Conecte-se Conosco

Direitos Humanos

Radio Comunitária de Gurupá é destruída por bandidos: Estúdio incendiado e equipamentos roubados

Publicado

em

Bandidos destroem a Rádio Comunitária Educadora de Gurupá FM, 87,9Mhz, na região da Ilha do Marajó!

 

Na madrugada desta quarta- feira (10), uma ação criminosa culminou com incêndio e destruição total da Rádio Comunitária Educadora de Gurupá FM, 87,9Mhz, na região da Ilha do Marajó!

 

A Rádio Comunitária Educadora do município de Gurupá, no arquipélago do Marajó, foi arrombada durante a madrugada desta quarta-feira (10). Além de arrombar o prédio onde funciona a emissora, os vândalos incendiaram os equipamentos sonoros.

De acordo com informações do Blog Marajó Notícias, a rádio há muitos anos realiza um trabalho de democratização da informação e serve de e espaço de utilidade pública para a população local.

Um dos vereadores do município, Davison Palheta, usou as redes sociais para denunciar a violência cometida contra a emissora comunitária.  “Hoje, Gurupá acordou com essa notícia: Tocaram fogo na Rádio. Muito triste ver essa realidade em nossa cidade. Um meio de comunicação importante pra toda sociedade, independente de visões políticas, a rádio tinha um serviço de utilidade pública. Assim como assalto no Banco do Brasil que não se teve resposta alguma da justiça, provavelmente esse crime também ficará sem resposta”, denunciou o vereador.

Gurupá tem 380 anos

Angelo Madson*

O município de Gurupá está localizada na região da Ilha do Marajó, à cerca de 348,4 km de Belém do Pará. Em seus 380 anos de fundação, destaca-se pelo histórico de lutas sociais, que remetem ao inicio do processo genocida de colonização europeia na região, reverbera no movimento pela criação da Reserva Extrativista Gurupá-Melgaço e chega aos dias atuais.

Há mais de 20 anos, a pequena cidade do interior paraense, com aproximadamente 32.049 habitantes, passou a contar com o serviço de comunicação comunitária da Rádio Educadora do Município de Gurupá.

Destuição dos estúdios da Rádio Comunitária de Gurupá

Uma rádio legitimamente comunitária que presta a seus ouvintes um serviço de interesse público, com imparcialidade e ética, com muita informação regional, publicidade local em seu apoio cultural, além de inúmeros serviços em sua programação auxiliando na organização vida pública municipal.

A Rádio Comunitária Educadora do Município de Gurupá atua legalmente tendo concessão de serviço do Ministério das Comunicações. Nesse período, comunicação popular e comunitária e a política da cidade sempre se cruzaram. No entanto, com o processo político de radicalização da extrema direita, com o silêncio da direita tradicional e centro esquerda, a cena política local ganhou tons mais dramáticos.

Ano passado, este que é o único meio de radiodifusão local,  sofreu o primeiro ataque: os covardes chegaram à noite, como alertavam os versos de Brecht, atearam fogo ao cabo de transmissão da antena e fugiram. Vizinhos correram para conter as chamas. E a cidade como reflexo de construção do estado, chegou a uma situação limite com o resultado das eleições presidenciais no Brasil, no último domingo. No fim da apuração, a cidade gritou:  Não ao Golpe e Sim à Democracia!!!

HADDAD teve VITÓRIA esmagadora sobre o neonazista (segundo o ex-vocalista do Pink Floyd)… Foram 69,94% dos votos válidos, contra apenas 13,7%.

Na calada da madrugada (10) o espectro do fascismo tropical lhe bateu a porta com estúpida violência! A Rádio Educadora do Município de Gurupá foi invadida, teve equipamentos roubados e o seu estúdio completamente destruindo num incêndio criminoso. Trata-se de um atentado contra o direito humano à comunicação, uma violação a todos os tratados internacionais do qual o Brasil é signatário, em relação ao direito a liberdade de expressão e informação!

A Idade Mídia – Comunicação para Cidadania não pode calar diante de tamanha barbaridade. Conversamos com Reinaldo Rodrigues, coordenador executivo da associação comunitária, ele conta em entrevista sobre a repercussão do fato na cidade. Como medida de emergência foi registrado um boletim de ocorrência para iniciar as investigações no âmbito da polícia civil, quem sabe buscar a federalização do caso, por conta das circunstâncias regionais.

Na manhã de hoje, aconteceu uma reunião com os associados da emissora comunitária e ficou decidido que no próximo sábado, dia 14 de outubro, será realizada uma grande mobilização popular, envolvendo trabalhadores da zona urbana e rural, para esclarecer boca a boca o que de fato aconteceu com a rádio e de que forma toda população poderá se organizar para reconstruir o prédio que foi completamente destruído! Será um belo trabalho de reconstrução coletiva do direito humano à comunicação.

Que o resto do Brasil olhe para esse pequeno município cravado na Amazônia, que vai dar uma lição de amor, união e solidariedade para trazer das cinzas da ignorância outras vozes em defesa do direito humano à comunicação popular e contra a corja sanguinária que prega a destruição dos valores comunais!

VIVA COM UNIDADE NA COMUNIDADE!

*É comunicador popular e Coordenador da Idade Mídia – Comunicação para Cidadania

(Publicado originalmente no perfil do diplomata José  Marajó Varela)

Acesse o vídeo narrando o episódio:

https://web.facebook.com/SBTALTAMIRA10/videos/2200851230160375/?t=34

Direitos Humanos

Unesco reconhece união homoafetiva como patrimônio mundial

Publicado

em

A decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de reconhecer, em 2011, a união homoafetiva e a garantia dos direitos fundamentais aos homossexuais, recebeu o certificado MoWBrasil 2018, oferecido pelo Comitê Nacional do Brasil do Programa Memória do Mundo da  Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura  (Unesco),

A decisão foi inscrita como patrimônio documental da humanidade no Registro Nacional do Brasil. O ex-ministro Ayres Britto, do STF, relator das ações que trataram do tema, representou a Corte durante cerimônia ontem (12), no Rio de Janeiro.

