Conecte-se Conosco

Medicina & Saúde

Confirma surto de Doença de Chagas no Marajó e no nordeste do Pará

Publicado

em

O barbeiro é o inseto que transmite a doença de chagas — Foto: Reprodução/TV TEM

O barbeiro é o inseto que transmite a doença de chagas — Foto: Reprodução/TV TEM

 O Instituto Evandro Chagas (IEC) divugou relatório técnico sobre 13 pacientes que estão em tratamento da Doença de Chagas, no Pará, na terça-feira (6). Todos foram diagnosticados no mês de outubro. Os casos ocorreram na localidade do rio Mocoões, no município de Limoeiro do Ajuru, nordeste do Pará; e na localidade de Jupatitiba, no município de Curralinho, no Marajó.

No último domingo (4), a Secretaria de Saúde Pública do Estado (Sespa) confirmou também que contaminação de família no Marajó foi por via oral pelo consumo de açaí inadequado. Esta semana, o IEC informou estar acompanhando mais casos.

Em Limoeiro, foram notificados e tratados oito casos de duas famílias vizinhas. Sendo cinco homens, três mulheres, com idades de 2 a 38 anos. Dois deles foram diagnoticados com exame parasitológico positivo para infecção de malária e doença de chagas. “É comum que, na nossa região, a pessoa tenha duas infecções ao mesmo tempo”, explicou a pesquisadora do IEC e chefe do Setor de Atendimento Médico unificado, Ana Yecê das Neves.

Todos tem sido avaliados periodicamente do e recebem tratamento medicamentoso regularmente.

O período de adoecimento ocorreu entre 23 de setembro e 4 de outubro com manifestação de febre persistente, cefaleia, dores musculares, lombalgias, cervicalgias, além de sintomas gerais.

Já em Curralinho, cinco casos da mesma família, com idades entre 15 e 75 anos, estão sob tratamento. eles foram diagnosticados entre 4 e 8 de outubro. Uma jovem de 15 anos estava grávida de nove meses na época e, por este motivo, foi possível ser submetida a tratamento específico.

Referente a esse surto, há um suspeito sendo investigado o IEC. “Mas todos os casos dos dois municípios ficarão durante 60 dias de medicação. E são prognósticos com perspectivas de melhora”, garantiu.

Surto

Segundo o IEC, não houve referência de nenhum evento que possa ser imputado como fonte de contaminação, a não ser que todos os indivíduos analisados utilizam açaí em pelo menos três refeições diárias, incluindo lactantes.

“A partir de dois casos consideramos surto. E esses surtos começam em agosto, quando há safra maior do alimento que geralmente está envolvido no processo de contaminação, o açaí. Além disso, neste período tem verão, os insetos transmissores, os barbeiros, se movimentam mais em busca de alimento, que é o sangue de animais ou de seres humanos. E as regiões do Estado historicamente mais afetadas são o Nordeste e o Marajó, justamente pela cultura alimentar do açaí. E o barbeiro está muito disseminado nessas áreas”, concluiu Ana Yecê.

Continue lendo
Clique para comentar

Medicina & Saúde

Ex-secretários de Saúde do DF são presos acusados de corrupção nas UPAs

Publicado

em

Ministério Público do DF os acusa de integrar esquema criminoso comandando pelo ex-governador do Rio Sérgio Cabral. O MPDFT diz que, em valores atualizados, estima-se que as contratações suspeitas ultrapassam o montante de R$ 142

BRASÍLIA – Em investigação do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) contra um esquema de corrupção nas construções e instalações de Unidades de Pronto Atendimento (UPA), capitaneado pelo ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral, a Polícia Civil prendeu, até às 8h desta terça-feira (9/4), os ex-secretários de Saúde do DF, na gestão de Agnelo Queiroz (PT), Rafael Barbosa e Elias Miziara, o ex-secretário adjunto da pasta Fernando Araújo e o ex-subsecretário José Falcão.
Segundo o MPDFT, além do DF, a Operação Conteiner ocorre simultaneamente nos estados do Rio de Janeiro, do Rio Grande do Norte, de Goiás e de Minas Gerais. As medidas judiciais foram deferidas pelo Juízo da 1ª Vara Criminal de Brasília, que autorizou o cumprimento de nove mandados de prisão preventiva e 44 mandados de busca e apreensão.
Além de ex-integrante da Secretaria de Saúde, foram presos Edcler Carvalho, diretor comercial da Kompazo, empresa que vende produtos hospitalares, e Claúdio Haidamus. A Polícia Civil do DF chegou a mandar um avião buscar os alvos de prisão no Rio de Janeiro.
Continua depois da publicidade

