Conecte-se Conosco

Cidade

Nos 403 anos de Belém, Governo do Pará valoriza orgulho cabano

Publicado

em

O maior movimento popular do Pará, a Cabanagem, é tema de uma programação alusiva ao aniversário de Belém, comemorado neste sábado (12). O objetivo da programação Belém Cabana, realizada pelo Governo do Estado por meio da Secretaria de Estado de Cultura (Secult), é promover, na data que marca os 403 anos da capital, a valorização da memória e da história do povo paraense.

A Cabanagem, ocorrida entre 1835 e 1840, completa 184 anos em 2019. Como forma de homenagear o movimento, o governador Helder Barbalho inaugurou no último dia 7 uma iluminação especial no Memorial da Cabanagem, localizado no Entroncamento. Também serão realizadas diversas programações nos espaços culturais gerenciados pela Secult na capital até o próximo domingo (13), sempre com entrada franca.

“Esse é um novo momento, de portas abertas, de coração e ouvidos abertos, porque quando o fluxo de informações gira intenso, quando essa boa vontade demonstrada em cada ação, em cada agenda cultural, em cada processo de fala institucional acontece, a população começa a estabelecer um novo elo de confiança com o Governo, e a gente precisa que as pessoas confiem na intenção verdadeira desse Governo: de fazer do Pará um imenso território de paz”, pontuou a secretária de Estado de Cultura, Úrsula Vidal.

Helder Barbalho, disse que a programação é uma forma de valorizar a memória do povo paraense e também de mostrar o comprometimento do atual governo com a capital do estado. “Lembrar o monumento da cabanagem; convocar a Força Nacional como parte das ações na área de segurança pública; dar celeridade a análise do Mangueirão para que o Parazão 2019 seja realizado sem contratempos foram algumas das coisas que conseguimos realizar, até o momento pela cidade e neste sábado (12), vamos entregar 60 viaturas que atenderão Belém e a área metropolitana. Essas são ações que desenvolvemos, até agora, como o governo presente vamos fazer muito mais por Belém”, disse.

História ao ar livre

Como parte das atividades alusivas ao aniversário da cidade, o diretor do Sistema Integrado de Museus, Armando Sobral, convidou o historiador Michel Pinho para levar a população de Belém para um passeio pela cultura e história de Belém.

“Há quase 20 anos organizo um passeio histórico pelas ruas da Cidade Velha para contar um pouco da história da cidade à população. Pela primeira vez, por um convite do diretor do SIM, ela vai sair do Forte do Castelo, para contar a historia de Belém desde o local no qual ela realmente começa. Considero isso um presente pra nossa capital”, comemora o historiador Michel Pinho.

Para Michel, o Movimento Cabano é uma espécie de auto-resgate do paraense. “A Cabanagem fez com que a população paraense como um todo, o índio, o negro, o homem do campo, esse homem que faz a agricultura e vivia no interior, viesse pra Belém ocupar seu espaço de poder. Eles se denominavam ‘patriotas’ e acho isso muito bonito. Eles lutavam pela pátria deles, que era o Pará, a pátria da Cabanagem. E quando a gente consegue entender esse processo, a gente consegue formar a identidade do paraense”, analisa.

Essa essência do “povo cabano” é refletida no feirante Sebastião Teles. Há 32 anos, ele tira o sustento de seus três filhos de uma barraca de ervas na Feira do Ver o Peso. “Meu pai veio de São Sebastião da Boa Vista, região das ilhas, para ter uma barraca em Belém, e hoje me considero um guerreiro por ter vencido nessa profissão seguindo o exemplo dele”, destacou o feirante.

O passeio sairá na manhã deste sábado, às 8h, do Forte do Castelo, e irá até o Mercedário da Universidade Federal do Pará (UFPA), palco de uma das maiores batalhas da Cabanagem.

Programação “Belém Cabana” – entrada franca em todas as atrações.

