Conecte-se Conosco

Educação

Polícia Civil prende professores por venda de diplomas falsos

Publicado

em

Foto: Reprodução / Com informações Roma News

Nesta quinta-feira, 23, a Polícia Civil deflagrou a operação MAAT, com o objetivo de cumprir mandados de prisão preventiva e de busca e apreensão.

Os mandados foram decretados pelo juízo da comarca de São Félix do Xingu após representação da delegada Eliene Carla. Três Mandados de Prisão Preventiva foram cumpridos.

Os presos são os professores Jurandir Frazao Filho, Valdirene Freire e Diana Araújo. Os três são acusados de dirigirem um instituto de educação que promovia a venda de diplomas inválidos de cursos superiores. Na Operação, estiveram envolvidos 18 policiais civis.

Continue lendo
Clique para comentar

Educação

Metade dos brasileiros com mais de 25 anos não conclui ensino básico

Publicado

em

Foto: Reprodução / Fonte: Eu, Estudante

Mais da metade dos brasileiros de 25 anos ou mais não conseguiu concluir a educação básica. É o que revela a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad) de 2018, divulgada nesta quarta-feira (19/6) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O levantamento mostra ainda que o país continua sem cumprir as metas do Plano Nacional de Educação (PNE) para combater o analfabetismo. De acordo com o PNE, o Brasil deveria reduzir para 6,5%, até 2015, o percentual de analfabetos. No ano passado, porém, o número ainda era de 6,8%.

Essa é a realidade da artesã Ana Rosa Guajajara. Moradora de um assentamento no Noroeste. “Nunca tive a oportunidade de ir para a escola. Não sei ler nem escrever”, desabafou. Ela diz que faz questão que os três filhos adolescentes tenham acesso à educação para a garantia de um futuro melhor. Caso tivesse a chance de aprender, afirma que gostaria de ser professora, para repassar o conhecimento aos parentes, também analfabetos.

Segundo a Pnad, o Brasil tem 11,3 milhões de analfabetos com 15 anos ou mais. Em relação a 2017, houve uma queda de 0,1 ponto percentual, o que corresponde a uma redução de 121 mil pessoas nessa condição.

O levantamento mostra também que as desigualdades regionais de gênero, cor e raça persistem: mulheres permaneciam mais escolarizadas do que os homens, pessoas brancas tiveram indicadores educacionais melhores que os das pessoas pretas ou pardas e as regiões Nordeste e Norte apresentaram uma taxa de analfabetismo bem mais alta e uma média de anos de estudo inferior a das regiões do Centro-Sul do país. Entre os analfabetos, os negros predominam: são 9,1% contra 3,9% dos brancos..

De acordo com a Pnad, quanto mais velho o grupo populacional, maior a proporção de analfabetos, refletindo uma melhora da alfabetização ao longo dos anos. Segundo os números de 2018, eram quase 6 milhões de analfabetos com 60 anos ou mais, o que equivale a uma taxa de analfabetismo de 18,6% nesse grupo etário.

Preocupação

O estudo chama atenção para o percentual de pessoas com ensino superior completo, que passou de 15,7% em 2017 para 16,5% em 2018. A média de anos de estudos dos brasileiros é de 9,3 anos — um número que vem crescendo, em média, 0,2 ao ano.

A presidente do Conselho de Administração do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura, e Ação Comunitária, (Cenpec), Anna Helena Altenfelder, afirma que, apesar de alguns avanços, os dados são preocupantes.

“A meta do PNE de analfabetismo corre o risco de não ser alcançada diante da desmobilização de políticas educacionais. É preciso, ao contrário, investir na formação de professores e na implementação da Base Nacional Curricular (BNCC), e discutir o Fundeb. É necessária uma política séria de enfrentamento dessas desigualdades sociais. Esses dados mostram um desafio imenso que não está sendo enfrentado. Não existe país desenvolvido sem educação de qualidade para todos, independentemente de raça, gênero e região geográfica”, afirmou Anna Helena.

Continue lendo

Educação

Pesquisa revela que professor brasileiro é alvo de muitas intimidações

Publicado

em

Foto: Reprodução / Fonte: Eu, Estudante

Os professores brasileiros são alvo de mais intimidações e lidam em proporção maior com o bullying entre os alunos do que a média internacional, além de perderem mais tempo com atividades não relacionadas ao ensino. É o que mostra a Pesquisa Internacional sobre Ensino e Aprendizagem (Talis, na sigla em inglês), feita pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), com 250 mil professores e diretores de escolas de 48 países ou regiões.

Em média, professores no Brasil usam só 67% do tempo em atividades ligadas ao aprendizado. O restante é dedicado a tarefas administrativas, como a lista de presença, ou para manter a ordem na classe. A relação entre alunos e deles com professores também preocupa. No Brasil, 28% dos diretores dizem ter testemunhado intimidação ou bullying entre estudantes – o dobro da média da OCDE.

Semanalmente, 10% das escolas do País têm casos de intimidação, física ou verbal, contra educadores, com “potenciais consequências para o bem-estar, estresse e permanência na profissão”, diz a pesquisa. A média internacional é de 3%.

