Conecte-se Conosco

Tecnologia

Brasil ainda está longe de oferecer uma internet 4G com velocidade estável, aponta estudo

Publicado

em

Foto: Reprodução / Fonte: OpenSignal

Todo brasileiro que tem um celular com internet já viveu o drama das oscilações da rede. E com a chegada do 4G, há alguns anos, tivemos uma esperança de que esse cenário poderia melhorar. Mas um artigo intitulado “Experiência da Rede Móvel do Brasil”, divulgado pelo site Opensignal registrou o nível de instabilidade da nossa rede, em todas as operadoras. Entretanto algumas delas enfrentam variações significativas em um mesmo dia de acordo com o local que está sendo usada.

Questionando o fato dos usuários do Brasil terem experiências de rede muito diferentes, com base na operadora que estão conectados e na cidade em que moram, o estudo notou quanto é possível variar as velocidades ao longo de 24 horas. Nacionalmente, a média dela está em 18,6 Mbps em velocidade de download no 4G, mas isso variou entre 16,4 Mbps nos momentos mais lentos – quando a tensão na rede é maior devido ao grande número de usuários que consomem muitos dados ao mesmo tempo – até 28,6 Mbps nos tempos mais rápidos – quando menos pessoas estão na rede.

Os usuários de dispositivos móveis nas maiores cidades costumam ver suas velocidades de download 4G cair para 12 Mbps em um período de 24 horas, à medida que as redes se tornam mais movimentadas e congestionadas. A maior flutuação foi registrada em Brasília, onde a velocidade de download do 4G variou de 19,3 Mbps a 34,7 Mbps. São Paulo também experimentou grandes oscilações em velocidades com mais de 15 Mbps de diferença entre as horas mais lentas e as mais rápidas. Confira as variações mais detalhadamente no gráfico abaixo:

A maioria das grandes cidades brasileiras experimentou velocidades de download 4G mais lentas entre 18h e 19h, quando muitas pessoas terminam de trabalhar e estão indo para casa. No entanto, em Brasília e Goiânia as redes ficaram mais movimentadas, entre 20 e 21 horas.

Proporcionar uma experiência consistente é um dos principais desafios das operadoras de rede, mas é um direito de quem consume isso ter uma boa conexão independente da hora ou do lugar. A conclusão diante dos dados da Opensignal foi que essas empresas no Brasil ainda têm um longo caminho a percorrer e para reduzir as inconsistências.

Continue lendo
Clique para comentar

Tecnologia

WhatsApp testa o recurso figurinhas animadas

Publicado

em

Foto: Reprodução / Fonte: WABetaInfo

A rede de mensagens WhatsApp vai adicionar novas figuras animadas ao recurso de adesivos. Os desenvolvedores estão trabalhando nas atualizações para Android, iOS e para a versão Web, adicionando muitas melhorias e correções de bugs. De acordo com a reportagem do WABetaInfo, o aplicativo ainda está testando a novidade, que logo deve ser incluída no pacote de adesivos.

Nestes meses, o WhatsApp vem desenvolvendo muitas ferramentas. A última delas foi o recurso de “Ignore”, para evitar que os bate-papos arquivados sejam desarquivados quando novas mensagens chegam.

Agora, é a vez das figuras animadas chegarem como parte do pacote de adesivos. Também conhecidos como Stickers, estes foram lançados em outubro de 2018 para iOS e Android, e hoje oferece 13 conjuntos de adesivos, incluindo os pré-instalados.

Além disso, essa será uma opção diferente de um GIF. Embora os GIFs sejam reproduzidos apenas por sua duração e precisem ser tocados novamente para serem reproduzidos, os adesivos continuam animados sem a necessidade de reproduzi-los.

O site já havia anunciado há algum tempo essa atualização, porém, não passou de um teste que não recebeu continuidade. Dessa vez, ainda não se sabe quando o WhatsApp vai ativar o recurso, mas as apostas são para que ele logo esteja disponível. O WABetaInfo deu uma prévia do que está por vir e disse que “o recurso funciona muito bem e que também teremos o suporte para adesivos de terceiros”.

 

Continue lendo

Tecnologia

Prodepa debate Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD)

Publicado

em

Foto: Reprodução /Fonte: Agência Pará

A Prodepa realizou, na manhã da segunda-feira (15), o workshop “Tecnologia da Informação e a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) – O que é e como ela impactará nas instituições”. A Lei foi sancionada em agosto de 2018 e entrará em vigor em fevereiro de 2020. Ela tem como objetivo, aumentar a privacidade de dados pessoais e o poder das entidades reguladoras em fiscalizar organizações detentoras de dados privados.

Carlos Machado, co-fundador e consultor DPO na A7 Consult, apontou a conscientização das pessoas como o principal desafio de todas as organizações que precisam se adequar a Lei. “A legislação tem um impacto muito setorial. Envolve diversas organizações, independente do porte, da área econômica, por isso um grande passo é a conscientização da população, que precisa entender qual é esse cenário, qual é o motivo das regulamentações e como ela ocorre em outros países”, ponderou.

