Conecte-se Conosco

SAÚDE

Psoríase: o que é, sintomas, causas, diagnóstico e tratamentos

Fonte/Foto; saude.abril.com.br

Publicado

em

O que é psoríase

A psoríase é uma doença autoimune, inflamatória e não contagiosa da pele. O próprio sistema de defesa do corpo começa a atacar as células dermatológicas por algum motivo, causando lesões. Ela acomete todas as faixas etárias e os dois sexos, mas é mais comum em adultos jovens. Dados da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) apontam que afeta 2 milhões de pessoas no nosso país.

De acordo com o dermatologista Ricardo Romiti, coordenador da Campanha Nacional de Psoríase da SBD, ainda não se conhece exatamente qual a sua causa. Sabe-se apenas que ela está relacionada a fatores genéticos e imunológicos de cada indivíduo.

“Além disso, alguns gatilhos desencadeiam ou agravam crises: estresse, infecções, banhos longos e muito quentes, uso de certas medicações e o tempo frio”, enumera Romiti.

Tipos de psoríase

Os sintomas de psoríase variam conforme o tipo da doença (e sua intensidade). Veja os principais:

Psoríase em placas ou vulgar:

Representa 90% dos casos. Acomete preferencialmente couro cabeludo, cotovelos, joelhos e dorso, e se manifesta através de lesões avermelhadas e elevadas, cobertas por escamas esbranquiçadas.

“Elas se desprendem com facilidade da pele, espalhando-se pelas roupas e objetos de contato diário, como pentes”, relata Romiti. As rachaduras vêm acompanhadas de dor e coceira.

Psoríase ungueal:

As lesões aparecem nas unhas das mãos e pés, levando-as a crescerem de forma desigual. As unhas chegam a ficar deformadas e mudam de cor.

Psoríase palmoplantar:

A palma das mãos e a sola dos pés são atingidos pelas placas.

Psoríase invertida:

As manchas vermelhas afetam áreas do corpo que suam mais (axilas, embaixo dos seios, virilha e dobra dos joelhos e cotovelos).

Psoríase artropática ou artrite psoriásica:

Às vezes, a inflamação se espalha por outras partes do corpo além da pele, chegando às articulações. Os sintomas são os mesmos da artrite comum (dor, inchaço e rigidez nas juntas). Esse quadro tende a demorar mais para aparecer.

Psoríase pustulosa:

São as mesmas lesões da versão vulgar, porém acompanhadas de bolhas com pus. Surgem no corpo todo ou só de forma localizada.

Psoríase gutata:

É caracterizada por manchas menores e mais finas que a vulgar, em formato de gota. São comuns em crianças e adultos jovens, aparecendo no tronco, nos membros e no couro cabeludo.

Psoríase eritrodérmica:

O corpo inteiro é acometido por manchas vermelhas que coçam e ardem intensamente. Por sorte, esse é o tipo mais raro.

Diagnóstico da psoríase

A confirmação do problema acontece, em geral no próprio consultório médico. Dermatologistas estão preparados para reconhecê-lo.

“Em alguns casos, também é necessário realizar uma biópsia da pele para afastar a possibilidade de outras doenças”, acrescenta Romiti. Se apresentar sintomas suspeitos, consulte um médico.

Psoríase tem cura? Conheça o tratamento

“Ainda não há cura, mas hoje é possível tratar de maneira muito satisfatória”, comemora Romiti. Segundo ele, o arsenal terapêutico disponível consegue controlar completamente ou quase completamente os sinais e sintomas da psoríase.

O tratamento escolhido depende do tipo da doença, de sua extensão e da gravidade. Há quem só manifeste uma ou outra mancha de vez em quando, enquanto outros pacientes ficam com boa parte do corpo recoberta pelas lesões.

“Usamos desde medicações tópicas, com pomadas e cremes de efeito anti-inflamatório, até terapias sistêmicas”, ensina o profissional da SBD. O que são terapias sistêmicas? Em resumo, remédios para psoríase são orais, fototerapia e medicamentos injetáveis — os biológicos ou imunobiológicos.

De uma forma ou de outra, eles tentam conter os ataques do sistema imune à pele e a outras estruturas afetadas.

Romiti conta que os fármacos injetáveis, mais modernos, representam medidas extremamente eficazes e seguras no manejo. Quatro deles inclusive já foram incorporados ao Sistema Único de Saúde (SUS) para casos graves: o adalimumabe, o secuquinumabe, o ustequinumabe e o etanercepte.

Saiba como lidar com o prognóstico e as possíveis complicações

Infelizmente, a psoríase é carregada de estigmas e preconceito. Como já dissemos, a doença não é contagiosa, mas há quem tenha medo de se aproximar dos pacientes sem qualquer justificativa.

“Por causa das lesões aparentes, as pessoas sofrem discriminação e tendem a se isolar”, lamenta o Romiti. É comum que elas desenvolvam depressão e ansiedade. “Muitas precisam de um acompanhamento multidisciplinar para lidar da forma mais adequada com a doença”, aponta o médico. Psicólogos e psiquiatras muitas vezes são peça-chave nessa estratégia.

“Mas reforço que, atualmente, a psoríase é perfeitamente tratável. Isso devolve o bem-estar e a qualidade de vida”, completa Romiti.

Por outro lado, se não tratada corretamente, as lesões, dores e coceira pioram. “Casos graves podem demandar internação hospitalar pelo alto risco de complicações, como infecção e choque”, alerta o dermatologista. Por isso é tão importante buscar ajuda médica e não interromper a terapia.

Além disso, como dissemos no tópico sobre a artrite psoriásica, a inflamação é capaz de se espalhar pelo corpo, principalmente sem um tratamento adequado. Embora as articulações pareçam ser um alvo principal, a psoríase é capaz de afetar o sistema cardiovascular, o que aumenta risco de infarto e AVC.

Tratar, portanto, não protege apenas a pele.

Psoríase e coronavírus

Muitos dos tratamentos para psoríase buscam diminuir a atuação do sistema imune. E havia um receio de que isso favorecesse casos graves de Covid-19. No entanto, novos estudos sugerem que os remédios são seguros, embora seja sempre bom avaliar cada situação.

Abandonar a estratégia terapêutica sem conversar antes com um profissional pode trazer riscos para o corpo todo, como já mencionamos.

Há prevenção?

Infelizmente, não há formas conhecidas de evitar a doença. Mas tomando certos cuidados, é possível escapar da piora do quadro ou de crises intensas.

“As dicas incluem hábitos de vida saudáveis, uso de hidratantes e banhos de sol por período limitado”, lista Romiti. Ah, não cutuque ou arranque as escamas que se formam sobre a pele.

Copyright © 2018. A Província do Pará Todos Direitos Reservados . Desenvolvido por Ideia Virtual

Notice: ob_end_flush(): failed to send buffer of zlib output compression (0) in /home/aprovincia/public_html/wp-includes/functions.php on line 4556