Conecte-se Conosco

BELÉM

Jair Lopes o candidato mais novo para à Prefeitura de Belém, lançado pelo PCO

A Província do Pará / Roberto Barbosa / Foto Reprodução

Publicado

em

Jair Lopes, solteiro, 26 anos, designer gráfico, é o mais jovem candidato ao cargo de prefeito municipal de Belém. Ele foi aprovado em convenção e lançado pelo Partido da Causa Operária (PCO), um partido da ultra esquerda radical que existe há 25 anos, e uma dissidência do Partido dos Trabalhadores (PT), que expulsou o grupo, gerando, assim, a nova agremiação partidária.
O candidato afirma que seu grupo, atualmente, tem a filosofia e a meta de trabalhar na campanha eleitoral deste ano na forma do “corpo a corpo”, o que, aliás, “sempre fez. Jamais paramos de estar nos canteiros de obras onde estão os operários, nos pátios das fábricas, indústrias, onde estão todos os trabalhadores que produzem neste país para ganhar um salário que não compensa; é o trabalhador que faz este país avançar”, acentua.
No entendimento de Jair Lopes, sua candidatura parte da “revolta da classe operária com a atual situação que se instalou neste país desde o golpe que cassou o mandato da ex-presidente Dilma Rousseff, que culminou com a reforma trabalhista e previdenciária que só prejudicaram os trabalhadores de todo o Brasil e que terminou com a eleição de Jair Bolsonaro, de quem somos oposição e contra o qual exigimos seja retirado do poder”.
Acerca do atual momento político, Jair Lopes enfatiza que nada ou pouco mudou, pois em geral “ganham as eleições não apenas nas cidades paraenses, especialmente Belém, como em todo o Brasil, candidatos de berço das oligarquias e da burguesia fortemente instalados neste país desde sua descoberta”. Por esta razão, “o PCO vem lutando para conscientizar a classe operária, que esta situação tem de mudar; que só iremos transformar este país a partir de um diálogo político envolvendo a categoria dos operários. Do contrário, nunca conseguiremos eleger nenhum representante nas câmaras municipais, nas assembleias legislativas e tão pouco no Congresso Nacional. Pensar em um cargo majoritário, isso está além de nossas expectativas”, acentuou o candidato.
Segundo Jair Lopes, desde o final do governo de Dilma Roussef, “o que se tem assistido é um retrocesso no processo de democratização do Brasil. A gente vê a democracia se esfacelando, os caminhos se afunilando, uma perseguição sem tréguas aos mais puros setores da esquerda brasileira, especialmente do PT. É por isso que o PCO vê estas eleições como uma faca de dois gumes, de poucas oportunidades. Não temos fundo partidário, não temos horário político nem pra dizermos nosso nome e por aí vai a desvantagem em que nos encontramos neste momento de corrida eleitoral”.
Assim sendo, pontua Jair Lopes que “não vemos na atual conjuntura uma saída para a classe operária manter direitos nem conquistar direitos que nunca teve, pois as oligarquias e burguesia instaladas estão a serviço das causas próprias, o que é secular no Brasil; a serviço da direita que se instalou e está mais fortalecida ainda com o presidente Jair Bolsonaro”.

SAÚDE
Para Jair Lopes, é necessário que haja um entendimento a nível de Brasil e não apenas de cidades brasileiras, em que “só se pensa em questões administrativas. Precisamos de um entendimento geral que venha a refletir em saúde verdadeira para a nossa população. Você viu, agora, na pandemia. A decisão do ‘fica em casa’ só trouxe desemprego, fome, desespero e luto para tantas pessoas. Temos mais de quatro milhões de pessoas infectadas, quase 150 mil mortes por Covid-19. Você acha que as autoridades instaladas fizeram alguma coisa para minimizar esta situação? Não. Pelo contrário, usaram isso para roubar, para enriquecer mais”.
Destaca Jair Lopes que o isolamento social, para prevenir contra o novo coronavírus, “é uma medida que surtiu pouco efeito. No nosso entendimento, no entendimento do PCO, o governo não fez nem vai fazer grande coisa para evitar esse problema todo. Como a gente pode falar em lavar as mãos todas hora se em grande parte do Brasil a população não tem nem água encanada? Faltam esgotos, saneamento, falta tudo”.

ELEIÇÃO
Finalizando, Jair Lopes explica que o lançamento de sua candidatura, bem como de seus colegas de partido em todo o Brasil, ocorre porque é nesta fase a grande oportunidade “de difundirmos nosso programa, quando a população está um pouquinho mais ligada, mais interessada na questão política. É por isso que eu falo que o programa do PCO é diferente do que fazem os demais partidos, que têm uma atuação mais institucional, participar de eleições, estar no parlamento, conquistar cargos no poder executivo, barganhar os interesses de sua linha ideológica. O PCO está na eleição para mostrar a necessidade de mudar o Brasil, de avançar contra as oligarquias e a burguesia que formam o conjunto da direita que precisa ser derrubada, precisa ser derrubada, precisa ser afastada”.

Copyright © 2018. A Província do Pará Todos Direitos Reservados . Desenvolvido por Ideia Virtual

Notice: ob_end_flush(): failed to send buffer of zlib output compression (0) in /home/aprovincia/public_html/wp-includes/functions.php on line 4552