Conecte-se Conosco

ECONOMIA

No ano passado, só 8% dos brasileiros conseguiram poupar para investir

Foto: Reprodução /Fonte: Agência Brasil

Publicado

em

No início do ano passado, uma pesquisa feita pela Anbima, a associação das empresas do mercado financeiro, mostrava que 56% dos entrevistados tinha interesse em poupar para investir nos 12 meses seguintes. Mas uma nova pesquisa feita agora pela entidade aponta para uma realidade bem diferente: apenas 8% da população economicamente ativa conseguiu guardar algum dinheiro para aplicação no ano passado.

Na prática, além da baixa capacidade de poupança, o levantamento evidencia uma certa confusão em torno da noção do que é ou não é uma aplicação financeira. Quando questionados apenas se ao longo de 2018 realizaram algum investimento, 25% dos entrevistados disseram que sim. No entanto, instigados a detalhar o destino desses recursos, 17% relataram aportes em bens duráveis, como carros e imóveis, reformas residenciais e até a abertura de uma pequena empresa.

Mesmo entre os 8% que efetivamente destinaram recursos para produtos do mercado financeiro, o estudo aponta para uma baixa diversificação. Dos entrevistados, mais de 80% dos que investiram no período (5,6% do total dos brasileiros), optaram pela caderneta de poupança, um produto que, no ano passado, acumulou retorno de 4,55% ao ano, ante 15% da Bolsa de Valores.

Para a pesquisa da Anbima foram realizadas 3.452 entrevistas em todo o Brasil, distribuídas em 152 municípios com a população economicamente ativa, inativos que possuem renda e aposentados das classes A, B e C, a partir dos 16 anos. A margem de erro é de dois pontos porcentuais para mais ou para menos, com nível de confiança de 95%.

Mercado distante

Para os responsáveis pelo levantamento, os dados sinalizam o quanto o mercado financeiro ainda está distante do dia a dia do brasileiro. E isso acontece por dois motivos: falta de educação financeira e uma dificuldade real em conseguir guardar dinheiro em meio a uma crise econômica persistente.

“Quando um entrevistado diz que investiu na compra de um carro, isso acontece porque, para ele, tudo aquilo que pode se transformar em um bem-estar no futuro é identificado como investimento”, diz a superintendente em educação financeira e informações técnicas da Anbima, Ana Claudia Leoni, uma das responsáveis pelo estudo.

Ana Claudia é do time dos que enxergam na falta de cultura de investidor o principal motivo pelo baixo número de investidores. Segundo ela, além de não saber ainda onde colocar o dinheiro, o brasileiro não quer guardar dinheiro. “Entre poupar ou consumir, ele prefere consumir. O brasileiro trabalha o mês inteiro e ainda não vê valor em colocar o que resta do dinheiro em uma aplicação. Vai preferir comprar alguma coisa”, destaca.

ECONOMIA

Caixa lança ferramenta que permite saque digital do FGTS

Publicado

em

Aplicativo do FGTS agora permite saque digitaleo Foto: Agência Brasil/Marcelo Camargo

A Caixa Econômica Federal lançou, na última segunda-feira (17), uma nova ferramenta que possibilita o saque total dos valores depositados no Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), de qualquer modalidade, sem necessidade de comparecer na agência bancária ou em um caixa eletrônico. Com isso, o resgate poderá ser feito direto pelo aplicativo do Fundo.

Com a atualização, o trabalhador poderá indicar uma conta da Caixa, ou de qualquer outro banco, para receber os valores sem qualquer custo adicional. Os beneficiários ainda poderão consultar os valores do FGTS já liberados para saque, enviar documentos e acompanhar as fases entre a solicitação e a liberação dos valores.

A aplicação já permitia a consulta do saldo e extrato das contas do FGTS, fazer a opção pelo saque-rescisão ou saque-aniversário, efetuar o cadastramento do serviço SMS para receber mensagens sobre depósitos na conta, além de apresentar uma seção com as dúvidas mais frequentes.

Continue lendo

ECONOMIA

Fintech dá dicas para ajudar a cuidar da sua saúde financeira

O começo do ano é o momento certo para se organizar e sair do vermelho

Publicado

em

Foto: Reprodução / Fonte: Agência Noar

O início do ano sempre traz novas perspectivas, possibilidades e até mesmo a vontade de realizar sonhos, como trocar de carro ou começar um curso novo, mas na prática, isso nem sempre acontece, já que os brasileiros estão cada vez mais endividados. Segundo especialistas, cuidar da saúde financeira neste período é algo importante, para que o resto do ano flua bem.

De acordo com pesquisa recente do Serasa Experian, um em cada cinco inadimplentes no Brasil tem entre 41 e 50 anos. Além disso, o número representa 41% da população adulta que reside no Brasil. Pensando nisso, a Simplic – (www.simplic.com.br) – é primeira fintech de crédito 100% online, que possui mais de 4 milhões de clientes cadastrados – separou algumas dicas valiosas para ajudar as pessoas a cuidarem da saúde financeira e equilibrar as contas em 2020:

1º passo: organização.

Relacione as contas, uma a uma, numa planilha, contendo: que tipo de conta é, valor, quantidade de parcelas e vencimento separadas por mês.

2º passo: anote tudo.