A operação Conteiner investiga contratações da empresa Metalúrgica Valença Indústria e Comércio Ltda., realizadas pela Secretaria de Saúde do DF para entrega de materiais e montagem das UPA’s e estabelecimentos assemelhados. O MPDFT diz que já reuniu provas que indicam a atuação de servidores públicos na realização de licitações no âmbito da Secretaria de Saúde em benefício da Metalúrgica Valença e seu proprietário, o empresário Ronald de Carvalho.
Segundo as investigações, a organização criminosa capitaneada pelo ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral, determinou o direcionamento do pregão presencial internacional, da Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro, em favor da Metalúrgica Valença.
Os investigadores afirmam que provas e depoimentos de colaboradores apontam para tratativas, logo em seguida, para o pagamento de propina em favor do grupo criminoso de Sérgio Cabral. O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado do MPDFT (Gaeco) também vê envolvimento do ex-secretário de Saúde do Rio de Janeiro, Sérgio Cortes e do empresário da área de produtos médicos hospitalares, Miguel Iskin, além de Ronald de Carvalho e Arthur Cézar de Menezes Soares Filho (conhecido como Rei Arthur) e que já é considerado foragido.
O MPDFT afirma que o grupo criminoso planejou expandir o “projeto das UPAS” para todo o país e acertou o pagamento de R$ 1 milhão em propina para cada unidade construída. O órgão ainda diz que a a Secretaria de Saúde do DF, por intermédio dos servidores públicos envolvidos nas supostas fraudes, aderiu a atas de registro de preços da Secretaria de Saúde do Rio de Janeiro que, na origem, estavam viciadas, e já eram controladas pelo grupo criminoso de Sérgio Cabral.
Por último, o MPDFT diz que, em valores atualizados, estima-se que as contratações suspeitas ultrapassam o montante de R$ 142 milhões e que já foi solicitado o bloqueio desse valores nas contas dos acusados.
A Operação conta com a participação do Rio Grande do Norte (Gaeco/RN), Goiás (Gaeco/GO), Minas Gerais (Gaeco/MG) e Ministério Público de Contas do DF (PG-MPC/DF), da Coordenação Especial de Combate à Corrupção, ao Crime Organizado e aos Crimes contra a Administração Pública (Cecor) e do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), que investiga indícios de práticas antieconômicas.

Outro lado

Por meio de nota, a Secretaria de Saúde informou que “está colaborando com a Operação Conteiner. A pasta frisa que a transparência é uma das premissas dessa gestão e todas as informações solicitadas estão sendo repassadas”.
O advogado Kléber Lacerda, responsável pela defesa do ex-secretário Rafael Barbosa, alega que a prisão é descabida e critica a atuação do Ministério Público no caso. “Não se entende a razão dessa prisão. É uma ação em que sequer houve violação de direito administrativo, muito menos penal. Causa espanto tudo isso”, afirma.
Representante do ex-secretário Elias Miziara, o advogado Joelson Dias reforça o coro ao criticar os métodos utilizados. “Como se faz uma prisão sem se especificar as razões, as denúncias ao acusado. Não tivemos nenhuma informação prestada nesse sentido ainda”, reclama. “Se for de fato o caso relacionado às UPAs, houve julgamento anterior que considerou a acusação de improbidade improcedente”, acrescenta.
Dias contesta, ainda, a indicação de prisão para que o processo corra. “Se há alguma suspeita, é natural que a pessoa venha a responder, mas existe necessidade da prisão? Elias Miziara está há anos afastado da vida pública, não há nenhuma acusação de que ele tenha tentado interferir em testemunhas em provas. O que justifica?”, questiona.

Continue lendo

Medicina & Saúde

Registro de tuberculose resistente triplica no Brasil

Publicado

em

Variedade resistente a tratamento tem aumentado incidência Foto: Andrey Bukreev / iStock

A taxa de incidência de tuberculose preocupa o governo federal – foram 73,2 mil infecções em 2017, média de mais de 200 por dia. E o mais grave: voltou a crescer no País o número de infecções multirresistentes, ou seja, que não respondem aos dois principais medicamentos. Esse número triplicou em uma década, alcançando 1, 1 mil naquele ano – três por dia, segundo dados do Ministério da Saúde obtidos pelo Estado.

Doença diretamente relacionada às condições socioeconômicas da população, a tuberculose registrou aumento, segundo especialistas, principalmente por causa da crise econômica que atingiu o País nos últimos anos, o que teria diminuído os investimentos no sistema de saúde e piorado a vida da população em aspectos que contribuem para a infecção, como moradias inadequadas e sem circulação de ar.

