Conecte-se Conosco

SAÚDE

Halitose: saiba por que ocorre e como prevenir o mau hálito

Fonte/Foto: UOL

Publicado

em

Cirurgião-dentista explica o que é o problema que causa alterações no hálito, mas que pode ser prevenido e tratado através da realização de uma boa higiene bucal.

Atingindo cerca de 32% da população, segundo dados da Associação Internacional de Pesquisa dos Odores da Boca, a halitose, popularmente conhecida como mau hálito, é uma condição que pode ser causada pelos mais diversos fatores, mas está geralmente relacionada como principal agente etiológico a higienização precária da língua (remoção da saburra lingual).

“Existem cerca de 60 causas que alteram o hálito. Diabéticos, por exemplo, podem sofrer com halitose por apresentarem uma descompensação nos níveis de glicose do organismo. Porém, o principal agente causador da halitose é a saburra lingual ou biofilme lingual, a placa branca que surge sobre a língua devido à falta de higienização, além de fatores que podem agravar, como cáries, doença periodontal, sangramento gengival ou outras manifestações bucais em que o paciente apresente necrose tecidual”, explica o cirurgião-dentista Dr. Mario Giorgi.

Embora seja invisível e benigno para a saúde física, o mau hálito tem um potencial devastador à saúde psíquica e emocional, podendo levar alterações de comportamento como insegurança ao se aproximar das pessoas, dificuldade em estabelecer relações sociais, resistência ao sorriso e até mesmo fobia social e depressão. E o pior é que, na maioria dos casos, o odor desagradável não é perceptível aos portadores do problema. De acordo com o Dr. Mario, isso ocorre devido a um fenômeno conhecido como falência ou fadiga olfatória, uma consequência do processo adaptativo que faz com que o organismo se acostume com cheiros aos quais somos expostos com frequência. “Infelizmente, é uma situação em que quem tem mau hálito não sabe que tem e nem mesmo o autodiagnóstico, ou seja, quando a pessoa desenvolve técnicas para perceber a situação do hálito, é confiável. Quem percebe, geralmente, são as pessoas que estão ao redor, e que, por constrangimento, não apontam o problema para o portador”, destaca o cirurgião-dentista.

Por isso, o mais importante é consultar regularmente um dentista, que, caso note alteração no hálito, poderá diagnosticar o problema corretamente e indicar formas de tratamento afinal, a doença pode ser prevenida e tratada.

A partir do diagnóstico, realizado através de exames clínicos e radiológicos, além da própria percepção do dentista, o profissional poderá indicar o tratamento odontológico necessário para cada pessoa ou então, caso a halitose seja consequência de uma doença preexistente, encaminhar o paciente para o médico mais adequado para tratar a condição. Além disso, o dentista poderá dar orientações para auxiliar no tratamento e prevenção da halitose. “O dentista poderá, por exemplo, conceder orientações a respeito da hidratação correta, afinal, a boca seca é o fator que mais favorece a formação da saburra lingual e, consequentemente, a alteração do hálito, pois a falta de umidade na boca causa a descamação do tecido da mucosa, que acaba se alojando na língua. O recomendado então é ingerir, no mínimo, 2 litros de água por dia para garantir a boa qualidade e a quantidade suficiente de saliva, evitando assim a formação da saburra lingual”, afirma o Dr. Mario.

Além disso, o dentista poderá instruir o paciente sobre o protocolo ideal de higienização bucal para tratamento e prevenção da halitose, que consiste principalmente na utilização de instrumentos para a higienização específica da língua, como a dupla TUNG Brush e TUNG Gel da empresa EHM do Brasil. “Deve-se iniciar a higienização com o auxílio do limpador de língua recomendado pelo seu dentista, realizando a limpeza da região posterior, média e anterior da língua com cuidado para não provocar lesões. Para aqueles que sentem náuseas ao limpar a língua é recomendado puxá-la até o queixo com o auxílio de uma gaze, projetando-a para fora para que seja possível realizar uma higienização melhor, principalmente da parte posterior, onde há o maior acúmulo de saburra lingual”, recomenda o cirurgião-dentista. “A escova de língua TUNG Brush deve ser utilizada realizando movimentos circulares de varredura para que ocorra a remoção do biofilme residual. De preferência, a escova deve ser utilizada junto ao TUNG Gel, que, devido ao cloreto de zinco em sua fórmula, que facilita a remoção e é capaz de neutralizar os gases causadores do mau hálito.” Tal protocolo deve ser realizado, no mínimo, uma vez ao dia, de preferência pela manhã.

