Conecte-se Conosco

Tecnologia

Motoristas da Uber planejam greve para 8 de maio; brasileiros podem parar

Publicado

em

Foto: Reprodução / Via: The Verge

Motoristas da Uber e da Lyft continuam insatisfeitos com as condições de trabalho e práticas de pagamento das empresas. Para protestar contra esses fatores, estão planejando uma greve de duas horas em várias grandes cidades dos EUA e Reino Unido na próxima quarta-feira (8). A paralisação vai coincidir com abertura de capital da Uber na Bolsa de Valores de Nova York, que ocorre no dia 9 de maio.

Os condutores cadastrados no aplicativo no Brasil também mostraram interesse em participar da manifestação, que pode causar escassez de veículos nas principais capitais brasileiras e, consequentemente, pode elevar o custo das corridas para o usuário final, graças ao preço dinâmico praticado pelo aplicativo. A reclamação tenta pressionar o app a revisar seus preços e oferecer um pagamento mais justo aos motoristas, que têm visto os preços dos combustíveis aumentarem consideravelmente nos últimos meses sem um reajuste das tarifas.

Condutores em Nova York, Filadélfia, Boston e Los Angeles devem entrar em greve das 7h às 9h da quarta-feira, de acordo com a organização trabalhista New York Taxi Workers Alliance. Motoristas de várias cidades do Reino Unido, incluindo Londres, Birmingham, Nottingham e Glasgow, também participam da paralisação. Os trabalhadores se dizem insatisfeitos com o encolhimento dos salários, a ausência de benefícios, a falta de transparência em relação ao desligamento motoristas e a pouca voz dentro da empresa. Eles pedem pelo fim do preço inicial de corrida e do teto na tarifa por viagem que devem pagar às companhias.

A data dos protestos indica que a intenção dos grupos também seja prejudicar o valor de mercado da Uber, atrapalhando o desempenho dos aplicativos durante os horários de pico matinal do dia anterior à estreia da companhia no mercado  de ações. Com a abertura do capital, a Uber espera alcançar um valor de mercado entre US$90 bilhões e US$100 bilhões que, se atingido, será um dos maiores IPOS de tecnologia da história.

O Senador democrata Bernie Sanders se posicionou a favor da paralisação por meio da sua conta no Twitter. “A Uber diz que não pode pagar mais dinheiro aos seus motoristas, mas recompensou seu CEO [Dara Khosrowshah] com quase US$ 50 milhões no ano passado. As pessoas que trabalham para empresas multibilionárias não devem ter que trabalhar 70 ou 80 horas por semana para sobreviver. Eu estou com os motoristas do Uber e do Lyft na greve em 8 de maio”, escreveu Sanders.

As reclamações dos motoristas da Uber sobre condições de trabalho são constantes – e a própria empresa reconhece o problema. Na solicitação à Comissão de Títulos e Câmbio dos Estados Unidos (SEC, na sigla em inglês) no mês passado, na qual declarou sua intenção de se tornar pública, a empresa admitiu que a insatisfação dos trabalhadores deve aumentar à medida que reduzisse a quantidade de gastos com incentivos para condutores.

“Além disso, estamos investindo em nossa estratégia de veículos autônomos, o que pode aumentar a insatisfação do motorista ao longo do tempo, já que pode reduzir a necessidade de condutores humanos”, observou a empresa no documento.

Motoristas da Uber e da Lyft em Nova York receberam uma melhoria recente no salário devido a uma lei aprovada pela Câmara Municipal que exige que empresas de mobilidade por aplicativo paguem, pelo menos, US$ 17,22 por hora de trabalho. A determinação de baseia na “taxa de utilização”, que representa a parcela de tempo que um motorista gasta com os passageiros em seus veículos em comparação ao tempo ocioso e à espera de uma corrida.

Em uma nota ao The Verge, um porta-voz da Uber se defendeu listando algumas vantagens oferecidas para alguns motoristas, como bônus salarial e faculdade de quatro anos gratuita. Por sua vez, um representante da Lyft disse que os salários dos condutores aumentaram nos últimos dois anos.

A Uber tem um histórico complicado com protestos de motorista. Em janeiro de 2017, a New York Taxi Workers Alliance anunciou uma greve no Aeroporto JFK para protestar contra um decreto do presidente Donald Trump, que proibia a entrada no país de refugiados de seis países de maioria muçulmana. A Uber foi acusada de sabotar a greve, o que causou forte reação negativa entre os motoristas. Pilotos tuitaram fotos de si mesmos, excluindo o aplicativo com a hashtag #DeleteUber. A reação durou semanas, resultando em uma série de escândalos e demissão em massa de executivos, situação da qual a empresa ainda está se recuperando.

Por outro lado, é difícil organizar uma greve devido à rede muito difusa de motoristas da Uber e da Lyft. Além disso, os trabalhadores são classificados como independentes e, como tal, tendem a agir em seu próprio interesse. Desse modo, embora seja certo que uma parcela significativa de condutores desconecte os aplicativos em protesto, é provável que outros vejam a paralisação como uma oportunidade de lucro.

