Conecte-se Conosco

TECNOLOGIA

Motorola relança Razr V3, agora com tela que dobra

Publicado

em

Fonte/Foto: G1 / Motorola Razr é o retorno do celular de 'flip', agora com a tela que dobra. — Foto: Divulgação/Motorola
Celular que era famoso na década passada agora se chama apenas Razr, ganha repaginada com nova tecnologia e preço alto, de quase US$ 1.500. Porém, características como câmera e processador são de modelo intermediário.

Lembra do Motorola Razr V3, celular que dobrava e foi sensação há 15 anos? A Motorola anunciou nesta quinta-feira (14) que ele está voltando, agora com uma tecnologia que tem chamado muita atenção este ano: a tela do aparelho é flexível e também dobra.

Diferente de outros modelos com telas dobráveis, como o Flexpai, o Samsung Galax Fold ou o Huawei Mate X, o novo Razr não é feito para se parecer com um tablet, mas com um celular normal, como o que você provavelmente tem no bolso agora — a diferença é que ele dobra ao meio e dá um ganho de tamanho.

Fechado, o aparelho tem uma grossura muito semelhante ao modelo Razr V3 original. Segundo a empresa, o desenvolvimento foi focado para garantir um sistema de fechamento preciso, evitando a entrada de poeiras e problemas na tela dobrável.

De acordo com a Motorola, a empresa desenvolveu e testou vários formatos dobráveis, incluindo mais de 20 protótipos antes de decidir pelo “flip”, que já foi um tipo de celular muito comum antes de a Apple mudar o cenário com o lançamento do primeiro iPhone em 2007.

O celular foi anunciado por US$ 1499,99, o que faz dele o mais barato dos aparelhos dobráveis, mas ainda muito acima dos custos de aparelhos topo de linha lançados este ano como o iPhone 11 Pro, Pixel 4 ou Note 10.

Modelo tem características de intermediário

Embora o preço seja elevado, o smartphone tem algumas características de celular intermediário. O processador é o Snapdragon 710, o aparelho tem apenas uma câmera de 16MP na parte externa e a memória RAM é de 6GB.

Sendo dobrável, o novo Razr vem com duas telas. Uma maior, interna, que é a que efetivamente dobra, e tem 6,2 polegadas e resolução HD. E uma menor, externa, de 2,7 poleadas com resolução Super VGA. Essa tela serve para ler notificações, controlar músicas e utilizar o Assistente de voz do Google.

Tela externa do Motorola Razr — Foto: Divulgação
Motorola Razr agora tem tela dobrável. — Foto: Divulgação/Motorola

A Motorola teve que trabalhar para fazer todas as peças encaixarem nesse aparelho — a empresa afirma que teve que encaixar a antena num espaço que é metade do tamanho que as antenas têm nos smartphones atuais.

O Razr não vem com entrada para cartão SIM: o suporte de conexão móvel é dado apenas por eSIM, os “chips virtuais”. Além disso, ele chega com Android 9, armazenamento de 128GB e bateria de 2.510 mAh. A câmera interna, que é a que fica no topo da tela quando o celular está aberto, é de 5MP.

Especificações

  • Processador: Snapdragon 710
  • Memória RAM: 6GB
  • Armazenamento :128GB
  • Tela interna: 6.2 polegadas pOLED HD (2142 x 876)
  • Tela externa: 2.7 polegadas (800 x 600)
  • Câmera externa: 16MP, f/1.7
  • Câmera interna: 5MP
  • Bateira: 2510mAh
  • Cartão SIM: eSIM
  • Sistema operacional: Android 9 Pie

TECNOLOGIA

Android 11 terá suporte a documentos digitais graças a nova API e ao Snapdragon 865

Publicado

em

Fonte/Foto: tudocelular

Há alguns meses o XDA Developers observou que através de um commit – atualização enviada para o diretório que concentra o desenvolvimento do sistema Android – que uma documentação indicava o suporte do SO ao armazenamento de dados de documentos de pessoa física, como identidade, licença de motorista e até passaporte.

Pois bem: Google e Qualcomm confirmaram durante o Snapdragon Summit 2019 que tal recurso será uma realidade a partir do Android de 2020. A criação da API Android Identity Credential permitirá o armazenamento seguro de uma série de documentos que poderão ser fornecidos através de aproximação, por exemplo. Como era de se esperar, porém, uma implementação de hardware é necessária, e por isso nem todo smartphone que receber o Android 11 terá essa compatibilidade.

Inicialmente se supunha que a Google queria implementar essa novidade em smartphones que abarcarem um dispositivo secundário reservado que possa ser lido por contato NFC. Assim, mesmo que um usuário ficasse sem bateria, essa parte especial do celular ainda poderia repassar seus documentos para validação por autoridades. Apontando um indicativo disso, apenas chips mais modernos suportarão o novo recurso, a estrear com o Snapdragon 865. O funcionamento, inclusive offline, não foi confirmado pelas companhias.

