Conecte-se Conosco

Tecnologia

Conservadores com mais de 65 anos são os que mais compartilham fake news

Publicado

em

Foto: Reprodução /Fonte: Olhar Digital

Um estudo realizado nos Estados Unidos mostrou que idosos são os mais propensos a compartilharem notícias falsas pela internet, em mais uma pesquisa que tenta entender qual foi a influencia das redes sociais e das fake news na eleição de Donald Trump para a presidência dos EUA em 2016.

A pesquisa foi realizada por cientistas das universidades de Nova York e Princeton, ambas nos Estados Unidos. Ela percebeu que a idade é um dos fatores que mais contribuem para o compartilhamento de notícias falsas – mais do que nível de educação, renda, gênero ou qualquer outra coisa.

Publicado na Science Advances, o estudo examinou o comportamento de usuários nos meses que precederam a votação de 2016 nos EUA. Ao pedir para algumas cobaias instalarem um aplicativo que compartilhada dados com os pesquisadores, eles puderam verificar o informações como religião, visões políticas, posts na linha do tempo do Facebook e páginas curtidas.

Ao analisar o tipo de conteúdo compartilhado pelos participantes do estudo – o que incluía pessoas de todas as idades – e comparar com uma lista de artigos falsos que foram bastante postados em redes sociais durante as eleições dos Estados Unidos, os pesquisadores perceberam algumas coisas interessantes.

Para começar, o compartilhamento de fake news não era tão comum como se pensava – dos envolvidos no Estudo, apenas 8,5% postaram ao menos um link para um artigo com informações falsas.

O percentual aumentava em certas faixas etárias e orientações políticas – 11% dos participantes com mais de 65 anos compartilharam fake news, assim como 18% dos que simpatizam com o Partido Republicano, enquanto apenas 4% dos defensores dos Democratas postaram links falsos. Ou seja, os mais velhos e mais conservadores são os que mais compartilharam notícias falsas nos Estados Unidos.

O estudo não chegou a nenhuma conclusão do que faz com que idosos compartilhem mais notícias falsas, mas os pesquisadores acreditam que isso está relacionado com a dificuldade que os mais velhos costumam ter com tecnologia em relação aos mais jovens, assim como o fato da idade pesar e deixar pessoas mais propensas a caírem em golpes.

Continue lendo
Clique para comentar

Tecnologia

Bolsonaro decide, finalmente, usar celulares criptografados da Abin

Publicado

em

Foto: Reprodução / Via: O Globo

No início do ano, foi amplamente divulgado que o presidente da República, Jair Bolsonaro, usava seu celular privado para trocar mensagens com os membros do governo via WhatsApp. Falou-se muito sobre a polêmica, mas pouco se fez. Agora, depois dos supostos vazamentos dos diálogos do então Ministro da Justiça, Sérgio Moro, e do possível hacking de outros membros do Legislativo brasileiro, a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e seus celulares criptografados entrarão em ação… finalmente.

Uma das funções da equipe da Abin é desenvolver mecanismos de proteção e criptografia com o objetivo de proteger as comunicações do presidente e de ministros de Estado. Logo, se o ministro Moro estivesse usando um dos aparelhos da Abin desde o início do seu mandato, talvez, este suposto vazamento não teria acontecido. Digo suposto, pois, em nenhum momento o canal que vazou os diálogos, o The Intercept Brasil, afirmou que as informações tenham sido fruto de um hackeamento, isso nas palavras do editor-chefe, Glenn Greenwald.

Com a adesão dos celulares da Abin, tanto o presidente da república quanto integrantes do Executivo passarão a tratar assuntos sigilosos apenas através de aparelhos criptografados, ou seja com uma tecnologia que protege os dados destes dispositivos.

Contudo, como informado ao jornal O Globo, os telefones desenvolvidos pela Abin não permitem a instalação de WhatsApp, Telegram e redes sociais. Logo, quem não vai ficar muito contente com isso é o presidente Bolsonaro, que utiliza este tipo de aplicativo para se comunicar com a população.

