Conecte-se Conosco

SAÚDE

Por que os diabéticos têm risco alto de desenvolver doença cardiovascular?

Fonte/Foto; uol.com.br

Publicado

em


Nos últimos 20 anos, o número de adultos com diabetes mais do que triplicou no mundo. Atualmente, segundo dados do 9º IDF Diabetes Atlas, elaborado pela IDF (Federação Internacional da Diabetes), cerca de 463 milhões de pessoas com idade entre 20 e 79 anos convivem com a doença, o que representa 9,3% da população com essa faixa etária. Só no Brasil, são 16,8 milhões.

Crônica e potencialmente grave, a enfermidade faz com que o corpo não produza o hormônio insulina ou não consiga usá-lo de forma adequada. Quando isso acontece, os níveis de glicose (açúcar) ficam elevados no sangue, causando a hiperglicemia, condição que a longo prazo gera uma série de complicações, sendo as principais as cardiovasculares.

Para entender o tamanho da encrenca, Ruy Lyra, coordenador do Departamento de Doenças Cardiovasculares da SBD (Sociedade Brasileira de Diabetes) e professor de endocrinologia do curso de medicina da UFPE (Universidade Federal de Pernambuco), aponta que 30% dos indivíduos com diabetes tipo 2 desenvolvem ao longo da vida algum problema cardiovascular, como infarto agudo do miocárdio, AVC (acidente vascular cerebral), doenças vasculares periféricas e insuficiência cardíaca.

“O diabético não é apenas mais vulnerável a essas patologias, ele também corre mais risco de morrer em decorrência delas. Suas chances aumentam em 132% na comparação com os não diabéticos”, afirma o médico.

De acordo com o IDF, coletivamente, os quadros cardiovasculares representam entre um terço e metade das mortes de pacientes com diabetes.

Mas por que exatamente isso acontece?

insulina, diabetes - iStock - iStock
Imagem: iStock

Rui Póvoa, chefe do setor de cardiopatia hipertensiva da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), explica que o diabetes leva a uma disfunção do endotélio, camada celular que reveste interiormente os vasos e as artérias.

“Em quem tem a doença, a capacidade reguladora dessa camada não funciona muito bem, e isso facilita a entrada de placas de gordura nos vasos e nas artérias de diversos órgãos. Uma vez lá, podem romper e provocar uma isquemia. Se for no coração, o resultado é o infarto. No cérebro, o AVC”, diz.

O que também contribui para o problema são o próprio excesso de glicose, que agride os vasos e induz ao estresse oxidativo, e a resistência à insulina, condição presente em mais de 80% dos pacientes, sobretudo nos com excesso de gordura abdominal.

“Ela aumenta o risco de hipertensão, o que por si só é um fator importantíssimo para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares; provoca alteração no perfil lipídico, elevando as taxas do colesterol LDL de pior qualidade, e causa um quadro de inflamação, que favorece a formação de coágulos nos vasos e nas artérias”, explica Lyra.

Outro ponto que precisa ser levado em conta é que o diabetes tipo 2 —que corresponde a 90% dos casos diagnosticados— tem total relação com o sobrepeso e a obesidade, duas situações que causam excesso de gordura no organismo e elevam ainda mais o risco cardiovascular.

Para evitar complicações

A associação entre diabetes e doenças cardiovasculares é um problema realmente sério, mas um estudo realizado pelo Hospital Universitário Aarhus, da Dinamarca, e apresentado no último Congresso da ESC (European Society of Cardiology), traz uma notícia animadora: pacientes com diabetes tipo 2 recém-diagnosticado, e sem doença cardiovascular anterior, podem reduzir drasticamente o risco de infarto e morte prematura quando fazem uso de medicamentos preventivos.

Pela pesquisa, que analisou 211.278 dinamarqueses que descobriram a enfermidade entre 1996 e 2011, o risco relativo foi diminuído no período em 61% para ataque cardíaco e 41% para morte e, o absoluto, em 4% e 12%, respectivamente.

Os pesquisadores observaram que é provável que mais alguns fatores tenham contribuído para a melhora do prognóstico, como controle mais rigoroso da patologia e mudanças no estilo de vida, incluindo parar de fumar, praticar atividade física com regularidade e ter uma alimentação saudável.

E são justamente essas as recomendações dos especialistas consultados por VivaBem. “Para evitar tanto o diabetes quanto as suas complicações é importante manter um peso adequado, evitar o sedentarismo e consumir menos gordura, sal, açúcar e bebidas alcoólicas”, avalia Póvoa.

Dieta/ Prato saudável - iStock - iStock
Imagem: iStock

Agora, se a patologia já estiver instalada, soma-se a lista seguir as prescrições feitas pelo médico à risca, a fim de controlar a glicose no sangue, e observar bem de perto a pressão arterial e o colesterol. A questão é que a adesão ao tratamento é um dos grandes desafios no Brasil.

“Mais de 50% dos pacientes brasileiros com diabetes têm a doença descontrolada”, afirma Lyra. As razões para isso, segundo ele, são as seguintes: a necessidade de tomar os medicamentos para sempre, mesmo que não haja sintomas, a quantidade de comprimidos diários e os altos custos.

“Sabemos que lidar com uma doença crônica não é simples, mas fazer o correto tratamento é o elemento-chave para prevenir as comorbidades e ter uma melhor qualidade de vida”, finaliza o coordenador da SBD.

Copyright © 2018. A Província do Pará Todos Direitos Reservados . Desenvolvido por Ideia Virtual