quarta-feira, abril 17, 2024
Desde 1876

Lula assinará decreto que, na prática, adia pesquisa de petróleo na Foz do Amazonas

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva assina decreto de qualificação da organização social que vai administrar o Centro de Bionegócios da Amazônia (CBA). O objetivo da medida é agregar valor e intervenção novos negócios baseados nos recursos naturais da região.

Fontes do Ministério do Meio Ambiente e Mudanças Climáticas (MMA) confirmaram que o presidente Lula está prestes a assinar um decreto que terá profundas repercussões na exploração de petróleo na Foz do Amazonas. A medida, que visa a Avaliação Ambiental de Área Sedimentar (AAAS), pode efetivamente adiar a pesquisa de petróleo na região, gerando debates acalorados sobre o equilíbrio entre preservação ambiental e desenvolvimento econômico.

Segundo informações do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), a ausência da AAAS foi uma das razões fundamentais para a negativa do pedido de licença da Petrobras para perfurar um poço de exploração de combustíveis fósseis no bloco FZA-M-59, situado na Foz do Amazonas. Este bloqueio levanta preocupações significativas sobre a viabilidade ambiental de projetos de exploração petrolífera em áreas sensíveis.

A iminência do decreto presidencial tem polarizado opiniões. Enquanto alguns defendem a medida como um passo crucial para proteger ecossistemas vulneráveis, outros criticam sua potencial influência negativa no desenvolvimento econômico da região. A Petrobras e certas alas do governo têm manifestado pressão pela liberação da pesquisa de petróleo, argumentando que isso poderia impulsionar a economia local.

A Foz do Amazonas, além de ser uma área de extrema sensibilidade ambiental, é palco de uma batalha entre conservacionistas e defensores do desenvolvimento econômico. Estudos recentes, como o realizado pelo Greenpeace e pelo Instituto de Pesquisa Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá (IEPA), destacam os potenciais impactos adversos da exploração petrolífera na região, incluindo aumento do custo de vida local e pressão sobre Terras Indígenas e Áreas Protegidas.

Até o momento, o debate sobre a exploração de petróleo na Foz do Amazonas tem sido amplamente político, com pouca participação efetiva da população local. O resultado final desse embate terá implicações duradouras não apenas para o meio ambiente, mas também para o futuro econômico da região e para o bem-estar das comunidades afetadas.

Imagem: Reprodução

artigos relacionados

PERMANEÇA CONECTADO

0FansLike
0FollowersFollow
21,600SubscribersSubscribe
- PUBLICIDADE-
Governo do Estado
banpara

Mais recentes

×
Pular para o conteúdo