Anote todos os gastos num caderno, é importante saber onde, quando e quanto está gastando, para depois analisar se aquele gasto foi necessário ou não e se dá para cortá-lo.

3º passo: faça um balanço.

Ao final do mês some todos os gastos e subtraia do seu salário, assim poderá saber quanto sobrou para fazer investimentos futuros.

4º passo: crie metas.

Você pode começar guardando 50 reais, por exemplo, até o final do ano para viajar ou para pagar alguma conta a vista ou para começar a aplicar o dinheiro, enfim, o importante é criar a sua meta seja a pequeno, médio ou longo prazo.

5º passo: entenda seu perfil.

Seu perfil é endividado, inadimplente, equilibrado ou investidor? Faça essa análise para entender quais pontos precisam ser melhorados a fim de se tornar uma pessoa financeiramente saudável. Lembre-se cuidar da saúde financeira é cuidar da saúde física, mental e espiritual.

Todos esses passos têm o objetivo de te fazer entender para onde estão indo seus recursos, redirecionar melhor seus gastos, manter seu padrão de vida e principalmente, realizar seus sonhos. “Acreditamos que todas as podem ter uma boa qualidade de vida financeira, mesmo passando por situações imprevisíveis que acabam atrapalhamento o orçamento. As fintechs surgiram para ajudar quem precisa de dinheiro de forma rápida, prática e menos burocrática. Além disso, essa modalidade geralmente atende o público que não é aceito nos bancos tradicionais, sendo uma opção para muitos brasileiros que estão endividados”, finaliza Rogério Cardozo, diretor – executivo da Simplic no Brasil.

Sobre a Simplic

Lançada em julho de 2014 no Brasil, a Simplic (www.simplic.com.br), é a primeira plataforma de crédito pessoal 100% online do País. Inovadora, a ferramenta analisa dados do usuário advindos de mais de 200 variáveis e é capaz de gerar uma resposta em menos de 3 segundos. Oferece empréstimos entre R$500 e R$3.500, que podem ser pagos em 3, 6, 9 ou 12 vezes, tudo de forma segura, prática e móvel. A plataforma analisa, hoje, mais de 6 mil solicitações de empréstimos por dia, atingindo em setembro de 2019, 4 milhões de clientes no Brasil.

Por: Rafael Araujo

Continue lendo

ECONOMIA

BR-163 viabiliza o caminho das exportações pelos portos privados do Arco Norte

Publicado

em

Foto: Reprodução / Fonte: A Província do Pará

Pavimentação da rodovia federal é inaugurada pelo presidente Jair Bolsonaro e pode contribuir para o aumento da competitividade e escoamento de grãos pelos portos privados da Região Norte

O presidente da República, Jair Bolsonaro, e o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas inauguraram, nesta sexta-feira (14), a pavimentação dos últimos 51 Km da BR-163/PA que faltavam para ligar, definitivamente, o estado do Mato Grosso aos portos de Miritituba/PA. A obra contribui para o escoamento da safra de grãos que sai do centro do País, sobretudo do estado do Mato Grosso, até os portos do Pará, de onde são transportados para os principais centros consumidores em todo o mundo.

Segundo o presidente da ATP, Murillo Barbosa, a rodovia federal representa um novo impulso para a economia, pois viabiliza o transporte de produtos agrícolas pelo Brasil, especialmente pelo Arco Norte, o que incrementa a exportação. “A conclusão da BR 163 vai permitir um fluxo ainda maior de caminhões de carga que abastecem os navios, levando ainda mais crescimento e desenvolvimento para a região Norte do País”, afirma.

Em suas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro destacou que “a rodovia, implantada em 1976 pelo presidente Geisel, será o principal corredor de exportação de grãos. Em pouco tempo 20 milhões de toneladas chegarão até os portos do Arco Norte”.

O Arco Norte tem grande impacto no escoamento de grãos, já que um terço dos grãos exportados no ano passado saiu por esses portos. “Acreditamos que a Região Norte tem um alto potencial, seja pelo aumento da produção de bauxita e de grãos vindos do norte do Mato Grosso e de outras regiões próximas, como pela conclusão da BR 163”, ponderou o presidente da ATP, Murillo Barbosa.

Segundo dados divulgados ontem (12) pela Antaq (Agência Nacional de Transportes Aquaviários), a logística de escoamento pelo Arco Norte cresceu quase 500% nos últimos nove anos. Em 2019, foram 30,1 milhões de toneladas de soja e milho a mais que o volume exportado pelos portos acima do paralelo 16 em 2010. Do total de grãos exportados no ano passado, 32% passaram por essa rota e 68% por portos do Sul e do Sudeste. Em 2010, essa participação de portos do Norte e do Nordeste era de 14,4%.

Barbosa considera positiva a inauguração do trecho da rodovia, mas lembra a necessidade de novos investimentos na região em outros modais, como o ferroviário. Para ele, a Ferrogrão é um bom exemplo para aumentar a eficiência no transporte de cargas. Trata-se de um projeto de ferrovia que ligará os municípios de Sinop (MT) a Miritituba (PA).

Continue lendo

Facebook

Propaganda

Copyright © 2018. A Província do Pará Todos Direitos Reservados . Desenvolvido por Corpes Digital