Conecte-se Conosco

Esportes

Consórcio arremata concessão do Pacaembu por R$ 111 milhões

Publicado

em

Com lance de R$ 110 milhões, Consórcio Patrimônio SP arrematou a concessão do Estádio

Licitação ocorreu às pressas, após TCM liberar processo na quinta-feira, 7; é a primeira a sair no Plano Municipal de Desestatização da Prefeitura

 

Bruno Ribeiro, O Estado de S.Paulo

SÃO PAULO – Com um lance de R$ 111 milhões, o Consórcio Patrimônio SP arrematou a concessão do  Estádio do Pacaembu, na zona oeste de São Paulo, hoje gerido pela Prefeitura de São Paulo. A associação reúne a empresa de engenharia Progen e o fundo de investimentos Savona. A abertura dos envelopes ocorreu na manhã desta sexta, 8.

 A licitação ocorreu às pressas, após o Tribunal de Contas do Município (TCMliberar o processo na quinta-feira (7). As empresas passaram a ser chamadas às 19 horas para a sessão de abertura, que ocorreu na Secretaria Municipal de Esportes, em Indianópolis, zona sul da cidade. A concessão, por até 35 anos, é a primeira a sair no Plano Municipal de Desestatização da Prefeitura, após dois anos da gestão João Doria/Bruno Covas (PSDB).

Com lance de R$ 110 milhões, Consórcio Patrimônio SP arrematou a concessão do Estádio do Pacaembu

Com lance de R$ 110 milhões, Consórcio Patrimônio SP arrematou a concessão do Estádio do Pacaembu Foto: Daniel Teixeira/Estadão

 O entrave se referia a questionamentos feitos pelo TCM sobre as regras da licitação. O estádio tinha a posse da Prefeitura contestada, uma vez que o terreno do complexo pertencia ao governo do Estado (a cessão do terreno ocorreu em dezembro). Outro ponto que faltava definir era a participação de grupos financeiros sem expertise em gestão de estádios.

A Progen gerenciou complexos esportivos no Rio durante as Olimpíadas. Ela foi a empresa que atendeu o Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI) durante a formatação da licitação. Entre os demais concorrentes, estavam um grupo formado pela empresa WTorre, um consórcio do Santos Futebol Clube com a Universidade do Brasil e um terceiro formado pela construtora Constru Cap. As propostas foram, respectivamente, de R$ 46 milhões, R$ 88 milhões e R$ 44 milhões. As concorrentes têm prazo de cinco dias para contestar o resultado.

A abertura dos envelopes deveria ter ocorrido em agosto do ano passado, mas a sessão foi suspensa pelo TCM. Como as propostas iriam caducar na próxima segunda-feira, 11, Covas havia pedido uma reconsideracão do tribunal. O conselheiro Domingos Dissei, relator do processo, votou favoravelmente, e foi seguido por outros dois conselheiros.

Voto vencido, o conselheiro Maurício Faria contestou os argumentos da Prefeitura e ainda citou duas decisões judiciais que poderiam impactar o cálculo de faturamento possível com o estádio  e, portanto, as condições de propostas de possíveis interessados. As decisões se referiam à proibição de shows no complexo e a outra, a regras de verticalização e uso do potencial construtivo do estádio.

O presidente da Progen, Eduardo Barella, disse ao Estado que as restrições não afetam o modelo de negócio previsto para o Pacaembu. “Queremos trazer a população para dentro do estádio, com atrações e atividades culturais, preservando o patrimônio histórico”, afirmou. Barella gritou ao ouvir o resultado e foi cumprimentado pelos demais adversários, incluindo José Carlos Peres, presidente do Santos, que estava na sessão.

Após o prazo de cinco dias para a contratação dos resultados, a Prefeitura ainda fará uma análise detalhada nos documentos de cada empresa e publicará o resultado. A adjudicação (transferência da posse do estádio) só se dará após aval do TCM.

