Conecte-se Conosco

TECNOLOGIA

Novo iPhone SE chegaria em 2020 com LCD de 4,7” e preço acessível

Publicado

em

Enquanto muita gente está de olho no lançamento da linha iPhone 11, novos rumores trazem detalhes sobre um celular da Apple que só deve chegar em 2020: o novo iPhone SE. A empresa estaria planejando lançar um dispositivo com tela de apenas 4,7” e preço mais em conta, visando aumentar sua base de usuários.

Segundo a fonte das especulações, o Nikkei Asian Review, a companhia pretende lançar um dispositivo mais barato para brigar diretamente com concorrentes como Samsung e Huawei, bem como se manter na frente da chinesa Xiaomi no mercado de smartphones, em meio às quedas de vendas dos iPhones.

O novo aparelho deve seguir os moldes do iPhone SE lançado em 2016, que trazia desempenho similar ao iPhone 6s e preço de US$ 399. O objetivo da Apple com o próximo modelo seria fechar o buraco deixado pelo iPhone 7, modelo mais barato da fabricante atualmente e que deve ser retirado das lojas ainda este ano.

O iPhone SE de 2020 deve contar com tela de 4,7” de LCD, o que garante um preço mais baixo em comparação aos modelos que utilizam OLED. Quanto ao visual, a expectativa é que o produto chegue com um design similar ao do iPhone 8.

Enquanto a Apple deve economizar na parte externa do aparelho, os rumores apontam que o dispositivo pode chegar com um hardware de ponta e contar com um processador A13, o mesmo supostamente presente na linha iPhone 11.

A Apple não comentou sobre o assunto, mas, se os rumores estiverem certos, 2020 será decisivo para a empresa. Além da possível chegada de um novo iPhone mais barato, o ano que vem também deve marcar o lançamento dos primeiros celulares com 5G da marca de Cupertino.

 

Continue lendo
Clique para comentar

TECNOLOGIA

Brasil, Bolsonaro, Lula… veja os termos mais tuitados pelos políticos

Publicado

em

Foto: Reprodução / Fonte: Correio Braziliense

Quais são os temas que mais preocupam os políticos brasileiros? Para chegar à resposta, o Correio analisou mais de 19 mil publicações de 22 políticos (veja a lista de nomes ao fim da matéria) no Twitter, postadas entre 1º de janeiro e o fim de setembro. Brasil, governo, educação, previdência, meio ambiente, Bolsonaro, Lula, Moro… Essas são algumas das palavras usadas com mais frequência em 2019 pelas personalidades analisadas (imagem acima). 

Para especialistas, esses termos refletem bem o cenário político atual e são coerentes com a atuação de cada político. O presidente da República, por exemplo,usa bastante as palavras “Brasil”, “governo”, “país” e “economia”. Para o cientista político Cristiano Noronha, isso indica que a estratégia de comunicação de Jair Bolsonaro está voltada para a divulgação das medidas adotadas pelo pesselista e seus ministros. 

O nome Bolsonaro, aliás, é muito mencionado tanto pela situação quanto pela oposição. Os filhos CarlosEduardo Flávio usam os perfis virtuais, com frequência, para defender as medidas e o governo do pai. “Apesar de ser vereador do Rio de Janeiro, Carlos tem usado o Twitter por questões nacionais e de crítica à oposição, o que gera bastante repercussão”, aponta Noronha. 

Um dado curioso é que os filhos do presidente mencionam mais os partidos de oposição — PTPSol e PCdoB — do que o PSL PSC, legendas das quais fazem parte. Para o cientista político Lucio Rennó, esse resultado indica, na verdade, que, quando falam do campo político deles, os três preferem se referir ao Bolsonaro do que ao partido.

“Já quando falam dos adversários, não falam do Lula, falam dos partidos. Tem algo de muito personalista na retórica deles. No linguajar deles, a polarização é ente Bolsonaro, a figura, e os partidos [PT, Psol e PCdoB]”, analisa o especialista.