Android 05 Dez

A nova API poderá significar novidades também para carteiras digitais, incluindo o Google Pay que poderá ser o maior beneficiado. Mais detalhes sobre esse sistema deverão ser dados pelo Google em breve, com informações mais completas no I/O 2020, que costumeiramente já libera versões beta para serem testadas em smartphones Pixel e de fabricantes parceiras.

Vale lembrar, o iPhone – desde a geração lançada no ano passado – possui suporte a Express Cards mesmo descarregado. Uma reserva de energia dá conta de transmitir as credenciais de cartões de trânsito e transporte público do usuário aos terminais compatíveis para que ele não fique na mão.

Continue lendo

TECNOLOGIA

Escola de tecnologia oferece bolsas de estudo para jogadores de The Sims

Publicado

em

Escola Ironhack: cursos para desenvolvedores (Ironhack/Divulgação) Fonte: Exame

A espanhola Ironhack tem cursos de análise de dados, desenvolvimento web e design de interface

São Paulo – A escola de programação espanhola Ironhack oferece 800 mil euros (3,8 milhões de reais) em bolsas de estudos para jogadores de The Sims, game da Electronic Arts.

Serão oferecidas 400 bolsas de estudos para cursos de desenvolvimento web, design de interface (UX/UI) e análise de dados da Ironhack, que tem unidade na cidade de São Paulo. Os descontos variam de 3.500 e 9.000 reais para cursos realizados no Brasil. Porém, é possível, também, concorrer a bolsas em outros países. A Ironhack possui unidades em Madrid, Barcelona, Berlim, Paris, Miami, Cidade do México, Amsterdã, Lisboa. As inscrições devem ser feitas por meio deste link até 17 de dezembro.

A seleção dos bolsistas será por meio de uma prova com conteúdos básicos sobre a área de interesse do aluno. Os aprovados passarão, ainda, por uma entrevista presencial ou online que acontecerá até 24 de janeiro de 2020. Os resultados serão divulgados ao final de janeiro.

A Ironhack oferece cursos com duração de 10 semanas (de segunda a sexta) ou 28 semanas (três dias por semana).

A iniciativa de oferece bolsas de estudos no jogo The Sims acontece durante a etapa de lançamento do pacote de expansão do jogo chamada Discover University, na qual os jogadores podem inscrever personagens em cursos de tecnologia.

Continue lendo

TECNOLOGIA

Mark Zuckerberg não concluiu seus desafios para 2019; relembre

Publicado

em

Fonte/Foto: Tecmundo

O CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, fez o que muitos brasileiros repetem sempre ao iniciar um novo ano: em 8 de janeiro, ele detalhou em sua página na rede social quais seriam os seus objetivos para o ano de 2019. A ideia do executivo foi muito justa, afinal ele se comprometeu a trazer discussões sobre o futuro da tecnologia na sociedade ao lado de algumas personalidades fortes do mercado. No entanto, muitos encontraram alguns problemas enquanto ele cumpria esse desafio.

“Meu desafio para 2019 é sediar uma série de discussões públicas sobre o futuro da tecnologia na sociedade – as oportunidades, os desafios, as esperanças e as ansiedades”, explicou Zuckerberg na postagem que planejava o seu ano. “A cada poucas semanas, converso com líderes, especialistas e pessoas em nossa comunidade de diferentes campos e tentarei diferentes formatos para mantê-lo interessante”, explicou.

O CEO definitivamente buscou cumprir esse objetivo. No blog oficial do Facebook, é possível acompanhar algumas rodas de discussões em inglês em que ele levou esse tópico para a mesa. Os problemas começam quando, em 11 meses, ele só realizou seis debates — furando uma de suas promessas de continuar esse desafio “a cada poucas semanas”. O formato também não foi muito inovador: em todas as ocasiões, Zuckerberg se sentou com um ou dois representantes em conversas que seguiam o mesmo fluxo de discussão e apresentação.

Bloomberg também criticou que, entre todas as oportunidades de conversas, houve pouca diversidade nas escolhas pelo CEO. A única exceção ficou com Jenny Martinez, uma das representantes da Escola de Direito de Stanford, que foi a única mulher entre os nove convidados. O fato só reforça que o dono do Facebook levou o tópico para executivos que eram muito parecidos com ele — homens brancos entre seus 30 a 40 anos, como reforça o site.

Apesar disso, os pontos abordados viajaram entre tecnologia biológica, jornalismo e conteúdo na internet. Zuckerberg de fato lançou questionamentos sobre as oportunidades, desafios, esperanças e ansiedades de cada uma dessas áreas, mas talvez o caminho não agradou a muitos.

Apesar disso, 2020 está chegando e, com ele, a chance de trabalhar em novas discussões e desafios. E você? O que gostaria que o dono do Facebook falassse e debatesse no próximo ano?

Continue lendo

Copyright © 2018. A Província do Pará Todos Direitos Reservados . Desenvolvido por Corpes Digital