Conecte-se Conosco

INTERNACIONAL

Saída de Bolton pode trazer flexibilidade para negociações nucleares

Publicado

em

Foto: Reprodução /Fonte: Agência Brasil

A saída do conselheiro de segurança nacional dos EUA Hawkish John Bolton pode trazer flexibilidade às próximas negociações nucleares com a Coreia do Norte, mas pode minar os esforços para alcançar a desnuclearização completa do regime, disseram analistas nesta quarta-feira (11).

O presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou em um tuíte surpresa terça-feira (10) que demitiu o conselheiro conservador e que nomeará um substituto na próxima semana. Ele citou fortes discordâncias com muitas das sugestões de política externa de Bolton.

A remoção de Bolton ocorreu no momento em que os Estados Unidos e a Coreia do Norte se preparam para retomar suas negociações nucleares, no final deste mês, após um período de tensões causadas pelas reações iradas de Pyongyang ao exercício militar do mês passado entre Seul e Washington.

É provável que a Coreia do Norte dê as boas-vindas às notícias da partida de Bolton, já que há muito tempo ele é alvo de sérias discordâncias devido à sua defesa anterior de um ataque preventivo contra o regime norte-coreano e à sua visão intransigente sobre como desnuclearizar o país.

“O momento pode ser conveniente para a diplomacia dos EUA com a Coreia do Norte”, disse Leif-Eric Easley, professor associado de estudos internacionais da Universidade Ewha Womans.

“(O líder norte-coreano) Kim Jong-un pode transformar essa troca na cúpula de Washington como uma vitória na política doméstica norte-coreana. Isso aumentaria a probabilidade de as negociações de desnuclearização recomeçarem em breve”, acrescentou.

No entanto, a ausência de profissional de segurança não político alimentou preocupações de que a política externa de Trump pudesse ser impulsionada mais por considerações políticas, particularmente antes de sua batalha pela reeleição.

“Agora, Bolton, que é versado na questão da desnuclearização e não é político, foi removido, o que significa que políticos como Trump e o secretário de Estado Mike Pompeo podem liderar o manejo do dilema nuclear da Coreia do Norte”, disse Park Won-gon, professor de política internacional da Universidade Global Handong.

“Portanto, as chances são de que os políticos possam priorizar interesses políticos, principalmente quando a época das eleições se aproxima”, acrescentou.

Bolton assumiu o posto de segurança na Casa Branca em abril do ano passado, sucedendo a H.R. McMaster. Posteriormente, ele manteve sua posição de linha dura em relação aos norte-coreanos, insistindo que não haveria alívio de sanções até que Pyongyang dê passos amplos e verificáveis ​​de desnuclearização.

A Coreia do Norte se revoltou com as posições de Bolton, denunciando-o como “um conselheiro destruidor de segurança”, “defensor da guerra”, “sujeito estruturalmente defeituoso” e “defeituoso humano”.

Assim, o disparo de Trump em Bolton poderia ajudar a aliviar as tensões com Pyongyang, à medida em que os políticos se preparam para o que seria mais um cabo de guerra desgastante nas etapas de “negociações sobre desnuclearização entre a Coreia do Norte e os EUA ”, dizem assessores.

Mas há preocupações de que uma equipe de política externa dos EUA desprovida de uma figura rica em princípios possa se contentar com um compromisso político aquém do objetivo tão alardeado de Washington de “desnuclearização final e totalmente verificável” da Coreia do Norte.

Pompeo negou a opinião de que a saída de Bolton poderia levar a uma mudança de política.

“Eu não acho que nenhum líder ao redor do mundo suponha que, porque um de nós se afaste da política externa do presidente Trump, mude de maneira material”, disse Pompeo em uma reunião de imprensa na Casa Branca.

A demissão abrupta de Bolton ocorreu um dia depois de o vice-ministro das Relações Exteriores da Coréia do Norte, Choe Son-hui, ter dito que Pyongyang está disposta a manter conversações em nível de trabalho com Washington ainda este mês.

O Conselho de Segurança Nacional da Coreia do Sul (NSC) realizou uma reunião regular hoje, durante a qual tomou nota do anúncio da Coreia do Norte de que pode conversar com os EUA.

Em um comunicado, o NSC disse que continuará a realizar esforços diplomáticos para atingir a meta de desnuclearização completa da Península Coreana o mais rápido possível por meio de negociações.

Continue lendo
Clique para comentar

INTERNACIONAL

Trump diz que há muitas opções para reagir ao ataque na Arábia Saudita

Publicado

em

Por NHK (emissora pública de televisão do Japão) -/

O presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, disse que há várias opções para lidar com os ataques a instalações de petróleo na Arábia Saudita durante o fim de semana.

Ao ser perguntado por um jornalista se o Irã estaria por trás dos ataques, o presidente respondeu que “está certamente parecendo que sim no momento”.

Trump disse ainda que os Estados Unidos têm várias opções, mas que no momento o país não está considerando nenhuma delas.

O presidente disse que os EUA têm os melhores sistemas de armas, mas que não quer guerra com ninguém.

Ele acrescentou que planeja enviar o secretário de Estado, Mike Pompeo, à Arábia Saudita, e discutir a questão com países do Golfo Pérsico e da Europa.

