domingo, julho 21, 2024
Desde 1876

Assinado convênio para implementação do projeto Acelera Escola de Reciclagem em Belém

Com a assinatura do convênio entre Aliança Internacional pelo Combate à Poluição do Plástico (AEPW), Instituto Pragma e Prefeitura de Belém para implementação do projeto Acelera Escola de Reciclagem, a capital paraense se torna pioneira na implantação do Projeto Acelera Escola de Reciclagem, tendo em vista a Conferência das Nações Unidas Sobre Mudanças Climáticas (COP-30). A cerimônia de assinatura ocorreu nesta terça-feira, 2, no auditório do Palácio Antônio Lemos, com a presença de líderes e cooperativas de catadores.

Projeto Acelera Escola de Reciclagem será uma central mecanizada que permitirá que os resíduos de Belém sejam encaminhados para reciclagem. A iniciativa fará com que Belém se torne uma capital à frente, referência de modelo de projeto de reciclagem para ser apresentado durante a COP-30. 

“A implementação de um projeto que  vai ampliar reciclagem é fundamental. O projeto está previsto para ser implantado a partir de julho desse ano. E deve ser inagurado em setembro do próximo ano”, explicou o presidente do Instituto Pragma, Dione Manetti. “Mas a ideia ê que essa unidade, que começa com trezentas toneladas, gradativamente vá ampliando a sua capacidade de receber os resíduos. A área está sendo definida com a Prefeitura de Belém e também com a Secretaria de Patrimônio da União do Governo Federal”.

O prefeito Edmison Rodrigues detalhou o projeto: “O Projeto Acelera Escola de Reciclagem é uma parceria entre dois grandes movimentos, a Pragma, que é um instituto que tem o objetivo de, a partir das cooperativas de coleta, selecionar os resíduos com objetivo da reciclagem. (O que por muitos é visto como lixo, deixa de ser lixo e passa a ser matéria-prima pra muitos produtos). E, ao mesmo tempo, será financiada por um movimento internacional bancada por 80 cooperações mundiais que sustentam a aliança internacional para o fim do plástico. De modo que objetivo é a reciclagem do plástico, é o inventivo, portanto, às cooperativas que reciclam resíduos, principalmente o plástico. Isso vai gerar emprego e renda, e tornando Belém mais sustentável”, destacou o prefeito.

O Secretaria Geral da Presidência da República, Flávio Schuc, afirmou que Belém será exemplo “de um experimento muito interessante e o governo federal está muito interessado para que, junto com experimentos que estamos mapeando, constituir a base de uma política pública de caráter nacional para fechamento de lixão e a inclusão socioeconômica dessas pessoas”.

Cidade mais sustentável

O presidente da Cooperativa Filhos do Sol, João Jorge, está com expectativas positivas para participar do processo de implantação do projeto sustentável, “conforme o andamento do projeto nós vamos traçar um plano de trabalho pra ajudar a população, a Belém e a todos pra gente, quando chegar em 2025, ter uma das melhores COPs”, disse João.

Participaram do evento o representante da Aliança Internacional pelo Combate a Poluição do Plástico (AEPW), Mark Stumpf; presidente do Instituto Pragma, Dione Manetti; presidente da Aliança Internacional dos Catadores e Rede Latino Americana e Caribenha de Catadores, Severino Lima; representante do Departamento de Novas Economias do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Lucas Ramalho Maciel; representante do Ministério do Trabalho e Emprego, Fernando Zambam; Secretaria Geral da Presidência da República, Flávio Schuc.

Texto: Joyce Assunção

Fonte: Agência Belém/Foto: Diney Souza/Ag Belém

artigos relacionados

PERMANEÇA CONECTADO

0FansLike
0FollowersFollow
21,900SubscribersSubscribe
- PUBLICIDADE-
Prefeitura

Mais recentes

×
Pular para o conteúdo