Continue lendo

Tecnologia

Telegram tem fama de seguro, mas é o mais vulnerável

Publicado

em

Foto: Reprodução / Fonte: Portal Terra

Usado pelo ministro da Justiça, Sérgio Moro, e os procuradores do Ministério Público Federal da Operação Lava Jato, segundo o site The Intercept Brasil, o aplicativo de mensagens Telegram tem fama de ser mais seguro que rivais como o WhatsApp, mas é mais vulnerável que eles.

Ao contrário do concorrente, o Telegram não utiliza criptografia de ponta a ponta por padrão. Isso permite que mensagens enviadas pelo app possam ser interpretadas corretamente ao serem interceptadas quando circulam pela infraestrutura da internet. O aplicativo russo até tem uma função que aplica o uso de criptografia, o Chat Secreto, mas esta deve ser ativada pelos participantes da conversa para ser utilizada.

Quando a criptografia de ponta a ponta está ativada, como acontece no WhatsApp, apenas o emissor e o receptor da mensagem têm acesso ao seu conteúdo. Isso porque só as duas pontas da comunicação (daí o nome da tecnologia) têm acesso a uma chave que decifra as informações, que trafegam “embaralhadas” pela internet. Assim, mesmo se forem interceptadas, as mensagens não podem ser decodificadas por hackers.

É um recurso que nem sempre esteve disponível no WhatsApp – o app só implementou essa função em 2016, bem na época em que sofreu diversos bloqueios judiciais aqui no Brasil. A tecnologia é uma faca de dois gumes: ao mesmo tempo em que resguarda o sigilo das conversas dos usuários, também explica por que é difícil identificar quem espalha notícias falsas pelo aplicativo.

Foi também nessa época que o Telegram se tornou conhecido no Brasil – em dias de bloqueios ao WhatsApp, chegou a ganhar milhões de usuários no País. Hoje, o serviço russo tem 200 milhões de usuários no mundo – muitos deles, seduzidos pela imagem de um serviço mais seguro que o rival. Isso fazia sentido lá atrás, mas não hoje.

O Telegram tem ainda diversas funções que sacrificam a segurança do usuário em troca de conveniência – como a que permite que seus usuários façam proveito do app em qualquer plataforma, sem depender de ter seu telefone celular por perto. Para isso, o Telegram armazena um histórico de mensagens na internet – e não no aparelho do usuário. Uma hipótese provável, considerando isso, é a de que o hacker teve acesso a uma das contas envolvidas na conversa e baixou o histórico de mensagens.

Além disso, o Telegram só apaga mensagens se a conta não for acessada pelo usuário por pelo menos seis meses.

Continue lendo

Tecnologia

WhatsApp vai levar à Justiça casos de mensagens em massa

Publicado

em

Foto: Reprodução / *Folhapress

O WhatsApp informou que vai levar à Justiça casos de violação dos termos de serviços da plataforma com práticas abusivas, como envio de mensagens em massa ou automatizadas. A informação foi publicada em um comunicado na página da empresa.

Segundo a nota, o texto serve como aviso de que a empresa passará a tomar as medidas legais a partir do dia 7 de dezembro de 2019 contra as ocorrências, mesmo que as informações obtidas sobra as violações vierem de fora da plataforma, como anúncios de empresa que dizem ter a habilidade de fazer os disparos.

Se as atividades forem detectadas pela tecnologia da plataforma, a empresa diz que as medidas podem ser tomadas antes dessa data.

– Este é um desafio que requer uma abordagem holística. O WhatsApp está comprometido a utilizar todos os recursos à disposição dele, incluindo processar, se necessário for, para evitar abusos contra nossos termos de serviço, como o envio de mensagens em massa ou utilização comercial – diz um trecho do comunicado.

 

Continue lendo

Destaque