O que poderá ser feito no Pacaembu

O consórcio vencedor terá, por contrato, que preservar as áreas tombadas do estádio, como a fachada e as arquibancadas. Terá também de preservar os usos do complexo esportivo. Deve também de manter o clube, e sua piscina, gratuitos para a população. O Pacaembu tem de continuar sendo um estádio de futebol.

Por outro lado, o gestor poder fazer outros tipos diversos de eventos, como feiras, apresentações e convenções. Há uma liminar judicial que proibe expressamente a realização de shows, o que não é explicitamente proibido no edital da licitação, que fala apenas em respeito a normas sobre barulhos.

O consórcio poderá demolir o tobogã, a arquibancada do fundo do estádio, e construir ali outro prédio, de uso misto, podendo abrigar salas comerciais, restaurantes até hotel.

Se quiser, poderá também cobrir o estádio, desde que preservando as áreas tombadas, e construir estacionamento subterrâneo.

Depois dos 35 anos de uso, o local terá de voltar para a Prefeitura.

Continue lendo
Clique para comentar

Esportes

Edno deixou o Remo nesta quarta-feira

Publicado

em

Último jogo de Edno aconteceu no domingo, na derrota para o Independente por 1 a 0 — Foto: Oswaldo Forte/O Liberal

Apesar da grande expectativa criada ao redor de Edno, o atacante deixou o Remo nesta quarta-feira. A atitude partiu do próprio jogador, que, segundo uma fonte ligada ao Leão, decidiu romper com o clube de maneira unilateral, após disputar somente três jogos com a camisa azulina. Ele inclusive já teria deixado Belém.

Edno, de 36 anos, passou pelo Remo em 2016 e retornou havia menos de um mês. O anúncio oficial de sua contratação aconteceu no último dia 28. De lá para cá participou de três partidas do estadual: as duas semifinais contra o Bragantino, sendo titular em ambas; e o jogo de ida da final diante do Independente Tucuruí, no domingo passado, quando entrou no intervalo. O centroavante não balançou as redes.

O motivo do rompimento ainda não foi esclarecido nem pelo jogador, nem pelo clube, que até o fechamento desta matéria não havia se pronunciado oficialmente sobre a questão. Os rumores dão conta de que Edno estaria insatisfeito com algumas cobranças e também com promessas não cumpridas pela diretoria remista. O GloboEsporte.com tenta contato com o centroavante.

Com a sua saída, o técnico Márcio Fernandes passa a ter como opções de ataque Alex Sandro, David Batista, Emerson Carioca, Gustavo Ramos, Hélio e Mário Sérgio.

Continue lendo

Esportes

Paysandu prorroga contrato do jogador Perema até o fim da Série C

Publicado

em

Foto: Reprodução

A Diretoria de Futebol profissional do Paysandu Sport Club informa que o contrato do zagueiro Perema, que terminaria no próximo mês de maio, foi prorrogado até o fim do Campeonato Brasileiro da Série C deste ano.

Continue lendo

Esportes

Bragantino perde para o Vila Nova-GO pela Copa do Brasil

Publicado

em

(Por Fábio Relvas / Foto: Douglas Monteiro – Vila Nova)

O Bragantino Clube do Pará entrou em campo na noite desta terça-feira (16) diante do Vila Nova-GO, partida válida pelo jogo de ida da terceira fase da Copa do Brasil de 2019. O Tubarão do Caeté acabou derrotado pelo Tigre, por 2 a 0, em duelo realizado no Estádio Olímpico Pedro Ludovico Teixeira, em Goiânia.

Os dois gols da equipe do Vila Nova foram assinalados de pênalti. O experiente Danilo, ex-São Paulo e Corinthians, abriu o placar logo aos sete minutos, em uma cobrança forte no meio do gol. O Tigre assinalou o segundo tento, aos 25 minutos da etapa final, com o atacante Rafael Silva, que deslocou o goleiro Axel.

As duas equipes voltam a campo para o segundo jogo no próximo sábado (20), às 16h, no Estádio Olímpico Edgar Proença, o Mangueirão, em Belém. O Bragantino terá que vencer por dois gols para levar a decisão da vaga para os pênaltis, ou derrotar o adversário por três gols e passar diretamente para a quarta fase. O vencedor do duelo entre Bragantino e Vila Nova vai enfrentar o Juventude-RS, que eliminou o Botafogo-RJ.

