Conecte-se Conosco

Cultura

Poeta do Ceará vence o Prêmio Jabuti 2018

Publicado

em

Mailson Furtado Viana desbancou nomes consagrados e ganhou o Livro do Ano do Jabuti 2018 Foto: Alex Silva/Estadão

Poeta independente, Mailson Furtado Viana foi o vencedor do Livro do Ano do Jabuti; Carol Bensimon e Marcelo D’Salete também foram premiados; veja a lista

Guilherme Sobota, O Estado de S. Paulo

O Livro do Ano do Prêmio Jabuti 2018: um livro de poesia publicado de maneira independente no interior do Ceará. à cidade, de Mailson Furtado Viana, saiu como o grande vencedor da noite desta quinta-feira, 8, quando a Câmara Brasileira do Livro revelou os premiados do ano.

 “Esse livro foi todo feito à mão, inclusive o desenho da capa é meu”, disse o autor, emocionado, no palco. “Estou ainda mais feliz porque é uma obra que narra sobre o meu lugar. Uma cidade (Varjota) que nasceu há menos de 50 anos e nunca entrou em nenhum registro bibliográfico.”
O autor disse esperar que o prêmio abra portas e que o mercado olhe com mais atenção a publicação independente. “Sou de um estado em que todos os meus amigos pagam para se publicar. É a primeira vez que venho ao Sul, não conheço o mercado daqui. Há muitos autores que escrevem com grande qualidade e não publicam mais porque não têm espaço e precisam se bancar. Esse prêmio é nosso.”

Entre os vencedores do ano nas categorias de literatura, estão Carol Bensimon, com o romance Clube dos Jardineiros de Fumaça (da Companhia das Letras); Maria Fernanda Elias, com o livro de contos Enfim, Imperatriz (da Editora Patuá); Luiz Eduardo Anelli e Rodolfo Nogueira, na categoria infantil e juvenil, com o livro Brasil dos Dinossauros (da editora Marte Cultura e Educação); e Marcelo D’Salete, com o álbum de quadrinhos Angola Janga, da editora Veneta – ele foi um dos mais aplaudidos da noite.

O Jabuti deste ano teve 18 categorias (eram 29 no ano passado) e premiou apenas o primeiro colocado de cada uma delas. O vencedor do Livro do Ano vai receber R$100 mil. Os ganhadores de cada categoria recebem agora R$ 5 mil (eram R$3,5 mil em 2017).

Duas novas categorias foram criadas: formação de novos leitores e impressão. O projeto Psicanálise e Literatura – Freud e Os Clássicos, de Ingrid Vorsatz, venceu na primeira. O projeto do livro Bruno Dunley, da editora APC, rendeu à Ipsis Gráfica e Editora a categoria impressão do Jabuti 2018.

O homenageado do ano foi o poeta Thiago de Mello, de 92 anos. Ele não pôde comparecer à premiação por não ter condições de encarar a viagem desde a Amazônia, mas seus filhos o representaram, bem como um depoimento em vídeo do escritor e de seus colegas, como o também amazonense Milton Hatoum. A família informou que o processo de tombamento das casas do poeta no Amazonas, as únicas assinadas por Lúcio Costa na região, está em Brasília “apenas aguardando assinatura”.

O prêmio Jabuti deste ano foi envolto de polêmicas.

Depois de um debate nas redes com o produtor cultural Volnei Canônica, que havia publicado um artigo criticando a reformulação do prêmio, o curador Luiz Armando Bagolin foi acusado de homofobia nos comentários. Em junho, ele renunciou ao cargo.

Antes desse conflito, importantes autores de livros para crianças e adolescentes e ilustradores já haviam se pronunciado contra o Jabuti, dizendo que não iriam concorrer nesta edição por divergências na maneira com que o prêmio distribuiu as categorias. O curador já havia se defendido citando o Prêmio Hans Christian Andersen, considerado o mais importante do mundo na área, dizendo que ali também havia apenas duas categorias nesse sentido.

No vídeo em que deu seu depoimento, o poeta Thiago de Mello deixou uma frase que ressoa, enfim, o Brasil de 2018: “O sentimento é a alma da poesia e a indignação é uma forma de amor.”

