Conecte-se Conosco

SAÚDE

Procedimentos feitos por planos de saúde cresceram 4,1% em 2018

Publicado

em

Foto: Reprodução/Fonte: Agência Brasil

O número de procedimentos realizados por meio de planos de saúde totalizou 1,57 bilhão em 2018, ou seja, 4,1% a mais do que no ano anterior (1,51 bilhão). Os dados são do Mapa Assistencial da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), divulgado hoje (11).

Os exames complementares responderam pela maioria dos procedimentos realizados por meio da saúde suplementar em 2018 e totalizaram 861,4 milhões, um aumento de 5,4% em relação a 2017. Em seguida, aparecem as consultas, responsáveis por 274,3 milhões de procedimentos (alta de 1,5%).

Entre os demais procedimentos, destacam-se outros atendimentos ambulatoriais, como consultas a psicólogos e fisioterapeutas, com 164,2 milhões (alta de 4,6%); terapias, com 93,4 milhões (aumento de 21%); e internações, com 8,1 milhões de ocorrências no ano (crescimento de 1,7%).

O número de procedimentos odontológicos (176,1 milhões) foi o único que registrou redução (-5,34%) em relação ao ano anterior.

“Com o aumento da incidência de doenças crônicas não transmissíveis, o envelhecimento da população e mudanças nos hábitos de vida, há uma necessidade de  melhor acompanhar a condição de saúde dos beneficiários. Para que ações reestruturantes sejam implementadas é imprescindível o conhecimento epidemiológico e demográfico da população que utiliza plano de saúde”, ressalta o diretor de Normas e Habilitação dos Produtos, Rogério Scarabel.

Em relação ao número de consultas e internações por beneficiário, houve quedas em relação a 2017. Foram 5,8 consultas por beneficiário em 2018 contra 5,9 em 2017. Já internações foram 179 por cada mil beneficiários contra 180 por mil em 2017.

Os outros atendimentos ambulatoriais tiveram alta: foram 3,5 por beneficiário em 2018 ante 3,4 em 2017. As terapias por beneficiário também cresceram: 2 em 2018 contra 1,7 no ano anterior.

Entre as consultas, a clínica médica liderou as consultas em 2018, com 27,1 milhões de atendimentos, seguida por ginecologia e obstetrícia (19,7 milhões) e pediatria (16,7 milhões).

Entre os exames, o mais realizado foi radiografia (31,8 milhões), seguida por hemoglobina glicada (13,5 milhões), ressonância magnética (7,9 milhões) e tomografia computadorizada (7,4 milhões).

O Mapa Assistencial destaca o aumento dos gastos com procedimentos para diagnóstico e cuidado de doenças crônicas. O número de exames de hemoglobina glicada (usado para detecção de diabetes), por exemplo, cresceu 13% por ano de 2014 a 2018.

Também de 2014 a 2018, os exames Holter 24 Horas, usado no diagnóstico e acompanhamento de doenças circulatórias, cresceu 6% anualmente.

A íntegra da publicação está disponível no site da ANS.

Continue lendo
Clique para comentar

SAÚDE

Avanços na vacina contra a raiva aposta em defesa extra contra a doença

Publicado

em

Vilhena Soares/ Correio Braziliense

Nova fórmula ativa o sistema de defesa de forma mais rápida e potente, segundo testes com ratos. Se aprovado o uso em humanos, a imunização poderá beneficiar principalmente as populações mais vulneráveis, como as crianças

vacina antirrábica é uma das fórmulas protetivas mais conhecidas e uma das mais antigas. Há, porém, algumas limitações, como o alto custo e o fato de os efeitos esperados nem sempre serem imediatos. Em um estudo publicado na revista especializada PLOS Neglected Tropical Diseases, cientistas americanos apresentam uma fórmula que não tem esses empecilhos. Segundo eles, o aperfeiçoamento se deu graças ao uso da proteína BAFF, que potencializa a ação de anticorpos no corpo.Continua depois da publicidade


A vacina antirrábica existente funciona ativando células B do sistema imunológico. No entanto, pode levar tempo para que ocorra essa interação. “Estratégias destinadas a aumentar a velocidade, a magnitude e a longevidade de vacinas são algo que sempre é buscado na área de pesquisa. Esse foi o foco da nossa”, destacam, em comunicado, os autores, que foram liderados por Joseph Plummer, pesquisador da Universidade Thomas Jefferson.

Em busca de uma vacina mais eficaz para raiva, os pesquisadores escolheram uma proteína de sinalização conhecida como fator de ativação de células B (BAFF), que se liga diretamente às células B. Eles projetaram uma vacina contra a raiva que incluía um vírus da raiva atenuado e BAFF na mesma partícula e testaram a nova fórmula em ratos. “Uma estratégia para melhorar a imunidade da vacina é direcionar o antígeno para as células do sistema imunológico. Com essa junção com o BAFF, imaginamos que a resposta do sistema imune poderia ser maior”, detalham os autores do estudo.

