Conecte-se Conosco

Medicina & Saúde

Criança morre com suspeita de H1N1 no interior do Pará

Publicado

em

Foto: Reprodução / informações da Sespa

Uma criança morreu com suspeita de H1N1. Ela estava internada no Hospital Regional do Araguaia, em Redenção, sudeste do Pará. Outra criança e uma mulher também estão internadas com suspeita da doença. A informação foi confirmada pela Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) nesta quarta-feira (15).

Através de nota, a Sespa informou que o hospital público recebeu três pacientes, uma mulher adulta e duas crianças, vindos de um hospital particular do município com diagnóstico inconcluso sobre o H1N1

Uma das crianças foi a óbito logo após a entrada no Hospital Regional e não houve tempo hábil para coletar material, que pudesse identificar qual vírus das Síndromes Respiratórias Agudas Graves (SRAG) causou a morte.

No Hospital Regional de Redenção, prosseguem internadas com quadro estável uma mulher e uma criança, com quadro de Síndrome Respiratória Aguda e não evoluíram para a classificação grave devido ao tratamento administrado com o antiviral Oseltamivir (Tamiflu), conforme preconizado pelo protocolo do Ministério da Saúde.

Os dois pacientes já tiveram material coletado a fim de que seja identificado qual vírus das Síndromes Respiratórias (H1N1; H3N2; Influenza A não subtipado;  Influenza B;  Parainfluenza 1; Parainfluenza 2; Parainfluenza 3; Vírus Sincicial Respiratório; Ademovírus e Metapneumovírus) ocasionou os sintomas.

A SRAG é um agravamento de um quadro gripal, portanto é muito importante que a população tome a vacina que pode evitar a doença e pode ser muito grave em pessoas que fazem parte dos grupos prioritários, principalmente, crianças, mulheres gestantes, idosos e pessoas com doenças crônicas. Para a realização da Campanha de Vacinação, estão funcionando 2.958 postos de vacinação fixos, 758 volantes terrestres e 62 volantes fluviais, com 5.338 equipes de vacinação, totalizando 21.350 pessoas envolvidas.

No que se refere às medidas a serem adotadas pela população, a Sespa destaca, além da vacinação, lavar e higienizar as mãos antes de consumir alimentos; após tossir e espirrar, utilizar lenço descartável para higiene nasal, cobrir nariz e boca e evitar tocar nas mucosas dos olhos, nariz e boca; não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos e garrafas; manter os ambientes bem ventilados; e evitar ficar perto de pessoas com sinais e sintomas de gripe.

Continue lendo
Clique para comentar

Medicina & Saúde

Deputado Eduardo Costa defende inclusão de procedimentos na tabela do SUS

Publicado

em

Fonte: Ascom – Gabinete do Deputado Federal Eduardo Costa / Fonte: Blog Ze Dudu

Representantes de diversas categorias médicas participaram, nesta terça-feira (11), de audiência pública no Grupo de Trabalho da Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara Federal, que debate e analisa propostas relativas à Tabela do Sistema Único de Saúde (SUS).

A preocupação dos parlamentares refere-se à tabela de referência do SUS, que vem a ser a base do financiamento dos atendimentos nos hospitais. Hoje, o valor da maioria dos procedimentos está desatualizado, em média, 15 anos.

Nas discussões, os especialistas ouvidos foram categóricos quanto à necessidade de reajuste da tabela, para que não seja garantido somente o atendimento à população, mas quanto à própria sobrevivência das unidades hospitalares no País que estão amargando forte desequilíbrio financeiro em razão da não atualização de preços e procedimentos da tabela.

“Com o avanço da tecnologia, muitos procedimentos não estão incluídos nessa tabela de procedimentos”, alertou o deputado Eduardo Costa (PTB-PA), que defende a revisão da tabela pelo governo federal, por meio do Ministério da Saúde.

