Conecte-se Conosco

Sem categoria

Bolsonaro é levado de Juiz de Fora para São Paulo

Publicado

em

Candidato deve ficar pelo menos uma semana hospitalizado e presidente do PSL pede a simpatizantes que não esmoreçam

Por Luiza Dame e Gilberto Costa /Agência Brasil  

BRASÍLIA – O  candidato Jair Bolsonaro está sendo transferido neste momento de Juiz de Fora para São Paulo, onde deve ficar internado no Hospital Albert Einstein.

O candidato foi atingido por uma facada no abdômen ontem (6) à tarde quando participava de ato de campanha no município mineiro. Após o episódio, ele foi levado para a Santa Casa de Juiz de Fora.

O autor do ataque a Bolsonaro foi preso pela Polícia Militar da cidade.

A Polícia Federal, responsável pela segurança do candidato, abriu inquérito para investigar o caso.

Ataque suspende campanha

 Diante de seu quadro de saúde, o candidato Jair Bolsonaro (PSL) vai ficar afastado da campanha eleitoral, sem previsão de voltar às ruas no curto prazo. Em um pronunciamento nas redes sociais, o presidente nacional do PSL, Gustavo Bebianno, convocou os seguidores a rezarem por Bolsonaro. “Hoje as eleições não importam. Você que está preocupado com a saúde do nosso capitão não se deixe esmorecer”, apelou.

Bolsonaro deverá ficar pelo menos uma semana hospitalizado, segundo os médicos da Santa Casa de Misericórdia de Juiz de Fora, onde foi atendido logo após a agressão. O candidato levou uma facada na região abdominal, quando fazia campanha na cidade. O agressor, Adélio Bispo de Oliveira, foi preso em flagrante.O presidente do PSL participava do ato de campanha com Bolsonaro, em Juiz de Fora. Bebianno contou que o candidato “foi para o meio da multidão, como sempre, por vontade própria, com o peito e o coração abertos”. Disse ainda que a campanha de Bolsonaro sabia que o candidato enfrentaria “inimigos ardilosos, incapazes de conviver com o contraditório, avesso à real democracia”.Usando comandos para estimular os apoiadores de Bolsonaro, Bebianno afirmou que o medo não os impedirá de cumprir a missão. “Mais impactante que as ameaças é a esperança que nos impulsiona”, disse o presidente do PSL, usando a hashtag #OrePorBolsonaro.Flávio e Eduardo Bolsonaro, filhos do candidato, deixaram a campanha e seguiram para Juiz de Fora. Disputando o Senado, Flávio acompanharia o desfile de 7 de setembro no Rio de Janeiro e depois faria campanha em Rio das Ostras, Campos dos Goytacazes e Itaperuna. Eduardo gravou vídeo falando da situação do pai e escreveu nas redes sociais: “Soldado que vai à guerra e tem medo de morrer é um covarde”.Com seis segundos em cada bloco do horário eleitoral gratuito, Bolsonaro estava investindo nas mídias sociais e na campanha de rua. Segundo as últimas pesquisas de intenção de votos, Bolsonaro lidera a corrida pelo Palácio do Planalto.

O candidato a vice-presidente, General Mourão, disse à Agência Brasil que o PSL não convocou reunião, mas que, neste momento, “o principal é organizar o dispositivo”. “O nosso compromisso é com o Brasil. Nosso projeto é esse. Nada vai nos deter”, afirmou.

Mourão recebeu a notícia da agressão quando chegava a Porto Alegre para um congresso de neurocirurgia. Nesta sexta-feira, retornará ao Rio de Janeiro, onde reside. “Bolsonaro é um homem forte. Vai se restabelecer para ganharmos no primeiro turno”, disse.

 Sírio-Libanês vai Juiz de Fora

 

Jonas Valente / Agência Brasil  

Brasília – Uma equipe do Hospital Sírio-Libanês, de São Paulo, deverá chegou  à Santa Casa de Juiz de Fora (MG) para verificar a situação do candidato Jair Bolsonaro. Os médicos afirmaram que  hoje (7)  ele não deve ser transferido para outro hospital.

