Conecte-se Conosco

Internacional

Embaixador de Israel diz que Brasil precisa melhorar segurança

Publicado

em

Foto: Reprodução /Fonte: Agência Brasil

O embaixador de Israel, Yossi Shelley, afirmou que a segurança é o ponto principal que o Brasil precisa melhorar e demonstrou confiança de que a parceria com os israelenses vai ajudar o país a superar esse problema.

“No Brasil, tudo é bom. Precisa melhorar um pouco a segurança. Um pouco e tudo vai decolar”, disse em entrevista à jornalista Roseann Kennedy, no programa Impressões, que vai ao ar nesta terça (7), às 23h, na TV Brasil.

Yossi Shelley observou que, quando os turistas chegam ao Brasil, por exemplo, eles querem passear e não ter que ficar cuidando, com medo de serem surpreendidos por algum ato de violência.

Mas o embaixador também ponderou que vê avanços no país: “vi nos jornais que a estatística (sobre segurança) melhorou em todo o Brasil”.

O diplomata destacou que Israel é conhecido como um dos países com mais segurança no mundo e avaliou que muitos projetos podem ser aproveitados aqui. Ele explicou que o enfrentamento da violência envolve recursos humanos, tecnologia e inteligência artificial.

“Antes de entrar com a força, mande um drone. Use equipamentos para seguir o bandido. A vigilância deles deve ser na base da tecnologia”, exemplificou. E completou com um alerta: “de um lado o drone ajuda, mas de outro atrapalha. Porque as facções usam também. Cada coisa de inteligência leva a outro desafio. É a contra-inteligência”.

Recentemente, os governos brasileiro e de Israel firmaram cinco acordos de cooperação nas áreas de defesa, serviços aéreos, prevenção e combate ao crime organizado, ciência e tecnologia e um memorando de entendimento em segurança cibernética.

Shelley destacou que, além dessa ação governamental, o setor privado também pode avançar para melhorar a segurança, principalmente porque a burocracia pode gerar entraves no setor público.

“Com governo é mais difícil. Tem regras, acordo, licitação. Mas o mercado privado está cheio de tecnologia israelense”, ressaltou.

O embaixador revelou que, em seu processo de adaptação ao Brasil, onde ele está há dois anos, a maior dificuldade que enfrentou foi justamente em relação à demora para a tomada de decisões no país.

“Nós (israelenses) tomamos decisões muito rapidamente. Se você tem uma ideia, faz. Se não consegue, faz de novo. Persistência”, ensina.

Ele disse compreender que o Brasil é muito grande, com muitos estados e orçamentos, mas complementou: “é preciso tomar decisão”. “Acho que agora o governo é mais forte para tomar decisões, vi isso em alguns ministérios”, explicou.

Para o diplomata, a eleição do presidente Jair Bolsonaro e a reeleição do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu vão fortalecer a relação entre as duas nações.

Segundo Yossi Shelley, seu povo tem uma dívida com o Brasil. “Chegou muito judeu aqui e sempre o Brasil foi aberto. Nós temos um débito com o Brasil. Por isso, a relação entre os dois países vai ser mais forte do que foi antes”, disse.

Apaixonado por futebol, culinária brasileira e até pelo frevo pernambucano, Yossi contou que já sente falta do Brasil até quando viaja. “Desafios o Brasil tem. Há alguns problemas aqui. Mas é um bom país”, concluiu.

Continue lendo
Clique para comentar

Internacional

Trump diz que pode começar “grande deportação” em duas semanas

Publicado

em

Foto: Reprodução /Fonte: Agência Brasil

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou hoje (23), em postagem no Twitter, que congressistas do Partido Democrata têm até duas semanas para negociar mudanças nas regras sobre asilo e “vazios” legais, antes que ele inicie o que chamou de “grande deportação” de imigrantes ilegais.

“Eu quero dar aos democratas a última chance de negociar rapidamente mudanças simples em asilo e lacunas legais. Isso vai consertar a Fronteira Sul, junto com a ajuda que o México está nos dando agora. Provavelmente não vai acontecer, mas vale a pena tentar. Duas semanas e a grande deportação começa!”, tuitou.

O governo planeja realizar batidas maciças em grandes cidades norte-americanas para deter imigrantes ilegais, que poderão ser expulsos do país. O processo, no entanto, foi suspenso ontem  por Trump para que, segundo ele, parlamentares dos dois principais partidos do país: democratas(oposição) e republicanos (situação) encontrem uma “solução” para os problemas de asilo na fronteira sul.

O anúncio de Trump foi feito logo após a presidente da Câmara de Representantes, Nancy Pelosi, democrata, ter dito que o terror será injetado no país.

Continue lendo

Internacional

Tailândia: Caso dos “meninos da caverna” completa 1 ano

Publicado

em

Meninos resgatados da caverna na Tailândia Foto: EFE/Pongmanat Tasiri

De excursões internacionais a filme na Netflix. Assim pode ser resumido o último ano dos 12 meninos e do técnico de futebol que ficaram presos em uma caverna no norte da Tailândia, de onde foram resgatados duas semanas depois em uma comovente operação.

Atualmente, os meninos continuam os estudos e o treinador abriu a própria escolinha de futebol em uma tentativa de voltar à normalidade, mas a fama faz com que eles sejam reconhecidos em todo lugar e suas redes sociais atraem milhares ou dezenas de milhares de seguidores.

