Conecte-se Conosco

CORRUPÇÃO

Vaccari, ex-tesoureiro do PT, sai da prisão com tornozeleira

Publicado

em

Foto: Reprodução / Fonte: *Folhapress

A Justiça do Paraná determinou nesta sexta-feira (6), que o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto passe a cumprir pena em casa, com uso de tornozeleira eletrônica. A decisão ocorre depois de Vaccari ser beneficiado pelo indulto natalino assinado pelo então presidente Michel Temer (MDB) em 2017 que reduziu em 24 anos a soma das penas do petista na Lava Jato.

A juíza Ana Carolina Bartolamei Ramos considerou que, com a extinção dessa condenação, restava ao ex-tesoureiro apenas seis anos e oito meses de pena, com direito de cumprimento no regime semiaberto.

Vaccari foi preso em abril de 2015, em uma das fases da Lava Jato. Hoje, ele está no Complexo Médico-Penal, em Pinhais, na região metropolitana de Curitiba. Ana Carolina observou que Vaccari poderia ser transferido para a Colônia Penal Agroindustrial de Piraquara, também na região metropolitana de Curitiba, que é adequada para o semiaberto.

A magistrada considerou, porém, que ele é figura pública e envolvido na Lava Jato, operação de repercussão nacional e, portanto, não haveria como garantir sua segurança no local.

– Não verifico a possibilidade de o reeducando ser removido à Colônia Penal Agroindustrial (CPAI), em razão da impossibilidade de que lhe seja garantida plenamente a sua segurança e especialmente a sua integridade física (…) ainda mais em se tratando da condição de idoso do ora requerente – argumentou a juíza.

Assim, ela atendeu pedido da defesa de Vaccari, por um sistema de regime semiaberto “harmonizado”, monitorado por tornozeleira eletrônica.

– Diante da realidade do sistema carcerário de superlotação e desrespeito à dignidade da pessoa humana encarcerada, (…) sem dúvidas que a implantação do regime semiaberto harmonizado se revela mais eficiente tanto ao Estado, quanto ao reeducando – escreveu Ana Carolina.

Inicialmente, Vaccari, apontado como principal operador de propinas do PT na Petrobras, foi condenado em cinco ações penais da Lava Jato na primeira instância, mas acabou absolvido em duas delas no TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região). Há ainda outras ações em curso.

Nos dois processos, a maioria dos desembargadores do TRF-4 entendeu que não havia provas suficientes para condenar Vaccari em crimes como corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Com o indulto natalino de 2017, o ex-tesoureiro do PT conseguiu ainda extinguir 24 anos de condenação.

O decreto de Temer chegou a ser questionado no Supremo Tribunal Federal, que decidiu pela validade do benefício apenas em novembro do ano passado.

Em nota, o advogado de Vaccari, Luiz Flávio D’Urso, disse que considera justa a decisão, que teve aval do Ministério Público. “Vaccari faz jus à concessão deste benefício e, mais uma vez, reitera sua confiança na Justiça.”

 

CORRUPÇÃO

Justiça absolve Lula, Dilma e mais 3 do “quadrilhão do PT”

Publicado

em

Foto: Reprodução / Fonte: *Folhapress

A Justiça absolveu sumariamente os ex-presidentes Lula e Dilma, além dos ex-ministros Antonio Palocci Filho e Guido Mantega, e João Vaccari Neto, em ação referente ao chamado “quadrilhão do PT”.

A decisão foi assinada pelo juiz Marcus Vinicius Reis Bastos, da 12ª Vara do Distrito Federal.

Segundo Bastos, a “denúncia apresentada, em verdade, traduz tentativa de criminalizar a atividade política”.

– A inicial acusatória alonga-se na descrição de inúmeros ilícitos penais autônomos sem que revele a existência de estrutura ordenada estável e atuação coordenada dos Denunciados, traços característicos de uma organização criminosa. Numa só palavra, não evidencia a subsistência do vínculo associativo imprescindível à constituição do crime – segue o juiz na decisão.