Segundo a equipe, o político ainda não está em um quadro adequado para a transferência, mas a mudança é uma decisão que a família deve tomar desde que ele tenha condições clínicas de ser transportado.O candidato foi atingido por uma facada no abdômen quando participava de ato de campanha no município mineiro. Os médicos responsáveis pela cirurgia de Bolsonaro na Santa Casa não deram previsão de quanto tempo levará para ele se recuperar. “O que podemos falar é que a recuperação tem sido satisfatória na UTI. Mas não temos previsão do tempo de hospitalização, deve levar pelo menos de uma semana a 10 dias”, disse um dos médicos envolvidos no procedimento, Luiz Henrique Borsatto, em entrevista coletiva.Logo após o ataque, no meio da tarde, o presidenciável foi levado diretamente para a Santa Casa. Segundo o médico Gláucio Souza, Bolsonaro chegou ao hospital em estado “muito grave” com pressão “muito baixa”. “Felizmente conseguimos conter a hemorragia a tempo”, relatou o profissional.

Com o golpe, Bolsonaro teve uma lesão em uma veia no abdômen, três perfurações no intestino delgado, uma lesão grave no intestino grosso e uma lesão transfixante grande. “Nós optamos por fazer uma ressecção do segmento e confeccionamos uma colostomia. Fizemos essa conduta dada a gravidade do paciente, e as lesões graves foram identificadas e tratadas durante a cirurgia”, afirmou Souza.

Filho diz que Bolsonaro consegue falar

O deputado federal por São Paulo Eduardo Bolsonaro (PSL), filho de Jair Bolsonaro, disse no início da madrugada desta sexta-feira, 7, que o presidenciável “consegue falar, mas ainda está um pouco baqueado por conta da cirurgia”. Segundo o parlamentar, seu pai está se recuperando bem do ataque à faca sofrido na tarde de quinta e sua transferência para a capital paulista ou Rio de Janeiro será avaliada sem pressa. Mais cedo, o deputado estadual Flávio Bolsonaro (PSL) afirmou que o pai está “mais forte do que nunca”.

“Ele está estável. Consegue falar já, mas você ainda percebe que ele está um pouco baqueado por conta da cirurgia”, disse Eduardo, logo após visitar o pai na Santa Casa de Juiz de Fora, onde Jair Bolsonaro foi operado e se recupera em uma ala da UTI. Ele está melhorando, e acredito que o quadro esteja mais pra melhor do que pra pior”

O parlamentar falou rapidamente na saída do hospital. Segundo ele, uma transferência de seu pai para algum hospital do Rio ou de São Paulo vai ser avaliada sem pressa. Segundo Eduardo, não há urgência em levar o presidenciável – que sofreu perfurações no intestino após um ataque à faca – para outra unidade hospitalar.

“Está dependendo de avaliações médicas. Em princípio a gente não quer mexer muito nele. Se o quadro continuar estável não há necessidade de uma remoção de emergência. Estamos deixando nas mãos dos médicos (para avaliar se) precisa 48 horas, 72 horas, uma semana, pra depois ver para onde ele vai”, considerou o parlamentar.

Apesar disso, Eduardo Bolsonaro afirmou que seu pai ainda requer cuidados. “Ele fala com uma certa dificuldade, bem pálido, perdeu muito sangue. Não está 100% fora (de perigo), mas eles (médicos) falam que se manter como está ele não morre. Não tem risco de morte iminente, mas tem que acompanhar.”

‘Mais forte do que nunca’

Mais cedo, o deputado estadual pelo Rio de Janeiro Flávio Bolsonaro afirmou que o presidenciável “está mais forte do que nunca, está consciente, conversando, bem humorado como sempre.”

No Twitter, escreveu: “Jair Bolsonaro está mais forte do que nunca e pronto para ser eleito Presidente do Brasil no 1° TURNO!
Deus acaba de nos dar mais um sinal de que o bem vencerá o mal!
Obrigado a todos que nos deram força nesse momento muito difícil!
Brasil acima de tudo, Deus acima de todos!”

Copyright © 2018. A Província do Pará Todos Direitos Reservados . Desenvolvido por Ideia Virtual