Veja a lista de vencedores do Jabuti 2018 abaixo:

Eixo: Literatura

Conto

Título: Enfim, Imperatriz | Autor(a): Maria Fernanda Elias Maglio | Editora(s): Editora Patuá

Crônica

Título: O poeta e outras crônicas de literatura e vida | Autor(a): Rubem Braga, André Seffrin e Gustavo Henrique Tuna | Editora(s): Global Editora

 Histórias em Quadrinhos

Título: Angola Janga | Autor(a): Marcelo D’Salete | Editora(s): Veneta

Infantil e Juvenil

Título: O Brasil dos Dinossauros | Autor(a): Luiz Eduardo Anelli e Rodolfo Nogueira | Editora(s): Marte Cultura e Educação

Poesia

Título: à cidade | Autor(a): Mailson Furtado Viana | Editora(s): Autor Independente

Romance

Título: O clube dos jardineiros de fumaça | Autor(a): Carol Bensimon | Editora(s): Companhia das Letras

 

Tradução

Título: O macaco e a essência | Tradutor(a): Fábio Bonillo | Editora(s): Biblioteca Azul

Título: Poemas | Tradutor(a): Geraldo Holanda Cavalcanti | Editora(s): Editora da Universidade de São Paulo

Eixo: Ensaios

Artes

Título: Imaginai! O teatro de Gabriel Villela | Autor(a): Dib Carneiro Neto e Rodrigo Louçana Audi | Editora(s): Edições Sesc São Paulo

Biografia

Título: Roquette-Pinto: o corpo a corpo com o Brasil | Autor(a): Claudio Bojunga | Editora(s): Casa da Palavra

Ciências

Título: As Maravilhosas Utilidades da Geometria: da pré-história à era espacial | Autor(a): Adalberto Ramon Valderrama Gerbasi | Editora(s): PUCPRESS

Economia Criativa

Título: Design de Capas do Livro Didático: a Editora Ática nos Anos 1970 e 1980 | Autor(a): Didier Dias de Moraes | Editora(s): Editora da Universidade de São Paulo

Humanidades

Título: Democracia Tropical | Autor(a): Fernando Gabeira | Editora(s): Estação Brasil

Eixo: Livro

Capa

Título: O Corego: Texto Anônimo do Século XVII sobre a Arte da Encenação | Capista: Carla Fernanda Fontana | Editora(s): Editora da Universidade de São Paulo

Ilustração

Título: Os trabalhos da mão | Ilustrador(a): Nelson Cruz | Editora(s): Editora Positivo

Impressão

Título: Bruno Dunley | Responsável: Ipsis (Jesué Pires) | Editora(s): Associação para o Patronato Contemporâneo

Projeto Gráfico

Título: Conflitos: fotografia e violência política no Brasil – 1889-1964 | Responsável: Luciana Facchini | Editora(s): Instituto Moreira Salles

Eixo: Inovação

Formação de Novos Leitores

Projeto: Psicanálise e literatura – Freud e os clássicos | Responsável: Ingrid Vorsatz

Livro Brasileiro Publicado no Exterior

Título: Fim | Autor(a): Fernanda Torres | Editora(s): Companhia das Letras / Restless Books

Continue lendo
Clique para comentar

Cultura

Obras no RioZoo revelam peças que pertenceram a empregados do Império

Publicado

em

  Vinícius Lisboa/ Agência Brasil

Além do zoológico, a Quinta da Boa Vista abriga o Museu Nacional, cuja sede é o palácio que serviu de moradia para a família real portuguesa e para Dom Pedro I e Dom Pedro II durante o Império, que durou de 1822 a 1889. O local onde foi construído o zoológico era uma vila de empregados da realeza, que deu lugar a um quartel após a Proclamação da República.

Escavações durante reforma do Zoológico do Rio (ZooRio) encontram tesouros arqueológicos na Quinta da Boa Vista.
Escavações durante reforma do Zoológico do Rio (ZooRio) encontram tesouros arqueológicos na Quinta da Boa Vista. – Tomaz Silva/Agência Brasil

Segundo a prefeitura, que administra o zoológico, as peças encontradas serão entegues ao Museu Nacional e a estrutura do antigo quartel será incorporada ao roteiro de visitação do zoológico, uma área onde será instalada também a Biosfera dos Primatas, Ursos e Animais Aquáticos. A previsão é que a atração seja aberta ao público no fim do ano.

Embora tenham pertencido a empregados, os itens encontrados incluem objetos de valor, como cerâmicas, que provavelmente foram doados pelo palácio. Pela importância do acervo, o trabalho arqueológico vem sendo acompanhado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

Obras

O zoológico do Rio de Janeiro está em obras desde junho do ano passado, e está parcialmente aberto a visitação. Apenas uma área do parque está disponível para os visitantes, aos fins de semana. A previsão é que a reinauguração do RioZoo ocorra em janeiro do ano que vem.

