Conecte-se Conosco

TECNOLOGIA

Falhas em apps abrem espaço para manipulação de arquivos

Publicado

em

Foto: Reprodução / *Folhapress

Arquivos de mídia do WhatsApp e do Telegram podem ser expostos e manipulados por hackers devido falhas dos aplicativos em versão Android, de acordo com uma pesquisa da Symantec, empresa especializada em proteção de sistemas operacionais.

De acordo com o estudo, aplicativos em sistemas Android podem ser usar o armazenamento externo e interno para salvar arquivos. No primeiro caso, o arquivo fica legível e pode ser modificado por outros aplicativos ou usuários. No segundo, ele é acessado apenas pelo próprio aplicativo.

O problema, chamado de “Media File Jacking”, decorre de um intervalo de tempo entre o momento em que arquivos recebidos pelos aplicativos são gravados no armazenamento interno e quando eles são acessados por outros aplicativos, no armazenamento externo.

Essa janela é uma oportunidade para hackers intervirem e manipularem arquivos de mídia sem o conhecimento do usuário. Fotos, vídeos, documentos corporativos, faturas e áudios podem ser acessados.

É, segundo a pesquisa, semelhante a uma corrida entre o invasor e o aplicativo que está carregando os arquivos. Caso o hacker tenha acesso às fotos e vídeos, por exemplo, o usuário verá os arquivos manipulados antes de ter acesso aos originais.

Os dados podem ser alterados tanto no envio como no recebimento de arquivos. Por padrão, o Whatsapp salva arquivos de mídia recebidos no armazenamento externo, como na galeria de fotos. No Telegram, o usuário precisa ativar recursos do aplicativo para que isso aconteça.

É possível evitar os ataques ao alterar algumas configurações nos aplicativos. No Whatsapp, usuários podem impedir que fotos, vídeos e áudios fiquem salvos no armazenamento externo ao desativaram a visibilidade de mídia. O mesmo pode ser feito no Telegram ao optar por não salvar os arquivos nas galerias do aplicativo.

Em resposta, o Whatsapp disse que analisou o problema mencionado pela pesquisa. De acordo com a nota, o aplicativo “segue as melhores práticas vigentes fornecidas pelos sistemas operacionais para armazenamento de mídia”.

Para a empresa, as alterações sugeridas na pesquisa podem “criar complicações de privacidade para os usuários e limitar a maneira como fotos e arquivos podem ser compartilhados”.
Até a conclusão deste texto, o Telegram não respondeu à reportagem sobre os efeitos da falha no aplicativo.

 

Continue lendo
Clique para comentar

TECNOLOGIA

WhatsApp dá início à caça de grupos com nomes suspeitos

Publicado

em

Fonte/Foto: EM
Mais popular aplicativo de mensagens alega que conta com sistemas avançados que podem detectar crimes e prevenir abusos sem a necessidade de acessar conversas criptografadas

Sem alarde, o mais popular e utilizado maior aplicativo de mensagens do mundo está peneirando os grupos e usuários que utilizam a ferramenta para cometer crimes ou práticas que ferem as regras da empresa. Embora não tenha acesso ao conteúdo das mensagens, que são criptografadas, o WhatsApp tem instrumentos capazes de monitorar e remover grupos considerados ilegais. A medida é importante em um cenário de ataques e fraudes crescentes nas redes sociais.

Nos Estados Unidos, usuários do aplicativo já relatam que têm sido banidos simplesmente por participarem de grupos com nomes suspeitos, de acordo com o site de mídia social americano Reddit. O primeiro caso foi publicado há cerca de um mês, de acordo com o site especializado em notícias de tecnologia, Tecnoblog.

Quando o administrador de grupo de amigos de faculdade alterou o nome para algo ilegal, gerou o banimento de todos os que participavam da conversa. Ele afirma ter entrado em contato com o WhatsApp e recebido somente mensagens de que teria violado os termos de uso do aplicativo.

Depois de uma semana e sem qualquer motivo aparente, sua conta teria sido restaurada. Outro usuário, ainda segundo a reportagem, disse ter passado por uma situação parecida depois de uma pessoa mudar o nome do grupo da escola, que contava com cerca de 100 participantes. Após a alteração, eles foram penalizados pelo aplicativo.


Um terceiro usuário, na última quinta-feira (7/11), afirmou que uma brincadeira de seu amigo causou o banimento de todos os usuários de um grupo em que eles participavam. Ele também alterou o nome do grupo para algo ilegal, o que teria causado a exclusão das contas. Com a decisão, os participantes teriam sido obrigados a mudar o número de telefone para criar outra conta.


