Conecte-se Conosco

Tecnologia

Como checar se o seu nome está sujo no Serasa

Publicado

em

Foto: Reprodução
Spread the love

Na hora de aprovar uma transação financeira, o estabelecimento pode consultar o nome do comprador no Serasa, sistema que faz verificações sobre possíveis dívidas em aberto. Veja a seguir como consultar o seu nome Serasa por conta própria.

Por uma questão de segurança, abaixo estão listados apenas serviços e sites oficiais, já que o usuário precisa inserir dados importantes, como o CPF, para realizar a tarefa.

No computador

  1. Acesse este link para entrar no site Serasa Consumidor;
  2. Na tela inicial, digite o número do seu CPF e clique em “Consultar agora”;

    Reprodução

  3. Caso não possua um registro no site, faça o cadastro com os dados solicitados;

    Reprodução

  4. Confirme o método de ativação para o cadastro;

    Reprodução

  5. Role a tela para abaixo até chegar na parte “Suas dívidas em aberto” e veja se o seu nome está sujo ou não.

    Reprodução

No Android ou iOS

A única mudança do processo para consultar o seu nome no celular, é que será usado o App oficial no lugar do site. Veja como usar:

  1. Faça o download do aplicativo SerasaConsumidor na Google Play ou App Store;
  2. Prossiga com a explicação de como o app funciona e clique em “Entrar”;

    Reprodução

  3. Caso não tenha realizado o cadastro como mostrado acima, faça-o pelo celular. Na guia “Seu nome”, verifique se o seu CPF está sujo ou não.

    Reprodução

Além de realizar as consultas em seu nome, o serviço Serasa Consumidor também traz opções interessantes para você se prevenir de fraudes, receber ofertas de crédito de acordo com seu perfil e até pagar dívidas.

Fonte: Olhar Digital

Continue lendo
Clique para comentar

Tecnologia

Bolsonaro quer mudar recurso do WhatsApp criado para combater fake news

Publicado

em

Foto: Reprodução
Spread the love

O candidato à presidência da República Jair Bolsonaro (PSL) afirmou numa transmissão ao vivo feita pelo Facebook na última semana que vai “lutar” para mudar uma regra do aplicativo de mensagens do WhatsApp criada para limitar a propagação de notícias falsas pela internet.

Em julho, o WhatsApp passou a implementar um limite no encaminhamento de mensagens. Antes, era possível repassar um mesmo texto, áudio, vídeo ou foto para até 250 chats de uma vez só. Agora, só é possível encaminhar mensagens para até 20. A mudança veio depois de uma onda de linchamentos na Índia motivados por fake news espalhadas pelo app.

“Quem não ficou chateado quando o WhatsApp, dizendo que era para combater crime de ódio, em vez de [permitir] você passar mensagens para 200 e poucas pessoas passou para 20? Nós vamos lutar para que volte ao que era antes”, disse Bolsonaro numa transmissão ao vivo feita pelo Facebook na última sexta-feira, 12.

A declaração foi dada enquanto Bolsonaro criticava o plano de governo do seu opositor, Fernando Haddad (PT), que propõe criar um “novo marco regulatório da comunicação social eletrônica”, para “impedir que beneficiários das concessões públicas e controladores das novas mídias restrinjam o pluralismo e a diversidade”.

Segundo Bolsonaro, Haddad quer colocar limites “na imprensa e na internet”. Confira a declaração do candidato abaixo, que começa nos últimos 50 segundos do vídeo:

Procurada pelo Olhar Digital, a assessoria de imprensa do WhatsApp diz que a empresa não vai comentar o assunto. Quando a mudança foi implementada, a companhia declarou apenas que o limite ajudaria “a manter o WhatsApp dentro do princípio em que foi desenvolvido: um aplicativo de mensagens privadas”, sem citar as notícias falsas.

Bolsonaro não explicou em detalhes como faria, se eleito ou não, para mudar as regras de compartilhamento no WhatsApp, um aplicativo que pertence à corporação norte-americana Facebook, que, por sua vez, é uma empresa privada com representação no Brasil. Seu plano de governo declarado o Tribunal Superior Eleitoral não chega a citar o app.

Continue lendo

Tecnologia

Chrome e outros navegadores vão abandonar protocolo usado há quase 20 anos

Publicado

em

Foto: Business Insider
Spread the love

As empresas por trás dos principais navegadores do mercado anunciaram nesta segunda-feira, 15, que abandonarão uma tecnologia de segurança lançada há quase duas décadas. Trata-se do Transporte Layer Security (TLS) 1.0 e 1.1, que é usada para garantir a segurança da comunicação entre navegadores e servidores. Programadores que ainda usam o recurso terão até janeiro de 2020 para atualizar seus sites.

O anúncio do abandono das primeiras versões do TLS foi feito de forma conjunta pelo Google, Microsoft, Mozilla e Apple. Lançada em janeiro de 1999, este protocolo de criptografia é usado para garantir a segurança das conexões seguras da internet, ou seja, aquelas que começam com “https://”. De acordo com a publicação do Venture Beat, a versão mais recente do TLS é a 1.3 e a mais utilizada é a 1.2.

