Conecte-se Conosco

MARABÁ

Governador “mima” Toni Cunha e deputado pode ser o candidato a prefeito do governo

Publicado

em

Foto: Reprodução / Fonte: Blog Ze Dudu

O governo do Estado fez o maior barulho em uma cerimônia de lançamento das obras de recuperação da PA-150, entre Morada Nova e Goianésia. O evento, realizado no fim de tarde e início de noite desta segunda-feira, 21, reuniu prefeitos da região, sete deputados estaduais: Dr. Daniel (presidente da Alepa), Chicão, Caveira, Dra. Heloísa Guimarães, Dirceu ten Caten, Chamonzinho, e o próprio Toni Cunha, além de lideranças regionais.

Apenas os três deputados com vínculo com Marabá (Toni, Chamonzinho e Dirceu) usaram a palavra, além do secretário Regional, João Chamon e o secretário de Transportes, Antônio de Pádua.

Mas o discurso que mais acendeu o alerta dos grupos políticos da cidade foi do próprio governador Helder Barbalho, que citou o nome de Toni Cunha pelo menos 17 vezes ao longo dos 22 minutos em que usou a palavra. Sempre “penso” para a esquerda, lado em que Toni estava sentado, o governador começou a pavimentar o caminho para fortalecer o nome do delegado licenciado da Polícia Federal na cidade nas eleições para prefeito em 2020.

A diferença de tratamento começou pelos cumprimentos. Citou Toni Cunha como “deputado aqui de Marabá”; deputado Dircen ten Caten, também com atuação aqui no município de Marabá; o deputado Chamonzinho, também aqui da região”. O delegado, então, surgiu na boca do gestor estadual como único de Marabá. Aliás, é preciso fazer uma justiça. Outro nome a quem Helder disse ser de Marabá foi o secretário de Transportes, Antônio de Pádua, “que representa Marabá no nosso governo”.

Depois vieram os atendimentos aos pedidos de Toni. Para isso, citou que Cunha havia lhe cobrado a iluminação do trecho da rodovia BR-222 entre Morada Nova e São Félix e que ele vai mandar fazer estudo para avaliar o valor. Depois, Helder, mais sensível ainda aos pedidos do delegado-deputado, disse que vai implantar uma delegacia para atender as demandas dos dois grandes núcleos (Morada Nova e São Félix).

Toni havia articulado um grupo de moradores de Morada Nova para “torcer” por ele na arquibancada do evento. E este mesmo grupo, curiosamente, era quem questionava Helder, em tom de voz alto, pela ausência do prefeito Tião Miranda na cerimônia.

O secretário Pádua também parecia alinhado com o governador em citar, na ocasião, o nome de Toni. Disse que ele havia ido várias vezes em seu gabinete cobrando as obras de restauração da PA-150.

Com a certeza de que não estará tão próximo de Tião Miranda nas eleições do ano que vem, Helder Barbalho parece não ver outra saída a não ser apoiar um candidato pretensamente forte para enfrentar o atual prefeito de Marabá em 2020 e que possa apoiá-lo em sua tentativa de reeleição, em 2022.

As bajulações de Helder em direção a Toni vinham ocorrendo de forma mais discreta em outros eventos públicos. Mas, para alguns políticos de Marabá, esta foi a primeira vez que o governador exaltou tanto o deputado. A tendência é que daqui para frente a coisa comece a ficar mais escancarada.

MARABÁ

Setor de Hemodiálise é inaugurado e amplia atendimento no Hospital Regional em Marabá

Publicado

em

Foto: Marcelo Seabra / Ag. Pará

“Pra gente foi até uma surpresa, porque conseguimos essa consulta hoje e a gente não sabia que era a inauguração. Nós ficamos mais felizes ainda de saber que aquilo que a gente tinha como expectativa, agora, de fato, vai se concretizar”, disse Karlan Lima, pai do adolescente José Gabriel Lima, paciente renal crônico, que sempre esperou acompanhar o filho na cidade onde reside, Marabá, no sudeste do Pará.Karlan Lima e o filho, José Gabriel, que é renal crônico, na consulta no novo setor do Hospital RegionalFoto: Marcelo Seabra / Ag. Pará

Nesta terça-feira (26), os dois não precisaram mais ir à capital (Belém) para fazer o tratamento. José Gabriel já foi atendido no setor de hemodiálise do Hospital Regional do Sudeste do Pará – Dr. Geraldo Veloso (HRSP), na sede municipal de Marabá, inaugurado hoje.

