Conecte-se Conosco

POLÍTICA

FHC: “Huck vai deixar de ser celebridade para ser líder?”

Ex-presidente Fernando Henrique Cardoso Foto: Agência Brasil/Tânia Rêgo

Publicado

em

O ex-presidente da República, Fernando Henrique Cardoso, falou sobre a atual situação política do país em entrevista ao jornal Estado de São Paulo. Na ocasião, FHC foi perguntado sobre a possibilidade do apresentador Luciano Huck concorrer ao cargo de presidente da República e afirmou que o apresentador precisa mudar de perfil.

– Sou amigo do Luciano, etc. Agora, preciso ver se ele vai deixar de ser celebridade para ser líder. Celebridade é uma coisa importante, tem acesso ao povo, mas líder é outra coisa – questionou.

O ex-mandatário também respondeu sobre a possibilidade do atual governador de São Paulo, João Doria, exercer o cargo de presidente. Ele disse ver poucas possibilidades em uma possível eleição do chefe do executivo paulista.

– Ser eleito presidente depende de você entender e lidar com a diversidade do Brasil. Não sei se o Doria tem capacidade de expressar um sentimento nacional – declarou.

FHC falou sobre atual governo do presidente Jair Bolsonaro, ele afirmou que mesmo sem apoiar o atual mandatário, concorda que todas as medidas tomadas pelo governo estão dentro da lei.

– Não teve nada no governo Bolsonaro até agora que tivesse sido contra a lei. Não votei no Bolsonaro e não apoio o governo, mas é preciso ter equilíbrio nessas coisas. Há liberdade, imprensa livre, Justiça e Congresso funcionando – completou.

Continue lendo
Clique para comentar

POLÍTICA

Em sua live semanal: “Não tenho habilitação para dirigir retroescavadeira”

Publicado

em

Foto: Reprodução / Fonte: FolhaPress

O presidente Jair Bolsonaro criticou indiretamente nesta quinta-feira (20) o senador Cid Gomes (PDT), baleado ao investir com uma retroescavadeira contra um quartel tomado por policiais militares amotinados no Ceará, e disse não ter habilitação para dirigir o veículo.

As declarações foram feitas durante transmissão ao vivo pela internet em uma rede social. Bolsonaro citou o episódio envolvendo o irmão do ex-candidato Ciro Gomes (PDT) em duas ocasiões durante a live, que contou com a participação do ministro Onyx Lorenzoni (Cidadania) e do secretário da Pesca, Jorge Seif Jr.

Na primeira menção, criticou reportagem que diz que um vereador bolsonarista liderou o motim no quartel no Ceará. Alfinetando a imprensa, Bolsonaro questionou a matéria.

– Olha só, hein, o motim lá se deve a um vereador bolsonarista. Eu queria só que vocês me apresentassem ele, me apresente o vereador aí – indagou.

Em seguida, perguntou a Onyx o que se ele achava que “aquele cara lá, não fala o nome dele não, que subiu no trator e foi empurrar o portão lá com crianças, com mulheres, ele agiu corretamente ou não, não fala o nome dele não?”. O ministro concordou.

– Evidente que não, né presidente. Aí é uma irresponsabilidade, um desequilíbrio, um ato que colocou em risco a vida de muitas e muitas pessoas. E é evidente que quando tu tem tua vida em risco, tu tem o direito à legítima defesa – respondeu o ministro.

Cid Gomes, que tem 56 anos e está licenciado do Senado desde dezembro para atuar nas eleições municipais no Ceará, dirigia a retroescavadeira e tentou investir contra o portão do batalhão tomado por PMs. O trator foi alvejado e teve os vidros estilhaçados.

Cerca de cinco minutos depois, Bolsonaro chamou para o vídeo o deputado Hélio Lopes (PSL-RJ) e comentou que deve passar o Carnaval no Guarujá (SP). Em seguida, afirmou que, por segurança, precisa ficar em lugares reservados. Ainda assim, continuou, disse que sempre procurar “dar uma fugidinha”.

– Na penúltima vez eu dei uma fugida de moto lá pela cidade. A imprensa foi logo atrás para saber se eu tinha habilitação ou não (…) Olha, eu não tenho habilitação para dirigir retroescavadeira, isso eu posso garantir para vocês. Mas motocicleta, eu tenho. – apontou.

Continue lendo

POLÍTICA

Aliados do governo convocam manifestação para março

Publicado

em

Apoiadores de Bolsonaro convocam manifestação para 15 de março Foto: Agência Brasil/ Fabio Rodrigues Pozzebom

O ministro Augusto Heleno, do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), sugeriu na última quarta-feira (19) que o povo deveria ir às ruas contra a chantagem do Congresso, segundo o jornalista Lauro Jardim, do jornal O Globo.

Aliados do presidente Jair Bolsonaro estão convocando uma grande manifestação em apoio ao mandatário. O ato deve acontecer no dia 15 de março e é puxado por diversos líderes conservadores.

Usuários de redes sociais já levantaram a tag #Dia15PeloBrasil, em demonstração de apoio ao chefe do Executivo.

Aliados do governo convocam manifestação para março
Aliados do governo convocam manifestação para março / Foto: Reprodução
Aliados do governo convocam manifestação para março
Aliados do governo convocam manifestação para março / Foto: Reprodução
Aliados do governo convocam manifestação para março
Aliados do governo convocam manifestação para março / Foto: Reprodução
Aliados do governo convocam manifestação para março
Aliados do governo convocam manifestação para março / Foto: Reprodução
Aliados do governo convocam manifestação para março
Aliados do governo convocam manifestação para março / Foto: Reprodução

A data da manifestação marca o mesmo dia em que, há cinco anos, aconteceu o maior protesto contra a ex-presidente Dilma Rousseff.

Continue lendo

CORRUPÇÃO

Em Brasília, Lula depõe em inquérito pedido por Moro

Publicado

em

Ex-presidente Lula Foto: Divulgação/Ricardo Stuckert

Na última quarta-feira (19), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva esteve em Brasília para depor em um inquérito que apura se o petista violou a Lei de Segurança Nacional. A investigação é de responsabilidade da Polícia Federal (PF) e foi aberta a pedido do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro.

A representação é referente a uma declaração dada por Lula após ter deixado a prisão, em novembro do ano passado. Durante discurso no Sindicado dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo, o ex-presidente disse que Bolsonaro “governava para milicianos”.

– Tem gente que fala que tem de derrubar o Bolsonaro. Tem gente que fala em impeachment. Veja, o cidadão foi eleito. Democraticamente, aceitamos o resultado da eleição. Esse cara tem um mandato de quatro anos. Mas ele foi eleito para governar para o povo brasileiro, e não para governar para os milicianos do Rio de Janeiro – afirmou na ocasião.

A Lei de Segurança Nacional trata de crimes que lesam ou expõem a perigo de lesão: a integridade territorial e a soberania nacional; o regime representativo e democrático, a Federação e o Estado de Direito; e a pessoa dos chefes dos Poderes da União.

Continue lendo

Copyright © 2018. A Província do Pará Todos Direitos Reservados . Desenvolvido por Corpes Digital