Conecte-se Conosco

Internacional

No último dia do G20, Argentina passa comando do grupo para o Japão

Publicado

em

A presidência do G20 será transferida da Argentina para o Japão

Por Agência Brasil*  

 

Brasília- No segundo e último dia hoje (1º) da Cúpula de Líderes do G20 (que reúne as maiores economias mundiais), em Buenos Aires, Argentina, haverá uma reunião conjunta de todas as autoridades presentes e, ao final, será divulgado o documento com as conclusões e direcionamentos do grupo.

A presidência do G20 será transferida da Argentina para o Japão. Na cerimônia, o presidente da Argentina, Mauricio Macri, discursará e o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, deve citar as expectativas da Cúpula de Líderes do G20  2019,  em Osaka.As sessões de discussão na cúpula se dividem em três etapas com temas distintos a cada encontro. Nesta de Buenos Aires, a primeira sessão  foi chamada de “Colocando as Pessoas em Primeiro Lugar”, a segunda foi “Construindo Consenso” e a terceira é  “Explorando Oportunidades”.

Por dois dias, Buenos Aires concentrou os principais nomes da política internacional, além do anfitrião Macri, os presidentes Michel Temer, Emmanuel Macron (França), Vladimir Putin (Rússia), Donald Trump (Estados Unidos) e Xi Jinping (China).

Também os primeiros-ministros Theresa May (Reino Unido), Justin Trudeau (Canadá) e Pedro Sanchez (Espanha) e a chanceler Angela Merkel (Alemanha).

Como convidados participaram representantes de organismos internacionais Aires Yong Kim (Banco Mundial), Christine Lagarde (Fundo Monetário Internacional) e António Guterres (Organização das Nações Unidas).

Paralelamente à cúpula, a primeira-dama argentina, Juliana Awada, conduziu atividades para apresentar a arte, cultura e gastronomia na Argentina. Também incluiu discussões sobre os desafios mais urgentes da região com ênfase especial na primeira infância.

*Com informações da Télam, agência pública de notícias da

Argentina

Local do encontro de líderes esconde bunker

Pelo menos três dos governantes levaram para Buenos Aires sua versão moderna de provadores de comida

Roberto Godoy/O Estado de S.Paulo

O Centro de Costa Salguero, onde se realizam em Buenos Aires as sessões reservadas dos governantes dos países integrantes do G-20, esconde um bunker – é por isso, em grande parte, que foi escolhido para abrigar a reunião de presidentes e primeiros-ministros. No meio do complexo de 20 mil m² cobertos, há um conjunto feito de concreto reforçado, com paredes forradas de placas de aço, sem janelas e com renovadores de ar independentes. Os pórticos metálicos são do tipo corta fogo. Não é por acaso.

Ministros finanças G-20Encontro de ministros de finanças do G-20 aconteceu na véspera da cúpula presidencial, em Buenos Aires Foto: EFE G-20

 

Um deles, coronel das forças dos Estados Unidos, estará sempre a curta distância de Donald Trump, mesmo considerados eventuais obstáculos – as portas, por exemplo. É fundamental que seja assim. O militar leva uma maleta quadrada, presa ao pulso por uma corrente metálica. Ali estão o computador e os códigos de acesso que permitirão ao presidente lançar um ataque de retaliação nuclear em caso de agressão maciça contra o território americano.

A programação do G-20 é intensa e previa que todas as atividades fossem realizadas no Costa Salguero; as refeições e os briefings de ajustes de informações. O cardápio disponível citava “cozinha internacional” e “gastronomia típica,” sem, todavia, revelar detalhes. Vinhos argentinos, naturalmente. Alguns dos dirigentes, apenas dois ou três de acordo com a indiscrição de funcionários da organização, trouxeram em suas equipes uma versão moderna de provadores de comida – assumidamente, só o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohamed Bin Salman. O uso do Centro está custando US$ 25 milhões ao governo do presidente Maurício Macri. Os gastos com a reunião devem ficar entre US$ 140 milhões e US$ 160 milhões.

Continue lendo
Clique para comentar

Internacional

Morre aos 95 anos o marinheiro da icônica foto do beijo em NY

Publicado

em

 Greta Zimmer Friedman, a mulher da foto, morreu em 2016 aos 92 anos de idade(foto: Reprodução)

George Mendonsa sofreu um derrame no domingo depois de cair no asilo onde vivia em Middleton

Agência France-Presse

Washington, Estados Unidos – O marinheiro que beija uma enfermeira na Times Square enquanto as pessoas comemoravam o fim da Segunda Guerra Mundial nas ruas de Nova York, protagonista de uma foto icônica da época, morreu aos 95 anos, informou sua filha ao Providence Journal.
George Mendonsa sofreu um derrame no domingo depois de cair no asilo onde vivia em Middleton, Rhode Island, informou sua filha Sharon Molleur.
Na famosa imagem, uma das quatro de Alfred Eisenstadt para a revista Life, Mendonsa é visto curvando-se sobre a mulher para beijá-la.
Mendonsa, que esteve mobilizado no Pacífico durante a Segunda Guerra Mundial, estava de férias quando a fotografia foi tirada.
Durante muito tempo, ele garantiu que era o marinheiro da foto, mas isso só foi confirmado recentemente com o uso da tecnologia de reconhecimento facial.
Continua depois da publicidade