Mas para realmente dar fim à halitose é preciso realizar, além da limpeza da língua, a higienização da boca como um todo, utilizando instrumentos atraumáticos recomendados por seu dentista, incluindo uma escova de cerdas ultramacias, uma escova interdental, uma escova unitufo e, é claro, o fio dental. “Estes cuidados combinados a visitas regulares ao dentista são ideais para auxiliar no combate e prevenção ao mau hálito e outras condições como cárie e doenças periodontais, finaliza o Dr. Mario Giorgi.

Fonte: Dr. Mário Giorgi


Continue lendo
Clique para comentar

SAÚDE

Cinco maneiras de prevenir as hemorroidas

Publicado

em

Fonte: noticiasaominuto Foto: Reproducao

A doença hemorroidária é extremamente frequente na população adulta

Estima-se que cerca de metade da população possa sofrer de hemorróidas. As hemorróidas são vasos sanguíneos dilatados, localizados no ânus ou no baixo reto e podem ser internas (dentro do ânus) ou externas (à volta do ânus).

De forma geral, manifestam-se através de perdas de sangue, desconforto, dor e/ou prurido (comichão) na região anal. Algumas situações apenas encontram solução com a intervenção médica, mas o Lifestyle ao Minuto apresenta-lhe cinco formas de prevenir o problema. 

  • Evite estar demasiado tempo em pé ou sentado: isto faz com que a pressão sobre as veias do ânus aumente.
  • Beba entre 8 a 10 copos de água por dia: hidrate o organismo. 
  • Tenha uma alimentação equilibrada e rica em fibras: as fibras são essenciais para o bom funcionamento do intestino e para prevenir a obstipação. Não retire a casca quando comer fruta. 
  • Não ‘prenda’: um dos fatores associados às hemorroidas é a pressão aumentada no abdômen. Ao banheiro sempre que tiver vontade. 
  • Pratique exercício físico: a atividade física obriga o intestino a funcionar de forma regular. 
Continue lendo

SAÚDE

Remédio para diabetes usado para emagrecer preocupa médicos

Publicado

em

Ozempic: remédio usado para tratar diabetes também é utilizado na luta Fonte: Exame

Medicamento pode provocar enjoos, vômitos, diarreia e outros sintomas digestivos

Ozempic: remédio usado para tratar diabetes também é utilizado na luta 

Um medicamento lançado no Brasil em 2019 para o tratamento de diabete tem sido utilizado indiscriminadamente para a perda de peso. Isso acontece, muitas vezes, sem prescrição médica nem acompanhamento especializado de possíveis efeitos colaterais, como vômitos, problemas intestinais e no fígado. O uso indevido está sendo impulsionado por grupos no WhatsApp e no Facebook formados por pessoas que trocam dicas e relatos.

Alguns consultam endocrinologistas antes de tomar a semaglutida (nome genérico do medicamento). Outros iniciam o uso seguindo só orientações obtidas na internet, o que eleva o risco de efeitos indesejados.

No Facebook, um grupo fechado para falar sobre o Ozempic, nome comercial do produto, já soma mais de mil membros. Embora em sua descrição, a página não aborde especificamente o uso para a perda de peso, praticamente todos as publicações dos membros são sobre emagrecimento.

São frequentes na página relatos do histórico de quilos perdidos e da ocorrência de sintomas indesejados; indicações das doses mais adequadas para cada caso e até anúncio de pessoas revendendo o remédio. No WhatsApp, as publicações são semelhantes, mas os participantes também trocam dicas de alimentação saudável e mensagens incentivando colegas a seguirem com o objetivo da perda de peso, mesmo após dietas com pouco resultado ou efeitos colaterais do medicamento.

Segundo médicos, o remédio tem atraído cada vez mais adeptos porque, além de poder ser comprado sem receita, só exige uma aplicação semanal (ao contrário de outros medicamentos, que devem ser tomados ou aplicados diariamente).