Quando os ataques miram funcionários da escola, o Brasil é o segundo – atrás só do norte da Bélgica. Ilustra essa estatística o caso de dez alunos que atiraram cadeiras e livros contra uma professora em uma escola estadual de Carapicuíba, Grande São Paulo, em maio. O vídeo da agressão se espalhou nas redes sociais e nove envolvidos no caso chegaram a ser detidos.

A professora Maria Carlota Galvão, que dá aulas de Artes em uma rede municipal no litoral do Rio, diz ver o contexto de violência influenciar na escola cotidianamente. “Os conflitos da escola vêm sempre um pouco de fora porque a sociedade está toda desmoronando ao redor, mas precisamos ensiná-los a conviver com todos esses relacionamentos que têm na família e entre si”, diz ela, de 48 anos.

Relatos de intimidação não são incomuns, até fora do contexto escolar. “Nas redes sociais, alguns alunos esquecem de que aquilo é um ambiente público e ofendem (com mensagens contra o professor)”, conta a também professora Lidiane Christovam, de 41 anos, que deu aulas de Matemática por mais de uma década em colégios particulares da capital paulista e leciona em universidade há cerca de dois anos.

Já a pesquisadora Luciana Lapa, do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Moral, ligado à Universidade Estadual Paulista (Unesp) e à Estadual de Campinas (Unicamp), diz que a mediação de conflitos e de casos de bullying nas escolas geralmente falha ao tratar o comportamento dos alunos. “Fica esquecida a parte da reflexão, que é muito mais trabalhosa do que o castigo, a suspensão. Você pune e não forma”, afirma a especialista. “É preciso uma intervenção não apenas punitiva, mas que promova uma tomada de consciência.”

O relatório da OCDE destaca também o efeito cumulativo do desperdício de tempo no aprendizado – poucos minutos durante as aulas representam dias perdidos no fim do ano. O Brasil é o terceiro país com o pior aproveitamento de tempo em classe, atrás apenas da África do Sul e da Arábia Saudita. Na média, nos países que integram a OCDE, os professores aproveitam 78% da aula com as atividades de ensino.

Especialistas dizem que o desempenho do País está relacionado à falta de preparo dos professores – o que envolve desde inexperiência em sala de aula até profissionais alocados em disciplinas fora de sua área de formação. E há a falta de compreensão das demandas de alunos, cada vez mais estimulados pela tecnologia.

A professora Lidiane Christovam vê sobrecarga nas responsabilidades de docentes. Diz que o tempo dedicado ao planejamento das aulas foi tomado por demandas como o relacionamento constante com a escola e os pais, o uso das plataformas digitais do colégio e a capacitação constante. Ao mesmo tempo, acha que atividades no contraturno muitas vezes tiram o tempo que os alunos têm para socializar – por isso, usam o tempo da aula para isso.

“De maneira geral, o professor, hoje, tem demanda maior para fornecer material (didático) para portais escolares e, grosso modo, ele ampara o aluno muito mais do que na minha época de estudante”, opina ela.

Ao comentar os dados, o Ministério da Educação (MEC) disse que a pesquisa ajuda o governo federal e as secretarias locais a abordarem a realidade do ensino e da aprendizagem de forma mais assertiva.

Continue lendo

Educação

Termina prazo de matrícula e de adesão à lista de espera do Sisu

Publicado

em

Foto: Reprodução /Fonte: Agência Brasil

Hoje (17) é o último dia para que os estudantes selecionados na chamada regular do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) façam a matrícula nas instituições de ensino superior públicas nas quais foram aprovados. Aqueles que não foram selecionados têm também até esta segunda-feira para aderir à lista de espera do programa.

Cabe aos estudantes verificar os horários e locais de atendimento definidos por cada instituição em edital próprio.

O resultado da chamada única do Sisu foi divulgado no último dia 10 e está disponível no site do programa.

Os estudantes selecionados podem pleitear auxílio para pagar transporte, moradia e outras despesas nas próprias instituições de ensino superior, de acordo com determinados critérios, como renda familiar. Os programas de assistência estudantil são implementados diretamente pelas instituições.

Lista de espera

As vagas que não forem preenchidas serão ofertadas para os estudantes em lista de espera.

Quem não foi selecionado em nenhuma das duas opções de curso. feitas na hora da inscrição, na chamada única, e quiser integrar a lista tem até hoje para fazer a adesão, no site do Sisu.

O candidato deve acessar o sistema e, em seu boletim, clicar no botão que corresponde à confirmação de interesse em participar da lista de espera do Sisu.

O estudante poderá manifestar interesse para a primeira ou segunda opção de curso. Ao finalizar a manifestação, o sistema emitirá uma mensagem de confirmação.

Esses estudantes serão convocados a partir do dia 19. A convocação para a matrícula será feita pelas próprias instituições de ensino.

Nessa etapa caberá aos próprios candidatos acompanhar a convocação na instituição na qual estiverem pleiteando uma vaga.

Sisu 2019

Nesta edição, o Sisu oferece 59.028 vagas em 76 instituições públicas de ensino em todo o país.

A seleção é feita com base no desempenho no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2018.

Para participar é preciso ter obtido nota acima de zero na redação. Ao todo, 640.205 estudantes se inscreveram no programa, de acordo com balanço divulgado pelo MEC.

Continue lendo

Destaque