Conecte-se Conosco

Tecnologia

Drone pode ser usado para afastar aves das proximidades de aeroportos

Publicado

em

Foto: kieferpix / iStock
Spread the love

Pesquisadores dos Estados Unidos desenvolveram um sistema que usa drones para afastar aves das proximidades de certas regiões. A ideia é usar a tecnologia para manter pássaros longe de aeroportos e assim evitar possíveis acidentes causados pelo choque de uma aeronave com um animal.

Órgãos reguladores de aviação civil restringem o acesso de drones em aeroportos citando possíveis riscos que as pequenas naves podem causar aos aviões. Mas, no sistema desenvolvido pelos pesquisadores do Caltech, na Califórnia, os drones são importantes para garantir a segurança dos aeroportos.

Os engenheiros do Caltech se inspiraram no voo 1549 da US Airways, que em 2009 precisou fazer um pouso de emergência no rio Hudson, em Nova York, após se chocar com um grupo de gansos-do-canadá que voavam nos arredores do aeroporto LaGuardia.

Para evitar novos casos parecidos – e que tenham desfechos trágicos sem que o piloto consiga pousar a aeronave com segurança, como no caso de Nova York -, os pesquisadores começaram a estudar maneiras de afastar aves de regiões de tráfego aéreo intenso.

Ao estudar as dinâmicas de voo e formação de grupos de aves, os pesquisadores chegaram a um modelo matemático para desviar a rota deles com uso de um único drone. Ao perceber a proximidade da pequena nave, os pássaros mudam de direção por acreditar que ela representa um risco para eles.

O desafio agora é ampliar o sistema para que ele possa ser usado em aeroportos, que precisariam de muitos drones para afastar muitos pássaros.

Fonte: Olhar Digital

Continue lendo
Clique para comentar

Tecnologia

Facebook quer comprar uma empresa de segurança após vazamento de dados

Publicado

em

Foto: Justin Sullivan / Getty
Spread the love

Os recentes escândalos de privacidade do Facebook, incluindo o vazamento de dados pessoais de 29 milhões de usuários, fizeram a empresa começar a se mexer para melhorar a segurança da plataforma. E, de acordo com o site The Information, o Facebook quer comprar uma “grande empresa de cibersegurança” – e já fez proposta por algumas delas.

Apesar de nenhum nome ter sido divulgado até o momento, fontes que conversaram com o The Information dizem que a ideia é fechar uma aquisição até o fim do ano. O Facebook quer implementar ferramentas de segurança a seus serviços já existentes, com objetivo de proteger contas de usuários, além de sinalizar tentativas de invasão.

Com o conhecimento de uma grande empresa de cibersegurança, o Facebook pretende reduzir a possibilidade de uma falha de código dar abertura para hackers invadirem a plataforma e acessarem dados de usuários indevidamente.

Além da consequência óbvia de tornar a plataforma mais segura, a aquisição pode servir para o Facebook passar uma mensagem aos seus usuários: a de que a rede social se preocupa bastante com a privacidade e segurança de dados.

Com escândalos recentes como o da Cambridge Analytica, que acessou informações de usuários indevidamente, e também a invasão que afetou 29 milhões de contas, a imagem do Facebook foi abalada, e a confiança geral dos usuários caiu consideravelmente.

Fonte: Olhar Digital

Continue lendo

Tecnologia

TSE nega ao PSOL liminar para restringir WhatsApp nas eleições

Publicado

em

Foto: Olhar Digital
Spread the love

O ministro Edson Fachin, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), negou liminar (decisão provisória) ao PSOL em representação que pedia que o uso do WhatsApp fosse restringido nos dias que restam até domingo (28), data do segundo turno das eleições.

Na representação, o PSOL pediu que a Justiça Eleitoral determinasse ao WhatsApp o uso temporário de mecanismo para limitar o compartilhamento, encaminhamento e transmissão de mensagens e o número de membros em novos grupos criados na rede.

O partido fez a solicitação com a justificativa de que a disseminação sem controle de notícias falsas pelo aplicativo estaria prejudicando a lisura do pleito. Para o ministro Edson Fachin, no entanto, o PSOL não apontou “fundamentos jurídicos” suficientes para a restrição do WhatsApp, tampouco apontou “conduta ilícita” praticada pelo aplicativo.

Para Fachin, desse modo, o pedido do PSOL “não encontra, no atual momento processual, em que se analisa apenas a plausibilidade dos argumentos invocados, fundamento apto para seu deferimento”. Fachin deu 24 horas para que o WhatsApp se manifeste na representação.

Entre as medidas que haviam sido solicitadas pelo PSOL estão a restrição dos encaminhamentos de 20 para cinco, com o objetivo de limitar a disseminação de desinformação; a restrição do número de transmissão de uma mensagem para contatos (atualmente é de 256 contatos ao mesmo tempo); e a limitação do número de grupos.

“Inúmeras são as situações diariamente noticiadas de que as mensagens que circulam nos grupos de WhatsApp, sem qualquer acompanhamento e cuidado com a legislação, têm desequilibrado o pleito eleitoral, especialmente porque chegam a milhões de pessoas, e muitas têm como principal meio de se informar o grupo de mensagens, o que facilita o trabalho de quem divulga notícias falsas, ofensivas e inverídicas”, escreveram os advogados do partido.

Fonte: Agência Brasil

Continue lendo

Tecnologia

Uber testa serviço de ‘funcionários sob demanda’ por aplicativo

Publicado

em

Foto: Divulgação
Spread the love

Pelo aplicativo da Uber, já é possível pedir carros particulares, comida por delivery e até bicicletas, barcos e helicópteros em algumas regiões do mundo. Em breve, a empresa pode começar a oferecer também funcionários temporários através do app.

É o que diz uma reportagem publicada nesta quinta-feira, 18, pelo jornal norte-americano Financial Times (via The Verge). O serviço, batizado internamente de Uber Works, estaria ainda em fases iniciais de desenvolvimento, com testes sendo realizados em Chicago e Los Angeles, nos Estados Unidos.

A ideia é que pequenos e médios empresários possam usar o Uber Works para contratar profissionais por curtas jornadas, como garçons ou seguranças para um evento, por exemplo. Esse tipo de serviço já é oferecido por agências de trabalho terceirizado no Brasil e no mundo.

O diferencial do serviço da Uber seria o modelo de negócios. Assim como motoristas podem se cadastrar para ganhar dinheiro com o Uber e motociclistas podem ser pagos para entregar comida com o Uber Eats, profissionais autônomos poderão receber por diárias no Uber Works.

Oficialmente, a Uber não quis confirmar ou negar a informação do Financial Times. O serviço de funcionários sob demanda faria parte do crescente investimento da empresa em modalidades alternativas aos carros particulares, como o serviço de bicicletas e patinetes elétricos oferecido nos EUA.

Ainda em fase de testes, o suposto Uber Works não tem previsão para ser oficialmente anunciado e, segundo o jornal, pode até mesmo ser abandonado caso a experiência não dê o resultado que a empresa espera.

Fonte: Olhar Digital

Continue lendo

Facebook

Propaganda

Destaques