Conecte-se Conosco

ESPORTES

Palmeiras derrota o Vasco fora de casa e é campeão brasileiro

Publicado

em

Deyverson sai do banco e faz o gol do título alviverde na vitória por 1 a 0 no estádio São Januário

O Campeonato Brasileiro tem um campeão indiscutível. Invicto há 22 jogos, dono do maior número de vitórias, time que mais marcou gols e que menos sofreu na competição, o Palmeiras bateu o Vasco por 1 a 0 neste domingo em São Januário e chegou ao seu décimo título nacional. A festa no Rio, em São Paulo e Brasil afora é do Palmeiras.

A conquista deste domingo coroa uma campanha quase irrepreensível a partir da reta final do primeiro turno. Depois de um início titubeante sob o comando de Roger Machado – que deixou a equipe em julho, na sétima posição –, o clube paulista trouxe de volta o velho conhecido Felipão e não perdeu mais na competição.

Decacampeão:

principais personagens

O título também demonstra mais uma vez que enquanto bons times vencem jogos, bons elencos vencem campeonatos. E o Palmeiras tem os dois. O décimo título nacional do clube se tornou realidade mesmo que Felipão tenha usado mais de duas dezenas de jogadores diferentes ao longo do Brasileirão. Ainda assim, diante do Vasco a equipe chegou a 22 partidas sem perder.

Felipão muda o Palmeiras e conduz o time ao decacampeonato brasileiro

Foto: Sergio Barzaghi/Gazeta Press

O jogo deste domingo, contudo, não foi uma exibição de encher os olhos. Contra os cariocas, o Palmeiras jogou como se estivesse administrando a vantagem na tabela do Brasileirão e não parecia ter pressa em vencer.

Com Felipe Melo e Bruno Henrique firmes à frente da área, a equipe fez um primeiro tempo sem sobressaltos na defesa e pouco inspirado no ataque. Dudu iniciou no lado direito e terminou na outra ponta. Lucas Lima, sem espaço para criação, estava pouco inspirado. Mais à frente, Willian se limitava a passes laterais e Borja era figura nula.

O que pareceu motivar o Palmeiras foram os dois gols do Flamengo sobre o Cruzeiro em Minas, resultado que levava a definição do campeonato para a última rodada. Coincidência ou não, na etapa final a equipe paulista resolveu avançar suas linhas e a ser mais incisivo na frente. Deyverson entrou na vaga de Borja, Scarpa substituiu Lucas Lima e as chegadas esporádicas ao gol de Fernando Miguel passaram a ser mais comuns.

O gol que começou a sacramentar o título surgiu aos 27, e nasceu de uma jogada bem tramada do ataque palmeirense. Dudu lançou Willian pelo lado da área e o atacante tocou no meio para Deyverson, completamente livre, mandar para o gol.

A abertura do placar significou também o começo da festa do torcedor palmeirense que lotou seu espaço no São Januário – e também de alguns que se infiltraram em meio à torcida vascaína. Dentro de campo, fez ainda o Palmeiras retomar o cuidado defensivo visto no primeiro tempo. O time decidiu parar de ir ao ataque. E nem precisava mesmo. O título nacional, o décimo da história, já era do Palmeiras.

Relembre jogos e marcas importantes do Palmeiras na campanha do decacampeonato

 FICHA TÉCNICA

VASCO X PALMEIRAS

VASCO – Fernando Miguel; Luiz Gustavo, Werley, Leandro Castan e Henrique (Willian Maranhão); Desábato (Raul), Andrey, Pikachu, Thiago Galhardo e Kelvin (Marrony); Maxi López. Técnico: Alberto Valentim.

PALMEIRAS – Weverton; Mayke, Luan, Gustavo Gómez e Diogo Barbosa; Felipe Melo, Bruno Henrique e Lucas Lima (Gustavo Scarpa); Dudu, Borja (Deyverson) e Willian (Jean). Técnico: Luiz Felipe Scolari.

GOLS – Deyverson, aos 27 do segundo tempo.