“A Constituição é arejadora dos costumes e sabe enterrar ideias mortas”, ressaltou o ministro. “[A decisão do STF] é de proibição do preconceito em função do modo sexual de ser das pessoas”, disse.

Ayres Britto acrescentou que este é um caminho de qualidade civilizatória democrática e humanista. “É caminho sem volta, é descolonização mental.”

A presidente do Comitê Nacional da Memória do Mundo da Unesco, Jussara Derenji, destacou que “um caleidoscópio da história está se formando através de novas contribuições das instituições nacionais”.

Continue lendo

Direitos Humanos

Nobel da Paz Nadia Murad pede ‘proteção internacional’ para yazidis

Publicado

em

A jovem yazidi recebeu o Nobel da Paz junto com o médico congolês Denis Mukwege

A jovem yazidi recebeu o Nobel da Paz junto com o médico congolês Denis Mukwege por “seus esforços, visando a pôr fim ao uso da violência sexual como arma de guerra”

 

Oslo, Noruega – Ao receber o Prêmio Nobel da Paz nesta segunda (10), a yazidi Nadia Murad, uma ex-escrava do Estado Islâmico (EI), pediu à comunidade internacional que proteja seu povo e trabalhe pela libertação de milhares de mulheres e crianças que continuam nas mãos dos extremistas.

“Se a comunidade internacional deseja realmente ajudar as vítimas desse genocídio (…) deve lhes garantir uma proteção internacional”, declarou esta jovem de 25 anos em seu discurso de agradecimento, pronunciado em curdo na prefeitura de Oslo.
Assim como milhares de mulheres yazidis, Nadia Murad foi sequestrada, violentada e torturada pelos jihadistas após a ofensiva do EI contra esta comunidade do norte do Iraque, em 2014. Nadia conseguiu fugir de seus sequestradores e, hoje, luta pelas mulheres e crianças – mais de três mil, segundo ela – ainda mantidos em cativeiro.
“É inconcebível que a consciência dos dirigentes de 195 países não se tenha mobilizado para libertar essas mulheres”, frisou. “Se tivesse se tratado de um acordo comercial, de uma jazida de petróleo, ou de um carregamento de armas, aposto que não se teria poupado esforços para liberá-las”, afirmou.
A jovem yazidi recebeu o Nobel da Paz junto com o médico congolês Denis Mukwege por “seus esforços, visando a pôr fim ao uso da violência sexual como arma de guerra”.
Mukwege pediu, por sua vez, que o mundo não ignore mais as vítimas de violência sexual em tempos de conflito, considerando que a única guerra que vale é a “guerra contra a indiferença”. “Não são apenas os autores de violência que são responsáveis por seus crimes, mas também os que escolhem fechar os olhos”, afirmou o ginecologista, de 63, após receber o Nobel. “Se há uma guerra necessária é a guerra contra a indiferença que corrói nossas sociedades hoje”, declarou.

Continue lendo

Direitos Humanos

Brasil sairá de pacto migratório, diz futuro chanceler

Publicado

em

O futuro chanceler, Ernesto Araújo Foto: Dida Sampaio/Estadão

O embaixador Ernesto Araújo, confirmado para assumir o Ministério das Relações Exteriores, disse nesta segunda-feira (10), nas redes sociais, que o governo do presidente eleito, Jair Bolsonaro, vai se desassociar do Pacto Global de Migração. Segundo ele, a imigração deve ser tratada de acordo com “a realidade e a soberania de cada país”.

“O governo Bolsonaro se desassociará do Pacto Global de Migração que está sendo lançado em Marrakech [Marrocos], um instrumento inadequado para lidar com o problema. A imigração não deve ser tratada como questão global, mas sim de acordo com a realidade e a soberania de cada país”, afirmou o futuro chanceler em sua conta no Twitter.

O Pacto Global para uma Migração Segura, Ordenada e Regular das Nações Unidas (ONU) foi aprovado hoje

por representantes de mais de 150 países na conferência intergovernamental da organização na cidade marroquina.

Ao discursar na conferência, o secretário-geral da ONU, António Guterres chamou a atenção para “o direito soberano dos Estados de determinar suas políticas de migração e suas prerrogativa para governar a migração dentro de sua jurisdição, em conformidade com o direito internacional”, insistiu o secretário-geral.

Marco regulatório

Também no Twitter, o futuro chanceler disse como o governo brasileiro pretende lidar com o fluxo migratório. Segundo ele, o país buscará acolher os imigrantes fixando um marco regulatório compatível com a realidade nacional.

“O Brasil buscará um marco regulatório compatível com a realidade nacional e com o bem-estar de brasileiros e estrangeiros. No caso dos venezuelanos que fogem do regime [do presidente venezuelano Nicolás] Maduro, continuaremos a acolhê-los, mas o fundamental é trabalhar pela restauração da democracia na Venezuela.”

O embaixador acrescentou ainda que os imigrantes são bem-vindos no Brasil e não serão discriminados. Porém, defendeu a definição de critérios para garantir segurança a todos. Não detalhou quais seriam esses critérios.

“A imigração é bem vinda, mas não deve ser indiscriminada. Tem de haver critérios para garantir a segurança tanto dos migrantes quanto dos cidadãos no país de destino. A imigração deve estar a serviço dos interesses  acionais e da coesão de cada sociedade.”

Continue lendo

Destaques