Conecte-se Conosco

Medicina & Saúde

Primeiro transhomem a ser operado no Brasil, João Nery prepara livro

Publicado

em

Psicólogo e escritor transexual João W. Nery, primeiro transgênero masculino a ser operado no Brasil, em redesignação sexual feita no ano de 1977, que aos 68 anos enfrenta câncer cerebral estágio 3.

Pelo Facebook, ativista anunciou câncer no cérebro na última semana

 

Por Vinícius Lisboa /Agência Brasil 

Rio de Janeiro – A primeira ruga na testa de João W. Nery apareceu quando ele tinha 29 anos. A transição para adequar seu corpo ao gênero masculino estava apenas no início e aquela linha de expressão acabou sendo bem vinda.

“Eu até gostei, porque deu um ar mais masculino. Qualquer besteira para quem não tomava hormônios já era algo. Comecei a ler A Velhice, da Simone de Beauvoir. Foi a primeira vez que eu pensei na morte”, disse João W. Nery em entrevista exclusiva à Agência Brasil.

A preocupação com a saúde aumentou na semana passada. Aos 68 anos, o primeiro homem transexual a passar por cirurgia de redesignação no Brasil, João W. Nery, recebeu o diagnóstico de que o câncer no pulmão, em tratamento há um ano, chegou ao cérebro. O ativista e escritor foi às redes sociais e dividiu a notícia com seus seguidores, provocando uma onda de solidariedade. Na próxima segunda-feira (17), ele fará a primeira sessão de radioterapia no cérebro, complementando as que já faz nas glândulas suprarrenais, onde também tem nódulos.

Psicólogo e escritor transexual João W. Nery, primeiro transgênero masculino a ser operado no Brasil, em redesignação sexual feita no ano de 1977, que aos 68 anos enfrenta câncer cerebral estágio 3.
Psicólogo e escritor transexual João W. Nery, primeiro transgênero masculino a ser operado no Brasil, em redesignação sexual feita no ano de 1977, que aos 68 anos enfrenta câncer cerebral estágio 3. – Fernando Frazão/Agência Brasil

Nery explica que o câncer no cérebro, no estágio três, “não é dos mais curáveis”, mas mantém a esperança, que vem da força de quem enfrentou procedimentos cirúrgicos experimentais na década de 1970 e mudou os documentos quando isso ainda era considerado crime.

Ele afirma que não acredita em Deus, mas não se considera ateu. Para Nery, afirmar que Deus não existe é tão dogmático como afirmar que ele existe. “Não sou nada místico. Não fui criado em religião nenhuma. Eu não tinha essa noção de pecado, então, nunca senti culpa pelo que eu sou. Mas também não tive as bengalas místicas que às vezes fazem falta”.

O ativista percebeu a doença quando teve desmaios súbitos e convulsões, e a confirmação de que o câncer havia chegado ao cérebro veio no último mês de agosto. A mensagem publicada no Facebook, segundo ele, foi “para deixar os meninos de sobreaviso” e para que vençam a timidez e não parem de lutar por seus direitos.

Nery organizou grupos de apoio para homens trans em todos os estados brasileiros, disponibilizou sua página no Facebook para que candidatos transexuais de todo o país divulgassem suas plataformas e participou de iniciativas para aumentar a empregabilidade da população trans, como o site Transempregos.

União

Aos jovens trans que o procuram para pedir conselhos e dividir suas angústias, o ativista pediu união. “Muitos garotos vem falar comigo que estão sofrendo transfobia dos próprios trans, porque não são sarados, não fazem academia e não tinham se hormonizado”, destacou.

“A transfobia causa muito sofrimento, então o que o transmasculino quer é fugir dessa dor, é fugir dessa discriminação, em princípio. Então, se hormonizando, tendo barba, engrossando a voz consegue se fazer inteligível para a sociedade e sofrer menos transfobia. Posso entender isso perfeitamente. Agora, isso não contribui para o movimento trans, até porque ele, muitas vezes, não quer ser reconhecido como trans, mas como homem cis”, completou.

