sábado, julho 20, 2024
Desde 1876

Região do Baixo Tocantins registra primeira captação de órgão para transplante

A Central Estadual de Transplantes do Pará (CET-PA), vinculado à Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), efetivou na última sexta-feira (23), a primeira captação de órgãos para transplante da região do Baixo Tocantins. O processo aconteceu no Hospital Regional do Baixo Tocantins Santa Rosa (HRBTSR), em Abaetetuba e, foi autorizado pelos familiares de uma jovem de 22 anos, que faleceu após um acidente de moto.

O processo de doação dos órgãos foi iniciado pela Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes – (CIHDOTT), do Hospital Santa Rosa, e em seguida coordenado pela equipe da CET-PA, que fez rodo o processo de acolhimento dos familiares da doadora, além da organização das etapas que antecederam a captação dos órgãos.

Uma equipe multiprofissional esteve reunida, o que permitiu a retirada de duas córneas, dois rins e um fígado. Ao todo, cinco pessoas serão beneficiadas com os órgãos e consequentemente, vão ganhar uma nova vida, graças ao gesto generoso dos pais da doadora.

O fígado e os rins foram levados pelo helicóptero do Governo do Estado, pelo médico Rafael Romero Garcia, e as córneas por ter um tempo de viabilidade maior para ser transplantada seguiu via terrestre com a coordenadora do CET/SESPA, Ierecê Miranda e a equipe do Banco de Olhos que realizou a retirada das córneas. O fígado será transplantado pelo mesmo médico que realizou a captação do órgao na Santa Casa de Misericórdia do Pará, cujo receptor foi selecionado por critérios de compatibilidade. Já os rins vão ficar na sede da Central de Transplantes para posteriormente serem encaminhados para um receptor assistido pela equipe de transplante renal, em Belém, e o outro rim para um receptor na cidade de Redenção, no sul do Pará, onde o mesmo é assistido pela equipe do Hospital Regional Público do Araguaia, informou Ierecê Miranda coordenadora da CET-PA

“A doação de órgãos é um gesto de amor ao próximo que muda o destino, traz a saúde de volta e faz a diferença na vida de muitas pessoas. Que o gesto dessa família possa sensibilizar cada vez mais a população da Região do Baixo Tocantins e de todo o Pará, a buscarem informações e experimentar do gesto mais nobre do ser humano, que é ajudar alguém que não conhece, como acontece com a doação de órgãos”, ressaltou a coordenadora. 

Para Ivete Vaz, titular da Sespa, a atuação da equipe foi fundamental para que a captação acontecesse. “Estamos felizes e orgulhos por conseguir essa, que é a primeira captação de órgão para transplante na região do Baixo Tocantins, onde outras pessoas terão a oportunidade de ter uma nova chance de vida. Agradecemos, principalmente, aos familiares da doadora, que fizeram este ato solidário e compreenderam a importância de uma doação”, ponderou a secretária. 

Referência – O HRBTSR, administrado pela Organização Social Instituto Diretrizes, disponibilizou toda a estrutura necessária para a realização da cirurgia de captação dos órgãos. A unidade é pioneira na captação de órgãos para transplante na Região do Baixo Tocantins e do interior do Estado do Pará.

“A união e o empenho de todos possibilitou que o processo tivesse sucesso. Além disso, a atuação rápida da equipe após o diagnóstico da paciente foi muito importante para a preservação dos órgãos. Mas nada seria possível sem a aceitação da família, que conseguiu transformar a dor da perda em esperança para outras pessoas que dependem do transplante para viver”, enfatizou o diretor-geral do Hospital Santa Rosa, Claudemir Gonçalves.

“Ser o hospital pioneiro na captação de órgãos no interior do estado, e contribuir com o transplante de órgãos é um passo muito importante para o Hospital Santa Rosa. Graças ao comprometimento do Instituto Diretrizes, temos estrutura, equipamentos e equipe qualificada para acompanhar todo o processo e é gratificante ver o resultado positivo. Em meio à dor da perda, a doação de órgãos ressignifica a morte e transforma a tristeza em ato de amor”, acrescentou o diretor.

Homenagens – Antes do procedimento de retirada dos órgãos, a equipe assistencial junto com os profissionais do Hospital Santa Rosa, realizaram um “corredor humano” para a caminhada do respeito, no trajeto entre a UTI e o Centro Cirúrgico. Um gesto simbólico em que todos estão de mãos dadas em agradecimento e em homenagem à memória da paciente, solidarizando-se com a família da doadora.

Protocolo – O procedimento para coleta, transporte e transplante de órgãos segue normas rígidas, protocoladas na Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa). Pacientes com diagnóstico de morte encefálica é considerado doador em potencial. O processo de captação inicia com o contato com a família, quando são consultados sobre a possibilidade de doação dos órgãos. Caso concordem, é realizada uma série de exames para confirmar o diagnóstico. A notificação da morte encefálica é obrigatória por lei.


Texto: Wellington Hugles-ASCOM/HRBTSR

Fonte: Agência Belém/Foto: Pedro Guerreiro/Ag Pará

artigos relacionados

PERMANEÇA CONECTADO

0FansLike
0FollowersFollow
21,900SubscribersSubscribe
- PUBLICIDADE-
Prefeitura

Mais recentes

×
Pular para o conteúdo