Continue lendo

Cultura

Bolsonaro afirma que não haverá horário de verão em 2019

Publicado

em

Horário de verão - Arquivo/Agência Brasil

Parecer do MME diz que medida não reduz consumo de energia

 Pedro Rafael Vilela/ Agência Brasil 

 Brasília –O presidente Jair Bolsonaro afirmou hoje (5) que decidiu não adotar o horário de verão este ano. Segundo ele, a decisão foi baseada em um parecer do ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, que aponta pouca efetividade na economia energética.

“Ele [ministro] trouxe um parecer 100% favorável ao fim do horário de verão. No parecer dele, [o horário de verão] não causa economia [de energia] para nós e mexe no teu relógio biológico, então atrapalha a economia, em parte. E só temos o que ganhar, no meu entender, mantendo o horário como está”, disse Bolsonaro, logo após participar da inauguração do espaço de atendimento da Ouvidoria da Presidência da República, no Palácio do Planalto.

No ano passado, estudos da Secretaria de Energia Elétrica (SEE), do Ministério de Minas e Energia (MME), em parceria com o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), apontaram que em termos de economia de energia, a medida não tem sido mesmo eficiente, já que os resultados alcançados foram próximos à “neutralidade”. O horário de verão foi criado  em 1931 com o intuito de economizar energia, a partir do aproveitamento de luz solar no período mais quente do ano, e tem sido aplicado no país, sem interrupção, ao longo dos últimos últimos 35 anos.

Normalmente, o horário de verão ocorre entre outubro e fevereiro, quando os relógios devem ser adiantados em uma hora, e vigora nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e no Distrito Federal.

Continue lendo

Cultura

Orquestra do Theatro da Paz faz apresentação com retorno de seu maestro titular

Publicado

em

Após reger na Ópera da cidade de Avignon, na França, o maestro titular da Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz (OSTP), Miguel de Campos Neto, está de volta a Belém para mais um concerto no palco do Da Paz. A apresentação será na próxima terça-feira (9), às 20h. A entrada é gratuita. O evento é uma realização do Governo do Estado por meio da Secretaria de Estado de Cultura (Secult), em pareceria com a Academia Paraense de Música (APM) e apoio do Theatro da Paz.

De acordo com Miguel de Campos Neto, no programa constam a Quarta Sinfonia de Tchaikovsky e a Sinfonia n°8, do compositor Ludwig van Beethoven. “A Oitava Sinfonia de Beethoven e a Quarta sinfonia de Tchaikovsky são conectadas pelo paralelismo das tonalidades de Fá Maior e Fá Menor. Em uma época onde as tonalidades das obras eram escolhidas não de maneira aleatória, mas sim em busca de uma certa cor e caráter, dados por tal escolha, essa conexão não é por acaso”, explica.

Apesar da Oitava Sinfonia de Beethoven não ter sido recebida com entusiasmo na época de sua estreia, em fevereiro de 1814 em um concerto em Viena, regido pelo próprio compositor, Miguel considera importante apresentá-la ao público de Belém. “A obra é genial, mas sofre com a concorrência imposta pelo próprio compositor. Ela é uma sinfonia de proporções menores que fica entre duas obras de proporções massivas. Mas como qualquer exemplo de miniatura, ela não fica devendo na genialidade”, completa.

O regente diz ainda que o público que for ao concerto vai perceber as relevantes diferenças entre as duas obras, que talvez seja o mais marcante. “No Beethoven, brilho e classe, leveza no segundo movimento e virtuosismo no quarto. No Tchaikovsky, uma batalha interna contra a chegada de um destino inevitável: lirismo e drama característicos da segunda metade do século XIX”, finaliza Campos Neto.

França – O maestro Miguel conta que teve grande acolhimento pelos músicos e pela direção da Orquestra da região de Provence. “No total foram cinco concertos sinfônicos além da oportunidade de planejar em pessoa os detalhes das óperas Cavaleria Rusticana e Palliacci que regerei na próxima temporada, com a mesma orquestra”, diz.

Programa:

Ludwig van Beethoven

Sinfonia n.° 8, Em Fá Maior, Opus 93

Piotr Ilitch Tchaikovsky

Sinfonia Nº 4 em Fá menor, op. 36

Serviço: A Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz (OSTP) apresenta obras de Beethoven e Tchaikovsky, no Da Paz, na próxima terça-feira (9), às 20h. Os ingressos serão disponibilizados no dia do evento, às 9h, na bilheteria do TP e no site www.ticketfacil.com.br. A retirada é limitada a dois ingressos por pessoa, com taxa de conveniência do site a R$ 2 por ingresso.

Por Úrsula Pereira / Agêrncia Brasil

 

Continue lendo

Facebook

Propaganda

Destaques

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com