Conecte-se Conosco

POLÍTICA

PSL expulsa deputado Alexandre Frota após criticar governo

Publicado

em

Foto: Reprodução / Fonte: *Com informações do Estadão Conteúdo

O Partido Social Liberal (PSL) decidiu nesta terça-feira, 13, expulsar o deputado federal Alexandre Frota (SP), que recentemente passou a fazer críticas à legenda e ao governo de Jair Bolsonaro, seu correligionário.

Como pano de fundo está o veto do Palácio do Planalto a indicações de Frota para cargos na Agência Nacional de Cinema (Ancine) e a perda de poder do diretório municipal de Cotia, na região metropolitana da capital paulista.

O pedido de expulsão partiu da deputada Carla Zambelli (SP) e foi subscrito pelos também deputados Caroline de Toni (SC), Bia Kicis (DF) e por Luiz Philippe de Orleans e Bragança (SP). O senador Major Olímpio (SP) também cobrou o afastamento definitivo do deputado, o terceiro mais votado da sigla no Estado.

Zambelli argumenta que Frota tem demonstrado “infidelidade” ao atacar o governo e colegas de bancada. A deputada diz ainda que a abstenção do parlamentar na votação do 2º turno da Previdência é uma traição à sigla. A proposta foi aprovada por 370 votos a favor, 124 contra e uma abstenção, a de Frota.

A situação do parlamentar na sigla piorou após ele afirmar que o presidente Bolsonaro é a sua “maior decepção” e que a indicação de Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), seu filho, para a embaixada brasileira em Washington representa a “velha política”.

O rompimento de Frota com o governo ocorreu após o parlamentar ter suas indicações à Ancine vetadas definitivamente pelo Planalto. Desde março, o governo “congelou” os nomes sugeridos pelo deputado para a agência. Frota, na época, culpou os ministros da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, e Osmar Terra, Cidadania.

Na semana passada, Frota compartilhou uma reportagem crítica ao presidente e seus filhos que relatava os laços familiares de empregados nomeados por eles desde 1991.No mesmo dia, atacou Zambelli por uma postagem da deputada que o criticou por se aproximar do governador de São Paulo, João Doria, do PSDB.

Frota também travou briga pública com Major Olímpio ao dizer que senador instalou uma “milícia de ex-PMs” no PSL. Irritado, Olímpio pediu a sua expulsão. Os dois brigavam por espaço na estrutura do partido.

Continue lendo
Clique para comentar

POLÍTICA

Fundo eleitoral: Bolsonaro rebate Estadão e nega ‘recado’

Publicado

em

Presidente Jair Bolsonaro Foto: PR/Carolina Antunes

O presidente Jair Bolsonaro se posicionou na noite desta terça-feira (10) sobre uma notícia do jornal Estado de São Paulo que falou de um suposto “recado” que o mandatário teria enviado ao Congresso de que não vetaria um fundo eleitoral de R$ 2,5 bilhões. Na publicação, o chefe do executivo afirmou que a notícia do jornal paulista não passou de “mentira”.

– Mais uma mentira, agora do jornal O Estado de São Paulo. Nada falei sobre o assunto, nem enviei “recado” ao Congresso – escreveu.

Sites como Folha de São Paulo e O Globo também publicaram notícias sobre uma suposta “pressão do governo” a respeito do possível veto em caso de manutenção da proposta atual de R$ 3,8 bilhões para o fundo eleitoral, já aprovada pela Comissão Mista de Orçamento.

Em comum, os jornais afirmam que os parlamentares temem um possível veto presidencial e, com isso, a possibilidade de ficarem sem qualquer previsão de recursos no Orçamento do próximo ano para financiar as eleições.

Continue lendo

POLÍTICA

Apoio à soltura de Lula é menor entre aposentados

Publicado

em

Foto: Reprodução / Fonte: *Folhapress

Pesquisa Datafolha que mostrou aprovação majoritária da população à soltura do ex-presidente Lula também apontou que o apoio ao petista cai em segmentos como aposentados e moradores de grandes cidades.

Levantamento do instituto, realizado quinta-feira (5) e sexta-feira, da semana passada, mostrou que 54% da população considerou justa a libertação do ex-presidente após decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), ante 42% que a consideraram injusta. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

O petista deixou a cadeia no dia 8 de novembro, beneficiado por decisão do Supremo que passou a considerar inconstitucional a prisão de condenados que ainda têm recursos pendentes nas instâncias superiores, como é o caso do petista.

