Conecte-se Conosco

Cidade

Jatene participa de solenidade pelo aniversário do Corpo Militar de Bombeiros do Pará

Publicado

em

“Bombeiros superam seus instintos para salvar vidas e fazem dessa farda uma das mais honradas, não somente no Pará, mas em todo o mundo, disse o governador Simão Jatene

 

A cerimônia foi finalizada com desfile da tropa com vários pelotões

O Corpo de Bombeiros Militar do Pará completou nesta sexta-feira  (23), seu 136º aniversário. Uma solenidade no Quartel General da corporação, em Belém, marcou a data. A cerimônia contou com a presença do governador  Simão Jatene. “O trabalho silencioso e muitas vezes sem qualquer reconhecimento prestado pelos Bombeiros deve ser motivo de orgulho para todos nós, paraenses”, disse o governador à tropa.

Representantes de todas as forças de segurança do Estado, inclusive nacionais, estiveram na solenidade, que teve como ponto alto a entrega de medalhas de 10 e 20 anos aos membros da corporação, por bons serviços prestados, além da outorga da medalha de Defesa Civil para personalidades militares e civis.

A cerimônia contou com a presença do governador do Estado, Simão Jatene

O CBMPA se destaca entre outras corporações nacionais. É a quarta mais antiga do Brasil e a sexta com maior número de militares. Seu efetivo com mais de três mil bombeiros atua em 38 unidades operacionais espalhadas por 24 municípios. “Num estado de enormes proporções geográficas como é o Pará, muito nos orgulha desenvolver, centenariamente, um trabalho de qualidade”, disse o coronel Zanelli Nascimento, comandante do Corpo de Bombeiros.

“Bombeiros superam seus instintos para salvar vidas e fazem dessa farda uma das mais honradas, não somente no Pará, mas em todo o mundo, disse o governador Simão Jatene.

A solenidade pelos 136 anos do Corpo de Bombeiros ocorreu no Quartel General da corporação, em Belém

A cerimônia foi finalizada com desfile da tropa com os pelotões formados por militares combatentes, socorristas, guarda-vidas, a banda de música do CBM, os cadetes do curso de formação de oficiais, o Programa Escola da Vida e o desfile motorizado com viaturas de combate a incêndios, ambulâncias e motocicletas.

História – A história do Corpo de Bombeiros no Pará  começa em 1882, quando o Imperador D. Pedro II, preocupado com a grande quantidade de incêndios na então província, determinou ao Corpo de Bombeiros da corte que enviasse uma guarnição com equipamento para implantar o serviço de prevenção e combate a Incêndio no Grão-Pará.

Em 24 de novembro de 1882, o Doutor Justino Carneiro, presidente da Província, assinou o ato criando oficialmente a companhia de bombeiros, tendo como primeiro comandante o Capitão Antônio Veríssimo Ivo de Abreu. Nascia então a Corporação do Soldado do Fogo.

Mas foi no Governo do Intendente Antônio Lemos que o crescimento e aparelhamento do CBMPA ocorreram de forma grandiosa.  Com a nova Constituição Federal de 1988 e a Constituição Estadual de 1989, o Corpo de Bombeiros Militar do Pará, ganhou autonomia como corporação independente, tendo em seu artigo 200 as suas atribuições constitucionais voltadas à prestação de serviços á sociedade.

 

Por Luiz Carlos Santos/ Agência Pará

Continue lendo
Clique para comentar

Cidade

Advogado assume vaga de Gordo do Aurá na Câmara de Ananindeua

Publicado

em

O advogado Alex Melul assume a vaga de Gordo do Aurá na Câmara de Ananindeua
Com o falecimento do vereador Deivite Araújo Galvão – o Gordo do Aurá, assume sua vaga na Câmara Municipal de Ananindeua, o advogado Alex Melul. Ele é o primeiro suplente do DEM, foi o 27º candidato mais votado em 2016, na coligação Democratas/Solidariedade, com 1900 votos.
O vereador assassinado está sendo velado, com a presença de vários colegas seus da Câmara de Ananindeua,onde foi decretado luto oficial por três dias. Gordo será  sepultado às 16h,  num cemitério particular em Ananindeua.  A imprensa não foi permitida a entrar no velório de Gordo do Aurá.
O clima  no Aurá e de muita comoção e luto, já que o vereador Gordo do Aurá,  era considerado é respeitado  na área.
O policiamento também foi reforçado, segundo disse o secretário de Segurança, Ualame Machado, ao ser entrevistado esta manhã pelo Canal 7. Na delegacia do Aurá, polícias foram deslocados pra aumentar o efetivo após boatos de represália e tentativa de invasão à delegacia.

Continue lendo

Cidade

Organização criminosa usou submarino para levar drogas à África

Publicado

em

Alex Rodrigues / Agência Brasil 

 

Brasília – Uma organização criminosa acusada de transportar drogas da Bolívia, Colômbia e Venezuela para o Brasil, Estados Unidos e Europa chegou a usar um submarino para cruzar o Atlântico com destino à costa do continente africano com até 8 toneladas de entorpecentes a cada viagem. A embarcação foi apreendida em meados de 2018, no Suriname.

“O submarino foi apreendido durante as investigações iniciadas há dois anos. Ele foi localizado próximo a uma pista de pouso clandestina usada pela organização e onde foram apreendidos 400 quilos de entorpecentes”, disse hoje (21) o delegado federal Marcelo Botelho, responsável pela Operação Flak, deflagrada nesta quinta-feira.