“Algumas pessoas que usavam outros remédios estão migrando para esse por causa da praticidade do uso semanal, mas é muito perigosa a automedicação”, destaca Lívia Porto Cunha, endocrinologista do Centro Especializado em Obesidade e Diabetes do Hospital Alemão Oswaldo Cruz.

“Esse remédio até pode ser prescrito para obesidade na condição off label (quando o medicamento é indicado para algo diferente do expresso na bula), mas toda indicação desse tipo tem de ser muito criteriosa, feita por um especialista que vai avaliar os possíveis benefícios e potenciais efeitos colaterais”, explica a médica.

Riscos

Diretor do Departamento de Obesidade da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia e presidente da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e Síndrome Metabólica, Mário Carra concorda e ressalta que o acompanhamento médico é importante porque nem todos os pacientes respondem da mesma forma. “As pessoas querem tratar a obesidade sem ir ao médico. Acontece que as doses podem ser diferentes para cada paciente e há riscos e contraindicações”, destaca.

De acordo com os médicos, entre os efeitos colaterais mais comuns estão enjoos, vômitos e alterações intestinais, podendo o remédio causar tanto constipação quanto diarreia. “O remédio é um análogo de um hormônio que retarda o esvaziamento gastrointestinal, então a pessoa se sente mais cheia, saciada. Se ela mantém o hábito alimentar de antes, comendo a mesma quantidade de comida, pode ter esses efeitos colaterais”, afirma Lívia.

Especialistas ressaltam ainda que o remédio é restrito para gestantes, mulheres que amamentam, pessoas com problemas no fígado ou pâncreas ou com histórico de câncer de tireoide na família. “Há também risco de alergia a algum componente do remédio ou reação inflamatória no lugar da picada”, explica Carra.

Outro problema do uso sem orientação médica é a rápida recuperação do peso perdido após a suspensão do uso. “Quando o alicerce do tratamento é apenas medicamentoso, há grande risco de novo ganho de peso ao fim do tratamento”, diz Lívia. Ela ressalta que a estratégia para perder peso com remédios deve ser complementada com dieta e atividade física.

O laboratório farmacêutico Novo Nordisk, fabricante do Ozempic, afirmou que “de nenhuma forma endossa ou apoia a promoção de informações de caráter off label” e ressaltou que “o medicamento não foi aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para o tratamento da obesidade”.

Histórico

Não é a primeira vez que um remédio para diabete é usado de forma indevida para a perda de peso. Em 2011, o medicamento liraglutida (mais conhecido por seu nome comercial, Victoza) chegou ao Brasil para o tratamento de pacientes diabéticos. Ficou popular, porém, entre os interessados em perder peso. Na época, médicos também fizeram o alerta para os riscos do uso sem acompanhamento. Cinco anos depois, a mesma substância foi lançada para o tratamento da obesidade, mas em nova versão e com dosagens diferentes.

Nas redes, ela criou coragem para tomar

Embora esteja animada com o resultado obtido até agora com o remédio semaglutida, a empresária Luciana Manzo, de 48 anos, demorou a tomar coragem para iniciar o tratamento, mesmo após consultar um endocrinologista. Desde que começou a aplicar o medicamento, há um mês, já perdeu 3,5 quilos, mas conta que teve muito medo de iniciar o uso ao ler relatos de efeitos colaterais na internet.

“Entrei em grupos no Facebook e, quando vi os relatos, fiquei um pouco assustada porque tinha gente que passava muito mal. Embora eu tivesse comprado a injeção no começo de novembro, fiquei por quase um mês com ela na geladeira, sem coragem de tomar”, diz ela.

Luciana decidiu iniciar o uso ao tirar dúvidas com seu médico e, principalmente, ao ser incentivada por outras pessoas nas redes sociais. “Meu médico é de muita confiança, mas eu tinha medo de passar mal. Então fui lendo os relatos no Facebook e decidi criar um grupo no WhatsApp para falar sobre o assunto porque acho que lá os diálogos são mais participativos, diretos e dinâmicos. Teve um rapaz que me incentivou muito, então o grupo me ajudou a criar coragem para tomar.”

A empresária conta que os únicos efeitos colaterais que sentiu até agora foram uma leve dor de cabeça e intestino preso. Diz, no entanto, conseguir contornar os sintomas.

