quinta-feira, maio 30, 2024
Desde 1876

Líderes mundiais condenam ataque do Irã a Israel

Líderes de países como França, Espanha, Reino Unido e também da UE (União Europeia) condenaram o ataque do Irã a Israel, realizado no sábado. Segundo as FDI (Forças de Defesa de Israel), foram lançados mais de 300 drones e mísseis. Os militares israelenses interceptaram 99% deles.

O Itamaraty declarou  que está acompanhando com “grave preocupação” o conflito entre Irã e Israel. Não condenou o ataque. “Desde o início do conflito em curso na Faixa de Gaza, o governo brasileiro vem alertando sobre o potencial destrutivo do alastramento das hostilidades à Cisjordânia e para outros países, como Líbano, Síria, Iêmen e, agora, o Irã”, diz a nota publicada no site do Ministério das Relações Exteriores.

O presidente dos EUA, Joe Biden, disse na noite de sábado que condena “nos termos mais veementes possíveis” o ataque “sem precedentes” do Irã a Israel. Ele quer que os líderes do G7 coordenem “uma resposta diplomática unida ao ataque descarado” dos iranianos.

O presidente do governo da Espanha, Pedro Sánchez, falou em uma “longa e angustiante noite em que foi confirmada a dimensão do ataque perpetrado pelo Irã”. Em publicação no X feita neste domingo (14.abr), disse que o governo da Espanha condena o ataque.

O presidente da França, Emmanuel Macron, escreveu neste domingo (14.abr) no X que condena o ataque “sem precedentes” contra Israel, algo “que ameaça desestabilizar a região”. Ele declarou: “A França está trabalhando com os seus parceiros na desescalada e apela à contenção”.

Rishi Sunak, primeiro-ministro do Reino Unido, emitiu um comunicado na noite de sábado (13.abr) em que diz que “o Irã demonstrou mais uma vez que pretende semear o caos no seu próprio quintal”. Ele afirmou que os ataques, que chamou de “imprudentes”, podem “inflamar tensões e desestabilizar a região” e declarou que o Reino Unido “continuará a defender a segurança de Israel” e de todos os parceiros regionais.

O Alto Representante da UE (União Europeia) para os Negócios Estrangeiros, Josef Borrell, disse no sábado (13.abr) que o ataque representa uma “escalada sem precedentes e uma grave ameaça à segurança regional”.

Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia, classificou neste domingo (14.abr) o ataque como “flagrante e injustificável”. Ela escreveu no X: “Apelo ao Irã e aos seus representantes para que cessem imediatamente estes ataques. Todos os intervenientes devem agora abster-se de uma nova escalada e trabalhar para restaurar a estabilidade na região”.

A Presidência da Argentina emitiu na noite de sábado (13.abr) um comunicado em que diz reconhecer o direito de uma nação se defender e “respalda de forma enfática” que Israel realize ações em favor de sua soberania.

Premiê da Itália, Giorgia Meloni declarou no X, neste domingo (14.abr.2024), que o governo italiano “reitera a sua condenação dos ataques iranianos contra Israel”. Segundo ela, os líderes do G7 vão se reunir para discutir o assunto. “Expressamos forte preocupação com uma maior desestabilização da região e continuamos trabalhando para evitá-la”, escreveu.

O chanceler alemão, Olaf Scholz, disse no sábado (13.abr) no X que o ataque é “injustificável e altamente irresponsável”. Ele escreveu: “A Alemanha apoia Israel e discutiremos a situação com os nossos aliados”.

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, condenou o ataque em publicação no X neste domingo (14.abr). “Nós, na Ucrânia, conhecemos muito bem o horror de ataques semelhantes por parte da Rússia”, escreveu. “Devem ser feitos todos os esforços para evitar uma nova escalada no Oriente Médio. As ações do Irã ameaçam toda a região e o mundo, tal como as ações da Rússia ameaçam um conflito maior”, continuou.

“O mundo não pode esperar que as discussões continuem. As palavras não param os drones e não interceptam mísseis. Somente a assistência tangível o faz”, disse. “Temos de reforçar a segurança e combater resolutamente todos aqueles que querem fazer do terror uma nova normalidade. É fundamental que o Congresso dos Estados Unidos tome as decisões necessárias para fortalecer os aliados dos EUA neste momento crítico”, afirmou.

Em comunicado divulgado neste domingo (14.abr), o Ministério das Relações Exteriores do Japão disse que o governo do país está “está profundamente preocupado com os ataques, que deterioram ainda mais a situação atual no Oriente Médio” e “condena veementemente tal escalada”.

Lê-se na nota: “O Japão reitera a sua determinação em continuar envidando todos os esforços diplomáticos necessários para evitar uma maior deterioração da situação, tomando ao mesmo tempo todas as medidas possíveis para proteger os cidadãos japoneses no exterior”.

CONTEXTO

Daniel Hagari, porta-voz das FDI (Forças de Defesa de Israel), disse neste domingo (14.abr.2024) que, durante o ataque do Irã a Israel, foram lançados mais de 300 drones e mísseis “de vários tipos”. Os militares israelenses interceptaram 99% deles, afirmou Hagari, “uma conquista estratégica muito significativa” para o país.

O militar declarou ser “importante dizer” que a ameaça “não terminou” e que os militares israelenses vão “continuar preparados e prontos para novos desenvolvimentos”.

Israel e Irã nunca tinham se envolvido em um conflito direto. A capital do Irã, Teerã, está a 1.585 km de Tel Aviv, sede das embaixadas em Israel.

A região vive tensão elevada depois que um ataque à embaixada iraniana na Síria deixou ao menos 8 mortos em 1º de abril. Os 2 países atribuíram a culpa do ataque a Israel. Israel anunciou, antes do ataque, uma série de medidas para prevenção interna. O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, havia dito que o país está preparado “para a possibilidade de um ataque direto” e convocou o gabinete de guerra para uma reunião.

Imagem: Reprodução

artigos relacionados

PERMANEÇA CONECTADO

0FansLike
0FollowersFollow
21,800SubscribersSubscribe
- PUBLICIDADE-
Prefeitura
Banpara

Mais recentes

×
Pular para o conteúdo