A denúncia foi apresentada em setembro de 2017 pelo então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ao Supremo Tribunal Federal (STF). Segundo ela, os dois ex-mandatários tiveram participação num esquema montado para coletar propinas de R$ 1,48 bilhão entre 2002 e 2016.

As vantagens ilícitas teriam sido pagas em contratos da Petrobras, do BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento) e do Ministério do Planejamento.

Na ocasião, a Justiça também recebeu as acusações contra os ex-ministros da Fazenda Guido Mantega e Antonio Palocci Filho, além do ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto.

Em outubro deste ano, o Ministério Público Federal pediu a absolvição sumária dos ex-presidentes e ex-ministros.

O texto, assinado pela procuradora Marcia Brandão Zollinger, diz que “não há o pretendido domínio por parte dos denunciados, especialmente os ex-presidentes da República, a respeito dos atos criminosos, que obviamente merecem apuração e responsabilização e são objeto de ações penais autônomas, cometidos no interior das Diretorias da Petrobras e de outras empresas públicas”.

Continue lendo

CORRUPÇÃO

Lula pede para STF anular julgamento do sítio no TRF-4

Publicado

em

Ex-presidente Lula Foto: Reprodução

Na última segunda-feira (2), a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF), que anule o julgamento do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) sobre o sítio em Atibaia. O petista foi condenado em segunda instância a mais de 17 anos de prisão.

A manifestação foi enviada ao ministro Edson Fachin, relator dos casos da Lava Jato na Corte.

No documento, os advogados afirmaram que tinham a possibilidade de apresentar recursos antes do julgamento da semana passada. Eles também apontaram que a análise do TRF-4 foi um “constrangimento ilegal” contra Lula.

A defesa ainda diz que o julgamento do ex-presidente teve preferência na segunda instância. “Por qual razão este processo específico mereceu atenção especial, e teve seu trâmite deliberadamente acelerado, ultrapassando mais de um milhar de outros recursos pendentes de julgamento pela ordem cronológica?” questionaram os defensores.

Não há um prazo para que Fachin se manifeste.

Continue lendo

CORRUPÇÃO

Polícia Federal indicia presidente do PSL e 3 supostas candidatas-laranjas

Publicado

em

Foto: Michel Jesus/Câmara dos Deputados / Fonte: Correio Braziliense

Polícia Federal indiciou, nesta sexta-feira (29/11), por participação em um suposto esquema de candidaturas-laranjas, o deputado Luciano Bivar (PSL-PE) e três candidatas acusadas pelo crime de falsidade ideológica eleitoral. De acordo com as investigações, os quatro participaram do esquema montado para desviar recursos do fundo eleitoral.Continua depois da publicidade

Os envolvidos foram indiciados pelos crimes de falsidade ideológica eleitoral, apropriação indébita de recurso eleitoral e associação criminosa. Se condenados, podem pegar pena de cinco, seis e três anos de cadeia por cada crime, respectivamente. 


As candidatas-laranjas são Maria de Lourdes Paixão, Érika Santos e Mariana Nunes, do PSL. Elas receberam valores altos do fundo eleitoral, mas tiveram uma quantidade baixa de votos. Maria de Lourdes, por exemplo, recebeu R$ 400 mil do fundo, e obteve apenas 274 votos. 
O Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG), estado onde ela concorreu, rejeitou as contas da candidata e determinou a devolução de R$ 380 mil pagos a uma gráfica. 

Ministro já foi indiciado

O ministro do Turismo, Marcelo Alvaro Antonio, foi indiciado no mês passado. A PF o aponta como chefe do esquema. 
O PSL é o partido pelo qual se elegeu o presidente da República, Jair Bolsonaro. Após o escândalo das candidaturas-laranjas, uma briga interna na legenda se instalou, levando Bolsonaro a sair da legenda e anunciar a criação de uma nova, a Aliança pelo Brasil.

Continue lendo

Copyright © 2018. A Província do Pará Todos Direitos Reservados . Desenvolvido por Corpes Digital