O jogo: Tigre 2 x  0 Tubarão – O próximo encontro será no Mangueirão!

A torcida do Vila Nova foi ao Estádio Olímpico empurrar o time de Goiás para uma boa vitória rumo classificação. Quem chegou primeiro foi o Bragantino, Lukinha recebeu na esquerda e cruzou, a zaga do Tigre mandou para escanteio. Na cobrança, Lukinha tocou para Marco Goiano, que devolveu para o mesmo Lukinha cruzar, o goleiro Rafael Santos saiu esquisito e mandou a bola para escanteio.

O time da casa chegou em uma cobrança de falta para dentro da área, o árbitro Caio Max Augusto Vieira, do Rio Grande do Norte, viu um puxão de Esquerdinha em cima de Danilo e assinalou pênalti. O experiente Danilo, ex-São Paulo e Corinthians, cobrou forte no meio do gol e abriu o placar, 1 a 0 Tigre, aos sete minutos. Aos 15 minutos, o atacante Rafael Silva chegou a marcar o segundo gol do Vila Nova, mas a arbitragem assinalou impedimento.

O meia Danilo sentiu a coxa esquerda e saiu de maca. O técnico Eduardo Baptista trocou o experiente jogador por Michel Douglas. O Tigre quase ampliou, quando Juninho bateu colocado, a bola bateu na trave e na sobra, o atacante Michel Douglas chutou por cima da meta do goleiro Axel, perdendo uma chance incrível. No segundo tempo, o time do Pará teve a chance do empate com Wilker, que invadiu a área e chutou torto para fora.

O Vila Nova voltou a atacar e Facundo Boné foi derrubado dentro da área por Bruno Limão e o árbitro não titubeou e assinalou outro pênalti para o time de Goiânia. O atacante Rafael Silva cobrou bem e deslocou o goleiro Axel, aos 25 minutos, 2 a 0 Tigre. A torcida fazia a festa nas arquibancadas do Estádio Olímpico, quando o meia Ramon do time do Vila, tentou marcar por cobertura, chutando do círculo central, mas não acertou o alvo.

Em um cruzamento venenoso dentro da área do Tubarão do Caeté, a bola explodiu no travessão. O time de Bragança se livrou de tomar o terceiro. O árbitro levou a partida até aos 49 minutos. Placar final: Vila Nova 2 x 0 Bragantino. O Tubarão do Caeté terá que vencer por dois gols para levar para os pênaltis ou derrotar o Tigre por três gols e avançar para a quarta fase da Copa do Brasil.

FICHA TÉCNICA

VILA NOVA: Rafael Santos; Felipe Rodrigues, Philipe Maia, Wesley Matos e Hélder; Neto Moura, Ramon e Danilo (Michel Douglas); Juninho (Facundo Boné), Rafael Silva e Capixaba (Joseph). Técnico: Eduardo Baptista

BRAGANTINO: Axel; Bruno Limão, Gabriel Gonçalves, Romário e Esquerdinha; Ricardo Capanema (Kaike), Paulo de Tárcio, Marco Goiano e Lukinha (Keoma); Fidélis e Mauro Praia (Wilker). Técnico: Samuel Cândido

Árbitro: Caio Max Augusto Vieira (RN)

Assistentes: Lorival Cândido das Flores (RN) e Jean Márcio dos Santos (RN)

Cartões amarelos: Michel Douglas e Joseph (Vila Nova); Romário e Ricardo Capanema (Bragantino)

Gols: Danilo, de pênalti, aos 7 minutos do 1° tempo para o Vila Nova; Rafael Silva, de pênalti, aos 25 minutos do 2° tempo para o Vila Nova

Local: Estádio Olímpico Pedro Ludovico Teixeira, em Goiânia

Renda: R$ 137.805,00

Pagantes: 7.907

Credenciados: 1.324

Total: 9.231

Continue lendo

Facebook

Propaganda

Destaques

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com