ÁRBITRO – Rafael Traci (PR).

CARTÃO AMARELO – Desábato, Leandro Castán, Andrey e Andrés Rios (no banco) (VAS); Felipe Melo, Bruno Henrique, Gustavo Gomez, Deyverson e Jean (PAL).

CARTÃO VERMELHO – Yago Picachu.

RENDA – R$ 596.810,00.

PÚBLICO – 21.066 pagantes (21.966 presentes).

LOCAL – Estádio São Januário, no Rio.

Continue lendo
Clique para comentar

FUTEBOL

Botafogo vence o Avaí e deixa a zona de rebaixamento

Publicado

em

Botafogo derrota o Avaí Foto: Vítor Silva/Botafogo

O Botafogo jogou mal e foi vaiado pela própria torcida. Mesmo assim, jogou o suficiente para vencer o lanterna Avaí por 2 a 0, nesta segunda-feira (11), no Engenhão. Ricardo, contra, marcou o primeiro gol da partida e Diego Souza, de pênalti, decretou a vitória.

O resultado é fundamental para o Botafogo, que chega aos 36 pontos e pula para a 14ª posição no Campeonato Brasileiro. O clube alvinegro volta a campo no domingo, quando visitará o Athletico-PR, na Arena da Baixada

O Avaí, por sua vez, caminha a passos largos para a Série B. O time segue na lanterna com apenas 17 pontos e volta a campo na próxima segunda contra o Cruzeiro, no Mineirão.

O JOGO
Pressionado após entrar em campo pela primeira vez na zona de rebaixamento, o Botafogo iniciou a partida com muitos erros. Visivelmente nervoso, o time tentou impor seu ritmo, mas não conseguia trocar muitos passes seguidos. A paciência da torcida já estava reduzida e alguns chiados puderam ser ouvidos logo nos primeiros minutos.

Mal em campo, o Botafogo abriu o placar sem construir uma boa jogada sequer. Aos 12min, Cícero fez lançamento buscando Igor Cássio. Ricardo se antecipou ao atacante e fez o corte, mas a bola foi na direção do gol e encobriu Vladimir: 1 a 0.

Imediatamente, o Botafogo passou a recuar sua linha de marcação para dar campo ao Avaí. O objetivo era encaixar um contra-ataque e matar o duelo. O problema é que os visitantes gostaram do jogo e passaram a levar perigo aos donos da casa.

A chance que o Botafogo tanto queria veio aos 31min com Igor Cássio. O Avaí errou na saída de bola e Rhuan deu belo passe para o centroavante, que ganhou no corpo da defesa e, livre, finalizou para grande defesa de Vladimir.

A partir da metade do primeiro tempo, o Botafogo passou a colecionar chances perdidas em contra-ataques. Alex Santana participou das duas jogadas mais claras, mas nem o melhor finalizador do time foi capaz de colocar a bola na rede. O clube alvinegro não matava o confronto e via o adversário levar perigo apesar da fragilidade.

Após o intervalo, o Avaí voltou a campo com uma nova postura. O time partiu para cima logo no primeiro lance do segundo tempo e quase marcou com Caio Paulista. Ele fez boa jogada pela direita e finalizou duas vezes para defesa de Gatito Fernández.

O Avaí dominava a partida, mas não conseguia criar chances reais de gol. O Botafogo, por outro lado, era pressionado, mas, quando chegava ao ataque, se aproximava do segundo gol. A torcida não gostava nada do que via e cobrava o time por uma melhor atuação.

O jogo estava perigoso, mas Diego Souza tratou de resolver o problema. O camisa 7 deu passe para Lucas Campos, que foi derrubado dentro da área. O centroavante foi para a cobrança e decretou a vitória do clube alvinegro, agora fora da zona de rebaixamento do Brasileiro.

