Conecte-se Conosco

Economia

Mais de 62 milhões de brasileiros estão negativados, aponta SPC

Publicado

em

Quase metade da população adulta da região Norte está com o nome sujo
Spread the love

Por Lucas Scatolini  / Agência Brasil  

São Paulo – Um levantamento feito pela Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) mostra 62,4 milhões de brasileiros estavam com as contas em atraso em setembro. Apesar de a taxa ter se mantido estável na comparação mensal, a pesquisa aponta que o número de inadimplentes aumentou 3,9% em relação ao mesmo período do ano passado.

O aumento mais acentuado da inadimplência acontece entre a população mais velha. O número de idosos negativados, na faixa entre os 65 e 84 anos, cresceu 10% em relação ao mesmo período no ano passado. A estimativa é que 5,4 milhões de idosos estejam inadimplentes.

Na faixa entre 50 e 64 anos também houve aumento no número de negativados em relação ao ano passado (6,2%), e hoje totalizam 12,9 milhões. Na população entre 40 e 49 anos, o crescimento foi de 4,9%, com 14 milhões de inadimplentes. Os dados apontam ainda que a maior parte dos inadimplentes permanece na faixa dos 30 aos 39 anos, que caracterizam a metade dos brasileiros endividados. O número de jovens entre 25 e 29 anos com o nome sujo soma hoje 4,4 milhões.

Quase metade da população adulta da região Norte está com o nome sujo, somando 5,8 milhões de inadimplentes. Em seguida está o Nordeste, com 17,2 milhões (42% da população); Centro-Oeste, com 5 milhões (42,3%); Sudeste, com 27 milhões (39,1%); e Sul, com 8,4 milhões (37,2%).

Segundo o SPC Brasil, o desemprego e a baixa renda ainda prejudicam o orçamento e a capacidade de pagamento dos consumidores, e que esse quadro só deverá ser revertido com a melhora no mercado de trabalho e uma recuperação econômica vigorosa.

O indicador de inadimplência do consumidor é apurado com de acordo com as informações disponíveis nas bases de dados às quais o SPC Brasil e o CNDL têm acesso. As informações referem-se a capitais e interior das 27 unidades da federação.

Continue lendo
Clique para comentar

Economia

Riqueza das famílias brasileiras encolheu US$ 380 bilhões

Publicado

em

Foto: Reprodução
Spread the love

Prejudicada pelo baixo crescimento econômico e principalmente pela desvalorização do real, a riqueza das famílias brasileiras encolheu US$ 380 bilhões nos últimos 12 meses, alcançando agora US$ 2,5 trilhões. O número foi divulgado hoje (18) pela área de pesquisa do banco Credit Suisse, que publicou o relatório Global Wealth Report 2018.

O desempenho contrasta com o do restante do planeta. Em 2018, a riqueza global das famílias aumentou 4,6%, para US$ 317 trilhões. De acordo com o relatório, problemas econômicos no Brasil e na Argentina tornaram a América Latina a única região do planeta a ter registrado queda na riqueza em 12 meses, com recuo médio de 4,9%.

O maior crescimento foi registrado na América do Norte, onde a riqueza das famílias aumentou 6,5% no ano passado, para US$ 106,5 trilhões. Em seguida, veio a Europa, com expansão de 5,5% (para US$ 85,4 trilhões), e a China, com alta de 4,6% (para US$ 51,9 trilhões).

De acordo com o levantamento, a desvalorização das moedas locais foi a principal causa da redução da riqueza média em dólares, tanto no Brasil como na Argentina. O número de milionários caiu de 190 mil para 154 mil no Brasil e de 29 mil para 21 mil no país vizinho.

Tendência

Segundo o relatório do Credit Suisse, a redução da riqueza das famílias brasileiras tem sido uma tendência nesta década. A riqueza por adulto acumula retração de 36% entre 2011 e 2018 em valores convertidos para o dólar. A riqueza por adulto, destacou o documento, saltou de US$ 8.040 em 2000 para US$ 26.200 em 2011, caindo para US$ 14.236 este ano. Em reais, o valor per capita aumentou, mas a pesquisa informa que a alta deveu-se essencialmente à inflação, que transforma a perda em dólares em ganhos na moeda local.

A desigualdade foi outro aspecto da economia brasileira ressaltado no relatório. De acordo com o banco, o desemprego, atualmente em torno de 12%, e o crescimento esperado de 1,5% da economia para este ano pioram a distribuição de renda. Atualmente, o 1% mais rico da população brasileira detém 43% da riqueza familiar nacional, enquanto a proporção de pessoas com patrimônio inferior a US$ 10 mil equivale a 74% dos habitantes, contra média mundial de 64%.