Neste domingo (23), faz um ano desde aquele 23 de junho quando os garotos – com idades entre 11 e 16 anos na época – e o professor, de 25, do time Javalis Selvagens entraram em uma gruta na província de Chiang Rai e ficaram presos nela por causa de uma inundação provocada por uma tempestade.

Depois de dias sem notícias do grupo, o medo de que não estivessem vivos tomou conta de todos que acompanhavam o caso, mas mais de duas semanas depois eles foram resgatados por uma equipe internacional de mergulhadores, em uma operação que foi acompanhada pela imprensa do mundo todo.

Por conta dos compromissos comerciais, os jogadores e o treinador quase não conseguem falar com a imprensa, enquanto a empresa criada pelos responsáveis dos meninos, a 13 Tham Luang (referência ao número de pessoas presas e ao nome da caverna), se encarrega de zelar por seu direito de imagem.

– Os meninos estão bem, felizes e vão à escola normalmente. Dizem que aprenderam muito depois de ficarem presos na caverna. Depois de receber o apoio de tantas pessoas, eu acho que serão bons para sempre – disse à Agência Efe Weerachon Sukhontapatipak, porta-voz do Escritório do primeiro-ministro e que também está à frente do comitê do governo criado para proteger os interesses do grupo.

Uma das novidades na vida deles foi a proposta da produtora SK Global de fazer um filme sobre a impressionante história. De acordo com o porta-voz, o longa ainda está em fase de pré-produção, mas já se sabe que será exibido pela Netflix. A direção será do americano Jon M. Chu e do tailandês Nattawut Poonpiriya.

O treinador, Ekapol Chanthawong, montou sua própria equipe em Mae Sai, a humilde cidade onde vive perto da caverna de Tham Luang, e tem mais de 183 mil seguidores no Facebook.

Um dos jovens, Phonchai Khamluang, que completou 17 anos, tem 12.179 seguidores no Facebook e algumas fotos postadas, como uma com os amigos dos Javalis no Old Trafford – estádio do Manchester United -, ou outra em uma plantação de chá na Tailândia, ganharam mais de 3 mil curtidas.

O resgate, que manteve o mundo apreensivo, já virou história para dois livros e gerou uma onda de generosidade.

Eles foram achados por dois mergulhadores britânicos no dia 2 de julho em uma gruta escura, onde sobreviveram sem comida e bebendo a água que minava das paredes. A meditação também foi importante para manter a calma em um ambiente frio e úmido.

Entre 8 e 10 de julho, os meninos e o treinador, que não sabiam nadar, foram sedados e retirados da caverna ao longo de quatro quilômetros. Os mergulhadores precisaram de três horas em média para tirar cada um deles, já que o lugar estava parcialmente inundado.

Dois meses depois, o treinador e três garotos, que eram apátridas, receberam a cidadania tailandesa.

Depois da odisseia, o grupo já viajou para o Reino Unido, assistiu aos Jogos Olímpicos da Juventude em Buenos Aires e foi entrevistado pela popular apresentadora americana Ellen DeGeneres, entre outros eventos internacionais.

Neste domingo, acontece uma corrida para comemorar o dia do resgate da caverna, onde agora existe um museu dedicado à história, com uma estátua de bronze do mergulhador tailandês Saman Kunan, que morreu na operação.

*Com informações da Agência EFE

Continue lendo

Internacional

Israel homenageia Trump com assentamento judaico

Publicado

em

Foto: Reprodução / *Com informações da Agência EFE

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, anunciou neste domingo (16) a construção de um assentamento judaico chamado Colina Trump no território sírio ocupado das Colinas de Golã, em homenagem ao presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump. A Colina Trump só será estabelecida quando for formado o novo governo após as eleições de setembro.

Em reunião de gabinete feita de maneira extraordinária nas Colinas de Golã ocupadas na Guerra dos Seis Dias de 1967, o governo interino israelense aprovou o estabelecimento de uma colônia que terá o nome do presidente americano, que em março reconheceu a soberania israelense sobre o Golã, um território ocupado segundo as resoluções da ONU e anexado unilateralmente por Israel em 1981.

– Estamos vivendo um dia histórico – expressou Netanyahu, que enfatizou a importância de “construir uma nova comunidade nas Colinas Golã, algo que não era feito há muitos anos”.

O premiê acrescentou que a criação da nova colônia é um ato sionista. Ele descreveu Trump como “grande amigo do Estado de Israel” e agradeceu novamente por ter reconhecido a soberania israelense sobre esse território.

Netanyahu mencionou também que este ato tem uma grande carga simbólica e representa a continuação do controle das Colinas de Golã, onde disse que Israel continuará fazendo construções e se desenvolvendo para todos os seus cidadãos.

A cerimônia, realizada no território onde será criado o assentamento e no qual foi inaugurado um grande cartaz com o nome Colina Trump, contou com a presença do embaixador dos EUA em Israel, David Friedman, que expressou gratidão pela decisão, agradeceu pela reunião governamental e classificou a criação do assentamento como um gesto “merecido e, antes de tudo, muito estimado” que representa a força da aliança entre ambos os países.

Israel controla desde a Guerra dos Seis Dias de 1967 dois terços das Colinas de Golã. Alguns países não reconhecem sua soberania nesse território.

Continue lendo

Destaque