Pai de um homem de 29 anos que é casado e heterossexual, João W. Nery acredita que é preciso criar homens sem medo do feminino. “Meu filho é tudo para mim. Ele é um homem bonito por dentro e por fora. É muito inteligente e carinhoso”, disse, lembrando que comemorou recentemente a entrada do filho no mestrado.

Nery se considera um homem feminino e feminista e afirma que o machismo é a grande patologia da sociedade. “É o machismo que deveria estar no CID (Cadastro Internacional de Doenças). Ele é a grande patologia social. Todo machista deveria se tratar, porque o machismo mata e mata feio. O feminicídio é uma loucura, fora os estupros corretivos que sofrem os homens trans e as lésbicas.”

Novo livro

Psicólogo e escritor transexual João W. Nery, primeiro transgênero masculino a ser operado no Brasil, em redesignação sexual feita no ano de 1977, que aos 68 anos enfrenta câncer cerebral estágio 3.
Psicólogo e escritor transexual João W. Nery, primeiro transgênero masculino a ser operado no Brasil, em redesignação sexual feita no ano de 1977, que aos 68 anos enfrenta câncer cerebral estágio 3. – Fernando Frazão/Agência Brasil

João Nery é autor de Erro de Pessoa, Viagem Solitária e participa da coletânea Vidas Trans. Nos últimos seis meses, ele trabalhou em seu próximo livro, Velhice Transviada. Segundo ele, a obra está praticamente concluída e já tem editora para publicação. O livro traz uma biografia atualizada do ativista, suas reflexões sobre a transexualidade na velhice e colaborações de outros LGBTs idosos.

“A velhice na nossa cultura é a partir dos 60, mas se uma mulher trans, por exemplo, fez 50, ela já é uma sobrevivente. Já pode se considerar uma mulher velha. E não tem asilo para os trans velhos, não tem saúde específica para atendê-los. Eles muitas vezes não têm estudo e não têm casa para morar”, destacou.

Nery conta que recebe relatos de idosos trans que tentam reverter a transição e fingir ser do sexo oposto para serem aceitos nos asilos. “É uma morte social”.

Impossibilitado de viajar, Nery gravou um vídeo para participar do I Congresso Internacional Multidisciplinar em Sexualidades, que acontece nesta semana na Universidade de Campinas.

Sempre presente em eventos acadêmicos e do movimento LGBT, ele será homenageado com a concessão do título de doutor honoris causa pela Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT), que aprovou a honraria por unanimidade em 22 de agosto.

Os problemas de saúde também o afastaram da militância. O ativista defende que os homens trans precisam ocupar espaços políticos e conquistar protagonismo de suas lutas. Na mensagem publicada na semana passada no Facebook, ele pede coragem. “Não se acovardem. Ser o que somos não tem preço. Viver uma mentira nos enlouquece”.

Continue lendo
Clique para comentar

Medicina & Saúde

OMS alerta para possível 3ª onda de surto de febre amarela no Brasil

Publicado

em

Paula Laboissière/ Agência Brasil

Brasília- Com pelo menos 36 casos de febre amarela confirmados em humanos no período entre dezembro de 2018 e janeiro deste ano, o Brasil poderia estar vivendo uma terceira onda de surto da doença. O alerta foi divulgado esta semana pela Organização Mundial da Saúde (OMS). O país registra ainda, segundo a entidade, oito mortes confirmadas por febre amarela no mesmo período.

Os casos se concentram em 11 municípios de dois estados. Em São Paulo, foram confirmadas infecções em Eldorado (16 casos), Jacupiranga (1), Iporanga (7), Cananeia (3), Cajati (2), Pariquera-Açu (1), Sete Barras (1), Vargem (1) e Serra Negra (1). No Paraná, dois casos foram confirmados em Antonina e Adrianópolis. O local de infecção de um último caso confirmado ainda está sob investigação.Ainda de acordo com a OMS, entre os casos confirmados em humanos, 89% deles foram identificados em homens com média de idade de 43 anos e pelo menos 64% dos infectados são trabalhadores rurais.“Embora seja muito cedo para determinar se este ano apresentará os altos números de casos em humanos observados ao longo dos dois últimos grandes picos sazonais [o primeiro entre 2016 e 2017 e o segundo entre 2017 e 2018], há indicações de que a transmissão do vírus continua a se espalhar em direção ao sul e em áreas com baixa imunidade populacional”, destacou a entidade, por meio de comunicado.