Luciana diz que, mesmo sabendo dos riscos de efeitos colaterais, optou pelo tratamento porque, além de estar sendo acompanhada por um especialista, estava frustrada com outras alternativas que havia tentado para emagrecer.

“Em 2016, tive um problema de saúde muito sério e tive de tomar corticoide. Engordei 15 quilos. Já tentei várias dietas e outros medicamentos, mas não tive o resultado esperado”, conta. “Minha mãe desenvolveu diabete por causa da obesidade e não quero passar por isso, quero continuar tentando emagrecer”, acrescenta.

Frustração

Ao contrário de Luciana, a advogada Cláudia Vieira, de 50 anos, não teve resultado com o uso do medicamento. “Estou usando há um mês e não sinto essa sensação maior de saciedade”, conta. “O problema é que é um remédio caro. Paguei R$ 600, e não estou tendo resultado nenhum”, conta ela.

PERGUNTAS & RESPOSTAS

1. Como funciona o remédio semaglutida e para quais doenças ele é indicado?

O medicamento é um análogo do hormônio GLP-1, que, entre outros efeitos, aumenta a secreção de insulina e, portanto, é indicado para o tratamento de diabete tipo 2. Ele recebeu o registro da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em agosto de 2018, mas chegou ao mercado só no ano seguinte.

2. Por que o remédio também está sendo usado como emagrecedor?

Porque, embora não tenha sido estudado para esse fim, o hormônio GLP-1 também tem a capacidade de retardar o esvaziamento do estômago, reduzindo o apetite e aumentando e prolongando a sensação de saciedade.

3. Ele foi aprovado para o tratamento da obesidade?

Não. Segundo indicação da bula, deve ser usado somente para o tratamento de diabete tipo 2. Isso porque, embora ele tenha demonstrado efeito emagrecedor, os estudos clínicos foram feitos somente com pacientes diabéticos. Segundo o fabricante do medicamento Ozempic, nome comercial da semaglutida, os estudos mostraram que o remédio promoveu uma redução da taxa de açúcar no sangue, do risco de morte cardiovascular, enfarte não fatal e Acidente Vascular Cerebral (AVC) não fatal.

4. Mesmo sem ser indicado para a obesidade, ele pode ser prescrito com esse fim?

Sim, mas somente por especialistas e com cautela. Os médicos até podem prescrever remédios na condição off label, ou seja, para uma doença ou condição diferente daquela indicada na bula, mas isso deve ser feito de forma muito criteriosa, com a análise do perfil de cada paciente e dos possíveis riscos. Os especialistas advertem que nem todos os pacientes respondem da mesma forma ao remédio.

5. Quais os riscos e efeitos colaterais do semaglutida?

O medicamento pode provocar enjoos, vômitos, diarreia e outros sintomas digestivos. Pode ser contraindicado para gestantes, mulheres que amamentam, pacientes com problemas hepáticos ou no pâncreas, pessoas com alguns tipos de tumor na tireoide ou histórico na família desse tipo de câncer. A análise detalhada dos riscos para cada paciente só pode ser feita por um médico especialista.

Continue lendo

SAÚDE

Parteiras renascem com mais segurança e técnicas tradicionais

Publicado

em

Por Heloisa Cristaldo - Repórter da Agência Brasil Brasília

Profissão ainda precisa de auxílio financeiro e regulamentação

Os sonhos frequentes com nascimento de bebês conduziram Naoli Vinaver, de 54 anos, para os caminhos da chamada parteria tradicional. A profissão milenar comemorada nesta segunda-feira (20) tem atraído o interesse de mulheres em todo o país.

Embora seja a única alternativa em diversos municípios, o parto normal e domiciliar auxiliado por parteiras ainda é cercado de mitos e desinformação. Para reverter esse cenário, mulheres que atuam na área buscam regulamentação e visibilidade para se consolidar como alternativa segura e natural.

A parteira Naoli cresceu na área rural de San Andres Tlalnelhuayocan, estado de Veracruz, no  México, e alia o conhecimento biomédico às práticas tradicionais, como aplicação de massagens para aliviar as dores do parto e o uso de chás com plantas medicinais. Ao longo de 40 anos de atividade, mais de 1,6 mil crianças já nasceram por meio de suas mãos.