Há 13 anos, José Gabriel nasceu com um rim comprometido, e ao longo de seu desenvolvimento apenas um rim ficou saudável. O adolescente nunca precisou passar pela máquina de hemodiálise, mas tem que fazer exames com frequência. O pai sempre o acompanhou nesta rotina em clínica de hemodiálise.

“Inicialmente, quando descobrimos a situação, ele foi regulado pra Belém, e tínhamos que viajar a cada 30 dias. Depois, esse tempo de retorno não precisou ser tão curto. Mesmo assim sempre tivemos esse transtorno com a distância pra conseguir esse atendimento ambulatorial especializado”, explicou Karlan Lima Foto: Marcelo Seabra / Ag. Pará

Ampliação – O Hospital Regional de Marabá é referência em saúde para 22 municípios do sudeste paraense. A nova ala entregue pelo governo amplia o atendimento a pacientes renais. “No espaço são oferecidas consulta ambulatorial com nefrologista e equipe multidisciplinar, triagem e atendimento em hemodiálise. São 22 máquinas, que podem atender 103 pacientes, produzindo uma média mensal de 1.500 sessões”, ressaltou James Vinicius, enfermeiro responsável pelo setor.

O Hospital Regional em Marabá é referência em saúde para 22 municípios do sudeste paraense.

Para que não haja riscos, cada sessão de hemodiálise dura, em média, 4 horas, e necessita de 120 a 200 litros de água ultra pura, sem as substâncias presentes em um tratamento comum, como alumínio, cloramina, fluoreto, cobre e zinco. O setor está em pleno funcionamento.

Incubadoras entregues ao Hospital Municipal de Marabá

Novos equipamentos – Outro investimento para a melhoria no atendimento em saúde em Marabá, com reflexo na região, foi a entrega de quatro incubadoras neonatais ao município. A diretora administrativa do Hospital Municipal Materno Infantil, Auciléia Partaglia, explicou que está em fase de licitação a implantação da UTI Neonatal na maternidade, com equipamentos necessários ao atendimento de qualidade aos recém-nascidos.

“Nós temos uma única UTI que fica no Hospital Regional, contendo nove leitos. Então, estávamos precisando bastante nesse hospital. Um bebê prematuro demora bastante na incubadora. Precisávamos muito que a quantidade fosse aumentada. Nós fazemos cerca de 500 a 600 partos por mês”, informou a diretora hospitalar.

Continue lendo

MARABÁ

TJPA manda cartorário de Itupiranga registrar imóvel pelo valor correto

Publicado

em

Foto: Reprodução / Fonte: Blog Ze Dudu

Uma briga judicial que começou em 2016, entre o empresário Júlio César Pereira Franco, proprietário do Loteamento Cidade Jardim, e o Cartório de Registro de Imóveis de Itupiranga teve, na última semana, desfecho favorável ao empreendedor do ramo imobiliário. O caso foi publicado pelo Blog do Zé Dudu, em 8 de junho último, com o título “Cartório de Itupiranga inviabiliza empreendimento milionário no município”.

Na ocasião o Blog apurou que Júlio César Franco procurou o cartório para fazer o Registro Imobiliário (RI) dos 1.17o lotes que compõem o empreendimento, no qual ele já havia investido R$ 6 milhões, mas, tomou um susto quando o escrevente substituto Wilder Lima de Souza lhe cobrou R$ 450 mil pelo documento.