Números

Dados da OMS apontam que, na primeira onda de febre amarela, entre 2016 e 2017, foram confirmados 778 casos em humanos e 262 mortes. Já na segunda onda, entre 2017 e 2018, foram contabilizados 1.376 casos em humanos e 483 mortes. O período classificado como sazonal para o aparecimento ou aumento de casos da doença no Brasil geralmente ocorre entre dezembro e maio.

Vacina

A orientação da entidade, enviada a todos os estados-membros no último dia 25, é que os esforços para vacinação em áreas consideradas de risco sejam mantidos e que viajantes sejam orientados e imunizados pelo menos dez dias antes de visitar o local onde a dose é recomendada.

“A OMS recomenda a vacinação de viajantes internacionais com idade acima de 9 meses e que estiverem se dirigindo ao Brasil”, destacou a nota.

A dose é indicada para todas as pessoas que visitam os estados do Acre, Amapá, Amazonas, Bahia, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraná, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Rondônia, Roraima, Tocantins, Santa Catarina e São Paulo, além do Distrito Federal.

Continue lendo

Medicina & Saúde

Família intoxicada permanece em UTI no Regional do Marajó, em Breves

Publicado

em

Cinco membros de uma mesma família residente em Curralinho permanecem em cuidados intensivos no HRPM, em Breves, referência em assistência de média e alta complexidade no sudoeste do arquipélago marajoara

Internados na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Regional do Marajó (HRPM), em Breves, os cinco membros de uma mesma família residente em Curralinho permanecem em cuidados intensivos. Eles foram transferidos na segunda-feira (11) para o HRPM após serem vítimas de intoxicação por monóxido de carbono, causado por um gerador de energia.

A paciente Leiliane Gomes Miranda, 33 anos, e seu irmão, Aldemir Gomes Miranda, 45 anos, ainda estão sendo mantidos sedados e intubados para tratamento de eventuais sequelas da intoxicação. A jovem Andreza Cordeiro Ribeiro, 21, esposa de Aldemir, já apresenta quadro estável, mas permanece sedada e também intubada com cuidados intensivos, aguardando resposta ao tratamento.

A bebê de quatro meses, filha do casal, passa bem. Seu quadro de saúde é estável. Ela respira em ar ambiente, mas em observação na UTI Pediátrica. No entanto, o primogênito apresenta estado de saúde agravado, sendo mantido intubado, também na UTI Pediátrica. Ele está sedado e evoluindo com disfunções orgânicas, e também segue obtendo cuidados intensivos.

A família, natural de Curralinho, distante duas horas de embarcação da cidade de Breves, deu entrada às 11h33 de segunda-feira no setor de Urgência/Emergência do HRPM, em Breves. Eles foram encaminhados pelo Hospital Municipal de Curralinho, vítimas de intoxicação por monóxido de carbono exalado por um gerador de energia que foi esquecido ligado, dentro da residência, na madrugada do dia 11.

Todos os cinco membros da família chegaram no Regional do Marajó com nível de rebaixamento de consciência. Os pacientes permanecem na UTI adulto e pediátrica, respectivamente, de acordo com a idade de cada um.

Até o momento não há necessidade de transferência hospitalar dos pacientes que estão sendo assistidos pela equipe multiprofissional do Hospital, que está utilizando todos os recursos disponível na assistência das vítimas. A equipe médica está sendo conduzida pelo diretor técnico, dr. Cláudio Martins.

O HRPM presta assistência de média e alta complexidade para cerca de 270 mil habitantes dos municípios vinculados ao 8° Centro Regional de Saúde, composto por Breves, Anajás, Bagre, Curralinho, Gurupá, Melgaço e Portel.

Serviço – O HRPM dispõe de atendimento ambulatorial de segunda a sexta-feira, de 7h às 18 horas. O hospital está localizado na Av. Rio Branco, 1.266, Centro. Mais informações: (91) 3783-2140/ 3783-2127.

