Conecte-se Conosco

MUNDO

Saída de Bolton pode trazer flexibilidade para negociações nucleares

Foto: Reprodução /Fonte: Agência Brasil

Publicado

em

A saída do conselheiro de segurança nacional dos EUA Hawkish John Bolton pode trazer flexibilidade às próximas negociações nucleares com a Coreia do Norte, mas pode minar os esforços para alcançar a desnuclearização completa do regime, disseram analistas nesta quarta-feira (11).

O presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou em um tuíte surpresa terça-feira (10) que demitiu o conselheiro conservador e que nomeará um substituto na próxima semana. Ele citou fortes discordâncias com muitas das sugestões de política externa de Bolton.

A remoção de Bolton ocorreu no momento em que os Estados Unidos e a Coreia do Norte se preparam para retomar suas negociações nucleares, no final deste mês, após um período de tensões causadas pelas reações iradas de Pyongyang ao exercício militar do mês passado entre Seul e Washington.

É provável que a Coreia do Norte dê as boas-vindas às notícias da partida de Bolton, já que há muito tempo ele é alvo de sérias discordâncias devido à sua defesa anterior de um ataque preventivo contra o regime norte-coreano e à sua visão intransigente sobre como desnuclearizar o país.

“O momento pode ser conveniente para a diplomacia dos EUA com a Coreia do Norte”, disse Leif-Eric Easley, professor associado de estudos internacionais da Universidade Ewha Womans.

“(O líder norte-coreano) Kim Jong-un pode transformar essa troca na cúpula de Washington como uma vitória na política doméstica norte-coreana. Isso aumentaria a probabilidade de as negociações de desnuclearização recomeçarem em breve”, acrescentou.

No entanto, a ausência de profissional de segurança não político alimentou preocupações de que a política externa de Trump pudesse ser impulsionada mais por considerações políticas, particularmente antes de sua batalha pela reeleição.

“Agora, Bolton, que é versado na questão da desnuclearização e não é político, foi removido, o que significa que políticos como Trump e o secretário de Estado Mike Pompeo podem liderar o manejo do dilema nuclear da Coreia do Norte”, disse Park Won-gon, professor de política internacional da Universidade Global Handong.

“Portanto, as chances são de que os políticos possam priorizar interesses políticos, principalmente quando a época das eleições se aproxima”, acrescentou.

Bolton assumiu o posto de segurança na Casa Branca em abril do ano passado, sucedendo a H.R. McMaster. Posteriormente, ele manteve sua posição de linha dura em relação aos norte-coreanos, insistindo que não haveria alívio de sanções até que Pyongyang dê passos amplos e verificáveis ​​de desnuclearização.

A Coreia do Norte se revoltou com as posições de Bolton, denunciando-o como “um conselheiro destruidor de segurança”, “defensor da guerra”, “sujeito estruturalmente defeituoso” e “defeituoso humano”.

Assim, o disparo de Trump em Bolton poderia ajudar a aliviar as tensões com Pyongyang, à medida em que os políticos se preparam para o que seria mais um cabo de guerra desgastante nas etapas de “negociações sobre desnuclearização entre a Coreia do Norte e os EUA ”, dizem assessores.

Mas há preocupações de que uma equipe de política externa dos EUA desprovida de uma figura rica em princípios possa se contentar com um compromisso político aquém do objetivo tão alardeado de Washington de “desnuclearização final e totalmente verificável” da Coreia do Norte.

Pompeo negou a opinião de que a saída de Bolton poderia levar a uma mudança de política.

“Eu não acho que nenhum líder ao redor do mundo suponha que, porque um de nós se afaste da política externa do presidente Trump, mude de maneira material”, disse Pompeo em uma reunião de imprensa na Casa Branca.

A demissão abrupta de Bolton ocorreu um dia depois de o vice-ministro das Relações Exteriores da Coréia do Norte, Choe Son-hui, ter dito que Pyongyang está disposta a manter conversações em nível de trabalho com Washington ainda este mês.

O Conselho de Segurança Nacional da Coreia do Sul (NSC) realizou uma reunião regular hoje, durante a qual tomou nota do anúncio da Coreia do Norte de que pode conversar com os EUA.

Em um comunicado, o NSC disse que continuará a realizar esforços diplomáticos para atingir a meta de desnuclearização completa da Península Coreana o mais rápido possível por meio de negociações.

Continue lendo
Clique para comentar

MUNDO

Mortes por novo coronavírus na China sobem para 2,2 mil

Publicado

em

Foto: Reprodução / Fonte: *Com informações da Agência EFE

O número de mortes causadas pelo novo coronavírus na China aumentou para 2.236 nesta sexta-feira (21), 118 a mais que nesta quinta, enquanto o número de pessoas infectadas no país subiu para 75.465, com 889 novos casos nas últimas 24 horas.