Segundo a empresa WABetainfo, site que analisa versões do aplicativo que ainda não foram lançadas ao grande público, a medida parece afetar principalmente os grupos que tenham nome suspeito e que sejam muito antigos ou contem com muitos participantes.


Ainda de acordo com o site, o WhatsApp deve banir os grupos por meio dos chamados metadados. Isso porque as mensagens e as ligações são criptografadas de ponta a ponta e não podem ser acessadas por quem não está na conversa. Por meio dos metadados, o aplicativo conseguiria informações como nome, descrição e data de criação do grupo. A iniciativa do WhatsApp tem um bom propósito, o de evitar o uso do serviço para a prática de crimes.


 No entanto, nem sempre os usuários suspeitos estão, de fato, cometendo atos impróprios. O procedimento atual permite que, pelos mais diversos motivos, um único usuário seja capaz de mudar o nome do grupo e banir as contas de todos os seus participantes.


Em resposta à reportagem, o WhatsApp explicou que “conta com sistemas avançados de machine learning para detectar contas que violam as diretrizes do app e se vale de todas as informações não criptografadas disponíveis, incluindo relatórios de usuários para detectar e prevenir abusos”. A empresa também afirmou que o banimento da conta é a penalidade por comportamento abusivo e que oferece a opção de limitar aos administradores a capacidade de renomear grupos.

Continue lendo

TECNOLOGIA

Google Nest Mini é oficializado no Brasil por R$ 349

Publicado

em

Fonte Google/ TecMundo

A Google anunciou nesta segunda-feira (11) a chegada do Nest Mini ao Brasil. O alto-falante inteligente, que funciona via WiFi, será vendido na loja online oficial da empresa e também em lojas parceiras.

O speaker é a segunda geração do produto, apresentada no mês passado nos Estados Unidos. Ele tem o formato compacto e discreto, com revestimento de tecido fabricado com garrafas plásticas recicladas, facilmente se misturando a objetos de decoração e outros eletrônicos em qualquer cômodo da casa. Falando na sua residência, com ele é possível controlar outros dispositivos inteligências que façam parte do seu ecossistema de Internet das Coisas.

O novo modelo tem graves duas vezes mais fortes que o Home Mini original e é divulgado com duas funções principais: informação e entretenimento. A primeira é possível graças à integração completa do Google Assistente, que responde questionamentos na hora e com compreensão de contexto, além de fazer o streaming de notícias a partir de apps como o Google Notícias. Além disso, é possível fazer a transmissão em aúdio de conteúdos de Spotify, Chromecast, serviços da Google Play e YouTube, além de outros parceiros.

Disponibilidade

Por enquanto, o Google Nest Mini está fora do catálogo da loja brasileira da Google, contando apenas com uma “lista de espera”. As encomendas devem ser liberadas a partir de amanhã (12), quando o produto também chega ao varejo físico e online.

O lançamento é uma clara resposta à Amazon, que apresentou as versões nacionais do Echo Dot — que custa os mesmos R$ 349 do concorrente — e do Echo Show 5 no início de outubro, agora com a assistente pessoal Alexa em português.

Continue lendo

TECNOLOGIA

Fundador do WhatsApp volta a criticar Facebook

Publicado

em

Foto: Reprodução / Fonte: Notícias ao Minuto

Um dos fundadores do WhatsApp, Brian Acton, voltou a apelar para que os utilizadores do Facebook abandonem a rede social. Acton esteve presente no 25.º aniversário da cimeira da Wired e voltou a reiterar as críticas feitas em março de 2018.

“Se querem ficar no Facebook e ter anúncios enfiados à tua frente, então fiquem à vontade”, apontou Acton durante a cimeira de acordo com o The Verge. A questão dos anúncios teria sido uma das grandes discordâncias com o fundador e CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, a qual foi o motivo do abandono da empresa por parte de Acton em 2017.

Acton também explicou porque decidiu começar a criticar abertamente o Facebook em março de 2018, depois de ‘estourar’ o escândalo da Cambridge Analytica. “Na ocasião, o Facebook estava começando a ser pressionado. Pensei que talvez estivesse no momento. Mas depois percebi que uma grande falha no Facebook é que não têm lápides. Quando desaparece, desaparece mesmo. Por isso deixei a minha lápide no Twitter. Para minha desilusão foi muito mais pública e visível”, explicou.

Continue lendo

Facebook

Propaganda

Copyright © 2018. A Província do Pará Todos Direitos Reservados . Desenvolvido por Corpes Digital