“Durante três meses fiquei sonhando com partos e todos eles eram mulheres parindo, os bebês nascendo e eu ajudando. Os partos vinham com muitos detalhes, como se eu estivesse assistindo uma televisão e eu tinha que ajudar a essa mãe e esse bebê a um nascimento bem-sucedido. Depois dos sonhos, eu tinha que correr para biblioteca e começar a ler para entender o que eu tinha sonhado em um nível de fisiologia, anatomia, compreensão dos processos dos partos”, conta.

Naoli Vinaver segura bebês gêmeos após parto
Naoli Vinaver segura bebês gêmeos após parto – Arquivo pessoal

Segundo Naoli, nos casos em que atua, a taxa de transferência de mães e bebês para o hospital está abaixo de 2% – semelhante ao registrado pelas parteiras japonesas, consideradas referência no assunto. “Não conto com nenhuma morte materna, nenhuma morte de recém-nascido que não fosse por malformação incompatível com a vida, nenhum bebê morreu na minha mão. Eu me considero bem vinculada com a energia vital, de atrair a vida, de cuidar da vida”, diz.

Em geral, a gestante que opta pelo parto domiciliar com parteiras também faz o acompanhamento com a profissional. Segundo Naoli, o pré-natal inclui toda avaliação padrão, como acompanhamento de pressão sanguínea da mãe, crescimento do bebê, altura uterina, auscultação dos batimentos cardíacos do bebê. Há casos em que a gestante mantém as consultas regulares com médico obstetra.

As consultas com as parteiras, em sua maioria, são realizadas no local onde a gestante fará o parto, se estendem ao período após o nascimento do bebê e incluem o auxílio para amamentação. Quando é identificado risco para mãe ou bebê, o parto domiciliar pode ser descartado.

“É importante que a mulher entenda que biologicamente foi feita numa perfeição para engravidar, parir e maternar. Então, ela tem que reconectar, limpar preconceitos e medos culturais de que ela não é capaz, de que ela não é completa, de que o parto é perigoso. Isso é importantíssimo. A segurança vem do conhecimento, da informação e da conexão dela com o próprio bebê, com os processos do próprio corpo”, destaca.

Clarice Andreozzi atua como parteira em Brasília
Clarice Andreozzi atua como parteira em Brasília – Clarice Andreozzi/Arquivo pessoal/Direitos reservados

Para Clarice Andreozzi, de 44 anos, ser parteira tradicional foi um chamado divino, uma missão espiritual. Há 22 anos ela atua na área e já trouxe ao mundo 262 bebês. A decisão, segundo ela, ocorreu após sofrer violência obstétrica em sua primeira gestação. “A minha experiência de maternidade e pós-parto me colocou no apoio às mulheres. Por toda a violência que eu sofri durante o parto, no trabalho de parto. Uma gestação com pouca informação e um parto de muito desamparo e muita dificuldade me fez com que eu tivesse o desejo de acolher, pelo menos, as mulheres que estavam próximas a mim para que elas não sofressem como eu sofri”, conta.

Formada em biologia, a parteira associa conhecimentos técnicos e a espiritualidade para aliviar dores e facilitar a chegada de crianças ao mundo. “Uso muitas ervas durante os partos, banhos de assento e trabalho muito com a esfera da fé, o que a parteria tradicional acrescenta, que são os usos das ervas, das orações. Alio essa parte da parteira tradicional com o conhecimento da técnica para garantir que o trabalho de parto está desenvolvendo bem”, descreve. “Não tem nada mais gratificante, não tem preço e nem como valorar a grande dádiva de ver bebê chegando de uma maneira harmônica. Cada bebê que eu tenho prazer de receber em minhas mãos é uma benção”, acrescenta.

Segundo Clarice, a mulher que opta pelo parto natural tem que buscar informações. “É necessário ter muita consciência do seu corpo, um pré-natal muito bem feito, alimentação boa, estar consciente”, esclarece.

No Distrito Federal, o acompanhamento por uma parteira tradicional varia de R$ 5 mil a R$ 10 mil. O valor é negociado conforme as condições financeiras das gestantes e inclui tanto o período pré-natal, quanto parto e o atendimento após o nascimento do bebê. O trabalho também pode ser remunerado por meio de trocas – tanto de serviços como bens.

