segunda-feira, junho 17, 2024
Desde 1876

Veneno de aranha brasileira pode ser peça-chave para tratamento do câncer

Pesquisadores do Instituto Butantan e da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein revelaram uma descoberta promissora no tratamento do câncer, utilizando uma molécula encontrada no veneno de uma aranha brasileira, da espécie caranguejeira, nativa do litoral de São Paulo. A molécula, obtida por um processo inovador, mostrou potencial ao eliminar células de leucemia em testes in vitro.

A substância, extraída do veneno da aranha Vitalius wacketi, foi sintetizada e manteve sua atividade antitumoral na versão artificial, segundo Pedro Ismael da Silva Junior, do Laboratório de Toxinologia Aplicada do Butantan. A pesquisa, desenvolvida ao longo de mais de 20 anos em parceria entre as instituições, já possui patente e está pronta para avançar para novas fases de desenvolvimento.

Um diferencial significativo do composto é sua capacidade de induzir a apoptose, a morte programada das células tumorais, evitando reações inflamatórias. Thomaz Rocha e Silva, pesquisador do Einstein, destacou que, ao contrário de outras estratégias no mercado, a nova molécula brasileira é mais simples e barata, o que pode facilitar sua introdução no mercado.

Imagem: Reprodução

artigos relacionados

PERMANEÇA CONECTADO

0FansLike
0FollowersFollow
21,800SubscribersSubscribe
- PUBLICIDADE-
Prefeitura
Banpara

Mais recentes

×
Pular para o conteúdo