Conecte-se Conosco

Sem categoria

Preço do pescado permanece em alta há um ano

Publicado

em

Houve queda, em agosto. No geral, a maioria das espécies continua muito caro para consumidor

Josué Silva de Araújo/Da Redação
O preço do pescado, em Belém, teve queda, segundo o Dieese, em pesquisa realizada com a Secretaria de Economia de Belém (Secon). A baixa refere-se ao mês de agosto deste ano, 2018. A pesquisa foi feita nos mercados municipais. Outro estudo mostra que entre janeiro e agosto/2018 também houve redução de preço do peixe.
Mas nos 12 últimos meses – agosto/2017 e agosto/2018 – a maioria das espécies de pescados está com preço elevado para o consumidor final.
Semanalmente,  os dois órgãos – Dieese/Secon – fazem estudo sobre o comportamento dos preços de 38 tipos de pescado. São aqueles mais procurados. Entram no estudo o camarão regional e o caranguejo.
O peixe com mais expressiva queda é o uritinga, com baixa num percentual de 18,18% (refere-se a agosto passado). O curimatã, também bastante consumido, baixou 18,07%.
O aracu, 14,20%.
Peixe serra teve redução de preço de 10,10%. A pratiqueira, 9,40%. Corvina, com queda de 7,78%. Pescada gó, queda de 7,31%.
Cachorro de padre, 6,19%. Tainha, 4,91. Tamoatá, 3,89%.
Xaréu, com baixa de 5,52%. A dourada, com 2,62%.
O tambaqui, com 1,87%.
Mas houve aumento de preço, em agosto/2018, de alguns peixes. A sarda teve alta de 23,43%.
A pirapema subiu 19,56%. O bagre, 12,47%. O cação, 11,64%.
O tucunaré, alta de 10,50%. Peixe pedra, 10,05%. Mapará subiu 3,79%.
A pescada amarela teve 3,43% de aumento e o filhote subiu 2,42%.
A pesquisa revela que, nos últimos 12 meses, a maioria das espécies de peixes teve aumento.
E bem acima da inflação, calculada em torno de 3,50%, entre agosto do ano passado e agosto passado.
Os grandes reajustes de preços foram da pirapema (alta de 25,61%). Depois, a piramutaba, com 21,07% de aumento.
A arraia, com 16,69%. O mapará teve 15,59% de aumento.
Dourada, com 15,07%. A pescada gó subiu 13,64%. Pescada branca com alta de 12,12%. O aracu aumentou 11,43%. Cachorro de padre, com 9,86%.
Filhote, com alta de 9,52%. A sarda, com 7,95%. Pacu, com 5,00% de aumento. O tambaqui com alta de 3,52%. A pescada amarela, com alta de 3,43%.
Continue lendo
Clique para comentar

Copyright © 2018. A Província do Pará Todos Direitos Reservados . Desenvolvido por Ideia Virtual