Cenário

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 140 milhões de nascimentos acontecem todos os anos, a maioria sem complicações para mulheres e bebês. A organização considera como “razoável” o índice de 15% dos nascimentos por meio de cesárias. No Brasil, 55,6% do total de partos realizados anualmente são cirúrgicos.

Para reverter esse cenário, a Agência Nacional de Saúde (ANS) realiza uma campanha voltada para gestantes e profissionais de saúde sobre os riscos da realização de cesáreas desnecessárias. Um dos objetivos da campanha é reduzir as altas taxas de cesarianas no país e também melhorar a experiência da maternidade para mães e bebês.

A aprendiz de parteira Mariana Almeida, de 33 anos, atua há seis anos na área para assegurar que mulheres possam escolher o parto domiciliar de forma segura e evitar aumentar as estatísticas brasileiras de partos por cesárias de forma desnecessária. Com apoio de ferramentas da medicina chinesa, como acupuntura, ervas e oráculos, Mariana afirma que “auxilia na comunicação do ventre e coração”.

“O parto não se resume apenas ao momento do nascimento, é necessária uma rede de apoio e atenção à mãe e bebê nas primeiras semanas, que são fundamentais para o desenvolvimento humano. Parto é um evento em comunidade, muitas funções estão envolvidas e ocupo hoje lugares orgânicos de acordo com a necessidade de cada família”, afirma.

Segundo Mariana, é preciso assegurar que o parto domiciliar seja realizado em segurança. “[É gratificante] ver o quão revolucionário é para a vida da mulher e para o desenvolvimento de seu bebê passar por uma gestação, parto e pós-parto, de forma respeitosa, com informação de qualidade, baseada na vida e não na doença, com seus direitos preservados, com autonomia sobre seu corpo e seu bebê. É ver a sabedoria que nos antecede tomando seu lugar de volta”, ressalta.

Possibilidade de escolhas

Segundo a ANS, o parto normal favorece o vínculo do bebê com a mãe, fortalece o sistema imunológico e melhora o ritmo cardíaco e o fluxo sanguíneo do bebê, além de favorecer o aleitamento e promover uma recuperação pós-parto mais rápida e menos dolorosa para a mãe.

A musicista e professora Valéria Lehmann Cavalcanti, de 35 anos, espera seu sexto filho e, pela sexta vez, deve realizar o parto em casa. Com gestações de baixo risco, quatro dos seus filhos vieram ao mundo com a ajuda de uma parteira tradicional.

As parteiras Mayra Calvete (esquerda) e Naoli Vinaver (direita) fazem checagem em bebês após o parto
As parteiras Mayra Calvete (esquerda) e Naoli Vinaver (direita) fazem checagem em bebês após o parto – Ana Paula Andrade/Arquivo pessoal/Direitos Reservados

“Às vezes, as pessoas acham que é falta de conhecimento [a escolha pelo parto normal], pelo contrário. Depois de estudar muito sobre o assunto, decidi por isso. Vi que era o mais adequado, o mais correto para a minha situação, porque não era uma gravidez de risco. Avaliando todas as evidências e pesquisas médicas, vi que é melhor do que ir para um hospital”, conta.

De acordo com a OMS, geralmente, um primeiro trabalho de parto não se estende além de 12 horas. Trabalhos subsequentes geralmente não se estendem além de 10 horas.

“O meu primeiro [trabalho de parto] foi o que mais demorou. Foram oito horas de trabalho de parto e aí depois só foi diminuindo o número de horas nas outras gestações. Achei muito bom poder estar livre em casa, na posição que eu quisesse, com meu marido, em um ambiente totalmente confortável para mim. [Um dos meus filhos] nasceu no chuveiro. Cada filho nasceu em um canto da casa”, lembra. “A melhor experiência que tive foi em uma piscina comprada especificamente para o parto. A água alivia muito a dor. O quarto filho foi tão rápido que não deu nem tempo de entrar na piscina”, completa.

Assim como Valéria, a psicóloga Marília Tomé, de 33 anos, também optou pelo parto natural e teve seu filho, o pequeno Tito, de 5 meses, em uma casa de parto particular, em Brasília. A casa tem estrutura hospitalar com o acompanhamento de obstetras e doulas.