Teatro Gasômetro – neste sábado, a programação começa às 9h30 no Parque da Residência, com apresentação de cortejo afro, Cordão de Pássaro Colibri, Escola de Samba Império Pedreirense, Companhia de Teatro Madalenas e In Bust Teatro com Bonecos.

Às 10h40, na área externa, o grupo Madalenas entra em cena com o espetáculo “La Fábula”, um mergulho no universo mágico dos contos da literatura universal, encenados com a linguagem do teatro de rua. Já às 11h40, uma narrativa que se passa em uma fazenda no Marajó ganha vida com a companhia In Bust Teatro com Bonecos, em “O Conto Que Eu Vim Contar”.

Museu do Estado do Pará (MEP) – Além da exposição “Saramago”, que permanece até 17 de fevereiro, a partir das 9h haverá uma “Imersão Cabana”, com visita educativa ao acervo e projeção do curta “Cabanagem”, cedido pela Funtelpa, no salão transversal.

A partir de 19h, na área externa, será exibido vídeo mapping temático com os VJs Lobo e Luan, além da intervenção cênica “A(Mor)daça”, de Lo Ojuara, baseada em pesquisas sobre a escravidão e a resistência negra durante esse período histórico. Também haverá a apresentação da performance narrativa “Começa Muito Antes de Começar – Uma Voz sobre a Cabanagem”, encenada pela atriz Ester Sá.

Cortejo e batuque – Músicos, dançarinos, artistas circenses e brincantes dão vida ao Batalhão da Estrela, que fará um cortejo saindo do Museu do Estado do Pará (MEP) em direção ao palco na Casa das Onze Janelas. A comunidade foi criada há mais de 20 anos e se consolida a partir dos processos de formação de brincantes do Instituto Arraial do Pavulagem. No Píer das Onze Janelas, a programação continua ao som dos batuques Vozes de Fulô e Cobra Venenosa.

Nos dias 12 e 13, Museu do Círio, Museu do Presépio, Museu de Arte Sacra e MEP funcionarão em horário especial, de 9h às 17h.

Syanne Neno/Ag. Pará

Cidade

Vice-presidente do Rancho é morto a tiros no bairro do Jurunas

Publicado

em

Félix Carlos Lopes, 50 anos, foi morto com três tiros na tarde desta quarta-feira (16), no bairro do Jurunas, em Belém

Félix Carlos Lopes foi assinado na Rua Bom Jardim

 Félix Carlos Lopes, 50, vice-presidente da escola de samba Rancho Não Posso Me Amofiná, foi morto com três tiros na tarde desta quarta-feira (16), no bairro do Jurunas, em Belém.

O crime aconteceu na Rua Bom Jardim, entre as ruas Timbiras e Caripunas. Não há informações sobre o que pode ter motivado o assassinato e principal hipótese é crime de execução.

No Jurunas, a morte de Félix causou comoção na vizinhança

Crime comoveu a comunidade jurunense. Feliz Lopes era muito popular e querido

O  vice-presidente da escola de samba Rancho Não Posso Me Amofiná, Félix Carlos Lopes, 50 anos, foi morto com três tiros na tarde desta quarta-feira (16), no bairro do Jurunas, em Belém. O local do crime foi a Rua Bom Jardim, entre as ruas Timbiras e Caripunas. Félix Carlos Lopes era também administrador da Feira do Jurunas, segundo a Secretaria de Economia de Belém (Secon) e teria acabado de deixar uma reunião de trabalho, e seguia  para tratar de assuntos da  escola de samba, que se prepara para participar do Carnaval de Belém.  Na casa onde o carro prata – modelo Chevrolet Meriva – que Félix dirigia parou funciona uma pequena empresa de confecção de assessórios usados pelos brincantes do Rancho.

Félix Carlos Lopes conversava com o dono do estabelecimento quando, segundo  testemunhas, e um carro preto, Chevrolet Prisma, passou e  mas deixou dois homens encapuzados no meio do quarteirão. Ele foram andando até a frente da casa e um deles se pôs entre Félix e o outro homem, disparando quatro vezes.Três tiros atingiram o carnavalesco, que morreu no local.