O próprio Ministério da Saúde destaca a crise, ao lado de melhorias no diagnóstico. “O aumento do coeficiente de incidência da tuberculose nos dois últimos anos pode representar uma ampliação do acesso às ferramentas de diagnóstico. No entanto, também pode estar relacionado aos desafios no controle da doença por determinação social, ao lado de uma importante crise econômica pela qual o país tem passado nos últimos anos”, destacou a pasta em boletim epidemiológico publicado no último mês.

O documento mostra que o índice de casos por 100 mil habitantes, que era de 34,1 em 2015, foi para 34,3 em 2016 e alcançou 35,3 em 2017. No ano passado, a taxa teve uma leve queda (ficou em 34,8), mas continua superior ao coeficiente registrado em 2014 e 2015. Somente em 2017, 73,2 mil pessoas foram infectadas pela doença no Brasil, das quais 1,1 mil apresentaram a forma multirresistente da tuberculose, o triplo do registrado em 2009, quando 339 tiveram infecção resistente. O índice de mortalidade por tuberculose permanece estável no País, mas a doença, embora curável e com tratamento gratuito na rede pública, ainda mata cerca de 4,5 mil brasileiros por ano.

Causas

Para médicos especialistas no tema e ativistas no combate à doença, o contingenciamento de recursos públicos é determinante para o cenário. “É uma resposta à deterioração dos serviços de saúde. Há muita rotatividade dos profissionais, eles não recebem o treinamento adequado, não há identificação com a comunidade e o diagnóstico é tardio”, afirma a pneumologista Margareth Dalcolmo, pesquisadora da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Exemplo de como a tuberculose tem forte ligação com as condições de vida da população é a incidência da doença em favelas cariocas. “Enquanto no Brasil a taxa é de cerca de 35 casos por 100 mil habitantes, na Favela da Rocinha, chega a 300”, comenta Margareth.

Mais análises

Segundo a coordenadora do Programa Nacional de Controle da Tuberculose do Ministério da Saúde, Denise Arakaki, ainda são necessárias análises mais aprofundadas para verificar as causas do aumento da incidência da tuberculose nos últimos anos. “Um ou dois anos de crescimento na incidência é pouco tempo para dizermos se a doença, de fato, voltou a aumentar ou se cresceu a notificação por causa da melhoria no diagnóstico. De qualquer forma, para não sermos surpreendidos no futuro, vamos realizar uma reunião com especialistas no próximo mês para verificar se esse aumento é real e definir o que fazer”, disse ela.

Denise citou ainda, como outro fator que explicaria o aumento, um trabalho mais ativo do ministério nos últimos anos na busca de casos entre a população carcerária, um dos grupos mais afetados.

Sobre as infecções multirresistentes, a coordenadora disse que o número de casos cresceu de forma expressiva por causa da inclusão no Sistema Único de Saúde (SUS), em 2014, de um teste rápido molecular que verifica a resistência da bactéria a um dos principais antibióticos, a rifampicina. “Os casos diagnosticados estão crescendo, mas a resistência no Brasil continua baixa, principalmente porque aqui os remédios só são oferecidos pelo governo, não são vendidos em farmácia, o que evita o uso indiscriminado”, destaca Denise.

Para Margareth, no entanto, embora a inclusão do teste rápido tenha, de fato, aumentado o número de diagnósticos de casos multirresistentes, esse não é o único fator que explica a alta. “Tem crescido a resistência a alguns medicamentos e, além disso, a ocorrência de casos multirresistentes é favorecida pelas situações dos doentes ditos crônicos, que ficam rodando na rede sem ter diagnóstico ou acompanhamento. Se a doença não é tratada adequadamente, ela pode voltar mais resistente”, diz.

Paciente tem diagnóstico correto só no 3º médico

Foram necessárias três passagens por especialistas e um mês de angústia para que a auxiliar administrativa Érica Barbosa Decaris, de 31 anos, tivesse o diagnóstico. Mesmo com tosse persistente e muita dor nas costas, nenhum dos dois médicos cogitou tuberculose.

“Fui a um pronto-socorro do SUS e o médico disse que era pneumonia. Fiz o tratamento, mas logo depois voltaram os sintomas. Então decidi pagar um clínico particular e ele me disse que era inflamação nos brônquios, mas o tratamento também não adiantou. Só o terceiro médico disse que podia ser tuberculose e me orientou a fazer o exame”, conta ela. “Acho que os médicos não estão preparados.”

Para Margareth Dalcolmo, pneumologista e pesquisadora da Fiocruz, é “inadmissível” esse atraso na detecção. “É injustificável que, em um país com mais de 70 mil casos, nossos pacientes estejam sendo diagnosticados tardiamente.”