Segundo ele, é necessária essa conscientização para que se comece a iniciar o projeto de governança de privacidade. “Ela faz parte de uma mudança de cultura na organização, não somente na área de tecnologia. É um trabalho muito grande e vai exigir mudanças nas organizações e elas precisam estar capacitadas. O prazo é muito curto para poder realizar a adequação”, frisou.

Machado acredita que casos de vazamentos e vendas de dados acenderam o alerta em relação à necessidade de atualização das leis e regulamentação da proteção da informação. “A partir do momento em que a economia da informação começa a gerar retorno financeiro, através dos nossos dados, começamos a perceber o quanto eles estão sendo utilizados e que ocorre a invasão da nossa privacidade”.

Segundo ele, “o uso dos nossos dados precisam atender a princípios e precisam ter nosso consentimento. As pessoas precisam entender o que acontecem com seus dados”, completou.

A executiva de Negócios da Oi, Maria Alesandra, foi convidada para participar como representante de empresa parceira e falou sobre a importância do Workshop. “Queremos entender como será essa adequação no que diz respeito à privacidade de dados. Nossa empresa é fornecedora da Prodepa há bastante tempo e possui interesse em acompanhá-la em todas as transformações, apoiando no que for necessário, inclusive agora com a adequação a LGPD”.

Carlos Amaro de Oliveira, responsável do setor de informática do Ministério Público de Contas dos Municípios (MPCM), parabenizou a Prodepa pelo empenho em conscientizar sobre o tema. “É muito louvável essa iniciativa da Prodepa, em trazer esse tipo de palestra, em especial sobre a forma e a responsabilidade com que nós devemos tratar da informação, a guarda e manutenção delas, a privacidade dos dados do usuário. Isso tudo é muito importante. Ainda mais para nós que atuamos na esfera pública”, afirmou.

Todo o evento foi transmitido via streaming no site da PROTV e no site da Prodepa, possibilitando o acompanhamento do evento por todas as secretarias do Estado que não puderam enviar representante.

A iniciativa foi realizada em parceria com as empresas GlobalWeb, Infoshot, A7consult e HDPO, contou com a participação de gerentes, assessores, jurídico e diretores da Prodepa, além de convidados de outras empresas, órgãos e secretarias do Estado.

Por Luiz Flávio

Continue lendo

Tecnologia

Google transforma celulares Android em chaves de segurança físicas para contas

Publicado

em

Foto: Reprodução /Fonte: Olhar Digital

Durante o Next 19, o Google revelou uma série de novidades e uma aposta renovada em segurança, voltada especialmente para o setor corporativo, onde a companhia enfrenta uma acirrada disputa com outras gigantes como Amazon e Microsoft. Uma das principais novidades tem a ver justamente com celulares Android, e a capacidade de usá-los como chave de segurança.

O Olhar Digital já falou no passado sobre chaves físicas: são dispositivos USB que funcionam como uma segunda camada de autenticação e que, por serem completamente offlines e isolados, são virtualmente à prova de ataques de todos os tipos. Como não há sequer um código gerado, não há nem mesmo a possibilidade de um cibercriminoso enganar alguém para obter sua senha temporária.

O Google já havia anunciado a chave Titan, que faz esta função, mas a partir de agora, essa tarefa poderá ser cumprida por celulares Android, desde que rodem a versão 7.0 ou superior do sistema operacional. O recurso ainda está em fase beta, mas poderá ser usado tanto para contas pessoais do Google quanto para contas corporativas do Google Cloud.

A vantagem de usar o smartphone no lugar de uma chave USB é simples: é cada vez mais difícil sair de casa sem celular nos dias de hoje, então não é necessário carregar um segundo dispositivo de autenticação. O Google recomenda, no entanto, que o usuário adote uma chave backup porque, infelizmente, celulares ainda podem ser roubados ou perdidos.

Interessados podem ativar o recurso agora mesmo nas configurações de segurança de sua conta do Google por meio deste link. Basta selecionar a opção “Adicionar uma chave de segurança” e escolher o seu celular.

Aposta em Inteligência Artificial

Inteligência artificial é uma das “buzzwords”do momento no mundo da tecnologia, e o Google não poderia ficar de fora dessa tendência, anunciando uma série de projetos relacionados à IA, tanto para seus próprios produtos quanto para agilizar a vida dos clientes de sua plataforma em nuvem que tenham interesse em adotar a tecnologia em suas aplicações.

O G Suite, que são as versões corporativas de aplicativos como Gmail, Hangouts e Google Docs, foi o maior beneficiado com as funções de IA. Com isso, o Google Assistente passa a estar integrada ao pacote, mais especificamente com o app de calendário, permitindo conferir compromissos com comandos de voz em qualquer lugar que o assistente virtual do Google estiver disponível.

Talvez mais interessante, no entanto, é a aplicação de tecnologia de reconhecimento de voz integrada ao Hangouts Meet, a ferramenta de videoconferência do Google. Com ela, é possível criar legendas em tempo real para conversas mantidas por meio da plataforma, o que pode ajudar quem está em um lugar barulhento e não consegue ouvir a transmissão adequadamente, quem estiver participando da conferência que não falam o idioma nativamente ou até mesmo as pessoas surdas. A função começa a chegar ao Meet a partir desta quarta-feira, 10.

Continue lendo

Facebook

Propaganda

Destaques

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com