Conecte-se Conosco

INTERNACIONAL

Brasil detecta míssil portátil com guerrilha da Colômbia

Publicado

em

Presidente da Colômbia, Iván Duque Márquez Foto: Reuters

A ameaça é leve, fácil de usar e eficiente – qualquer veículo aéreo que se desloque pelo espaço na distância entre 500 metros e 5,2 km, na altitude entre 10 metros e 3,5 mil metros, corre o risco de ser abatido bem depressa pelo míssil russo SA-24, o Igla-S, carregado com uma ogiva de 1,2 quilo de alto explosivo. A arma é portátil, para ser disparada por um homem só.

A Venezuela comprou 5 mil unidades desde 2010 e o país é de longe o maior usuário da América Latina. Agora, na hora da crise do regime de Nicolás Maduro, ameaçado por uma intervenção militar internacional, ele está repassando um número desconhecido de conjuntos de disparadores e de “agulhas” – como são chamados os mísseis finos e longos – para guerrilheiros do Exército de Libertação Nacional (ELN), da Colômbia, que se refugiam desde 2017 em 12 dos 23 Estados venezuelanos. A informação circula entre os serviços de inteligência de Brasil e EUA, a partir de fontes colombianas.

Autoridades da Defesa do regime de Maduro contestam a informação. Um dos líderes guerrilheiros, Israel Ramírez, disse, em vídeo gravado em Havana, que não há cooperação entre chavismo e ELN. Mas não é o que sustenta o general Luis Navarro, comandante colombiano, segundo o qual os rebeldes, “ou certo número deles”, receberam instrução de combate para uso do Igla-S.

A negativa da Venezuela é interpretada pelo analista Pedro Scarpa, ex-pesquisador do Centro de Estudos Estratégicos da Universidade Militar Bolivariana, como “um artifício para justificar um ataque contra uma aeronave estrangeira. Se lançado pelo ELN, descaracterizaria o envolvimento da tropa regular venezuelana – e permitiria criar dúvida quanto à obtenção, por um desvio de estoque”.

O conceito do míssil foi apresentado na Rússia em 1972, entrou em produção em 1981 e é adotado, em três versões, por cerca de 30 países – o Brasil, entre eles. Desenhado para ser apoiado no ombro, o sistema pesa pouco mais de 17 quilos.

Um visor digital lateral e mais dois sensores acoplados fazem a localização do alvo em aproximação. Sinais claros de cor, vibração e barras indicam a sequência para o disparo e, quase como em um videogame, a exatidão do enquadramento. É o suficiente. O preço varia segundo dispositivos opcionais, mas pode custar entre US$ 60 mil e US$ 90 mil.

Continue lendo
Clique para comentar

INTERNACIONAL

Ladrões roubam 2 mi de euros em joias de castelo na França

Publicado

em

Bandidos invadiram castelo na França e levaram joias Foto: Reprodução

Seis criminosos invadiram o castelo Vaux-le-Vicomte, construído no século XVII ao sul de Paris e levaram 2 milhões de euros (R$ 9,14 milhões) em joias na madrugada desta quinta-feira (19).

Durante a ação, os homens, que estavam encapuzados e desarmados, invadiram os quartos do conde Patrice de Vogüe, de 90 anos, e da condessa Cristina, de 78 anos, e amarraram os dois com gravatas. Eles levaram esmeraldas que estavam guardadas em um cofre, mas não roubaram nenhum dos objetos das coleções do palácio.

A direção do local disse que o casal está bem e que o palácio segue aberto para visitas. O castelo Vaux-le-Vicomte, conhecido como “pequena Versalhes”, foi construído entre 1656 e 1661 a 50 km de Paris pelo ministro das Finanças de Luís XIV, Nicolás Fouquet.

Patrice de Vogüé abriu a propriedade ao público em 1968, que atualmente é dirigida pelos três filhos do casal. O castelo recebe 250 mil visitantes a cada ano. Em 2007, a atriz Eva Longoria e do jogador basquete Tony Parker fizeram seu casamento no local.

Continue lendo

INTERNACIONAL

Boris Johnson tem “até o fim do mês” para definir plano do Brexit

Publicado

em

Por RTP* Paris/Reuters/Dylan Martinez/Direitos Reservados

O primeiro-ministro da Finlândia, Antti Rinne, reuniu-se com o presidente francês, Emmanuel Macron, para discutir o futuro do Reino Unido na União Europeia (UE). Os dois líderes concordaram que Boris Johnson terá até o fim deste mês para definir por escrito um plano de Brexit (a saída do bloco).

“Concordamos que está na hora de Boris Johnson produzir as suas próprias propostas por escrito – se é que existem. Se nenhuma proposta for recebida até o final de setembro, acabou”, afirmou Antti Rinne após se ter reunido com o presidente francês em Paris nessa quarta-feira (18).

Johnson, por sua vez, disse que acredita em um possível acordo durante a cúpula em Bruxelas, em 17 de outubro, quando estarão reunidos todos os líderes da UE. O primeiro-ministro britânico insistiu que o Brexit acontecerá até o dia 31 de outubro, independentemente de haver acordo.

Desde que assumiu o cargo em julho, Johnson apresentou algumas propostas como alternativas ao recuo da fronteira irlandesa, a política que visa a impedir o retorno de uma fronteira rígida na ilha da Irlanda e um ponto de discórdia no acordo do Brexit da ex-primeira-ministra Theresa May.

A Finlândia ocupa atualmente a presidência rotativa da UE e o primeiro-ministro finlandês pretende discutir o novo prazo com o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, e Boris Johnson nos próximos dias. Essa posição ainda não foi acertada com os outros países da UE.

“O dia 30 não é uma data precisa, discutida e acordada pelos 27 [integrantes do bloco]. Mas essas questões não são fáceis de resolver. Se querem estar devidamente preparados para a cúpula [de 17 de outubro], o 30 de setembro já é apertado”, disse um diplomata da UE à Reuters.

Continue lendo

INTERNACIONAL

Chanceleres do TIAR se reunirão em NY para tratar crise na Venezuela

Publicado

em

Agência France-Presse

Os ministros das Relações Exteriores dos países do Tratado Interamericano de Assistência Recíproca (TIAR) se reunirão na próxima segunda-feira (23/9), em Nova York, para invocar o acordo de defesa em razão da crise na Venezuela – informou nesta quarta-feira (18/9) o embaixador da Colômbia nos EUA.

“No dia de ontem, em uma reunião aqui em Washington dos embaixadores que estão no processo do TIAR, foi tomada a decisão de que na segunda-feira haverá uma reunião em Nova York em nível ministerial”, disse o embaixador da Colômbia nos Estados Unidos, Francisco Santos.
O objetivo da reunião é “a decisão de invocar e, a partir daí, poder tomar decisões respectivas em relação às sanções”.
O diplomata ressaltou, entretanto, que de “nenhuma maneira quer dizer que se aprova o uso de ações militares”.

Continue lendo

Destaque