terça-feira, maio 28, 2024
Desde 1876

Julgamento de Trump por documentos secretos é adiado por tempo indeterminado

A juíza Aileen Cannon, que supervisiona o processo do ex-presidente Donald Trump pelos documentos secretos encontrados na mansão de Mar-a-Lago, Flórida, adiou por tempo indeterminado o início do julgamento, que estava previsto para o dia 20 de maio. A decisão reduz as chances de desfecho antes das eleições americanas, em novembro.

No parecer de cinco páginas, a juíza Aileen Cannon disse que seria imprudente marcar a data antes que uma série de questões legais delicadas envolvendo o uso de provas confidenciais em julgamentos seja considerada. Não há prazo para o início do julgamento.

Na audiência, em março, a defesa insistiu que Trump só deveria ser julgado depois das eleições ou não antes de agosto. A acusação, liderada pelo promotor especial Jack Simth, sugeriu o começo em julho.

O líder do Partido Republicano responde por 40 acusações relacionadas à gestão indevida de documentos sigilosos e obstrução dos esforços para recuperá-los. O caso motivou a operação de busca histórica do FBI na casa do ex-presidente na Flórida e à descoberta de arquivos confidenciais, incluindo informações sobre segredos nucleares, programa de mísseis do Irã e esforços da inteligência americana envolvendo a China.

Trump é o primeiro ex-presidente da história americana a enfrentar acusações criminais. São cerca de 90 ao todo. Atualmente, ele é julgado em Nova York pela suposta compra de silêncio da atriz pornô Stormy Daniels antes das eleições de 2016. Vários dos advogados que o representam no Tribunal de Manhattan também fazem a sua defesa na Flórida.

Donald Trump responde ainda a dois processos pelas tentativas de reverter a derrota para Joe Biden, em 2020. A ação federal está parada à espera da decisão da Suprema Corte, que analisa o pedido de imunidade para o ex-presidente. O caso que tramita no Estado da Georgia também não tem data para ir à julgamento.

Enquanto tenta voltar à Casa Branca, sua defesa tem esgotado todos os recursos na tentativa de empurrar os processos para depois das eleições. Se eleito, Trump poderia ordenar ao novo procurador-geral que rejeitasse acusações federais contra ele ou até mesmo conceder perdão a si mesmo.

*AE

Fonte: Pleno News/ Foto: EFE/EPA/SHAWN THEW

artigos relacionados

PERMANEÇA CONECTADO

0FansLike
0FollowersFollow
21,800SubscribersSubscribe
- PUBLICIDADE-
Prefeitura
Banpara

Mais recentes

×
Pular para o conteúdo