“Não queria nenhuma intervenção médica desnecessária no meu corpo ou no corpo do meu bebê, entendendo que o parto natural é um evento biológico natural da mulher, quando não há nenhum problema de saúde com a mulher ou com o bebê, pode acontecer sem nenhuma intervenção medicamentosa ou hospitalar”, explica. “Em um hospital, existe um protocolo de intervenções onde algumas são desnecessárias e agressivas para o bebê, e a mãe tem pouca participação nessas decisões, muitas vezes até sobre as posições mais confortáveis para parir e aliviar as contrações”, completa.

Regulamentação da profissão

Mayra Calvete com mãe Renata e bebê após o parto
Naoli Vinaver com mãe Renata e bebê após o parto – Arquivo pessoal

Atualmente, tramita na Câmara dos Deputados um projeto de lei (PL) que regulamenta a profissão das parteiras tradicionais. De autoria do deputado Camilo Capiberibe (PSB-AP), a proposta prevê qualificação básica de parteira tradicional, pelo Ministério da Saúde ou por secretarias estaduais de Saúde, além do pagamento de um salário mínimo.

O PL 912/19 estabelece ainda que o Sistema Único de Saúde (SUS) fornecerá às parteiras tradicionais todos os equipamentos, os instrumentos cirúrgicos e os materiais de consumo necessários à adequada prestação dos serviços. Além disso, determina que a parteira deverá encaminhar a gestante ou a parturiente para avaliação médica quando for constatada gestação ou parto considerado de alto risco.

“Utilizando-se de suas mãos, de uma bacia com água e de uma tesoura ou material cortante, fazem o parto de acordo com as condições encontradas no local: à luz de vela, de lamparina ou, até mesmo, de fogueira. Dirigem-se à casa da grávida a pé, a cavalo, de bicicleta, da forma que for possível. E se não fosse pela atuação dessas mulheres resolutas, não temos dúvidas de que a mortalidade materna e perinatal apresentaria números muito maiores”, avalia o autor da proposta, deputado Camilo Capiberibe.

Segundo o parlamentar, estima-se que existam mais de 60 mil parteiras em atuação no Brasil, sendo 45 mil nas regiões Norte e Nordeste. No Estado da Bahia, conforme cálculo da Rede Nacional de Parteiras Tradicionais, haveria entre 7 mil e 8 mil. No Pará, 6 mil, no Tocantins, em Mato Grosso e em Minas Gerais, mais de 5 mil. Elas são responsáveis pela realização de 450 mil partos todos os anos.

“Mesmo diante da expressividade dos números apresentados, verificamos que as parteiras ainda trabalham em condições muito aquém das desejadas. Isso deve-se, em grande parte, ao preconceito com que a categoria é vista, sendo evidente a resistência que determinadas corporações profissionais oferecem à disseminação do parto humanizado”, argumenta Capiberibe.

Data

O Dia da Parteira Tradicional foi incluído no calendário nacional em 2015. A data tem como base a comemoração celebrada no estado do Amapá, que já homenageava a categoria em 20 de janeiro.  A data é o aniversário da parteira tradicional mais antiga de Macapá, Juliana Magave de Souza. Nascida em 1908, ela teria realizado cerca de 400 partos.

Atualmente, o Ministério da Saúde define como parteira tradicional a profissional que presta assistência ao parto domiciliar baseada em práticas tradicionais e é reconhecida pela comunidade como parteira.

Segundo a pasta, o Programa Trabalhando com Parteiras Tradicionais recolocou a melhoria do parto e nascimento domiciliar assistidos por parteiras tradicionais na pauta de discussão com estados e municípios, como uma responsabilidade do SUS e uma atribuição da Atenção Primária à Saúde.

Essas profissionais não são remuneradas pelo governo federal. A pasta informou que, em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), realiza capacitação de parteiras tradicionais no estado do Amazonas, região onde a prática é bastante estabelecida. Até o momento, 416 parteiras tradicionais foram capacitadas.

Brasília: Mariana Almeida, que está estudando para ser parteira.  (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Mariana Almeida está estudando para ser parteira em Brasília – Marcelo Camargo/Agência Brasil
Continue lendo

Facebook

Propaganda

Copyright © 2018. A Província do Pará Todos Direitos Reservados . Desenvolvido por Corpes Digital