Continue lendo

ESPORTES

Cristiano Ronaldo com pior início de temporada desde 2006

Publicado

em

Texto por ogol.com.br

Cristiano Ronaldo viveu situação atípica na última semana ao ser substituído em dois jogos consecutivos. O craque português chegou a deixar o estádio mais cedo no clássico entre Juventus e Milan, um sinal de insatisfação com a decisão do técnico Maurizio Sarri. Em sua defesa, Sarri pode alegar que CR7 não tem entregado em campo o que dele se espera: uma chuva de gols. Com 34 anos, é natural que Cristiano Ronaldo não esteja em seu auge. No entanto, o ídolo português tem se mantido no topo ano após ano, mantendo um vigor físico incomum para um atleta veterano. Mas a queda de rendimento neste início de temporada já preocupa: é o pior desempenho do atacante em 13 anos. Com seis gols em 14 jogos, Cristiano Ronaldo tem uma média decente, mas muito abaixo do seu histórico. O jogador só marcou menos gols nos 14 primeiros jogos no inicio da carreira, no Manchester United, quando ainda não tinha se transformado em uma máquina de fazer gols. Em 2006/07, CR7 tinha quatro gols nesta altura. Apesar de tudo, Cristiano Ronaldo segue sendo o artilheiro da Juventus na temporada. Paulo Dybala, com cinco gols, é o segundo na lista, com o diferencial de não ser titular absoluto da equipe. No domingo, Dybala foi o substituto de Ronaldo, e autor do gol da vitória por 1 a 0. O argentino tem precisado de menos tempo em campo para marcar. CR7 ainda é titular absoluto na Juve, mas é preciso ficar atento: o tempo não perdoa nem mesmo os craques.

Continue lendo

ESPORTES

Chloé Calmon conquista título sul-americano de longboard, em Maresias

Publicado

em

WSLBrasil/Direitos reservados/Por Agência Brasil Rio de Janeiro

O brasileiro Carlos Bahia venceu a etapa masculina da WSL

A carioca Chloé Calmon levantou pela primeira vez neste domingo (10) o troféu de campeã sul-americana da etapa Oi Longboard Pro, realizada pela World Surf League (WSL), na Praia de Maresias, no litoral norte de São Paulo.  Na grande final, a brasileira voltou a enfrentar a peruana Fernanda Reyes, número dois no ranking: em agosto, no Pan-Americano de Lima, no Peru, Chloé faturou a medalha de ouro após vencer Reyes na final. 

Ontem (10) a peruana liderou boa parte da bateria com notas 6 e 4 mas, no minuto final, a carioca pegou um boa onda, esbanjou habilidade em cima do pranchão, vencendo de forma emocionante: conseguiu nota 7, totalizando 11,80 pontos, contra 10 pontos obtidos pela peruana.

O ano de 2019 pode ser ainda mais generoso para Chloé: na primeira semana de dezembro a surfista disputa a etapa de Taiwan da WSL e pode se tornar a primeira brasileira campeã mundial de longboard feminino.

Longboard masculino

O surfista Carlos Bahia também brilhou na etapa da WSL na Praia de Maresias, ao bater na final o peruano Piccolo Clemente, que no sábado (9) já havia conquistado o tetracampeão sul-americano. Carlos Bahia levantou a torcida que lotava a areia de Maresias, neste domingo (10), ao disputar a semifinal com o bicampeão mundial, o carioca Phil Rajzman. Carlos Bahia cravou nota 9 e avançou à final contra o peruano tetracampeão Piccolo Clemente.

A decisão foi eletrizante: os dois surfistas foram se alternando na liderança da bateria. O peruano começou levando nota 7,25.  O brasileiro passou à frente com 8,50.  No final, mais emoção: Piccolo Clemente voltou à liderança ao receber nota 7,75 mas Carlos Bahia conseguiu pegar uma onda que lhe rendeu  6,95  nota suficiente para se sagrar campeão da etapa da WSL com 15,45 pontos, contra 15,0 do peruano. Festa verde e amarela no litoral norte de São Paulo.

Continue lendo

Copyright © 2018. A Província do Pará Todos Direitos Reservados . Desenvolvido por Corpes Digital