Conecte-se Conosco

Economia

Receita registra recorde na apreensão de contrabando em 2018

Publicado

em

Kelly Oliveira – Repórter da Agência Brasil  

Brasília – A Receita Federal fez apreensão recorde de mercadorias que seriam contrabandeadas para o Brasil. Em 2018, as apreensões chegaram ao valor de R$ 3,155 bilhões, com aumento de 40,2% em relação a 2017. As apreensões ocorreram nas aduanas de portos, aeroportos e unidades de fronteira terrestre.

Entre os produtos estão cigarros, roupas, calçados, eletrônicos, brinquedos, medicamentos, entre outros. Segundo a Receita Federal, a maioria das mercadorias, cerca de 45% são cigarros. Em 2018, foram 276 milhões de maços de cigarros, acima dos 218 milhões de maços registrados em 2017.

O coordenador-geral de Combate ao Contrabando e ao Descaminho da Receita, Arthur Cezar Cazella, disse que o trabalho da Receita incorpora as ações de inteligência, uso de cães de faro, scanners e sobrevoos com uso de câmeras térmicas nos portos. “Há todo um cabedal de instrumentos utilizados e isso vai evoluindo com o tempo, até pela melhoria da tecnologia”, disse Cazella.

O subsecretário de Administração Aduaneira da Receita Federal, Marcus Vinícius Vidal Pontes, destacou a atuação do Centro de Gerenciamento de Riscos, para prevenir o contrabando, e ação conjunta com outros órgãos, como a Polícia Federal.

A Receita também registrou a apreensão 31.449 kg de cocaína,7.936 kg de maconha, 187 kg de crack, e 38 kg sintéticas, em 2018.

Controle de viajantes

Em 2018, a Receita Federal reteve R$ 115,972 milhões em mercadorias de passageiros vindos do exterior, em aeroportos, no Brasil. Em 2017, esse valor ficou em R$ 70,779 milhões.

Segundo a Receita, os produtos foram apreendidos por terem a entrada proibida no Brasil ou por terem destinação comercial e não pessoal, devido à quantidade trazida pelo viajante.

Continue lendo
Clique para comentar

Economia

Mercado financeiro reduz projeção de crescimento pela 12ª vez

Publicado

em

Foto: Reprodução /Fonte: Agência Brasil

O mercado financeiro continua a reduzir a estimativa de crescimento da economiaeste ano. Pela 12ª vez seguida, caiu a projeção para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) – a soma de todos os bens e serviços produzidos no país. Desta vez, a estimativa foi reduzida de 1,45% para 1,24% este ano. Para 2020, a projeção foi mantida em 2,50%, assim como para 2021 e 2022.

Os números são do boletim Focus, publicação semanal elaborada com base em perspectivas de instituições financeiras sobre os principais indicadores econômicos. O boletim é divulgado às segundas-feiras, pelo Banco Central (BC).

Inflação

A estimativa de inflação, calculada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), subiu de 4,04% para 4,07 este ano. Para 2020, a previsão segue em 4%. Para 2021 e 2022, também não houve alteração: 3,75%.

A meta de inflação deste ano, definida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), é de 4,25%, com intervalo de tolerância entre 2,75% e 5,75%.

A estimativa para 2020 está no centro da meta: 4%. Essa meta tem intervalo de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

Para 2021, o centro da meta é 3,75%, também com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual. O CMN ainda não definiu a meta de inflação para 2022.

Para controlar a inflação, o BC usa como principal instrumento a taxa básica de juros, a Selic. Para o mercado financeiro, a Selic deve permanecer no seu mínimo histórico de 6,50% ao ano até o fim de 2019.

Para o fim de 2020, a projeção passou de 7,50% para 7,25% ao ano. Para o fim de 2020, a previsão foi mantida em 8% ao ano e em 2021, a expectativa caiu de 8% para 7,50% ao ano.

A Selic, que serve de referência para os demais juros da economia, é a taxa média cobrada nas negociações com títulos emitidos pelo Tesouro Nacional, registradas diariamente no Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic).

A manutenção da Selic este ano, como prevê o mercado financeiro, indica que o Copom considera as alterações anteriores nos juros básicos suficientes para chegar à meta de inflação.

Ao reduzir os juros básicos, a tendência é diminuir os custos do crédito e incentivar a produção e o consumo.

Para cortar a Selic, a autoridade monetária precisa estar segura de que os preços estão sob controle e não correm risco de ficar acima da meta de inflação.

Quando o Copom aumenta a Selic, a meta é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

Dólar

A previsão do mercado financeiro para a cotação do dólar subiu de R$ 3,75 para R$ 3,80 no fim de 2019 e permanece em R$ 3,80 no fim de 2020. Na última sexta-feira (17), o dólar comercial encerrou o dia vendido a R$ 4,102, com alta de R$ 0,065 (+1,62%), chegando ao maior valor desde 19 de setembro (R$ 4,124).

Continue lendo

Economia

Inflação do aluguel acumula taxa de 7,78% em 12 meses, diz FGV

Publicado

em

Foto: Reprodução /Fonte: Agência Brasil

O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M), usado no reajuste dos contratos de aluguel, registrou inflação de 0,58% na segunda prévia de maio deste ano. O resultado é inferior ao apurado na segunda prévia de abril (0,78%). Segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV), o indicador acumula taxa de inflação de 3,69% no ano e de 7,78% em 12 meses.

A queda da taxa da prévia de abril para a de maio foi puxada pelos preços no atacado, no varejo e na construção civil. A inflação do Índice de Preços ao Consumidor, que mede o varejo, caiu de 0,66% na segunda prévia de abril para 0,4% na segunda prévia de maio.

O Índice de Preços ao Produtor Amplo, que mede o atacado, caiu de 0,89% para 0,72% no período. O Índice Nacional de Custo da Construção recuou de 0,39% na segunda prévia de abril para 0,06% na segunda prévia de maio.

Continue lendo

Economia

Juros avançam junto com dólar refletindo cautela política e exterior

Publicado

em

Foto: Reprodução / Fonte: Estadão Conteúdo

Os juros futuros operam em alta firme nesta manhã, de ao redor de 10 pontos-base nos vencimentos mais longos, em sintonia com o dólar e refletindo a cautela política e com o exterior. O volume de negócios, no entanto, é reduzido em dia de agenda local fraca.

Às 9h35, a taxa do contrato interfinanceiro (DI) para janeiro de 2021 estava em 6,97%, na máxima, de 6,92% no ajuste de ontem.

O DI para janeiro de 2023 exibia 8,19%, de 8,12%, enquanto o vencimento para janeiro de 2025 estava em 8,82%, de 8,72% no ajuste anterior.

Continue lendo

Destaques

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com