Nova classificação

O parlamentar paraense também chamou atenção para a necessidade de uma classificação para procedimentos de complexidades diferentes na tabela. “Um hospital de ensino ou um pouco mais qualificado, com procedimentos de alta complexidade não pode ser remunerado do mesmo jeito que um hospital que só faz procedimentos de baixa complexidade, são custos diferentes”, completou.

As audiências do Grupo de Trabalho têm como objetivo que as instituições que representam entidades, gestores municipais, estaduais e particulares de saúde apresentem suas sugestões, apontando quais são os principais problemas enfrentados por eles em relação ao sistema público de saúde nacional. 

Por Val-André Mutran 

 

Continue lendo

Medicina & Saúde

Brasil registra mais de 100 casos de sarampo

Publicado

em

Já são pelo menos 107 os casos de sarampo confirmados pelos estados brasileiros em 2019, conforme balanço extra-oficial. O G1 consultou as secretarias estaduais de saúde dos sete estados que tiveram casos da doença neste ano. Os estados consultados foram: Amazonas, Roraima, Pará, São Paulo, Santa Catarina, Rio de Janeiro e Minas Gerais (abaixo, veja ações e campanhas adotadas por cada um deles).

O último informe epidemiológico do Ministério da Saúde, de 16 de maio, apontava 92 casos nesses mesmos sete estados. O boletim é a informação oficial que centraliza e unifica os dados de todo o país com a mesma metodologia.

A diferença está em novas confirmações de sarampo em três estados:

  • São Paulo: 6 novos casos;
  • Pará: 5 novos casos;
  • Rio de Janeiro: 4 novos casos.

Autoridades do Ministério da Saúde sinalizaram a possibilidade de se realizar uma campanha nacional de vacinação contra o sarampo ainda neste mês de junho. A ação ainda não está oficialmente confirmada.

Em 2018, o Brasil viveu um surto da doença com mais de 10 mil casos, especialmente no Amazonas e em Roraima.

Veja abaixo o que cada um dos estados afirma realizar para monitorar e conter o sarampo neste ano.

O que vem sendo feito

Todas as secretarias dizem monitorar com atenção a doença e planejam medidas de controle. Até a publicação deste texto, somente o estado do Rio de Janeiro não detalhou quais medidas vêm sendo tomadas no combate à doença em 2019.

Em São Paulo, a Secretaria de Estado de Saúde confirma que pretende vacinar 2,9 milhões de pessoas contra o sarampo, de 10 de junho a 12 de julho. O Dia D da vacinação será 29 de junho. O governo federal deve enviar 3,2 milhões de doses da vacina ao estado.

De acordo com a diretora do Centro de Vigilância Epidemiológica do estado, Regiane de Paula, o sarampo entrou em São Paulo vindo da Europa, especialmente em navios cruzeiros que desembarcam em Santos. “Trabalhamos de forma intensa com o município e na vacinação de todos os tripulantes”. Alguns navios chegam a ter mais de 6,5 mil pessoas.

Surtos nos últimos meses

Três estados tiveram um surto de sarampo nos últimos meses: Pará, Amazonas e Roraima.

No Pará, o governo estadual vem insistindo na importância de vacinar as crianças, notando que a cobertura vacinal deve ser sempre superior a 95%. A vacina que previne o sarampo é a tríplice viral (que inclui também rubéola e caxumba).

Mas, de acordo com a diretora do Departamento de Epidemiologia da Sespa, Ana Lúcia Ferreira, a cobertura da primeira dose está próxima de apenas 17,49% e a da segunda dose da vacina em 17,23%. Segundo a Secretaria de Saúde do Pará, o governo vem trabalhando especialmente junto às cidades mais afetadas, no Oeste do estado.

No Amazonas, o último caso registrado foi em Manaus, no dia 31 de janeiro, segundo a Secretaria de Saúde do estado. Ao longo do mês de maio, como parte do plano de combate ao surto de sarampo de 2019, foram realizados treinamentos para profissionais da área de saúde em 22 municípios.