Por falar em oposição

Bolsonaro está na boca do povo — e nos dedos da oposição. Os adversários políticos do presidente o mencionam com frequência no Twitter, conforme mostra o levantamento. Cristiano Noronha explica que essa postura é natural. “O objetivo é manter o clima polarizado”, explica. 

Fernando Haddad, candidato derrotado do PT à Presidência em 2018, é um dos que continua se opondo ao atual governo nas redes sociais. O ex-prefeiro de São Paulo, argumenta Noronha, pode ter como objetivo manter acesa a contraposição pensando no cenário eleitoral de 2022, quando Haddad pode voltar a se candidatar.

Já Guilherme Boulos, nome do PSol nas últimas eleições, foca agora na pauta previdenciária. Marina Silva é quem puxa a pauta ambiental. O Twitter de Lula, gerenciado pela equipe do petista, foca a campanha pela liberdade do ex-presidente e contém também ataques ao atual ministro da Justiça, Sergio Moro.

Foram selecionados políticos que têm ou tiveram destaque no cenário nacional em 2018 e 2019 e com forte presença nas redes sociais:

  • Cabo Daciolo (deputado federal, Avante-RJ)
  • Carlos Bolsonaro (vereador, PSC-RJ)
  • Ciro Gomes (PDT)
  • David Miranda (deputado federal, PSOL-RJ)
  • Eduardo Bolsonaro (deputado federal, PSL-SP)
  • Fernando Haddad (PT)
  • Flavio Bolsonaro (senador, PSL-RJ)
  • Geraldo Alckmin (PSDB)
  • Guilherme Boulos (PSOL)
  • Henrique Meirelles (MDB)
  • Jair Bolsonaro (presidente da República, PSL)
  • João Amoêdo (Novo)
  • João Doria (governador de São Paulo, PSDB)
  • Joice Hasselmann (deputada federal, PSL-SP)
  • Kim Kataguiri (deputado federal, DEM-SP)
  • Luciana Genro (deputada estadual, PSOL-RS)
  • Luiz Inácio Lula da Silva (PT)
  • Manuela D’Ávila (PCdoB)
  • Marina Silva (Rede)
  • Rodrigo Maia (presidente da Câmara dos Deputados, DEM-RJ)
  • Sergio Moro (ministro da Justiça)
  • Tabata Amaral (deputada federal, PDT-SP)
  • Túlio Gadêlha (deputado federal, PDT-PE)

Continue lendo

TECNOLOGIA

WhatsApp: O App WhatsLog avisa quando um contato está online

Publicado

em

Fonte/Foto: Techtudo

Ferramenta “espiã” permite rastrear um número para saber quando um amigo acessa o mensageiro

WhatsLog é um aplicativo para celulares Android que permite ver quando contatos estão online no WhatsApp. A ferramenta “espiã” monitora números e cria um relatório com o histórico de acesso ao mensageiro. O app é gratuito para baixar, mas tem algumas limitações: é possível cadastrar apenas um número e experimentar os recursos por tempo limitado. Para continuar o monitoramento e rastrear mais contatos, será necessário assinar um dos planos a partir de US$ 10 — cerca de R$ 41 na cotação atual.

Continue lendo

TECNOLOGIA

“Ismartifone”: Amazon criou “inglês brasileiro” para trazer Alexa ao país

Publicado

em

Fonte:Exame /Foto: Reprodução

Trabalho de adequação da Alexa começou em dezembro de 2018, sendo feito por clientes e funcionários da empresa em diferentes regiões do país

Quem já aprendeu outra língua sabe: aprender a falar um idioma não é só uma questão de vocabulário e gramática, mas também de cultura. Com Alexa, a assistente de voz da Amazon que chega nesta semana ao Brasil, não foi diferente: para funcionar por aqui, o sistema de inteligência artificial da empresa de Jeff Bezos precisou passar por um processo de ‘abrasileiramento’.