Polícia Federal/Divulgação

Além de um submarino, aviões eram usados para levar droga para os Estados Unidos e Europa   (Polícia Federal/divulgação)

Segundo o delegado, a droga apreendida no avião localizado em uma pista clandestina seria transferida para o submarino, atracado a 50 quilômetros de distância. De lá, os criminosos seguiriam para a África, de onde o entorpecente seria distribuído para a Europa.

“Uma particularidade que nos impressionou é a capilaridade da organização criminosa, que tem contatos em diversos países”, comentou Botelho, esclarecendo que, além dos 54 mandados de prisão e 81 mandados de busca e apreensão que estão sendo cumpridos no Ceará, Distrito Federal, Goiás, Pará, Paraná, Roraima, São Paulo e Tocantins, as autoridades brasileiras também acionaram a Interpol, pedindo a colaboração para deter seis suspeitos de integrar o esquema que podem estar no exterior.

Prisões

Até o início desta tarde, ao menos 26 pessoas já tinham sido presas, entre elas, pilotos de jatos executivos. A 4ª Vara Federal de Palmas (TO) autorizou a apreensão de 47 aeronaves, além do sequestro de bens e do bloqueio das contas bancárias de mais de 100 pessoas físicas e jurídicas suspeitas de integrar a organização criminosa.

“Mais que as prisões e as buscas para apreender provas que auxiliem as investigações, a operação de hoje atingiu o poder financeiro da organização”, disse Botelho.

“Nosso foco foi a desarticulação, foi a descapitalização da organização. Justamente para evitarmos que o crime continue a ser praticado mesmo após a prisão dos principais líderes e membros da organização”,  afirmou.

Apesar de chegar a utilizar um submarino, a especialidade do grupo, segundo a Polícia Federal, era o transporte aéreo de grandes quantidades de drogas.

De acordo com o Botelho, trata-se de uma “organização bem estruturada, que tinha nítida divisão de tarefas”. Ao longo das investigações, os agentes federais identificaram quatro núcleos: o logístico, responsável por gerenciar a parte operacional, como a escolha de aeronaves, a contratação de pilotos e a construção de pistas clandestinas.

Voos irregulares

Um núcleo aeronáutico era encarregado de identificar rotas que permitissem aos pilotos fugirem do controle aéreo e de elaborar planos de voos irregulares. Outro núcleo era o varejista, responsável por contatar os produtores de drogas e os destinatários finais, em outros países.

Por fim, havia o núcleo mecânico, formado pelos que faziam a manutenção das aeronaves. Estes profissionais chegavam a adaptar um sistema que permitia que os aviões usados no esquema fossem abastecidos em pleno voo, de forma a aumentar a autonomia de voo das aeronaves, para que não precisassem pousar.

De acordo com o delegado federal, isso colocava em risco a segurança de todo o transporte aéreo, já que, além de viajar com planos de voo irregulares, os aviões da organização passavam despercebidos pelos radares.

O próprio piloto assumia riscos ao abastecer a aeronave em pleno voo e há indícios de que aeronaves usadas pela organização caíram, vitimando os tripulantes.

“Apesar de lucrativo, o crime trazia grandes riscos para os pilotos. Há registros de quedas de aeronaves, com a consequente morte ou desaparecimento de pilotos”, afirmou Botelho, acrescentando que a organização também chegou a destruir aviões apenas para “apagar” as evidências de tráfico internacional de drogas. “Incluindo aeronaves com valor de mercado de R$ 1 milhão.”

Segundo Botelho, a organização tentava mascarar suas atividades ilícitas contratando pilotos que, paralelamente, exerciam atividades lícitas, como voos comerciais e atividades agrícolas. E lavava o dinheiro investindo em fazendas, criação de gado, postos de combustível, garimpo e na revenda das próprias aeronaves usadas no esquema.

Continue lendo

Cidade

GORDO DO AURÁ É MORTO A TIROS NUMA EMBOSCADA EM BELÉM

Publicado

em

 

A Polícia ainda não tem pista dos hoemns que assassinaram, na tarde desta quinta-fira(21), o O vereador de Ananindeua, Deivite Wener Araújo Galvão, o Gordo de Aurá (DEM). Ele foi alvejado 15  vezes, aproximadamente, quando trafegava na av. Pedro Miranda, em Belém, depois ter  deixado a filha em algum hospital, para tratamento. Gordo do Aurá ia acompanhado de sua mulher, Vanesse Gavão, que também foi alvejada e levada, junto com o marido, para o  Pronto Socorro da 14 de Março, em Belém. Ele não resistiu e nem chegou a ser atendido pelos médicos. Ela foi medicda e transferida para o Hospital Metropolitano, em Ananindeua, e consta que não corre perigo de vida, apesar da gravidade dos ferimentos.

O fato ocorreu por volta das 15h, segundo informações de testemunhas que foram até  PSM da 14 de Março. Gordo do Aurá foi deixar a filha  epara tratamento de  Síndrome de Guillain-Barré.

Os dois foram crivados de balas.

Na última eleição para governador do Pará, Gordo do Aurá foi o pivô na troca de acusações entre os principais candidatos, Helder Barbalho (MDB), que saiu vencedor do pleito, e o deputado Márcio Miranda. Um acusada o outro deter apoio do vereador, conhecido também como traficante e violento. Mas embora fosse filiado ao mesmo partido Márcio Miranda, consta que ele trabalhou mesmo foi para Helder barbalho, com quem tinha relacionamento político desde que este foi prefeito de Ananindeua.

A Prefeitura de Ananindeua decretou feriado de três dias em homenagem ao vereador assassinado.

(Matéria retificada às 21h40)

Continue lendo

Destaques