A desativação dos protocolos será gradual e seguirá um cronograma próprio em cada navegador. O TLS 1.0 e 1.1 será abandonado pelo Chrome 81 em janeiro de 2020, seguido pelo Firefox e Safari a partir de março do mesmo ano. Já o Microsoft Edge e o Internet Explorer 11 deixarão de oferecer suporte na primeira metade daquele ano.

De qualquer forma, o impacto da mudança não promete ser muito grande. Segundo a Microsoft, menos de um 1% das conexões diárias no Microsoft Edge utiliza o TLS 1.0 ou 1.1, mesmo com o Safari da Apple. As duas gigantes anunciaram também que vão adicionar suporte ao TLS 1.3 em futuras atualizações dos seus browsers, sendo que o padrão já funciona no Chrome e no Firefox.

Fonte: Olhar Digital

Continue lendo

Tecnologia

Paul Allen, um dos fundadores da Microsoft, morre aos 65 anos

Publicado

em

Foto: Reprodução
Spread the love

Faleceu nesta segunda-feira (15/10), na cidade de Seattle, Paul Allen, um dos co-fundadores da Microsoft, juntamente com Bill Gates. O executivo tinha 65 anos e combatia um linfoma não-Hodgkin, um tipo de câncer que se origina nos gânglios.

A notícia foi divulgada pelo canal norte-americano CNBC. No início do mês, Allen revelou que havia iniciado o tratamento contra o linfoma não-Hodgkin, o mesmo tipo de câncer que ele havia superado nove anos atrás. Inclusive, ele havia deixado a direção da Microsoft quando foi diagnosticado com a doença pela primeira vez, para se dedicar à recuperação.

Depois de deixar a Microsoft, Allen se dedicou a filantropia, às artes e também aos esportes. Ele era um dos proprietários do Portland Trail Blazers, time de basquete da NBA (liga profissional norte-americana), do Seattle Seahawks (NFL – a liga profissional de futebol americano) e também do Seattle Sounders, time que disputa a MLS, liga profissional de futebol dos EUA.

Além disso, ele era considerado uma das pessoas mais ricas do mundo, ocupando a 44º posição na lista de bilionários da revista Forbes, com uma fortuna estimada em US$ 21.7 bilhões.

Microsoft

Bill Gates e Paul Allen fundaram a Microsoft em 1975, na cidade de Albuquerque no Novo México. Juntos, desenvolveram um interpretador da linguagem BASIC. Em 1980, depois de se comprometerem a desenvolver um DOS para a IBM, Allen fechou então um contrato para comprar o QDOS da Seattle Computer Products. Feito isso, a plataforma foi alterada para a criação do MS-DOS e do PC-DOS, que foram desenvolvidos pelo programador Tim Paterson.

Com isso, a Microsoft conseguiu cumprir o acordo de fornecer o DOS para os computadores da IBM, o que se tornou um breaking point na história da empresa, que passou a crescer exponencialmente , gerando a fortuna de Gates e Allen.

Após ser diagnósticado com o linfoma de Não-Hodgkin, Allen acabou curado, ao mesmo tempo que passou a se distanciar do dia a dia da Microsoft. Em novembro de 2000, ele renunciou a sua cadeira no conselho de administração da empresa e vendeu quase toda sua participação societária na companhia – reduzindo de 28% para 2% das ações.

Artes, filantropia, aviões e combate ao ebola 

Depois de se afastar da Microsoft, Allen fundou e dirigiu a Vulcan Inc., entidade que administra seus diversos negócios e projetos filantrópicos. A partir dela, ele gerenciou um portfólio bilionário de investimentos o que inclui, além das equipes esportivas já citadas, companhias de tecnologia, imobiliárias e participações em startups e empresas de mídia.

Além disso, trabalhou ativamente para evolução da ciência e tecnologia, fundando as instituições Allen Institute for Brain Science, Allen Institute for Artificial Intelligence e o Allen for Institute for Cell Science.

Allen também destinou parte da sua fortuna às artes, doando mais de US$ 100 milhões à museus e outras instituições, além de emprestar sua coleção privada à quase 50 localidades, entre eles o EMP Museum, o o STARTUP Gallery e o Living Computer Museum. Por fim, fã de aviação, ele criou o Flying Heritage & Combat Armor Museum, um instituto que reuniu e restaurou 26 aeronaves e 25 veículos de guerra.

Além da filantropia e artes, Allen também doou US$ 100 milhões para o combate ao surto de Ebola que ocorreu na África Ocidental em 2014. Além disso, ele criou o site Tackle Ebola, cujo objetivo é difundir os conhecimentos sobre a doença e ajudar em seu controle e isolamento.

Fonte: Olhar Digital

Continue lendo

Facebook

Propaganda

Destaques