A estratégia dos cientistas rendeu os resultados esperados. Ratos imunizados com a nova fórmula mostraram resposta mais rápida e mais forte do sistema imunológico, quando comparados às cobaias que receberam a vacina tradicional contra a raiva. “Essa nova estratégia  aumentou significativamente a velocidade e a magnitude das respostas de anticorpos antirraiva e tem o potencial de melhorar a eficácia de outras vacinas que usam vírus inativados”, afirmam os autores.

Outras doenças

Os investigadores americanos destacam, no artigo, que mais de 59 mil pessoas no mundo morrem de raiva. Segundo eles, os custos da imunização são um dos fatores que dificultam a proteção, principalmente de comunidades mais carentes. A aposta é de que a fórmula com BAFF consiga mudar esse cenário. “Queremos uma opção mais efetiva para ajudar grupos vulneráveis. Esse tipo de vacinação é reservado para pessoas em risco de infecção, como indivíduos que trabalham em laboratórios de diagnóstico ou pesquisa, veterinários e manipuladores profissionais de animais. A Organização Mundial da Saúde também recomenda que crianças com até 15 anos que vivem em áreas endêmicas recebam essa vacina pré-exposição”, destacam.

A equipe frisa que são necessários estudos adicionais sobre a segurança da vacina antes de testá-la em humanos e que há a possibilidade de o método desenvolvido render outros frutos na área médica. “A incorporação de adjuvantes moleculares, como o BAFF, tem potencial para melhorar a eficácia de vacinas contra uma ampla gama de doenças infecciosas (…) Acreditamos também que um aprimoramento dessa vacina antirrábica pode nos ajudar a desenvolver estratégias de imunização para outras doenças infecciosas”, ressaltaram os autores do trabalho.

Ana Karolina Barrato Marinho, coordenadora do Departamento Científico de Imunização da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI), acredita que os resultados podem ajudar a sanar uma necessidade médica:  a de fórmulas mais eficazes e que possam ser usadas em um número maior de pessoas. “Temos vacinas que são feitas com o vírus vivo, mas elas não podem ser aplicadas em indivíduos que têm problemas no sistema imune, pois eles podem ter reações. A vantagem dessa nova fórmula é que ela tem uma eficácia alta e  pode servir a todos, por usar o vírus inativado, algo muito positivo”, explica.

A médica avalia que uma nova opção para vacina antirrábica é algo muito bem-vindo. “A mortalidade relacionada à raiva é bem alta, como esses pesquisadores ressaltam no trabalho. E a maioria das mortes é de crianças que estão mais expostas a animais. Ter uma vacina mais eficaz e potente pode ajudar bastante a diminuir essa taxa”, frisa. “É claro que esse estudo ainda é muito inicial, mais testes precisam ser feitos. Mas, caso os resultados positivos sejam vistos nos desdobramentos do estudo, será muito útil ter uma vacina com mais segurança e eficácia para proteger a população da raiva.”

Adaptações

No ano de 1880, o cientista francês Luis Pasteur deu início aos seus estudos sobre a raiva. Após cinco anos de dedicação, ele aplicou, pela primeira vez, a vacina antirrábica em um ser humano. Com o passar do tempo, a fórmula foi apenas adaptada por especialistas. O desenvolvimento dessa imunização é considerado o primeiro grande resultado da microbiologia aplicada à medicina e faz Pasteur ser reconhecido, até hoje, como um dos maiores cientistas da área médica.

Para saber mais

Passado mitológico

Durante muitos séculos, a raiva foi a única doença visivelmente transmitida por animais. Ela sempre é contraída por meio da mordida do mamífero infectado, cachorros e morcegos, principalmente. Ao entrar em contato com o organismo humano, esse vírus engana o sistema de defesa do corpo, se espalha e chega rapidamente ao cérebro, antes de as defesas serem acionadas. Dores pelo corpo, febre, convulsões e uma extrema aversão à água (hidrofobia), além da espuma pela boca, estão entre os sintomas da doença. Antes de ser tratada e bem compreendida, escritores a relacionavam a seres mitológicos, como vampiros e lobisomens.

Continue lendo

SAÚDE

Com sintomas de menopausa aos 28 anos, ela melhorou saúde após perder 15 kg

Publicado

em

Fonte/Foto: UOL

Ansiosa com os preparativos do casamento e viciada em chocolate, Keyla Araujo, 31 anos, engordou e começou a sofrer com falta de disposição, desânimo, dores. Decidida a diminuir os 75 kg da balança para ter mais saúde, procurou ajuda profissional, começou a seguir um plano alimentar equilibrado e intensificou os exercícios. A seguir ela conta como conseguiu:

Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal

“Em 2016, percebi que estava descontando a

“Em 2016, percebi que estava descontando a ansiedade devido aos preparativos do meu casamento na comida e acabei ganhando muito peso. Continuei engordando depois da cerimônia e comecei a me sentir mais cansada, irritada e com dores de cabeça e no corpo, sintomas comuns na menopausa. Tenho casos de diabetes na família e fiquei com medo de desenvolver a doença também. Em janeiro de 2017, depois de perder a maior parte das roupas e atingir 75 kg na balança, procurei ajuda de um médico.