Wilder de Souza argumentou na época que estabeleceu o preço do RI pelo valor do metro quadrado, calculado por ele em R$ 370,00, segundo o cartorário, baseado na tabela de emolumentos da Justiça Estadual e na suposição de que cada lote será comercializado por preço que varia entre R$ 30 mil e R$ 35 mil.

De outra parte, Júlio César, que tem muitos anos de experiência no ramo imobiliário, argumentava que, pelo fato de os lotes ainda não estarem sendo comercializados, o valor do metro quadrado, que deveria ser adotado para o cálculo do preço do RI, deveria ser o mesmo estabelecido pela Prefeitura de Itupiranga para o cálculo do IPTU, conforme o valor venal do imóvel, no caso dele,  R$ 42,60.

Calculado por esse valor, o preço do RI cairia para R$ 175 mil, considerado justo por Júlio César, que impetrou Mandado de Segurança na Vara Única da Justiça Estadual, em Itupiranga, solicitando que o Cartório de Registro de Imóveis de Itupiranga fosse autorizado a emitir o RI. A Justiça, entretanto, indeferiu o pedido.

O empresário, então, apelou para a Corregedoria do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, onde a desembargadora Diracy Nunes Alves, corregedora de Justiça das Comarcas do Interior, decidiu em favo de Júlio César Franco.

Em sua justificativa, a desembargadora esclarece que os emolumentos pelos atos praticados pelo Oficial de Registro, relativamente ao registro e averbação de escrituras e contratos, serão calculados sobre um dos seguintes valores, o que for maior: a) valor fixado pelo órgão competente para pagamento do imposto de transmissão e propriedade, para ITBI. b) valor venal do imóvel, para cálculo do IPTU/ITR. c) valor do contrato ou escritura.

E arremata: “Não obstante a clareza da nota explicativa, que requer apenas enquadramento em uma das três hipóteses sugeridos nas alíneas “a” a “c”, torna-se imprescindível esteja o pedido de registro de loteamento devidamente instruído, afim de que o Oficial Registrador proceda os cálculos devidamente”.

Em contato via WhatsApp com Júlio César Franco a Reportagem do Blog foi informada de que ele já tomou conhecimento da decisão, mas ainda recebeu nenhum contato do cartório. Quando a Wild Lima de Souza, não conseguimos contatar o cartorário, que, em junho último, não quis se manifestar sobre o assunto.

Por Eleuterio Gomes

Continue lendo

MARABÁ

Paraense infarta e morre após virada do Flamengo, no mesmo dia do seu casamento

Publicado

em

O que seria um dia de alegria para a família do estudante universitário Bruno Rodrigues Feitosa, de 23 anos, se transformou em tristeza e comoveu Marabá, no Sudeste paraense.

O jovem havia se casado pela manhã, durante um casamento comunitário de 550 casais, realizado no Centro de Eventos da Igreja Assembleia de Deus, no município e sofreu um infarto fulminante, enquanto comemorava o segundo gol do time de coração.

O jovem e a esposa Ana Carolina Fernandes estavam acompanhando a transmissão da final da Taça Libertadores da América entre Flamengo e River Plate, na Praça São Félix de Valois, na Marabá Pioneira, onde foram disponibilizados telões. Dezenas de torcedores se concentravam no local.

Segundo informações apuradas, o jovem, que ainda usava a camisa do casamento, se sentiu mal no momento em que o time confirmava a vitória por 2 a 1 contra o River Plate e garantia o título.

Nesse momento, muitas pessoas que estavam na praça tentaram ajudá-lo abanando com bandeiras e o som foi interrompido. Uma ambulância do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) foi acionada e tentou reanimá-lo, mas o jovem não resistiu e veio a óbito ainda no local.

Bruno Rodrigues Feitosa cursava Letras na Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa) e deixa esposa e uma filha pequena.

Continue lendo

Facebook

Propaganda

Copyright © 2018. A Província do Pará Todos Direitos Reservados . Desenvolvido por Corpes Digital