A Comissão Nacional de Saúde disse que a partir da meia-noite (local, 13h de quinta-feira em Brasília), 11.633 casos graves haviam sido registrados, enquanto 18.264 pessoas haviam sido dispensadas.

Em seu relatório diário, o órgão acrescentou que até o momento 606.037 pacientes em estreito contato com os infectados foram monitorados clinicamente, dos quais 120.302 permanecem sob observação. Desses últimos, 5.206 são suspeitos de terem contraído o novo vírus, conhecido como SARS-CoV-2.

Entre as 118 novas mortes registradas, 115 das quais foram certificadas na província de Hubei, epicentro da epidemia e cuja capital, Wuhan, está em quarentena desde o dia 23 de janeiro. As outras três aconteceram em Zhejiang, no leste do país, Chongqing, no centro, e Yunnan, no sul.

O número de novos positivos foi de 889, e o número de pacientes com alta hospitalar subiu 2.109.

Continue lendo

MUNDO

Inteligência americana informou deputados que Rússia voltou a interferir na eleição em favor de Trump, diz NYT

Publicado

em

Foto: Trump em uma cerimônia de formatura de presos em Las Vegas, no estado de Nevada, que realiza primárias no sábado Foto: JIM WATSON / AFP Fonte: O Globo

Briefing secreto teria irritado o presidente americano O Globo e The New York Times

WASHINGTON – Autoridades da Inteligência americana alertaram deputados na semana passada que a Rússia estava interferindo na campanha de 2020 em apoio à reeleição de Donald Trump, disseram ao New York Times cinco pessoas familiarizadas com o assunto. O briefing confidencial, ocorrido em 13 de fevereiro, irritou Trump, que segundo o jornal reclamou que os democratas o usariam contra ele.

No dia seguinte ao briefing, Trump repreendeu Joseph Maguire, o diretor interino da Inteligência Nacional, por permitir que ele ocorresse. Trump ficou especialmente irritado com a presença no briefing do deputado democrata Adam Schiff,  presidente da Comissão de Inteligência que liderou a investigação que levou à abertura de um processo de impeachment contra ele.

No briefing, os aliados republicanos de Trump contestaram as conclusões, argumentando que Trump tem sido duro com a Rússia. O encarregado do briefing, Shelby Pierson, é um assessor de Maguire que tem a reputação de fornecer informações de maneira crua. O presidente anunciou na quarta-feira que estava substituindo Maguire por Richard Grenell, embaixador na Alemanha próximo do ideólogo Steve Bannon.

Embora algumas autoridades atuais tenham especulado que o briefing pode ter desempenhado um papel importante na remoção de Maguire, dois funcionários disseram que houve apenas uma coincidência, já que Trump nunca foi muito próximo do diretor de Inteligência e já pensava em substitui-lo.

Porta-vozes do Escritório do Diretor de Inteligência Nacional se recusaram a comentar o assunto. Um porta-voz da Casa Branca não respondeu imediatamente aos pedidos de comentário feitos pelo New York Times.

Um funcionário da Comissão de Inteligência da Câmara disse que o briefing de 13 de fevereiro foi uma atualização importante sobre “a integridade de nossas próximas eleições” e disse que deputados dos dois partidos compareceram, incluindoDevin Nunes, da Califórnia, o principal republicano da comissão.

A interferência da Rússia na eleição de 2016, por meio principalmente do uso de robôs nas redes sociais, foi investigada durante quase dois anos pelo promotor especial Robert Mueller. Ele concluiu que a interferência aconteceu, mas que não havia provas para afirmar que houve cumplicidade entre Trump e Moscou.

Continue lendo

MUNDO

Mulheres voltam às ruas pela legalização do aborto na Argentina

Publicado

em

Fonte: O Globo Foto: Reproducao

Com seus tradicionais ‘panuelos’ verdes em mãos, elas ocuparam a frente do Congresso argentino exigindo que o assunto volte a ser debatido em março

Milhares de mulheres com lenços e roupas verdes voltaram as ruas nesta quarta-feira para pedir que o aborto seja legalizado na Argentina, estimuladas pelo respaldo dado à causa pelo presidente Alberto Fernández.

— Viemos aqui lutar para que esta lei saia este ano, para que não haja mais pessoas que não podem decidir sobre seu projeto de vida, sobre seu corpo. Uma gravidez não desejada é sinônimo de tortura — afirmou a psicóloga feminista Antonella D’Alessio.