Greta Zimmer Friedman, a mulher da foto, morreu em 2016 aos 92 anos de idade.
Eisenstadt não pediu os nomes dos dois estranhos que capturou com sua câmera enquanto se beijavam.
Mais tarde, descreveu que  viu como o marinheiro correu pela rua e tomou nos braços a primeira jovem com quem cruzou.
“Corri na frente dele com a minha Leica olhando por cima do meu ombro, mas nenhuma das fotos possíveis me satisfazia”, escreveu em “Eisenstadt on Eisenstadt”.
“De repente, vi alguém agarrando algo branco. Me virei e cliquei no momento em que o marinheiro beijou a enfermeira. Se ela estivesse vestida de preto, nunca teria tirado a foto.”

Continue lendo

Internacional

Fim do Estado Islâmico está próximo, afirma coalizão

Publicado

em

Os extremistas estão agora cercados em um reduto de meio quilômetro quadrado na cidade de Baghuz, no leste da Síria

 AF Agência France-Presse

A vitória sobre o grupo Estado Islâmico (EI) na Síria será anunciada “em alguns dias”, afirmou neste sábado (16) um comandante da aliança curdo-árabe que luta contra os extremistas entrincheirados no último reduto de seu “califado”.

“Em um prazo muito curto, não mais do que alguns dias, anunciaremos oficialmente o fim da existência do EI”, declarou o comandante da força curdo-árabe, Yia Furat, em entrevista coletiva na base de Al-Omar.
Segundo este comandante das Forças Democráticas Sírias (FDS), os extremistas estão entrincheirados em “um bairro (cuja superfície) está estimada em 700 metros de comprimento e 700 metros de largura”, ou seja, meio quilômetro quadrado, na localidade de Baghuz, no leste do país.
O EI conquistou em 2014 amplas zonas e grandes cidades de Síria e Iraque, de uma superfície comparável a um país como o Reino Unido. Mas o seu autoproclamado “califado” ficou reduzido agora a algumas centenas de extremistas, cercados em seu último reduto da província de Deir Ezzor.
As FDS e a coalizão antiextremista liderada pelos Estados Unidos que as apoia reconheceram neste sábado que a presença de “muitos civis” freia o seu avanço.

‘Escudos humanos’

Há “muitos civis dentro” do reduto defendido pelos extremistas, havia indicado pouco antes à AFP um porta-voz das FDS, Adnan Afrin.
“Nos surpreendemos ao ver muitos civis emergindo dos túneis” cavados pelo EI, acrescentou.
“Não contávamos com tantos (…) por isso (a operação) vai mais devagar”, disse.
“Centenas de civis continuam fugindo e os que conseguiram escapar explicam que o EI os usa como escudos humanos”, explicou à AFP o coronel Sean Ryan, porta-voz da coalizão antiextremista, liderada por Washington. Os bombardeios foram “reduzidos para ajudar na proteção desses civis”, acrescentou.
Desde o lançamento, em dezembro, da ofensiva das FDS para eliminar o último reduto do “califado”, 40.000 pessoas fugiram da zona de combates.
Entre elas estão muitos membros das famílias dos extremistas, alguns deles franceses, alemães, russos, ucranianos e muitos iraquianos, constataram jornalistas da AFP.

Combatentes em túneis

“Há uma cisão entre os combatentes extremistas locais e estrangeiros no terreno. Os extremistas locais querem abandonar, enquanto os estrangeiros impedem qualquer rendição”, indicou Afrin à AFP.
“Iraquianos, turcos e europeus”, assim como egípcios e líbios, ainda estão presentes no setor, de acordo com este porta-voz das FDS.
Segundo o Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH), as FDS seguem rastreando os campos nos arredores de Baghuz “buscando combatentes do EI escondidos em túneis”.
As FDS têm que “desminar e se manter atentas aos combatentes do EI que poderiam se explodir ou atacar suas posições com carros ou motos cheios de explosivos”, segundo o coronel Ryan.
Cerca de 440 extremistas se renderam nestes dois últimos dias, de acordo com o OSDH, mas este número não pôde ser confirmado com as FDS.
Paralelamente a este anúncio, o vice-presidente americano, Mike Pence, prometeu que os Estados Unidos continuarão trabalhando contra “os remanescentes do EI” em longo prazo, apesar da retirada anunciada de 2.000 soldados americanos da Síria.
“Os Estados Unidos manterão uma forte presença na região” e “continuarão trabalhando com todos os seus aliados para perseguir os remanescentes do EI onde quer que estejam”, disse Pence na Conferência de Segurança de Munique.

Continue lendo

Internacional

Airbus anuncia fim da produção do superjumbo A380

Publicado

em

Continue lendo

Destaques