Conecte-se Conosco

CÍRIO DE NAZARÉ

Pato some das feiras e preço do Tucupi sobe mais de 50% em relação a 2017, diz Dieese

Foto: Reprodução

Publicado

em

O pato vivo a cada ano desperece das feiras livres. Só na feira da 25 de Setembro e Ver-o-Peso podiam ser encontrados, em pouca quantidade

 

Josué Silva de Araújo/Da Redação

A maior festa religiosa do Brasil, o Círio de Nazaré, movimenta a economia local. Os alimentos típicos do Pará, nesse período, são muito procurados, seguindo a tradição. Uma das tradições é o almoço do domingo (do Círio).
O  Departamento Intrersindical de Estatística e Estudos Sócio-Econômicos (Dieese) faz o acompanhamento, já há 31 anos, das variação de preço dos principais componentes do almoço.
As pesquisas foram feitas a partir da segunda quinzena de agosto último, de forma apurada. Entre os produtos pesquisados estão o pato, a maniva (matéria-prima da maniçoba), peru, frango e o tucupi.
E semanalmente, em feiras livres, mercados municipais e supermercados da Região Metropolitana de Belém.
Um dos pratos sempre presente no almoço é o conhecido pato no tucupi. A pesquisa revela que o pato, ano após ano, fica mais raro (oferta menor que a demanda), portanto encarecendo o preço.
De um modo geral, garante o Dieese, esses alimentos básicos do almoço dos paraenses aumentou de preço este ano – 2018 – em relação a 2017.
O pato vivo (e congelado) estão em falta na grande maioria das feiras (Grande Belém).
Somente nas feiras da 25 de Setembro (Av. Rômulo Maiorana) e Ver-o-Peso havia patos para venda. E bem poucos.
Pato (vivo) de 2,50 a 3,50 quilos estavam sendo vendidos entre R$ 60 e R$ 120.
O congelado vem sendo comercializado na maioria dos supermercados. Mas em quantidade pequena. As aves foram importadas de Santa Catarina e a unidade oscila entre R$ 15,85 e R$ 16,35.
O destaque do estudo foi para o tucupi, ingrediente obrigatório nos preparativos do almoço.
Ele ficou mais caro este ano, se comparado a 2017, seja nas feiras, seja nos supermercados.
A subida (de preço) foi considerável (feiras e supermercados). O aumento chega a mais de 50%, de acordo com a marca e local de venda.
O preço do tucupi depende de alguns fatores. Um, do local de comercialização – feira livre, mercado municipal ou supermercado.
Outro, da quantidade – em garrafa “pet” de 1 ou 2 litros. Hoje, tanto em supermercados como feiras o ingrediente – tucupi – é vendido em garrafa “pet” de 2 litros.
O preço oscila. Tem garrafa custando R$ 5, e garrafa de R$ 14. Há preços alternativos entre os dois (R$ 5 e R$ 14), dependendo do local de venda.
Feiras livres de bairros periféricos – Terra Firme, Entroncamento, Jurunas, São Braz, Pedreira, Guamá, Telégrafo e 25 de Setembro – a garrafa de 2 litros custa entre R$ 5 e R$ 12.
Na feira da 25 de Setembro, na conhecida barraca da Eliete, dois litros custam R$ 10.
De 12 anos para cá os supermercados oferecem aos clientes diversos alimentos do “almoço do Círio”.
Além do pato congelado, eles (supermercados) comercializam o tucupi. Este tem preço, nesses estabelecimentos, variando de R$ 6,69 a R$ 6,99, o litro.
Dois litros (garrafa pet) variam entre R$ 11,20 e R$ 14. O valor depende da marca e do supermercado.

Continue lendo
Clique para comentar

Copyright © 2018. A Província do Pará Todos Direitos Reservados . Desenvolvido por Ideia Virtual