A convocatória organizada por grupos feministas ocorreu em frente ao Congresso argentino, onde em junho de 2018 a iniciativa para legalizar o aborto voluntário até a 14ª semana de gestação obteve o apoio histórico da Câmara dos Deputados. Mas o Senado, com perfil mais conservador, rejeitou-a em meio a pressões da influente Igreja católica e dos grupos evangélicos no país natal do papa Francisco.

A mobilização de mulheres exige que o tema seja debatido a partir de 1º de março, quando Fernández inaugura as sessões ordinárias do Legislativo argentino. A renovação parcial da Câmara Alta nas eleições de dezembro deixou o governo com maioria, o que renovou as esperanças das feministas e de seus aliados para conseguir a legalização do aborto, uma reivindicação que ganhou força na última década.

Na Argentina, o aborto é punido com penas de entre um e quatro anos de prisão, exceto em casos de estupro ou de risco para a vida da mulher. Segundo organizações feministas, são realizados cerca de 400.000 abortos clandestinos por ano no país, e eles são a principal causa de morte materna.

View this post on Instagram

𝗠𝘂𝗹𝗵𝗲𝗿𝗲𝘀 𝗮𝗿𝗴𝗲𝗻𝘁𝗶𝗻𝗮𝘀 𝘃𝗼𝗹𝘁𝗮𝗺 𝗮̀𝘀 𝗿𝘂𝗮𝘀 𝗽𝗮𝗿𝗮 𝗱𝗲𝗳𝗲𝗻𝗱𝗲𝗿 𝗮 𝗹𝗲𝗴𝗮𝗹𝗶𝘇𝗮𝗰̧𝗮̃𝗼 𝗱𝗼 𝗮𝗯𝗼𝗿𝘁𝗼 Com seus tradicionais 'panuelos' verdes em mãos, milhares de mulheres argentinas ocuparam novamente as ruas de Buenos Aires para pedir a descriminalização e legalização do aborto no país. Atualmente, a interrupção da gravidez só é permitida na Argentina em casos de estupro ou se a saúde da mulher estiver em risco. A convocatória organizada por grupos feministas ocorreu em frente ao Congresso argentino, onde em junho de 2018 a iniciativa para legalizar o aborto voluntário até a 14ª semana de gestação obteve o apoio histórico da Câmara dos Deputados. Mas o Senado, com perfil mais conservador, rejeitou-a em meio a pressões da influente Igreja católica e dos grupos evangélicos no país natal do papa Francisco. A mobilização de mulheres exige que o assunto volte a ser debatido a partir de 1º de março, quando o presidente Alberto Fernández, que já se posicionou favoravelmente a legalização, inaugura as sessões ordinárias do Legislativo. A renovação parcial da Câmara Alta nas eleições de dezembro deixou o governo com maioria, o que renovou as esperanças das feministas e de seus aliados para conseguir a legalização do aborto, uma reivindicação que ganhou força na última década. Fotos: AFP e Reuters

A post shared by celina (@projetocelina) on

O presidente argentino disse repetidamente que enviará um projeto ao Congresso para “acabar com a criminalização do aborto”, embora nunca tenha esclarecido se avançará na legalização.

— Achamos que o projeto do presidente estará em sintonia com o nosso — disse Marta Alanis, da organização Católicas pelo Direito de Decidir. Nesse sentido, ela admitiu que o movimento espera que o projeto do Executivo se concentre mais no aspecto da saúde público do que nos direitos das mulheres. A confiança de que a legalização ocorrerá neste ano faz com que os movimentos feministas já se preocupem com o “dia seguinte”: como remover obstáculos para que haja acesso concreto às mulheres que desejam abortar, explicou Alanis.

Oposição religiosa

Mas representantes da Igreja Católica e outras religiões também estão redobrando seus esforços para impedir a aprovação do projeto. O lenço azul celeste, que identifica a posição anti-aborto na Argentina, será distribuído no dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher, em uma mobilização e missa promovida pela Conferência Episcopal.

“Sim às mulheres, sim à vida” é o lema proposto para a missa e a marcha que ocorrerão em frente à Basílica de Luján, o principal local de culto da Argentina, 75 km a oeste de Buenos Aires.

A convocatória foi lançada logo após as declarações de Fernandez em favor da descriminalização do aborto, feitas durante sua recente turnê europeia, dias depois de se encontrar com o papa no Vaticano. O presidente, um peronista de centro-esquerda, já havia mencionado sua intenção de propor nova legislação a esse respeito.

De acordo com a pesquisa mais recente sobre crenças e atitudes religiosas na Argentina, a proporção de pessoas que afirmam que o aborto é um direito da mulher dobrou entre 2008 e 2019. No entanto, os grupos religiosos estão dispostos a lutar muito e pedem um referendo para tratar do assunto.

Continue lendo

Copyright © 2018. A Província do Pará Todos Direitos Reservados . Desenvolvido por Corpes Digital