Por Vera Rojas

Continue lendo

Medicina & Saúde

Exame de sangue acusa lesão pré-cancerígena no pulmão

Publicado

em

Até que os primeiros sintomas da doença surjam, pacientes seguem com os hábitos perigosos, como o tabagismo

Resultado é obtido em testes com ratos modificados para ter o tumor maligno mais incidente em humanos. A abordagem criada por pesquisadores britânicos foca no DNA liberado na corrente sanguínea por células que começam a se dividir indiscriminadamente

Mais incidente no mundo — são diagnosticados, em média, 1,8 milhão de casos por ano —, o câncer de pulmão costuma não ter sintomas clínicos nos estágios iniciais. Geralmente, quando confirmada, a doença está avançada e, portanto, com possibilidade menor de cura. Criar instrumentos que facilitem a identificação precoce desse tipo de tumor desafia cientistas, e uma equipe britânica apresenta uma solução que chama a atenção pela simplicidade e pelo ganho de tempo. Segundo eles, um exame de sangue poderá ser usado para identificar alterações pré-cancerígenas, antes mesmo de o carcinoma surgir. Detalhes do trabalho foram divulgados ontem, na revista Disease Models and Mechanisms.

O foco dos pesquisadores das universidades de Cambridge e de Leicester é o nível circulante de DNA no sangue. Células cancerígenas vão derramando essa molécula na corrente sanguínea à medida que crescem e se multiplicam indiscriminadamente. Em experimentos com ratos, os cientistas conseguiram identificar alterações do corpo antes de elas se tornarem um tumor maligno. “Essa observação é excitante porque sugere que as mutações causadoras de tumor podem ser detectadas no DNA circulante de pacientes com câncer em estágio inicial ou com tumores pré-cancerígenos”, diz, em comunicado, Miguel Martins, pesquisador na Unidade de Toxicologia do Medical Research Council (MRC), ligado à Universidade de Cambridge, e principal autor do estudo.

A equipe usou ratos modificados geneticamente para ter uma mutação no gene KRAS. Dessa forma, o corpo das cobaias passou a replicar os primeiros sinais de câncer de pulmão. Os cientistas realizaram exames regulares de tomografia computadorizada (TC) para monitorar o desenvolvimento de pequenos tumores de pulmão pré-cancerosos nos camundongos, acompanhados de coletas de amostras de sangue. Uma das constatações a que chegaram é de que os animais que desenvolveram o tumor maligno apresentavam níveis mais elevados de DNA circulante que aqueles que permaneceram saudáveis. Além disso, os níveis de DNA liberados pelos tumores cancerígenos no sangue dos camundongos se correlacionavam com o tamanho dos tumores vistos nas tomografias.

Em uma segunda etapa, o DNA circulante nas amostras de sangue foi analisado quanto à presença da mutação ligada ao gene KRAS, responsável pelo surgimento da doença. Os pesquisadores descobriram que isso era possível também em fases posteriores ao desenvolvimento do carcinoma, quando os tumores eram considerados pré-cancerígenos. Segundo Miguel Martins, novos estudos serão realizados em camundongos que tenham lesões anteriores ao câncer em outros tecidos do corpo. “Isso nos dará uma ideia melhor sobre se a o DNA circulante tem potencial uso para detecção precoce da doença”, explica.

Área promissora

Diretor médico da British Lung Foundation, Nick Hopkinson pondera que se trata de um estudo inicial, feito em ratos. Ainda assim, para o especialista, a equipe de cientistas está investindo em uma “área muito interessante de pesquisa”. “Um exame de sangue para câncer de pulmão seria um grande passo à frente, desde que seja sensível e específico, para que não haja muitos resultados falso positivos ou falso negativos”, afirma, em comunicado.

Mariana Delfino-Machin, gerente do Programa de Câncer do MRC, que financiou a pesquisa, também considera o trabalho promissor. “O câncer de pulmão é incrivelmente difícil de diagnosticar na fase em que pode ser tratado com sucesso. Desenvolver estratégias de detecção precoce para melhorar as taxas de sobrevivência é fundamental. E, se isso pode ser alcançado usando apenas uma amostra de sangue, seria ainda mais benéfico aos pacientes”, justifica.

Continue lendo

Facebook

Propaganda

Destaques