Isso significa que não apenas ela precisou aprender as várias formas e sotaques de como os brasileiros falam, mas também referências culturais e conhecimento local – e até mesmo reaprender a falar o inglês.

“Tivemos que criar uma ‘nova língua’ para lidar com palavras em inglês que são pronunciadas em português”, diz Ricardo Garrido, gerente geral da Amazon para Alexa no Brasil. Quer um exemplo? A Alexa brasileira fala ‘aéroismiti’ e não ‘érousmith’ quando se refere à banda Aerosmith. Ou ainda “ismartifone” em vez de “smártfoun” para falar sobre os smartphones.

Além disso, o novo sistema precisou ser treinado para lidar com a flexibilidade sintática do português, que permite diferentes construções para a mesma frase, e com a ambiguidade de certas palavras, como São Paulo. O trabalho de adequação começou em dezembro de 2018, sendo feito por clientes e funcionários da empresa em diferentes regiões do País, de Manaus a Porto Alegre.

Assim, o sistema foi alimentado pelas interações e aprendeu as características linguísticas e culturais do novo mercado. Para estimular as interações, a assistente é capaz de fazer piadas e responder a comandos que não fazem sentido em lugar nenhum.

“Alexa, suave na nave?”, perguntou Garrido na demonstração da assistente à qual o ‘Estado’ pôde participar. “De boa na lagoa”, respondeu prontamente a assistente. O sistema foi ajustado também para ser neutro quando se trata de futebol – apesar de saber cantar os hinos de vários clubes do Campeonato Brasileiro, a assistente de voz diz que ‘torce para o Brasil’.

Outra funcionalidade serão as parcerias: por meio de apps de terceiros, a assistente também executará ações em apps populares do País. Será possível pedir comida pelo iFood, chamar carros do Uber e realizar transações em grandes bancos brasileiros, como Bradesco e Itaú.

Privacidade de áudios de usuários pode ser preocupação
No entanto, a chegada da Alexa traz também preocupações sobre privacidade – afinal, quem comprar um Amazon Echo, por exemplo, vai colocar sete microfones dentro de sua própria casa. Em abril, a Amazon foi acusada de ter funcionários que escutavam áudios captados pela Alexa. Em seguida, casos do tipo envolvendo Apple, Google, Facebook e Microsoft também vieram a público.

Na indústria, o papel de humanos para treinar máquinas a conversar é amplamente conhecido – são eles que transcrevem áudio e indicam ao sistema se a máquina está entendendo corretamente as informações. Ao ‘Estado’, Ricardo Garrido confirmou que pessoas fluentes em português do Brasil ouvirão frações dos áudios dos usuários para melhorar a performance do sistema.

“É menos de 1% das interações. Esses áudios podem, por exemplo, ser fragmentados em 100 pedaços e cada um desses pedaços pode ser escutado por um funcionário diferente”, diz. “Toda informação é anônima. Não é possível identificar o usuário.”.

O executivo não revelou o tamanho da equipe envolvida no processo e nem se ela está localizada no Brasil.

A companhia diz também que os usuários podem ver e apagar suas gravações associadas às suas contas no app da Alexa para smartphone. Os áudios também podem ser apagados por comando de voz.

Na semana passada, a empresa anunciou que em breve os usuários também poderão pedir por comando de voz explicações para as respostas da assistente ou pedir para que ela repita o que ela acabou de captar. No anúncio, a companhia disse que também será possível apagar automaticamente os áudios dos últimos três meses ou 18 meses.

“Há uma preocupação com privacidade e coleta massiva de dados. Quanto mais ‘brasileira’ a Alexa ficar, mais ela saberá também como o brasileiro gosta de consumir”, diz Renato Franzin, professor da USP.

Continue lendo

Destaque

Copyright © 2018. A Província do Pará Todos Direitos Reservados . Desenvolvido por Corpes Digital