Continue lendo
Clique para comentar

Tecnologia

Bolsonaro decide, finalmente, usar celulares criptografados da Abin

Publicado

em

Foto: Reprodução / Via: O Globo

No início do ano, foi amplamente divulgado que o presidente da República, Jair Bolsonaro, usava seu celular privado para trocar mensagens com os membros do governo via WhatsApp. Falou-se muito sobre a polêmica, mas pouco se fez. Agora, depois dos supostos vazamentos dos diálogos do então Ministro da Justiça, Sérgio Moro, e do possível hacking de outros membros do Legislativo brasileiro, a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e seus celulares criptografados entrarão em ação… finalmente.

Uma das funções da equipe da Abin é desenvolver mecanismos de proteção e criptografia com o objetivo de proteger as comunicações do presidente e de ministros de Estado. Logo, se o ministro Moro estivesse usando um dos aparelhos da Abin desde o início do seu mandato, talvez, este suposto vazamento não teria acontecido. Digo suposto, pois, em nenhum momento o canal que vazou os diálogos, o The Intercept Brasil, afirmou que as informações tenham sido fruto de um hackeamento, isso nas palavras do editor-chefe, Glenn Greenwald.

Com a adesão dos celulares da Abin, tanto o presidente da república quanto integrantes do Executivo passarão a tratar assuntos sigilosos apenas através de aparelhos criptografados, ou seja com uma tecnologia que protege os dados destes dispositivos.

Contudo, como informado ao jornal O Globo, os telefones desenvolvidos pela Abin não permitem a instalação de WhatsApp, Telegram e redes sociais. Logo, quem não vai ficar muito contente com isso é o presidente Bolsonaro, que utiliza este tipo de aplicativo para se comunicar com a população.

Continue lendo

Tecnologia

Telegram tem fama de seguro, mas é o mais vulnerável

Publicado

em

Foto: Reprodução / Fonte: Portal Terra

Usado pelo ministro da Justiça, Sérgio Moro, e os procuradores do Ministério Público Federal da Operação Lava Jato, segundo o site The Intercept Brasil, o aplicativo de mensagens Telegram tem fama de ser mais seguro que rivais como o WhatsApp, mas é mais vulnerável que eles.

Ao contrário do concorrente, o Telegram não utiliza criptografia de ponta a ponta por padrão. Isso permite que mensagens enviadas pelo app possam ser interpretadas corretamente ao serem interceptadas quando circulam pela infraestrutura da internet. O aplicativo russo até tem uma função que aplica o uso de criptografia, o Chat Secreto, mas esta deve ser ativada pelos participantes da conversa para ser utilizada.

Quando a criptografia de ponta a ponta está ativada, como acontece no WhatsApp, apenas o emissor e o receptor da mensagem têm acesso ao seu conteúdo. Isso porque só as duas pontas da comunicação (daí o nome da tecnologia) têm acesso a uma chave que decifra as informações, que trafegam “embaralhadas” pela internet. Assim, mesmo se forem interceptadas, as mensagens não podem ser decodificadas por hackers.

É um recurso que nem sempre esteve disponível no WhatsApp – o app só implementou essa função em 2016, bem na época em que sofreu diversos bloqueios judiciais aqui no Brasil. A tecnologia é uma faca de dois gumes: ao mesmo tempo em que resguarda o sigilo das conversas dos usuários, também explica por que é difícil identificar quem espalha notícias falsas pelo aplicativo.

Foi também nessa época que o Telegram se tornou conhecido no Brasil – em dias de bloqueios ao WhatsApp, chegou a ganhar milhões de usuários no País. Hoje, o serviço russo tem 200 milhões de usuários no mundo – muitos deles, seduzidos pela imagem de um serviço mais seguro que o rival. Isso fazia sentido lá atrás, mas não hoje.

O Telegram tem ainda diversas funções que sacrificam a segurança do usuário em troca de conveniência – como a que permite que seus usuários façam proveito do app em qualquer plataforma, sem depender de ter seu telefone celular por perto. Para isso, o Telegram armazena um histórico de mensagens na internet – e não no aparelho do usuário. Uma hipótese provável, considerando isso, é a de que o hacker teve acesso a uma das contas envolvidas na conversa e baixou o histórico de mensagens.

Além disso, o Telegram só apaga mensagens se a conta não for acessada pelo usuário por pelo menos seis meses.

Continue lendo

Tecnologia

WhatsApp vai levar à Justiça casos de mensagens em massa

Publicado

em

Foto: Reprodução / *Folhapress

O WhatsApp informou que vai levar à Justiça casos de violação dos termos de serviços da plataforma com práticas abusivas, como envio de mensagens em massa ou automatizadas. A informação foi publicada em um comunicado na página da empresa.

Segundo a nota, o texto serve como aviso de que a empresa passará a tomar as medidas legais a partir do dia 7 de dezembro de 2019 contra as ocorrências, mesmo que as informações obtidas sobra as violações vierem de fora da plataforma, como anúncios de empresa que dizem ter a habilidade de fazer os disparos.

Se as atividades forem detectadas pela tecnologia da plataforma, a empresa diz que as medidas podem ser tomadas antes dessa data.

– Este é um desafio que requer uma abordagem holística. O WhatsApp está comprometido a utilizar todos os recursos à disposição dele, incluindo processar, se necessário for, para evitar abusos contra nossos termos de serviço, como o envio de mensagens em massa ou utilização comercial – diz um trecho do comunicado.

 

Continue lendo

Destaque