Conecte-se Conosco

MEIO AMBIENTE

CPI de Brumadinho pede que cúpula da Vale seja indiciada

Publicado

em

CPI concluiu relatório sobre a tragédia em Brumadinho Foto: Reprodução

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Barragem de Brumadinho fez na manhã desta quinta-feira (12), na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), em Belo Horizonte, a leitura do relatório final e pediu o indiciamento de 13 funcionários da Vale e da TÜV SÜD. O documento deve ser votado ainda na tarde de quinta.

O documento, além de pedir o indiciamento, faz recomendações a órgãos públicos para evitar novos desastres na mineração, como o acompanhamento sistemático dos desdobramentos do trabalho, a priorização de projeto de lei sobre atingidos por barragens e a busca de corpos ainda não localizados. O relator, deputado André Quintão (PT), pede que as empresas sejam responsabilizadas civilmente.

– A Vale tinha vários elementos que atestavam a instabilidade da barragem. Usou um laudo falso com fator de segurança abaixo das metas recomendadas internacionalmente e pela própria Vale. Houve um fraturamento hidráulico em junho de 2018 e naquele momento já deveria ter sido acionado o plano de evacuação – afirmou.

A barragem da Mina do Córrego do Feijão se rompeu no dia 25 de janeiro. Mais de sete meses após a tragédia, 21 pessoas seguem desaparecidas e 249 mortes foram confirmadas. O relatório com mais de 300 páginas é resultado de seis meses de trabalho da CPI da ALMG. Neste período, foram colhidos mais de cem depoimentos.

As empresas Vale e TÜV SÜD foram procuradas, mas ainda não responderam aos questionamentos.

Continue lendo
Clique para comentar

MEIO AMBIENTE

STF aceita uso de fundo da Lava Jato para a Amazônia

Publicado

em

Foto: Reprodução / Fonte: *Folhapress/DANIELA LIMA

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), homologou nesta terça-feira (17) o acordo que define a destinação dos recursos do fundo da Lava Jato para educação e proteção da Amazônia.

O acordo prevê que R$ 1,6 bilhão seja gasto com educação, sendo R$ 1 bilhão destinado ao Ministério da Educação para ações relacionadas à educação infantil e o restante divido entre o Programa Criança Feliz, bolsas de pesquisa, projetos de inovação e empreendedorismo e ações socioeducativas.

Para ações de prevenção, fiscalização e combate de desmatamento e incêndios florestais, será destinado R$ 1,06 bilhão do fundo da Lava Jato.

O fundo, criado a partir de acordo entre a Petrobras e a força-tarefa da Lava Jato, foi alvo de polêmica. Os valores, de cerca de R$ 2,6 bilhões, foram bloqueados por Moraes após a Procuradoria-Geral da República contestar sua criação, que seria gerido pela força-tarefa da Lava Jato.

Participaram do acordo sobre a destinação dos recursos a Procuradoria-Geral da República, a Advocacia-Geral da União, e os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado (DEM-AP).

Continue lendo

MEIO AMBIENTE

Operação extingue focos de incêndio no oeste do Pará

Publicado

em

Foto: Reprodução /Fonte: Agência Pará

No início da manhã desta terça feira (17), os focos de incêndio na região de Santarém, oeste do Estado, foram extintos pela força-tarefa composta por 57 bombeiros, 20 brigadistas e 150 militares do Exército. A ação também contou com o apoio da prefeitura de Santarém, que por meio da Secretaria de Infraestrutura, está ajudando com o aceiro, que é uma forma de prevenir queimadas nas áreas de vegetação. Ao todo, 230 pessoas estão envolvidas nas atividades.

O comandante do 4º Grupamento do Corpo de Bombeiros, tenente coronel Tito Azevedo, reforçou a importância do trabalho integrado para o êxito da operação. “Com o apoio de todos os envolvidos e também do Grupamento Aéreo de Segurança Pública do Estado do Pará (Graesp), que enviou a sua aeronave para ajudar no combate aos focos, nós conseguimos evitar um mal maior, que era justamente o fogo ganhar proporções e atingir a área de floresta. As equipes conseguiram conter as chamas e a situação já foi contornada”, garantiu.

Segundo o comandante, as ações continuam na região, com o objetivo de manter a vigilância, inclusive com sobrevoos que vão fazer monitoramentos do local. O trabalho agora está sendo concentrado na varredura das áreas para evitar que algum foco volte a se propagar por conta do calor e tempo seco. “Faço um pedido para que a população não faça queimadas para a limpeza dos terrenos, porque como a temperatura está alta e a vegetação seca, é bem provável que o fogo se propague para outras áreas”, reforçou o tenente coronel.

Continue lendo

MEIO AMBIENTE

Pará defende que recursos do Fundo Petrobras ajudem a combater desmatamento e queimadas

Publicado

em

Foto: Reprodução / Fonte: Agência Pará

O governador do Pará, Helder Barbalho, defendeu a possibilidade de utilização de recursos que foram recuperados pela operação Lava-Jato, o Fundo Petrobras, no combate aos focos de queimadas e ao desmatamento ilegal na floresta amazônica. “Defendemos que os valores sejam utilizados para financiar projetos e fortalecer as ações voltadas direta e indiretamente ao combate à derrubada ilegal de madeira e à queima da floresta amazônica”, reiterou Helder Barbalho nesta segunda-feira (16), em uma videoconferência realizada simultaneamente com o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e os governadores dos demais estados da Amazônia Legal.

O objetivo da proposta é que o Fundo Petrobras destine cerca de R$ 420 milhões aos nove estados. Os valores que poderão ser repassados, a cada um dos estados, ainda não foram definidos. “A proposta inicial é de que 50% dos recursos possam ser divididos igualitariamente, entre todos os estados da Amazônia Legal. Os outros 50% serão detalhados em uma reunião presencial em Brasília (DF) nos próximos dias”, explicou o governador do Pará.

Ele também informou que o governo federal deverá manter um diálogo direto com o Supremo Tribunal Federal (STF), para que juntos consigam definir a forma adequada para aplicar e distribuir corretamente os recursos.

Continue lendo

Destaque