“A vítima primeiro foi atingida por um tiro na face esquerda e tombou, ainda dentro de seu carro. Em seguida, mais um tiro atingiu a parte posterior da cabeça e um terceiro o feriu nas costas. Encontramos no local do crime estojos de munição ponto 40”, relatou o perito Ivanildo Rodrigues, do Centro de Perícias Científicas Renato Chaves, que informou ainda que um dos projéteis ficou alojado no corpo de Félix Carlos Lopes.

A Polícia trabalha com a  hipótese de morte por execução, já que nada foi levado da vítima. Com o corpo, a perícia encontrou o celular de Félix Carlos Lopes R$ 485,00, além de outros objetos de valor no interior do carro.

A Divisão de Homicídios Polícia Civil deve usar imagens de câmeras de segurança da rua para identificar os assassinos mas, até o momento, nenhum suspeito foi preso.

Félix foi morto dentro de seu carro: os assassinos fugiramFélix foi morto dentro de seu carro: assassinos fugiram (Cláudio Pinheiro)

PESAR

Em nota, o presidente do Grêmio Recreativo Jurunense Rancho Não Posso Me Amofiná, Fernando Guga Gomes, lamentou o falecimento do vice-presidente da escola. Além de vice-presidente, Félix era diretor de carnaval e responsável pela Sedução Ranchista.

“Toda comunidade ranchista presta sua homenagem a este grande homem, que dedicou parte de sua vida à escola. O velório deve acontecer na quadra da escola no bairro do Jurunas, em Belém”.

 

Continue lendo

Cidade

Semec ofertará 11 mil vagas não preenchidas na primeira chamada da pré-matrícula

Publicado

em

A Secretaria Municipal de Educação (Semec) abre inscrições, a partir desta quarta-feira, 16, para vagas não preenchidas nas escolas municipais na primeira chamada da pré-matrícula. Serão disponibilizadas 6.148 vagas para educação infantil e 5.233 para o ensino fundamental. A confirmação da vaga e efetivação da matrícula segue até o dia 25 de janeiro, com a entrega da documentação exigida na escola em que a criança será matriculada. A pré-matrícula é realizada na página eletrônica http://prematricula.belem.pa.gov.br, que apresenta na tela inicial as regras gerais para a reserva da vaga.

“Nós estamos fazendo essa segunda fase da pré-matrícula para o preenchimento das vagas porque muitos erraram as informações da inscrição e pediram a anulação da matrícula”, explica a titular da Semec, Socorro Aquino. “Foi uma luta muito grande para implementar a matrícula on-line. Foi positivo porque não houve reclamação, foi algo justo”, acrescenta.

A documentação necessária para a confirmação da matrícula é a seguinte: original e cópia do registro de nascimento ou da carteira de identidade; original e cópia do comprovante de residência; ressalva ou histórico escolar, exceto para os alunos da educação infantil e os que nunca frequentaram uma escola; cartão com o Número de Identificação Social (NIS); original e cópia do CPF para os alunos que já possuam o documento e os maiores de 18 anos; Cartão Nacional de Saúde (Cartão SUS); carteira de vacinação para crianças da educação infantil; laudo médico para alunos com deficiência; e para alunos inscritos no Programa Bolsa Família o responsável deverá apresentar o cartão do responsável pelo aluno beneficiário e/ou a folha resumo do Cadastro Único (CadÚnico).

O coordenador de planejamento e da comissão de matrícula da Semec, Marcelino Coelho, afirma que a pré-matrícula on-line “é um sistema que deu certo, que dá a oportunidade de todos fazerem a matrícula”. Para os alunos que vão ser inscritos na primeira chamada, Marcelino indica que a confirmação pode ser realizada imediatamente na escola após a inscrição no site. “Os pais ou responsáveis podem fazer a pré-matrícula e ir direto para a escola confirmar essa inscrição”, completa.