A demora fez Érica iniciar o tratamento quando a doença estava mais avançada. “Eu já estava tossindo sangue e tinha afetado os dois pulmões.” Depois da descoberta, a auxiliar administrativa passou a ir diariamente ao posto de saúde, durante seis meses, para tomar os medicamentos. “No começo foi muito difícil porque eu sentia dores no corpo e enjoos por causa dos remédios, mas me apeguei ao pensamento de que cada dia que eu ia ao posto era um dia a menos no meu tratamento.”

Preconceito

Ela se afastou do trabalho por quatro meses, usou máscara no início do tratamento e dormiu na sala por meses pois, enquanto não estivesse curada, a recomendação era não dividir o quarto. Mas o que mais chateou a paciente foi o preconceito de amigos. “Pessoas me viam na rua com a máscara e não chegavam perto. Sempre fui bem amparada no posto de saúde na parte médica, mas acho que faltou uma rede de apoio psicológico.”

Continue lendo

Medicina & Saúde

Autismo: desinformação e mitos alimentam preconceito

Publicado

em

Paula Laboissière /Agência Brasil  

Brasília- Muitas pessoas ainda acreditam que o autismo representa uma espécie de condenação sem volta e que o diagnóstico significa uma vida sem oportunidades – e é exatamente esse tipo de desinformação e mito que alimenta o preconceito. A avaliação é do pediatra e neurologista infantil, Clay Brites.

Para o especialista, o Dia Mundial da Conscientização sobre o Autismo, lembrado hoje (2), ajuda a sociedade a refletir melhor acerca dos avanços e, principalmente, do que ainda precisa melhorar para dar suporte amplo e transdisciplinar e esse grupo de pessoas e suas famílias. A data é reconhecida pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

“Muitos casos são severos e passam essa impressão mesmo, mas a maioria, não. Ainda vemos muitos casos graves, inclusive, porque estamos assistindo a uma geração passada, em que o diagnóstico foi tardio. Espero que, com as informações recentes, a nova geração tenha outra evolução, bem mais satisfatória, e derrube muitos mitos.”

Em entrevista à Agência Brasil, Brites lembrou que o transtorno atinge 1% das crianças no mundo e leva a prejuízos na percepção e na capacidade de interação social adequada. Isso faz com que a criança com autismo perca boa parte da capacidade de interagir socialmente de forma construtiva, coerente, com reciprocidade, atenção concentrada e compartilhada.

O autismo, segundo o pediatra, também pode levar a comportamentos repetitivos e interesses excessivamente restritos a determinados objetos, contextos e até pessoas. A criança diagnosticada geralmente não apresenta bom contato visual, não olha nos olhos e tem dificuldade para perceber mudanças de comportamento de grupos e de ambientes.

“Essas crianças costumam ter reações corporais anormais frente a situações emocionais ou induzidas pelo grupo como, por exemplo, movimentos de mãos repetitivos. Elas têm muita dificuldade em conversar, só falam aquilo que lhes interessa – qualquer coisa induzida por terceiros ela simplesmente ignora, não dá continuidade.”

“Elas têm uma hiper preferência por objetos, têm distúrbios de sensibilidade, costumam ter medos inexplicáveis ou desproporcionais ao que está acontecendo”, acrescentou.

Os sintomas começam a aparecer nos primeiros três anos de vida e o ideal é que o diagnóstico seja feito o quanto antes, abrindo caminho para modelos de intervenção comportamentais ou desenvolvimentais – de preferência, abordagens que tenham fundamentação cientifica e um grande número de pesquisa com amostragem populacional significativa.

“A importância está em ajudá-los a adquirir competências suficientes e a tempo de poderem ser mais funcionais e socialmente melhores adaptados nos anos mais difíceis que se seguirão, ao adentrarem na escola ou no trabalho.  Nesse processo, a intervenção precoce e a oportunidade de oferecer os melhores modelos auxilia na preservação ou até no ganho de capacidade intelectual e de linguagem social verbal e não verbal.”

Livro

Clay Brites e a esposa, a psicopedagoga Luciana Brites, são autores do livro Mentes Únicas. A proposta é colocar à disposição informações que ajudem a nortear a família, a escola, os profissionais e as instâncias de gestão e de Justiça sobre como proceder com pessoas com autismo.

Com linguagem acessível, a publicação, segundo ele, mostra que o autismo, ao contrário do que muito pensam, não é o fim de tudo e que, apesar de todas as dificuldades, o conhecimento é fator fundamental para que crianças dentro do espectro tornem-se seres humanos realizados dentro de suas particularidades.

Continue lendo

Facebook

Propaganda

Destaques

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com