domingo, julho 21, 2024
Desde 1876

PF faz operação contra ex-servidores da Abin e influenciadores do suposto “gabinete do ódio” por espionagem ilegal

A Polícia Federal (PF) realizou na manhã desta quinta-feira, 11, a quarta fase da Operação Última Milha, com o objetivo de desarticular uma organização criminosa envolvida no monitoramento ilegal de autoridades públicas e na produção de notícias falsas, utilizando sistemas da Abin. Policiais federais estão cumprindo cinco mandados de prisão preventiva e sete mandados de busca e apreensão, expedidos pelo Supremo Tribunal Federal, nas cidades de Brasília (DF), Curitiba (PR), Juiz de Fora (MG), Salvador (BA) e São Paulo (SP).

Os alvos da operação incluem ex-servidores cedidos para a Abin e influenciadores digitais associados ao suposto “gabinete do ódio” do Governo Bolsonaro (PL).

As investigações desta fase revelaram, de acordo com a PF, que membros dos Três Poderes e jornalistas foram vítimas das ações do grupo, que criou perfis falsos e divulgou informações sabidamente falsas.

Segundo a PF, a suposta “organização criminosa” também acessou ilegalmente computadores, aparelhos de telefonia e infraestrutura de telecomunicações para monitorar pessoas e agentes públicos.

“Os investigados podem responder, na medida de suas responsabilidades, pelos crimes de organização criminosa, tentativa de abolição do Estado Democrático de Direito, interceptação clandestina de comunicações e invasão de dispositivo informático alheio”, informou a PF em nota.

A Agência Brasileira de Inteligência (Abin) utilizou um programa secreto chamado FirstMile para monitorar a localização de alvos pré-determinados por meio de aparelhos celulares. Após uma reportagem do jornal O Globo, a Polícia Federal abriu um inquérito que identificou o uso da ferramenta para monitorar políticos, jornalistas, advogados e adversários do governo do ex-presidente Jair Bolsonaro.

Segundo a Polícia Federal, além de policiais federais e servidores da Abin, o então diretor da agência à época, Alexandre Ramagem, e o vereador do Rio de Janeiro, Carlos Bolsonaro, estão sendo investigados por suposta participação na chamada “Abin paralela”. Ambos foram alvos de mandados de busca e apreensão e negam as acusações.

Fonte e imagem: Gazeta Brasil

artigos relacionados

PERMANEÇA CONECTADO

0FansLike
0FollowersFollow
21,900SubscribersSubscribe
- PUBLICIDADE-
Prefeitura

Mais recentes

×
Pular para o conteúdo