Garantir a matrícula na rede municipal de ensino nunca foi tão prático. Sem filas, a Semec inscreveu 11,8 mil novos alunos para o ano letivo de 2019 com a pré-matrícula on-line, um serviço pioneiro na educação em Belém. As solicitações foram feitas, na maioria, por smartphones, com 62,9% dos acessos. As 11.690 vagas não preenchidas serão ofertadas novamente pela plataforma digital entre o dia 16 e 24 de janeiro.

A pedagoga Kize Magalhães matriculou o filho, Álvaro Neto, de 7 anos, na Escola Ernestina Rodrigues no sistema de pré-matrícula on-line da Semec e aprovou a iniciativa. “Uma amiga minha, que o filho dela estuda no Ernestina, que me falou que iria começar a matrícula pela internet. A experiência foi muito boa. Eu não sabia que tinha vaga à tarde até conseguir matricular ele”, diz.

Kize escolheu a escola por indicação dos amigos. “Foi indicação de várias pessoas que disseram que o colégio é bom, então eu fui ver como é, porque eu nunca o coloquei em colégio público”, conta a pedagoga. “Eu gosto de colégio em que o aluno vai se empenhar, ter um bom desenvolvimento nos estudos”, acrescenta.

Vindo da rede particular, Álvaro está ansioso para iniciar as aulas na nova escola. “A expectativa está alta. Todos me disseram que o colégio é bom. E ele toda hora pergunta ‘mãe, quando é que começa?’”, revela a pedagoga. O garoto vai cursar o 2º ano do ensino fundamental a partir do dia 21 de janeiro, quando o ano letivo municipal 2019 se inicia.

 

Matrículas – Ao todo, 19.041 vagas foram ofertadas pela rede municipal de ensino, sendo a maioria para a educação infantil, somando 10 mil vagas para crianças de 0 a 5 anos. No total de alunos inscritos, a maioria também foi de crianças para a educação infantil, com 7,7 mil vagas preenchidas.

Para o ensino fundamental ciclado, do 1º ao 9º ano, foram disponibilizadas 5,6 mil vagas e dessas, 3,3 mil foram preenchidas. Dos 11,8 mil novos alunos inscritos, nem todos confirmaram a matrícula, gerando um excedente de vagas.

Na Educação de Jovens e Adultos (EJA) já foram inscritos cerca de 830 novos alunos. Com 3,3 mil vagas a serem preenchidas.

Os dispositivos favoritos para o acesso ao site da pré-matrícula são smartphones, logo depois vêm os computadores, com 32,1% dos acessos. E o restante com outros dispositivos, como tablets.

Vanessa Pinheir /Comus PMB

Continue lendo

Cidade

Apoiados pela Prefeitura, catadores garantem renda com produtos retirados do lixo

Publicado

em

Depois de trabalhar 16 anos coletando recicláveis no lixão do Aurá, a catadora Zoneide Silva, 56, não esconde a satisfação de continuar atuando na coleta seletiva, porém em condições mais dignas.

“A gente tinha que conviver no meio do lixo, com um fedor insuportável e junto com urubus. Hoje está muito mudado, porque a gente faz a coleta na porta da casa das pessoas que já entregam tudo separado”, comemora a catadora, que faz parte de uma das onze cooperativas de catadores que recebem apoio da Prefeitura de Belém, por meio da Secretaria Municipal de Saneamento (Sesan).

Por mês, essas cooperativas coletam mais de 270 toneladas de produtos recicláveis. Nos últimos seis anos, o volume de produtos coletados aumentou significativamente, já que além da coleta na porta da casa dos moradores a retirada passou a ser feita também em supermercados, lojas, grandes geradores e edifícios.