A reprovação à soltura de Lula na mais recente pesquisa é maior entre eleitores com alta renda. Na faixa dos que possuem renda familiar mensal acima de dez salários mínimos, 70% disseram que nunca confiam em declarações do ex-presidente. Na população em geral, essa taxa é de 37%. A reprovação também ultrapassa a aprovação no segmento dos aposentados (49% a 45%), dos que têm escolaridade de nível superior (52% a 45%), eleitores que consideram que a crise econômica do país já acabou (55% a 42%) e entrevistados que se declaram brancos (51% a 45%).

Entre os moradores de municípios com mais de 500 mil habitantes, o apoio a Lula também é menor: 50% a 45%.

Desde que deixou a cadeia, Lula retomou a agenda de eventos políticos, fez viagens ao Nordeste e ao Rio de Janeiro e deu uma série de declarações críticas ao governo de Jair Bolsonaro.

Os números do Datafolha mostram uma guinada a favor do ex-presidente em relação a outros levantamentos do instituto, feitos em julho deste ano e em abril do ano passado, em que pese a formulação das perguntas ter mudado.

Na pesquisa mais recente, o instituto mencionou a soltura após a decisão do Supremo e perguntou se a libertação foi justa ou injusta. Em julho, 53% dos jovens de 16 a 24 anos aprovavam a condenação do ex-presidente no caso tríplex de Guarujá (SP), ante 61% que agora consideram a libertação justa.

Entre o eleitorado com renda familiar mensal de até dois salários mínimos, 49% classificaram a prisão de Lula como injusta em abril de 2018, enquanto na pesquisa da semana passada 63% dessa faixa do eleitorado disseram que a saída do petista da cadeia é justa.

No recorte regional, o Nordeste, única região do país onde o PT foi mais votado na eleição presidencial de 2018, continua com as taxas mais elevadas de apoio ao ex-presidente.

Consideram justa a soltura do petista na região 71% dos entrevistados -eram 56% os críticos à condenação no caso tríplex em julho nessa parte do país.

O apoio também se mantém elevado entre quem declarou voto no ex-presidenciável Fernando Haddad em 2018 e cai para 28% entre aqueles que declararam como partido de preferência o PSL, ex-sigla de Bolsonaro.

Continue lendo

POLÍTICA

Pannunzio ataca Feliciano e agora pode sofrer processo

Publicado

em

Pastor e deputado federal Marco Feliciano Foto: Alan Santos/PR

O deputado Marco Feliciano ameaçou publicamente processar o jornalista Fábio Pannunzio. A advertência foi feita através do Twitter, mesma rede social onde os dois trocaram farpas.

– Caro Fabio Pannunzio, o senhor tem 24 horas para se desculpar publicamente pela calúnia e difamação praticadas contra mim, sob penas das medidas cíveis e criminais cabíveis. Além disso, requeiro direito de reposta nos termos da L. 13.188. Tuítes devidamente printados – advertiu Feliciano.

Deputado ameaçou processar o jornalista por calúnia de difamação

Feliciano se manifesta após ser expulso do Podemos
Feliciano pede união de igrejas contra o ‘Porta dos Fundos’
Feliciano detona PT: ‘Não tem moral pra investigar ninguém’

Nos tuítes aos quais o deputado se refere, Pannunzio compartilha uma publicação de Patrícia Lélis, conhecida por ter acusado Feliciano de assédio sexual, processo que foi arquivado pela Justiça. Em seu tuíte, o jornalista endossa a fala de Patrícia e ofende o deputado.

– Quando a Patrícia Lélis denunciou esse picareta, foi tida como louca, chantagista, etc. Fica claro agora quem é o degenerado da história. Esse é o tipo de político que conforma este governo: hipócrita, malandro, violento e dissimulado. Feliciano e Bolsonarismo: tudo a ver – atacou o jornalista.

Fábio Pannunzio desferiu ataques contra Marco Feliciano

Já após a advertência de Feliciano, Pannunzio fez pouco caso e afirmou que não irá retirar os xingamentos do ar.

– Não precisa esperar as 24 horas. Não vou tirar m**** nenhuma do ar. Vou vencer você na Justiça assim como já venci dezenas. Com você, antecipo até o argumento: exceção da verdade. Você foi expulso por isso. Vergonha! Venha, Feliciano, me processe. Estou morrendo de medo de você – escreveu Pannunzio.

Continue lendo

Copyright © 2018. A Província do Pará Todos Direitos Reservados . Desenvolvido por Corpes Digital