana Júlia Carepa (2010 a 2014) informou que os dirigentes santarenos do seu partido decidiram  não apoiar nenhum dos candidatos ao governo do Pará ( Helder |Barbalho (MDB) ou Márcio Miranda (DEM)) no segundo turno, ficando os militantes liberados para votar em quem bem entender ou até mesmo não votar em ninguém.

Socorro Pena disse que a decisão do seu diretório deve-se ao fato de as lideranças, tanto de Helder Barbalho quanto de Márcio Miranda, estarem fazendo campanha para o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), que vai decidir o 2º com o petista Fernando Haddad. “Não podemos apoiar quem é contra o nosso candidato à presidência da República”, disse ela.

A dirigente petista disse também que já informou a posição do seu diretório à Executiva Estadual, mas que ainda não recebeu nenhuma manifestação a respeito. Ela também afirmou que sabe qual foi a motivação da Executiva estadual para se decidir pelo apoio a Helder Barbalho. A nota da Executiva Estadual tenta justificar a decisão, mas de forma ambígua:

NOTA DO PT PARÁ

A Executiva Estadual do PT, reunida nesta quinta feira (11), em respeito ao povo do Pará e a expressiva votação recebida por Fernando Haddad, Paulo Rocha, Zé Geraldo e as candidaturas proporcionais no primeiro turno, vem a público manifestar sua posição sobre o 2º turno nas eleições de 2018 no Pará:

A polarização do segundo turno das eleições no Brasil nos coloca em confrontação com um projeto que representa uma política de destruição do ideário de nação iniciado em 2003, de liquidação dos direitos sociais e econômicos da grande maioria da população, de mutilação da soberania do Brasil, e de incentivo do ódio e da intolerância como método de disputa política.

Trata-se de uma disputa entre a democracia contra o autoritarismo, da civilização contra a barbárie, da preservação dos direitos sociais contra a manutenção de privilégios. Desta forma, reiteramos a necessidade de unificarmos todos os setores democráticos e antifascistas do Pará em torno do movimento HADDAD PRESIDENTE para defendermos as liberdades democráticas e o povo brasileiro.

Assim, a partir do debate de ampliação e fortalecimento da campanha HADDAD PRESIDENTE no Pará; de acolhimento dos pontos centrais do programa de governo apresentado por Paulo Rocha no primeiro turno das eleições; e da defesa incondicional das liberdades e do estado democrático de direito, deliberamos apoiar à candidatura de Helder no segundo turno das eleições para o governo do Pará. TODOS PELO BRASIL, HADDAD PRESIDENTE!

Executiva do PT Pará

DECISÃO DE GRUPO

A decisão tomada pela executiva estadual do PT-PA deixou a sociedade paraense sem entender os motivos que levaram o partido a declarar apoio a Helder Barbalho. Representantes dos grupos de Paulo RochaBeto FaroDilvanda Faro e Carlos Bordalo, já chegaram com posição definida para apoiar o candidato do MDB, mesmo que isso possa comprometer a eleição de Fernando Haddad para a presidência da República, já que Helder apoia Jair Bolsonaro.
Já o grupo de Zé GeraldoAirton Faleiro e Dirceu Ten Caten fechou posição em apoio a Márcio Miranda para governador, que também apoia Bolsonaro.

Só o grupo liderado pelo ex-deputado federal Cláudio Puty defendeu que a estratégia prioritária para este segundo turno deveria ser a reunião de forças para eleger Fernando Haddad e que qualquer candidato que quisesse o apoio do PT, deveria igualmente declarar o apoio ao candidato a presidente do partido.

Para tal, o grupo defendida a criação de uma ampla frente multi-partidária para conseguir juntar a maioria das forças políticas e barrar a ameaça  representada pela candidatura de Bolsonaro.

No entanto, por maioria simples, a reunião da executiva estadual do PT aprovou a posição de apoio a Helder Barbalho e soltou uma nota justificando a decisão.

Pra a revista Época, “O PT apoiará a candidatura de Helder Barbalho (MDB) ao governo do Pará no segundo turno contra Márcio Miranda (DEM). O gesto confirma promessa feita no lançamento da candidatura do senador petista Paulo Rocha. Os petistas não queriam complicar a situação de Helder. Só desejavam ter palanque próprio para facilitar a eleição de deputados estaduais e federais.  Rocha terminou em terceiro lugar com 17% dos votos”.

Por sua vez, o Diretório de Marabá decidiu não seguir a decisão d Executiva estadual e vai apoiar Márcio Miranda.

Continue lendo

Eleições 2018 Pará

Verdadeira pesquisa eleitoral Doxa/A Província do Pará ainda não foi publicada

Publicado

em

Spread the love

O presidente do Instituto Doxa, Dornélio Silva, compareceu à delegacia de Crimes Tecnológicos, à noite de deste sábado (13), para fazer um boletim de ocorrência Foto) sobre uma pesquisa falsa que passou a circular nas redes sociais e grupos de WhatsApp, atribuída ao seu instituto, relativa ao do segundo turno das eleições para o governo do Pará, envolvendo Helder Barbalho (MDB) e Márcio Mirand (DEM).

Cópia do BO

 

Dornélio disse que  desde o último dia 6 de outubro, véspera do primeiro turno,  não foi publicada nenhuma pesquisa de intenção de voto.

Dornélio Silva já fez BO sobre a falsa pesquisa atribuída ao Doxa

Por isso,  a empresa está tomando as providências necessárias. “As nossas pesquisas são divulgadas no blog da Doxa, qualquer outra que estiver sendo espalhada e que não seja de nosso endereço eletrônico é fake. Nesse jogo político, perde quem é desonesto” alerta o trecho do texto publicado no blog Doxa.

A pesquisa do Doxa está em campo e ainda não está no prazo de ser publicada.

O empresário Carlos Santos, proprietário da Gravasom Editora, empresa responsável pela publicação de A Província do Pará, jornal para o qual o Instituto Doxa realiza pesquisas eleitorais, também divulgou um vídeo desmentindo a falsa pesquisa.

Continue lendo

Facebook

Propaganda

Destaques