 

Continue lendo

INTERNACIONAL

Japão diz que não há problema imediato com abastecimento de petróleo

Publicado

em

Foto: Reprodução / Fonte: Agência Brasil

O ministro da Economia, Comércio e Indústria do Japão, Isshu Sugawara, disse hoje (17), em Tóquio, que não há problema imediato com o abastecimento de petróleo no país, após os ataques a instalações de produção da commodity na Arábia Saudita.

O Japão tem forte dependência do Oriente Médio para suas importações de petróleo.

Entretanto, Sugawara disse que o país tem reservas para mais de 230 dias de consumo interno.

Ele acrescentou que vai monitorar cautelosamente o impacto dos ataques sobre o abastecimento no Japão, bem como os movimentos do mercado de petróleo.

Informou, ainda, que o Japão pode liberar parte de suas reservas, se necessário, em cooperação com a Agência Internacional de Energia e outros países.

Continue lendo

INTERNACIONAL

Armas usadas em ataque contra Arábia Saudita eram iranianas

Publicado

em

Agência France-Presse/foto: AFP)

As armas usadas no ataque à Arábia Saudita, que reduziu enormemente o abastecimento mundial de petróleo e despertou o temor de uma escalada militar entre Washington e Teerã, foram fabricadas no Irã – anunciou a coalizão dirigida por Riad no Iêmen, nesta segunda-feira (16/9).

“A investigação segue, e todas as indicações mostram que as armas usadas provêm do Irã”, declarou à imprensa em Riad o porta-voz da coalizão, o coronel saudita Turki al-Maliki.
Ele acrescentou que se investiga a origem dos disparos, que atingiram, no sábado, as instalações petroleiras na Arábia Saudita. O país é o maior exportador mundial desta commodity é um peso pesado da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).
O ataque fez a produção de petróleo da Arábia Saudita cair pela metade.
As autoridades do Kuwait também abriram uma investigação. Segundo versões locais, um drone teria invadido o espaço aéreo no sábado para sobrevoar o palácio do emir, mesmo dia do ataque à Arábia Saudita.
A ofensiva foi reivindicada pelos rebeldes huthis xiitas do Iêmen. À frente de uma coalizão militar, Riad intervém desde 2015 neste país em guerra. Ao lado do governo, tenta conter os rebeldes apoiados pelo Irã.
O secretário de Estado americano, Mike Pompeo, considerou que não há provas de que este “ataque sem precedentes contra o abastecimento energético mundial” tenha origem no Iêmen. Washington acusa o Irã de estar por trás do episódio.
Teerã rebateu, julgando essas acusações “sem sentido” e “incompreensíveis”, segundo o porta-voz do Ministério iraniano das Relações Exteriores, Abas Musavi.

”Braço longo”

Segundo o coronel Al-Maliki, “os ataques não foram lançados do território iemenita, como reivindicaram os huthis”. Ele classificou o grupo de “instrumento nas mãos dos Guardiães da Revolução e do regime terrorista iraniano”.
Os rebeldes huthis insistem na autoria dos ataques e, hoje, chegaram a ameaçar lançar uma nova ofensiva contra alvos na Arábia Saudita.
“Temos o braço longo e ele pode alcançar qualquer lugar, a qualquer momento”, advertiu o porta-voz militar do grupo, Yahiya Saree, dirigindo-se ao “regime saudita”.
A infraestrutura energética saudita já foi atacada pelos huthis, sobretudo, em maio e em agosto.
Os ataques de sábado à usina de Abqaiq e ao campo de Khurais, no leste, são de outra escala, porém: reduziram a produção saudita pela metade, para 5,7 milhões barris por dia, cerca de 6% da oferta mundial.
Com isso, os preços do barril dispararam. Nas primeiras cotações desta segunda-feira de manhã, os preços subiam mais de 10%: o barril americano de WTI avançava 10,68%, a 60,71 dólares, e o barril de Brent do mar do Norte ganhava 11,77%, a 67,31 dólares.

Explosão de preços

Neste contexto, as autoridades sauditas estudam a possibilidade de adiar a entrada na Bolsa do gigante petroleiro Aramco, segundo fontes próximas ao caso.
“Estão tentando avaliar os danos. É uma possibilidade, mas ainda é muito cedo”, disse uma destas fontes, pedindo para não ser identificada.
Nesta segunda, o presidente americano, Donald Trump, afirmou que seu país não “precisa de petróleo, nem de gás do Oriente Médio”, mas prometeu “ajudar” seus aliados.
“Somos um exportador de energia e, agora, o produtor de energia número um no mundo”, tuitou.
O secretário americano da Energia, Rick Perry, tentou conter a explosão dos preços do cru, destacando a “quantidade substancial de petróleo disponível”.
Perry disse ser “prematuro” falar da necessidade de se recorrer às reservas estratégicas dos Estados Unidos, enquanto ainda se avalia o dano à produção saudita.
Pressionado entre seus dois grandes sócios, Teerã e Washington, o Iraque insistiu, nesta segunda-feira, que seu território não foi usado como plataforma para atacar as instalações sauditas.

Continue lendo

Destaque