quarta-feira, julho 24, 2024
Desde 1876

Israel aguarda resposta do Hamas sobre proposta para suspender conflito em Gaza

Israel está esperando que o Hamas responda à proposta para a suspensão dos combates em Gaza e o retorno dos reféns israelenses antes de enviar uma delegação ao Cairo para continuar as negociações, disse uma pessoa próxima ao primeiro-ministro Benjamin Netanyahu. Com a chegada do secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, a Tel Aviv na noite de terça-feira, após uma visita a Riade para ajudar a mediar um acordo de normalização entre a Arábia Saudita e Israel, tem crescido a pressão para um acordo que interrompa a guerra.

As expectativas de que um acordo possa estar à vista aumentaram nos últimos dias, após um novo esforço liderado pelo Egito para retomar as negociações paralisadas entre Israel e o Hamas.

Mas até agora, existem poucos sinais de acordo sobre a diferença mais fundamental entre os dois lados: a exigência do Hamas de que qualquer acordo garanta a retirada das tropas e o fim permanente da operação israelense em Gaza.

“Não podemos dizer ao nosso povo que a ocupação irá continuar ou que a luta será retomada depois de Israel recuperar os seus prisioneiros”, disse um responsável palestino de um grupo aliado do Hamas.

“Nosso povo quer que esta agressão acabe”, completou.

Para Netanyahu, qualquer medida será provavelmente afetada por divisões no seu próprio gabinete entre ministros que pressionam para trazer para casa pelo menos alguns dos 133 reféns israelenses deixados em Gaza, e a linha-dura que insiste no ataque há muito prometido às restantes formações do Hamas na cidade de Rafah.

Uma incursão em Rafah acontecerá “com acordo ou sem acordo”, disse Netanyahu nesta terça-feira, acrescentando que terminar a guerra antes de atingir os seus objetivos estava “fora de questão”.

“ÚLTIMA CHANCE”

Mas as autoridades israelenses afirmaram que a operação poderá ser adiada se o Hamas aceitar o acordo oferecido – que não inclui nenhum cessar-fogo definitivo, mas o retorno de 33 reféns vulneráveis em troca de um número muito maior de prisioneiros palestinos e de uma pausa limitada nos combates.

“No que diz respeito a Israel, esta é a última oportunidade de adiar uma invasão em Rafah. As FDI já começaram a mobilizar tropas para essa operação”, disse um segundo oficial israelense, falando sob condição de anonimato devido à natureza sensível da fala.

A posição de Netanyahu também foi complicada por rumores de que o Tribunal Penal Internacional (TPI) poderá estar preparando mandados de prisão para ele e para outros líderes de Israel por acusações relacionadas com a condução da guerra.

Até agora, o TPI nada disse para confirmar a especulação, o que levou o ministro de Relações Exteriores israelense, Israel Katz, a alertar as embaixadas do país no exterior para reforçarem a sua segurança.

Fonte/Imagem CNN Brasil

artigos relacionados

PERMANEÇA CONECTADO

0FansLike
0FollowersFollow
21,900SubscribersSubscribe
- PUBLICIDADE-
Prefeitura

Mais recentes

×
Pular para o conteúdo