Relacionadas

Fiz uma série de exames e descobri que, devido ao sobrepeso, estava com muitas alterações hormonais. O especialista e sua equipe montaram um plano alimentar bem personalizado, com foco na redução do peso e na melhora das alterações metabólicas, mas que também garantisse energia para a atividade física.

No início foi bem difícil manter uma boa alimentação, pois sou viciada em chocolates. Porém, decidi dar um “choque” no organismo e segui a dieta 100%, sem um deslize sequer por 16 dias. Foi a melhor coisa que eu fiz.

Na primeira semana senti muita dor de cabeça e mal humor pela falta dos doces. No entanto, meu corpo reagiu bem e logo passei a manter o controle de tudo o que ingeria, com muita consciência. No primeiro mês eliminei 4 kg com essa nova alimentação.

Eu já praticava musculação, mas conversei com um profissional de educação física para ter um treino focado em redução do percentual de gordura e aumento de massa muscular.

Por diversas vezes tive vontade de desistir, mas a cada número a menos na balança e a cada roupa que voltava a entrar no corpo eu me motivava a continuar

Arquivo pessoal

Passei a admirar mais a imagem que refletia no espelho e isso, sem dúvidas, foi bem motivador. Foram 15 kg perdidos em um ano e nove meses e ganho de saúde e autoestima.

Hoje, com 60 kg, continuo com acompanhamento médico e de sua equipe multidisciplinar, que fazem todo o planejamento da minha alimentação. Os exames também são refeitos até hoje para acompanhamento e manutenção da minha saúde.

Tenho a alimentação regrada, treino até seis vezes por semana e bebo bastante água (outro fator importante e que tive que aprender a mudar). Eu me sinto bem mais disposta. Meu foco não é mais “perder peso” e sim reduzir um pouco o percentual de gordura, sem pressa e sem neura. Nesse período perdi muita gordura e ganhei massa. Baixei de um percentual de 35% para 20% de gordura.

Posso dizer que sou mais feliz comigo mesma, satisfeita com minha saúde e animada com minhas evoluções.

Continue lendo

SAÚDE

China testa dispositivo que enviará a Marte em 2020

Publicado

em

Agência France-Presse

O aparelho, em forma de uma aranha gigante de quatro patas, desceu sobre uma base perto de Pequim em condições de gravidade semelhantes às do Planeta Vermelho

China realizou nesta quinta-feira (14/11) um teste com o equipamento de pouso que enviará em uma viagem de sete meses a Marte.
aparelho, em forma de uma aranha gigante de quatro patas, desceu sobre uma base perto de Pequim em condições de gravidade semelhantes às do Planeta Vermelho.
Sob o olhar atento da imprensa e de diplomatas estrangeiros, o dispositivo realizou com sucesso a manobra para se aproximar do solo.
“Este ensaio é um teste importante da missão a Marte”, disse o diretor da Administração Espacial Chinesa (CNSA), Zhang Kejian.
Ele disse ainda que o programa, em andamento desde 2016, está sendo desenvolvido “sem obstáculos”, embora a data da decolagem, programada para ser realizada na ilha tropical de Hainan (sul), ainda não esteja definida.

A viagem vai durar sete meses, e o pouso, apenas sete minutos, segundo o diretor do programa da missão a Marte, Zhang Rongqiao, e será “a fase mais delicada de toda missão”.Continua depois da publicidade
A sonda será lançada pelo foguete Marcha Longa 5 e transportará 13 tipos de equipamentos a bordo, incluindo seis veículos de exploração (rover), informou a CNSA.
“Os equipamentos serão usados para coletar dados sobre meio ambiente, morfologia, superfície, estrutura e atmosfera em Marte”, explicou Zhang Rongqiao.
Segunda potência econômica mundial, a China quer recuperar seu atraso em relação aos Estados Unidos em questões espaciais. Hoje, investe mais nesse setor do que Rússia e Japão (cerca de US$ 8,4 bilhões, segundo estimativa da OCDE em 2017).
Este ano, a China se tornou o primeiro país do mundo a conseguir colocar uma sonda na face oculta da Lua.
Em 2022, a gigante asiática espera colocar em órbita uma grande estação espacial que deve se tornar a única no mundo, após a retirada programada em 2024 da Estação Espacial Internacional (ISS). Desta última, participam Estados Unidos, Rússia, Japão e Canadá.

Continue lendo

Copyright © 2018. A Província do Pará Todos Direitos Reservados . Desenvolvido por Corpes Digital