No bairro de Nazaré, o zelador Luciano Ramos, 27, é responsável pelo recolhimento do lixo produzido pelos moradores de um edifício com 28 apartamentos. “Cada morador foi orientado a separar o lixo orgânico que chamamos de lixo úmido do lixo seco que pode ser reciclado. Na hora da coleta do lixo domiciliar, colocamos apenas o lixo orgânico para ser levado pela Prefeitura. O que pode ser reciclado, nós entregamos para os catadores que passam aqui três vezes por semana”, explica.

Para o coordenador de coleta seletiva da Sesan, Wladimir Varela, os moradores de bairros que não contam com a coleta regular de materiais recicláveis têm alternativa para destinar seus resíduos de forma correta.

“Temos mais de 30 locais de entrega voluntária espalhados pela cidade. Nesses locais, estão disponíveis ecopontos para receber qualquer produto que tenha valor econômico. Regularmente, fazemos a retirada dos materiais depositados e encaminhamos para as associações ou cooperativas parceiras da Prefeitura. Temos opções de recebimento inclusive nos distritos de Icoaraci, Outeiro e Mosqueiro, além de diversas praças e avenidas de Belém”, explicou Varela.

Após o encerramento das atividades do lixão do Aurá e o tratamento do lixo em um aterro sanitário, a administração municipal fortaleceu o vínculo com os catadores de recicláveis. A Prefeitura dispõe de dois galpões para triagem desses materiais e dá suporte logístico e administrativo para o desenvolvimento da atividade da coleta seletiva em diversos bairros. O dinheiro da venda desses produtos é totalmente repassado para os catadores organizados em cooperativas.

A doméstica Andreia Ribeiro, 27, separa os restos de comidas das embalagens e produtos pet e de alumínio. “Acredito que essa prática não atrapalha em nada a nossa rotina. Com o material separado fica mais fácil descartar o lixo de forma correta. E ainda tem o ponto positivo de que esses materiais vão beneficiar as pessoas que trabalham com a coleta seletiva”, disse.

Confira os locais para entrega voluntária de recicláveis:

– Travessa Mauriti, esquina da avenida Marques de Herval.

– Bosque Rodrigues Alves, na avenida Almirante Barroso.

– Avenida Arthur Bernardes, próximo à igreja do Perpétuo Socorro.

– Feira da Bandeira Branca, na avenida Almirante Barroso com a avenida Dr. Freitas, com dois pontos de entrega.

– Feira da 25, na avenida Romulo Maiorana com rua Antônio Baena.

– Icoaraci, na rua Manoel Barata.

– Igreja Quadrangular, na travessa Timbó, entre avenidas Marquês de Herval e Pedro Miranda.

– Mosqueiro, com três pontos de entrega: no Carramanchão, no Murubira e na praça Matriz, na Vila.

– Outeiro, com dois pontos de entrega: praia Grande e Escola Bosque.

– Praça Alberto Ramos, na avenida Rodolfo Chermont, Marambaia.

– Praça Amazonas, avenida 16 de Novembro, Cidade Velha.

– Praça Batista Campos, avenida Padre Eutíquio, com três pontos de entrega.

– Praça Benedito Monteiro, avenida Barão de Igarapé-Miri.

– Praça Brasil, avenida Jerônimo Pimentel, Umarizal.

– Praça da Bandeira, rua João Diogo, Reduto.

– Praça da República, avenida Assis de Vasconcelos, Reduto, com três pontos de entrega.

– Praça do Jaú, avenida Senador Lemos, Sacramenta.

– Residencial Viver Primavera, rodovia do Tapanã.

– Praça Dom Pedro II, avenida Portugal, Cidade Velha.

– Praça Felipe Patroni, rua Coronel Fontoura, Cidade Velha.

– Praça Floriano Peixoto, em frente ao Mercado de São Brás.

– Praça do Marex, na avenida Júlio César.

– Secretaria Municipal de Saneamento (Sesan), na avenida Almirante Barroso.

Lauro Lima/Comus PMB

Continue lendo

Facebook

Propaganda

Destaques