O Departamento de Vigilância Epidemiológica do Amazonas também vem realizando “visitas técnicas às cidades amazonenses para alinhamento das ações de prevenção, monitoramento e controle da doença”.

O Amazonas vem orientando todas as pessoas com idade entre 6 e 49 anos a procurar um posto de vacinação para se imunizar contra o sarampo. Desde o início do surto, ainda em 2018, o estado teve 11.464 casos suspeitos de sarampo distribuídos em 50 municípios, 9.809 casos confirmados em 46 cidades e 6 mortes. A maioria dos casos confirmados, 82,1%, foi em Manaus.

Já em Roraima, a Secretaria de Saúde informou que desde o início do surto o estado registrou 610 casos de sarampo, dos quais 362 foram confirmados. Neste ano, há apenas um caso confirmado.

“O papel do Estado é realizar o monitoramento dos casos notificados e prestar apoio aos municípios quando solicitado pelos gestores municipais. Essas atividades são desenvolvidas diariamente pelo núcleo”, diz a secretaria de saúde de Roraima, em nota.

Outros estados com casos de sarampo

Em Minas Gerais, a Secretaria de Saúde afirmou que tem um plano de contingência: “O objetivo é planejar, executar e avaliar medidas de prevenção e de controle em tempo oportuno, a partir da notificação de possíveis casos de sarampo”, diz em nota.

O estado pretende se antecipar a eventuais crises, sistematizando suas ações e complementando os serviços dos municípios.

Já a Secretaria de Saúde de Santa Catarina recorda que o último caso autóctone de sarampo no estado foi em 1999, quando houve um surto de 25 pessoas. Os 3 casos deste ano foram confirmados em fevereiro, também ligados a passageiros de um navio maltês. Desde então, não foram identificados novos casos.

“Nos municípios onde o navio ancorou em SC foram vacinados os trabalhadores que executam atividade no píer, marina, atracadouro, teleférico, comércios de rua próximo ao porto, pescadores envolvidos em passeios de barcos, artesãos, taxistas e motoristas de aplicativo, sendo aproximadamente 300 pessoas”, afirma a secretaria, em nota, acrescentando que os municípios são constantemente monitorados.

Segundo o protocolo do Ministério da Saúde, sempre que se confirmem casos confirmados de sarampo, os locais devem ser monitorados até 90 dias após a data do início dos sintomas do último caso.

Perda do certificado

Em fevereiro deste ano, o Ministério da Saúde pediu às secretarias que reforçassem e ampliassem sua cobertura vacinal de sarampo, numa espécie de “pacto pela vacinação”. Quase metade dos municípios brasileiros não atingiu a meta de 95% de cobertura.

Após a crise do ano passado, o Brasil perdeu o certificado de eliminação de sarampo concedida pela Organização Pan Americana de Saúde (OPAS/OMS), em 2016. O país não é mais considerado uma área livre da doença.

A vacina contra sarampo é oferecida gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS) a crianças com 15 meses de idade. Em alguns estados, as vacinas vêm sendo oferecidas a outros grupos prioritários mais abrangentes.

Continue lendo

Medicina & Saúde

Sancionada lei que permite socorro do FGTS às Santas Casas até 2022

Publicado

em

Foto: Reprodução / Fonte: Estadão Conteúdo

O presidente Jair Bolsonaro sancionou lei que fixa até o fim de 2022 o prazo limite para a concessão de empréstimos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) às Santas Casas e hospitais filantrópicos. A nova lei é fruto de projeto de conversão de uma medida provisória de Michel Temer que regulamentou alguns trechos de uma outra MP, já convertida em lei, que criou uma linha de crédito de R$ 4,7 bilhões para o setor.

Publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta quarta-feira, 5, a nova lei estabelece ainda que o risco das operações de crédito ficará a cargo dos agentes financeiros. Além disso, determina que o Conselho Curador do FGTS poderá definir o porcentual da taxa de risco, que deverá ser limitado a 3%.

Continue lendo

Destaque