Continue lendo

Economia

Pagamento do 13º salário injeta R$ 211,2 bilhões na economia

Publicado

em

Spread the love

 

Por Agência Brasil  

São Paulo – O pagamento do 13º salário vai injetar R$ 211,2 bilhões na economia brasileira até dezembro. O valor representa cerca de 3% do Produto Interno Bruto (PIB) do país, beneficiando cerca de 84,5 milhões de trabalhadores do mercado formal, inclusive aposentados, pensionistas e empregados domésticos.

As estimativas do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) apontam um rendimento adicional de R$ 2.320,00, com fonte na relação anual de Informações Sociais (Rais) e do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho.

Os trabalhadores do mercado formal representam 48,7 milhões, ou 57,6% do total beneficiados pelo pagamento do 13º salário. Os empregados domésticos são 1,8 milhão, ou 2,2% do total. Os aposentados e pensionistas representam 34,8 milhões, ou 41,2% do total. Dos R$ 211,2 bilhões pagos, os empregados do mercado formal ficarão com 66%, ou R$ 139,4 bilhões. Os aposentados e pensionistas receberão R$ 71,8 bilhões, ou 34%.

Regiões

Os estados da região Sudeste ficarão com 49,1% do pagamento do 13º salário, seguido pelos estados do sul com 16,6%, Nordeste com 16%, Centro-oeste com 8,9% e Norte com 4,7%. O beneficiário com o maior valor médio (R$ 4.278,00) será pago no Distrito Federal e o menor no Maranhão (R$ 1.560,00) e Piauí (R$ 1.585,00).

A maior parcela que será paga aos assalariados do setor de serviços (incluindo administração pública), que receberão R$ 137,1 bilhões, ou 64,1% do total destinado ao mercado formal. Os empregados da indústria receberão 17,4%, os comerciários 13,3%, enquanto que os da construção civil ficarão com 3,1% e da agropecuária com 2,1%. O valor médio do 13º salário do setor formal ficará em R$ 2.927,21, sendo que a maior média será paga aos trabalhadores do setor de serviços com valor de R$ 3.338,81 e o menor para os trabalhadores do setor primário da economia, com R$ 1.794,86.

A economia paulista receberá cerca de R$ 60,7 bilhões, ou 28,8% do total do Brasil. Os beneficiados são estimados em 21,6 milhões, equivalente a 25,6% do total.

Continue lendo

Economia

Nascidos em outubro já podem sacar abono do PIS de 2017

Publicado

em

Spread the love

Pedro Rafael Vilela /Agência Brasil  

Brasília – Começa nesta quinta-feira (18) o pagamento do abono salarial do Programa de Integração Social (PIS), calendário 2018/2019, para os trabalhadores nascidos no mês de outubro. Os pagamentos se referem ao ano-base 2017. Os valores variam de R$ 80 a R$ 954, conforme o tempo de trabalho durante o ano passado. Titulares de conta individual na Caixa Econômica Federal com saldo acima de R$ 1,00 e com movimentação na conta já receberam o crédito automático antecipado na última terça-feira (16). No Pará, mais de 40 mil trabalhadores têm direito ao abono.

A Caixa reservou R$ 1,3 bilhão apenas para o pagamento de 1,8 milhão de trabalhadores nascidos em outubro e que têm direito ao benefício. O início do pagamento se deu em julho, com os nascidos naquele mês. Os recursos de todos beneficiários ficam disponíveis até 28 de junho de 2019. No total, ao longo do calendário de pagamentos, serão disponibilizados o valor de R$ 16,3 bilhões destinados a mais de 22,3 milhões de beneficiários.

Quem tem direito

Tem direito ao benefício o trabalhador inscrito no PIS há pelo menos cinco anos e que tenha trabalhado formalmente por pelo menos 30 dias em 2017 com remuneração mensal média de até dois salários mínimos. Também é necessário que os dados estejam corretamente informados pelo empregador na Relação Anual de Informações Sociais (RAIS), ano-base 2017.

Quem possui o Cartão do Cidadão e senha cadastrada pode se dirigir a uma casa lotérica, a um ponto de atendimento Caixa Aqui ou aos terminais de autoatendimento do banco estatal. Caso o trabalhador não tenha o Cartão do Cidadão ou não tenha recebido automaticamente na sua conta, o valor pode ser retirado em qualquer agência da Caixa, bastando apresentar um documento de identificação com foto.

Abono de 2016

Os trabalhadores que não sacaram o Abono Salarial PIS/Pasep calendário 2017/2018, ano-base 2016, que terminou em 29 de junho, também terão nova oportunidade para sacar o benefício. Para esses trabalhadores, cerca de 8% dos beneficiários, o valor está disponível para saque até 28 de dezembro deste ano.

Continue lendo

Facebook

Propaganda

Destaques